“Fui demitido como incompetente do JC”, desbafa o cineasta Celso Marconi Lins

Escreve o jornalista Ricardo Antunes: Um dos nosso maiores jornalistas da “velha guarda”, crítico e cineasta fez revelações inéditas sobre sua passagem pelo jornalismo impresso.

Aos 83, Celso Marconi Lins participou da chapa de oposição ao Sindicato, liderada por Talis Andrade, e diz como sobreviveu depois que saiu do jornal. Vale a leitura. Aqui

DEMISSÕES NO JORNAL

 

 

De Celso Marconi Lins

 

 

É por isso que eu não gosto de capitalista. Nesse regime onde existe gente que somente pensa em multiplicar seu dinheiro sem nenhuma consideração com o humano não pode haver alegria. Demitem como se fosse para o bem da empresa e vão simplesmente tomar um vinho. Uma pessoa como Marcos Toledo totalmente competente é demitido. E tantos outros. Alguns, confesso, que nem mais conhecia.

Me lembrei da minha demissão do JC em 1988 logo que João Carlos Paes Mendonça assumiu o jornal. Fui demitido como se fosse incompetente dito por Ivanildo Sampaio embora que ele um tempo desses me encontrasse no Rio Mar e falasse comigo como se nada tivesse acontecido.

Eu vivi até agora e já fazem quase 30 anos da minha demissão. Como esses 15 do JC que foram demitidos também viverão. Mas claro que tive muito prejuízo. Inclusive para minha aposentadoria. Meu advogado foi, me desculpe, incompetente. E era ligado ao Sindicato.

O JC assinou minha carteira profissional mas não me pagou. Me deve até hoje. E por isso o cálculo da minha aposentadoria foi apenas pelo que eu ganhava na Universidade Católica.

Só sobrevivo porque tinha um trabalho como funcionário público. Sempre trabalhei em três ou quatro cantos para poder sobreviver com os meus filhos. Que hoje graças aos seus esforços vivem bem. São todos doutores. Enfim temos que acabar com essa raça de capitalista pois quem age assim não merece perdão. Não sou violento. Sou tranqüilo. Mas não perdôo capitalista.

 

Nota do editor deste blogue:

Uma vida exemplar. Um nome memorável. Um nome que faz um jornal ser acreditado. Celso Marconi Lins formou várias gerações e continua com suas imprescindíveis lições além do jornalismo e do cinema… (T.A.)

 

 

 

 

 

 

Jornal do Comércio do Recife na defensiva de Cunha

O último jornal 

.

Compare as manchetes dos jornais de hoje

.

BRA_OG cunha volta dinheiro

BRA_OE vola dinheiro Cunha

Bahia
Bahia

BRA_CB cunha volta dinheiro

BRA^PE_JDC cunha acuado defensiva

Charge do dia do JC, o último jornal a defender, abertamente, os crimes de Cunha.

E noticia: O presidente da Câmara afirmou nesta quinta-feira (22), que aqueles que defendem sua renúncia por conta de denúncias na Operação Lava Jato também deveriam, pelo mesmo “parâmetro”, pedir a saída da presidente Dilma Rousseff.

“Eu acho graça de alguns que vêm aqui falar da minha renúncia, mas não pedem da presidente Dilma. Leia mais

Ainda no Jornal do Comércio:

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse na noite desta quinta-feira (22) que vai “cumprir até o último dia” de seu mandato e que aqueles que pedem sua renúncia deveriam avaliar primeiro a situação da presidente Dilma Rousseff (PT).

“A presidente da República foi reeleita pela maioria dos votos em segundo turno. Hoje, ela não tem o apoio de um dígito da população e, nem por isso, eu estou cobrando que ela renuncie”, disse Cunha.

Na verdade, segundo a última pesquisa Datafolha, 8% da população avalia o governo da petista como ótimo e bom. Isso dá a ela, portanto, um dígito de aprovação.

