Azeda corrupção na ABI. Na Federação dos Jornalistas o mando do peleguismo

A coisa tá feia para os jornalistas. Sem associações e sindicatos fortes, a profissão sofre: baixos salários, passaralhos; jornalistas ameaçados, exilados e assassinados; stalking policial, assédio judicial, censura, autocensura; assédio moral, assédio sexual nas redações “gaiolas de ouro”. Um empregado que não pensa no amanhã.

 Azêdo quer ser presidente eterno da ABI

por Carlos Newton

Decisão da juíza Maria da Glória Bandeira de Melo anula a eleição da ABI, e determina a realização de novo pleito. A decisão atendeu os argumentos do advogado Jansen Oliveira, que representa a Chapa “Vladimir Herzog – Uma ABI para todos”, que é encabeçada pelo jornalista Domingos Meirelles.

Na sentença, a magistrada destaca que irregularidades perpetradas pela Comissão Eleitoral “demonstram às escâncaras a inadmissível desigualdade no tratamento entre a chapa da situação, Prudente de Morais, e a concorrente, Vladimir Herzog, integrada pelos autores, com o nítido propósito de afastar esta última da disputa, mantendo-se, a primeira, presidida há nove anos pelo jornalista Oscar Maurício da Lima Azedo, na administração da entidade ré”.

Assinalando que foi “maculada de forma indelével a eleição”, destaca a juíza Maria da Glória Bandeira de Melo: “Verificam-se evidências gritantes de que o processo eleitoral foi dirigido de forma parcial e temerária pela então administração da ré, a fim, repita-se, de inviabilizar o registro da chapa dos autores, garantindo para a chapa da situação uma eleição sem concorrentes e sem impugnações. Assim é que, em consonância com a decisão de fls. 129, ficam ampliados os efeitos da tutela antecipada inicialmente deferida, para tornar sem efeito a eleição ocorrida no dia 26 de abril próximo passado, devendo ser realizada outra com escorreita observância ao Regulamento Eleitoral e dos princípios da isonomia, transparência e publicidade que devem nortear as disputas eleitorais, que é o que se espera, em especial, de instituição do gabarito e respeitabilidade da ré (ABI)”.

(Transcrito da Tribuna da Imprensa)

 

As eleições do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de  Pernambuco foram mais viciadas que a da ABI. Aconteceu de tudo nos pleitos para escolher as diretorias do Sinjope e da Fenaj.