A tortura imposta por Sérgio Moro a um velho doente de 74 anos

por Paulo Nogueira

Genildo
Genildo

Sérgio Moro é o pior tipo de justiceiro. É o que se faz passar por bonzinho.

É o que se observa num vídeo que está circulando nas redes sociais. Nele, Moro concede uma audiência ao preso Mário Góes.

O objetivo de Góes ali era conseguir prisão domiciliar.

Várias coisas chamam a atenção no vídeo.

A primeira é o estado de desabamento moral e físico de Góes. Ele tem uma série de doenças que vão de diabete a colite, e um problema de coluna o impede de ficar sentado com conforto.

Está emocionalmente desequilibrado. Chorou na conversa com Moro, e é evidente que não estava interpretando um coitadinho ali.

Góes era o coitadinho.

E tem 74 anos.

Considere. Na Itália, a partir dos 70 anos, você não cumpre sentenças na cadeia, e sim em prisão domiciliar.

Por razões humanitárias.

Diz-se de Moro que ele se inspirou numa operação policial italiana – afinal espetacularmente fracassada — para desencadear a Lava Jato.

Mas pelo visto desconsiderou a civilidade que existe no código da Itália.

Góes não poderia cumprir pena domiciliar? Por que?

Bem, perguntas não faltam no caso. A mais impressionante é a seguinte: quais são as evidências contra Góes?

Moro parece tão no ar sobre isso quanto você e eu. Moro fala em contas em paraísos fiscais, genericamente.

Mas admite, candidamente, não saber nada delas. Sequer, e é ele quem afirma, se estão ativas ou não.

É o triunfo do absurdo.

Mais um, a rigor. Num outro vídeo de Moro, desta vez com Cerveró, ficamos sabendo que a principal acusação do juiz era uma reportagem – logo de quem – da Veja, uma revista mitomaníaca.

Recentemente a BBC visitou o presídio onde Góes está. A descrição é esta: “A maior parte das celas são sujas e apertadas. Algumas têm até seis camas e estão frequentemente abarrotadas de cadeiras de rodas e equipamento médico.”

As celas são sujas e apertadas. Algumas têm até seis camas e estão frequentemente abarrotadas de cadeiras de rodas e equipamento médico
As celas são sujas e apertadas. Algumas têm até seis camas e estão frequentemente abarrotadas de cadeiras de rodas e equipamento médico

Moro é uma versão atualizada, mas não necessariamente melhor, de Joaquim Barbosa.

Ele agrada, como JB, a dois públicos específicos: o poder econômico e os analfabetos políticos.

Alguém consegue imaginar Moro e Barbosa enfrentando a Globo, por exemplo? Ou mesmo a CBF e Marin?

Como os vazamentos da Lava Jato na campanha eleitoral, a valentia dos dois é seletiva.

Ambos, não por coincidência, foram premiados pela Globo.

E os dois são heróis de grupos de imbecis como o MBL e o Revoltados Online.

São, também, abominados pelos progressistas.

Falta-lhes, em comum, uma característica tão brasileira: a compaixão.

JB tripudiou sobre Genoino quando este estava em condições de saúde miseráveis.

Moro faz o mesmo agora com Góes.

Eles representam a plutocracia brasileira, e a defendem ferozmente.

Mas não representam os brasileiros.

Gente assim não é perdoada pela história.

Veja vídeo

Joaquim Barbosa: Tribunal de Contas não passa de um “playground de políticos fracassados”

A fragilidade do Tribunal Superior Eleitoral

Barbosa TCU

Barbosa disse que não acredita no TCU “como um órgão sério, desencadeador de um processo de tal gravidade”, Para ele, aliás, o Tribunal de Contas não passa de um “playground de políticos fracassados” e não teria “estatura institucional” para originar um impeachment presidencial.
O julgamento das “pedaladas fiscais” no Tribunal de Contas da União (TCU) não deveria estar recebendo tanta atenção ou crédito assim. Pelo menos na opinião do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa.

Alçado à fama nacional graças ao seu protagonismo enquanto relator do processo do mensalão no STF, o ex-ministro do Supremo tem feito poucas aparições públicas após a aposentadoria, em 2014, e se acostumou a guardar suas opiniões sobre os rumos do Brasil a seu perfil no Twitter.

Contudo, Barbosa soltou o verbo na hora de criticar o TCU. Segundo ele, o tribunal “não tem estrutura suficiente para conduzir algo de tamanha gravidade”. “Impeachment é coisa muito séria. É um processo que sabemos como começa, mas não como termina.

Precisa ser algo muito bem baseado, com provas chocantes envolvendo diretamente o presidente. Sem isso, nós sairemos perdendo”, disse, como registra a edição online do jornalValor Econômico.

A considerar as opiniões de Barbosa sobre o TCU, o caminho mais razoável para um possível impeachment seria a rejeição das contas da campanha de reeleição da presidenta Dilma pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas o ex-presidente do STF também não poupou o TSE em suas críticas. Para o ministro aposentado, o fato de o tribunal contar com representantes da advocacia eleitos para mandatos de apenas dois anos seria um “elemento fragilizador” — já que esses advogados não costumam se desvincular de suas atividades cotidianas enquanto membros do TSE. Fonte BR29