Cunha fez a comparação de sua situação com Dilma ao ser questionado pelo presidente da Alesp, Fernando Capez (PSDB-SP), se pensava em renunciar. O deputado do PMDB concedeu entrevista à TV Legislativa, aproveitando sua passagem pela capital paulista para participar de uma sessão solene na Assembleia.

“A renúncia é um ato unilateral e eu vou cumprir até o último dia do meu mandato”, afirmou Cunha. “Fui eleito com a maioria absoluta dos deputados no primeiro turno, contra o governo e contra a oposição. Então, não são gestos ou movimentos de governo e oposição que vão me constranger”, concluiu.

A oposição voltou a pedir nesta semana o afastamento de Cunha do cargo para que ele possa se defender das acusações de que manteve patrimônio não declarado fora do país e usou dinheiro hospedado em conta na Suíça para pagar despesas pessoais de sua família. Ele também é acusado de receber propina desviada de contratos da Petrobras.

Apesar disso, deputados adversários do governo têm poupado Cunha de críticas públicas. Já integrantes da base aliada têm cobrado a renúncia de Cunha em atos na Câmara.

“Aqueles que acham que eu não deveria continuar, que não devem me apoiar mais mais, não tem problema, é o direito de cada um. Mas fui eleito pela maioria absoluta dos votos em primeiro turno”, rebateu Cunha.

O deputado voltou a dizer que é alvo da divulgação “seletiva” de denúncias, numa ação coordenada para desgastá-lo. Ele chegou a dizer que, nos bastidores, brincam que não existe a Lava Jato. “Existe a Lava Cunha.” Confira 

Cunha versus Dilma

O Jornal do Comércio do Recife vinha noticiando que havia um imaginário acordo entre Eduardo Cunha, Dilma Rousseff e Lula da Silva. Uma mentira, apesar de repetida, que não pegou.

Agora, o jornal golpista do empresário João Carlos Paes Mendonça vem com essa de Cunha bater em Dilma. De Cunha levar vantagem em tudo.

BRA^PE_JDC cunha versus dilma
Esta manchete escandalosa foi para esta notícia: A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira (20), que seu governo “não está envolvido em nenhum escândalo de corrupção”. A declaração foi feita instantes depois de ela afirmar que não comentaria “as palavras” do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que na segunda-feira (19) acusou o governo brasileiro de estar envolvido “no maior escândalo de corrupção do mundo“.

Dilma concedia entrevista coletiva ao lado do presidente da Finlândia, Sauli Niinistö, quando foi questionada sobre a acusação feita por Cunha na véspera, em Brasília. “Primeiro, não vou comentar as palavras do presidente da Câmara”, afirmou a presidente. “Segundo, o meu governo não está envolvido em nenhum escândalo de corrupção. Não é o meu governo que está sendo acusado”, argumentou.

De acordo com Dilma, o escândalo da Petrobras não é do seu governo, mas dos envolvidos que praticaram crimes. “As pessoas que estão envolvidas estão presas, e não é a empresa Petrobras que está envolvida no escândalo. São pessoas que praticaram corrupção, e elas estão presas”, sustentou.

Dilma afirmou ainda que está retomando a governabilidade. “Nós estamos reconstituindo a base política de sustentação do governo E é absolutamente garantido que nós vamos ultrapassar essa crise”, disse a presidente, que hoje deve enfrentar um novo pedido de abertura de processo e impeachment na Câmara.

Dilma garantiu, ainda, que seu governo não está inviabilizado, apesar da ação da oposição. “Eu acredito que o objetivo da oposição pode ser inviabilizar a ação do governo”, afirmou. “Mas a ação do governo não será inviabilizada pela oposição, faça ela quantos pedidos de impeachment fizer.”

