Operação Lava Jato vazou informações para a imprensa golpista e para os executivos de empreiteiras que pagavam toco. Estão mais lisos que qualquer salário mínimo. Não sobrou nenhum tostão para ressarcir o dinheiro superfaturado da Petrobras

justiça taxas

Um cara para lá de milionário, sem nenhum tostão em um banco, de duas uma: ou sacou o dinheiro na véspera da prisão e/ou mandou para uma conta em algum paraíso fiscal.

Isso é fácil de saber: basta pedir o extrato (conta bancária) deste mês.

A mesma fonte que passou as informações para revista Veja, na antevéspera das eleições do segundo turno, fez esse favorzinho para os milionários executivos das empreiteiras. Ninguém faz graça de graça. Quem informou recebeu sua parte. Ficou com quantos por cento dos 20 milhões que seriam bloqueados de cada preso? São 16 sortudos.

 

MUITAS DAS CONTAS BANCÁRIAS DOS EMPREITEIROS ENVOLVIDOS NO ESQUEMA DE LAVAGEM DE DINHEIRO DA PETROBRAS FORAM ENCONTRADAS VAZIAS. UMA DELAS TINHA APENAS R$ 4,60

 

 Osvaldo Gutierrez Gomes
Osvaldo Gutierrez Gomes

 

O Brasil é o país da piada pronta. Todo mundo tira o sarro da justiça

.
(Terra) Nesta semana, a Justiça Federal determinou o bloqueio das contas bancárias dos empresários investigados na Operação Lava Jato. Ao cumprir a determinação, no entanto, teve uma surpresa: elas já haviam sido esvaziadas. As informações são do jornal O Globo.

De acordo com a publicação, o Banco Itaú informou em ofício que não havia valores a serem bloqueados nas contas de Walmir Pinheiro Santana (UTC Participações S.A.), de Valdir Lima Carreiro (presidente da Iesa Óleo e Gás) e do lobista Fernando Soares. Na conta de Ildefonso Colares Filho, que deixou a presidência da Queiroz Galvão em abril passado, foram bloqueados R$ 4,60.

Ainda segundo O Globo, os valores encontrados nas contas do mesmo banco de outros executivos também não foram altos. Foram bloqueados R$ 4 mil de Erton Medeiros Fonseca (sócio da Galvão Engenharia), R$ 6 mil de Agenor Franklin Magalhães Medeiros (diretor da área Internacional da Construtora OAS) e R$ 33 mil de Sergio Cunha Mendes (vice-presidente da Mendes Junior).

Apenas as contas de Gerson de Mello Almada, um dos sócios da Engevix, tinham valores superiores a R$ 1 milhão.

O informe do Banco Caixa Geral do Brasil foi semelhante. De acordo com o jornal, as contas de Dalton dos Santos Avancini, presidente da Camargo Corrêa, e de João Ricardo Auler, presidente do conselho de administração da empresa, também foram encontradas vazias.

As duas instituições foram as primeiras a atender à determinação da Justiça Federal, que determinou o bloqueio de R$ 20 milhões por pessoa. No total, 16 pessoas foram alvo de pedido de bloqueio de valores.

Que o Brasil imite: FBI recupera 9 mil milhões de euros com combate ao crime financeiro

A polícia federal dos Estados Unidos informou na segunda-feira que o seu combate ao crime económico-financeiro conduziu a mais de 3.000 condenações e restituições de 12.000 milhões de dólares (9.000 milhões de euros), noticia a AP.

Estes resultados, relativos ao ano fiscal 2011 [1 de outubro de 2010 – 30 de setembro de 2011] foram obtidos em investigações do FBI a crimes de insider trading [benefícios conseguidos indevidamente com informação privilegiada], esquemas de ‘pirâmides’ e fraudes no sector da saúde, que vitimaram milhares de investidores e as finanças públicas.

Em conferência de imprensa, vista como um aviso geral à comunidade empresarial e particular aos operadores de Wall Street, o FBI divulgou gravações sonoras e vídeos de algumas acções dos seus operacionais contra o complexo crime financeiro.

A polícia federal apresentou também um novo serviço público, através de um anúncio protagonizado pelo actor Michael Douglas, que no filme Wall Street protagoniza um operador financeiro ganancioso, que actua no lado errado da lei.

«A nossa economia depende cada vez mais do sucesso e da integridade dos mercados financeiros», aparece Douglas a dizer no anúncio. «Se um negócio parece bom demais para ser verdade, provavelmente é. Para mais informações sobre como pode ajudar a identificar fraudes bolsistas, ou a alertar para casos de ‘insider trading’, contacte o gabinete local do FBI», adianta o aviso do novo serviço.

O subdirector do FBI, Kevin Perkins, chefe da divisão de investigação criminal, disse que a agência mudou o seu foco dos casos com pouca importância, em termos de dólares, para o crime financeiro e que contratou 200 contabilistas forenses, que vão caçar actividades criminais nos registos financeiros.

O chefe da secção de Crimes Financeiros do FBI, Timothy Gallagher, adiantou que a polícia federal passou a operar um centro de informação financeira, onde identifica os locais para onde necessita enviar agentes para investigar ameaças emergentes no crime financeiro.

As maiores restituições ordenadas pelos tribunais, em resultado da acção do FBI, ocorreram nos mercados de capitais e de mercadorias (8.800 milhões de dólares), onde também se registaram 394 condenações.

As fraudes com créditos imobiliários motivaram a devolução de 1.400 milhões de dólares e 1.082 condenações, enquanto na área dos cuidados de saúde se registaram 736 condenações e a devolução de 1.200 milhões de dólares.

Lusa/SOL