Novo presidente da França tem o Brasil como exemplo negativo. Faz tudo diferente de Dilma

O Governo francês anunciou hoje um aumento de impostos “concentrado em 2012 e 2013”, que deverá permitir ao Estado arrecadar mais de 13 mil milhões de euros e revelou ainda que congelará 1,5 mil milhões de euros de despesas.

O ministro das Finanças, Pierre Moscovici, prometeu que o esforço fiscal agora pedido aos franceses visará, em primeiro lugar, “as famílias com maiores rendimentos e as grandes empresas”, num espírito de “equidade” e “justiça”. A carga tributária passará de 43,9% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011 para 46,2% em 2013.

Entre as principais medidas hoje anunciadas está uma sobretaxa “excecional” a aplicar aos contribuintes que pagam o imposto de solidariedade sobre a fortuna (ISF), e que deve permitir ao Governo arrecadar 2,3 mil milhões de euros ainda este ano.

Estão também previstas taxas especiais sobre os setores bancário e petrolífero. As doações e as grandes heranças terão um imposto mais pesado a partir dos 100 mil euros, contra os perto de 160 mil euros anteriormente estabelecidos.

Para além disso, o Governo anunciou o fim do lema “trabalhar mais para ganhar mais”, bandeira do ex-Presidente Nicolas Sarkozy, decidindo que a isenção de encargos sociais nas horas de trabalho extraordinárias será suspensa nas empresas com mais de 20 empregados.

O executivo prevê ainda exigir uma contribuição adicional, de 0,3%, sobre os dividendos das empresas distribuídos aos seus acionistas.

Governar é cobrar impostos

Depois que o Brasil vendeu suas empresas e indústrias, entregou suas riquezas em leilões quermesses, os governos dependem dos impostos. Esta fome começou no governo de Fernando Henrique. Governar passou a ser cobrar impostos. Nos tempos bíblicos o coletor de imposto era uma profissão maldita.

Em alguns casos, pagar o IPTU e o imposto de terreno de marinha constitui pagar duas vezes o mesmo imposto. Isso chamo de roubo. Sacanagem grossa.

Com a entrega das empresas de energia, as ruas estão mais escuras. Com postes de luz bunda de vagalume.
Com a entrega da telefonia, cortaram os telefones das escolas, dos postos de saúde, dos hospitais, dos centros sociais e outros serviços públicos. Estão tirando inclusive os orelhões das ruas.

A globalização unilateral de FHC criou o estado mínimo e o imposto máximo.