 Florianópolis
Florianópolis

Jornal de João Carlos Paes Mendonça ridiculariza Dilma Rousseff

Na campanha golpista para derrubar Dilma Rousseff, o Jornal do Comércio (Recife) divulga, nas versões impressa e on line, uma série de memes criados pelos movimentos de retorno da ditadura, e como propaganda de uma marcha programada para hoje de apoio a Eduardo Cunha, o ladrão que preside a Câmara dos Deputados, com o apoio dos “taradinhos do impeachment”.

coxinhas milhões cunha

Dos memes publicados, selecionei apenas dois relacionados com o texto sórdido e desonroso.

Eis a reportagem sacana, escruto deboche de um jornalismo marrom, vergonhoso, sectário, fanático e de lesa-majestade:

Memes de Dilma viralizam na internet com pérolas da presidente

De uma saudação à mandioca até a necessidade de uma tecnologia para o estoque de vento são os destaques

meme contra dilma

De uma “saudação à mandioca” até a necessidade de uma tecnologia para o “estoque de vento”.

Algumas frases da presidente Dilma Rousseff, incompreensíveis para qualquer homo sapiens sapiens – ou “mulheres sapiens”–, têm encontrado um terreno fértil na mente dos internautas que não perdoam e transformam em galhofa os deslizes da mandatária.

Os analistas apontam que tais representações, que lembram as tradicionais charges políticas, são mais comuns em anos eleitorais, mas estão aparecendo muito agora por conta da crise brasileira. Desde que não insultem, as representações precisam ser vistas com bom humor e não como uma agressão pessoal.

Até agora, a pérola mais célebre e replicada nas redes sociais foi dita na apresentação dos Planos e Metas do Programa Pronatec Jovem Aprendiz, em julho, quando Dilma solenemente proferiu: “Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”. Pronto, é só colocar hoje no Google a palavra “meta” para que o buscador dê, entre outras, a opção “meta Dilma”, que leva o internauta ao conjunto de piadas feitas a partir da fala confusa da petista.

O cientista político e especialista em comunicação política Flávio Falcão lembra que não só a presidente é alvo dos memes, e que esse tipo de manifestação é usada, principalmente com teor crítico, em todas as áreas da sociedade. “Mas a atual conjuntura no Brasil leva a presidente para o centro das atenções. O ex-presidente Lula tinha frases tão célebres quanto Dilma, mas o petista não era tão retratado quanto ela pela popularidade que tinha”, explica. “É um resquício ainda da campanha eleitoral em que, nos debates, se faltaram propostas concretas para o País, foram férteis em momentos que permitiram os memes.”

O que o especialista pontua é a diferença entre meme e agressão, não se enquadrando na categoria do primeiro os insultos que também são vistos circulando na rede.

Outro que bombou na web foi a exaltação feita pela presidente à mandioca. Em discurso no lançamento dos Primeiros Jogos Mundiais dos Povos Indígenas, em junho, ela saudou algo que, pelo menos em discursos oficiais, nenhuma outra autoridade tinha tido a sensibilidade de lembrar. “Então, aqui, hoje, eu tô saudando a mandioca, uma das maiores conquistas do Brasil”, disse ela. A plateia sorriu e aplaudiu, bem diferente do que aconteceu nas redes sociais, com uma enxurrada de memes e críticas.

O especialista em marketing político digital Flávio Mendes recomenda que o melhor a fazer pela equipe da presidente, como de outro político que for alvo dos memes, é ter bom humor e tornar a brincadeira um trunfo em que a imagem do político seja associada a algo leve. “É um fenômeno mais ligado ao envolvimento maior da população com a internet do que com as falas, muitas vezes, sem sentido”, afirma. No mais, é só um aperitivo da criatividade do brasileiro que vai ser ainda mais explorada nas eleições do ano que vem.

meme contra dilma 2

Sistema Jornal do Comércio Comunicação de João Carlos Paes Mendonça continua na campanha golpista para derrubar Dilma

Entre os barões da mídia, João Carlos Paes Mendonça ainda resiste na trincheira da conspiração para derrubar Dilma Rousseff, apesar das benesses recebidas dos prefeitos petistas do Recife e da construção do Via Mangue.

