Políticas de “caixão à cova”

por João Reis

martamorais_beatles

Conheço uma série de pessoas que têm medo. Têm medo de se comprometer. Umas porque não se revêem em determinado tipo de manifestações, outras porque preferem estar caladas e ver o que acontece, outras ainda porque encontram forma ou formas mais singulares e solitárias de manifestar o seu desagrado. Mas tudo isto somado é ainda muito pouco para entender esse medo. O comprometimento não configura nenhuma espécie de coragem participativa, nem nenhuma obsessão pelo insulto, nem tão pouco o desrespeito pela opinião dos outros. Haverá ainda muitos portugueses que não acordaram para uma espécie de morte anunciada da Europa e do país. Uns porque não acordaram mesmo e os outros porque sendo muito cépticos não acreditam em cenários alternativos e credíveis ao rumo que estamos a tomar. Em Itália, o cenário pós-eleições revelou o descrédito dos cidadãos em relação à classe política em geral e às suas políticas em particular. Como dizia um amigo meu, economista silencioso, políticas de “caixão à cova”. Não se pense contudo que o cenário em Itália pode anunciar algo de profundamente esperançoso. Não. Pode aliás, e até, anunciar a catástrofe, a catástrofe que há-de vir. Uma das coisas maravilhosas da manifestação de 15 de Setembro, foi a transversalidade social e política que a caracterizou. Parecia que afinal nem andávamos a dormir e tínhamos todos (ou quase todos ) vontade própria e sentido de indignação e repulsa pelas políticas que antecipadamente nos empurram para a “cova”. Isto ( e o isto aqui é muito grande) tem mesmo de acabar, tem mesmo de mudar. Mas não se pense que o que queremos ver transformado em mudança há-de acontecer por inspiração divina ou por acervo crítico em conversas de café. O que queremos mudar exige comprometimento e responsabilidade.Exige que possamos falar e dizer basta, na rua, livres de preconceitos! Porque o medo come a alma.