Nos terrenos doados pelo governo para construir a fábrica de rum Bacardi e manguezais
Nos terrenos doados pelo governo para construir a fábrica de rum Bacardi e manguezais

BRA^PE_JDC joao paes mendonça

Hoje, o Jornal do Comércio publica a foto de Dilma de cabeça para baixo, com o seguinte texto  em defesa do mandato de Eduardo Cunha, para ele presidir o impeachment de Dilma.

Publica o JC:

Os grupos que lideram as manifestações de rua pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff desistiram de atuar em conjunto e mudaram suas estratégias de ação. Com o objetivo de pressionar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a deferir a petição assinada pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr e Janaina Paschoal, eles desistiram de convocar mais uma grande manifestação nacional, como as que ocorreram em agosto e março, e optaram por promover ações diárias de rua nos moldes dos atos promovidos em 2013 em São Paulo pelo Movimento Passe Livre (MPL), que defendia a redução das tarifas de transporte público. “Faremos manifestações todos os dias até o dia que o Cunha apresentar o impeachment” , diz Carla Zambelli, porta-voz da Aliança dos Movimentos Democráticos. [Desistiram porque não conta com o apoio do povo. Quem vai marchar por Cunha e os “taradinhos do impeachment?. Aécio convocou várias marchas, e todas resultaram em ruas vazias dos sem teto, dos sem terra, dos sem nada]

O primeiro ato, que está marcado para este domingo, na Avenida Paulista, será bem mais modesto que os anteriores. “Não teremos carros de som nem os bonecos infláveis, que estão em outras cidades”, diz a ativista. [Carla Zambelli?]

Mary Marigliano junto á Carla Zambelli do Nas Ruas,Marcos Maher e Marcello Reis fundador do Revoltados Online.
Mary Marigliano junto á Carla Zambelli do Nas Ruas,Marcos Maher e Marcello Reis fundador do Revoltados Online.

Já Vem Pra Rua marcou sua manifestação para segunda-feira, no Largo da Batata, em Pinheiros. “Será um modelo mais dinâmico. Não vai ter carro de som. E dessa vez não vamos ficar parados. Faremos uma marcha pelo impeachment”, diz o porta-voz do VPR, Rogério Chequer.

Ele diz que o grupo deve promover um novo ato nos mesmos moldes na quinta-feira se Eduardo Cunha não der andamento ao pedido.

José Serra (PSDB) e Rogério Chequer
José Serra (PSDB) e Rogério Chequer

Apesar de atuarem separadamente, os grupos anti-Dilma adotaram a mesma tática: pressionar o presidente da Câmara, mas sem pedir seu afastamento do comando da Casa ou a cassação de mandato.

Na semana passada, o PSOL e a Rede entraram com uma representação no Conselho de Ética da Câmara contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por quebra de decoro parlamentar.

O pedido está fundamentado no documento enviado na semana passada ao PSOL pela Procuradoria-Geral da República (PGR), após um pedido formal do partido, confirmando que Cunha mantém contas bancárias secretas na Suíça.

“Eduardo Cunha não é nosso aliado é nosso aliado estratégico, mas também não estamos pedindo a cassação de outros acusados (na Operação Lava Jato). Não temos recurso para isso”, diz Rogério Chequer. [“Aliado estratégico”, que diabo é isso?]

golpe cunha dilma pastores paulinho bolsonaro

[JC mente, deturpa e exagera:}Em abril, os grupos reuniram 701 mil pessoas, segundo a polícia, ou 1,5 milhão, segundo os organizadores. Os números foram menores do que nos atos de 15 de março, que reuniram 2,4 milhões de pessoas, segundo a polícia, ou 3 milhões, segundo os organizadores. Em agosto foram 375 mil pessoas, segundo a Polícia Militar. [Comentários entres colchetes do editor deste blogue]

.

.