O amor de outono na flor da idade

Um preconceito exclusivo da classe média: o sexo entre pessoas com grande diferença de idade. Uma antepaixão. Um prejuízo econômico. Uma hostilidade recente, incentivada pela previdência social e companhias de seguro.

Só em 24 de janeiro de 1923, com a Lei Elói Chaves, criou-se um caixa de aposentadorias e pensões para cada uma das empresas ferroviárias. Uma Lei considerada o ponto de partida da previdência social brasileira. Que outras empresas foram autorizadas a construir um fundo de amparo aos trabalhadores.

A pensão por morte foi regulada em 1991. É aí que começa a prevenção. E as campanhas contra o casamento de pessoas velhas.

Antes do golpe de 64, as meninas casavam virgens, porque jovens, com adultos com estabilidade no emprego. Certo que o par ideal era a filha do fazendeiro rico, chefe político, com o bacharel em direito.

A ditadura militar cassou a estabilidade, e adaptou a campanha hippie “faça o amor e não a guerra” (revolução). Não foi nenhuma campanha feminista que  acabou com o tabu da virgindade, mas os Projetos Rondon e Mauá, que retiravam as donzelas da vigilância paterna para cidades distantes. Inclusive com a liberação de drogas como a maconha. E pasmem! a introdução da cocaína, que teve como propaganda a música “Banho de cheiro”.

Dois acontecimentos no mundo ocidental estabeleceram a valorização dos jovens: a campanha eleitoral do casal Kennedy, 1960, que o casal Obama foi a versão negra, em 2009;  e o padrão de beleza feminina – a femme fatale magra e peituda -, com o lançamento do filme “E Deus criou a mulher”, 1957, estrelado por Brigitte Bardot, uma antecipação da Barbie (boneca criada em  1959), pelo seu jeito de ninfeta. Brigitte casou aos 17 anos, depois de dois anos de namoro com  Roger Vadim, 14 anos mais velho.

Estátua de Brigitte Bardot em Búzios, Rio de Janeiro
Estátua de Brigitte Bardot em Búzios, Rio de Janeiro

Estava criado o casal moderno ideal que viria substituir o sonhado amor do príncipe encantado com Cinderela dos contos de fadas dos irmãos Grimm.

Uma cruzada em voga, que considero absurda no Brasil das 250 mil prostitutas infantis, é a da pedofilia, uma perversão sexual que consiste na atração sexual de um indivíduo adulto ou adolescente dirigida, primariamente, para crianças pré-púberes (ou seja, antes da idade em que a criança entra na puberdade) ou no início da puberdade.

In Wikipédia: A pedofilia faz parte de um grupo de preferências sexuais chamado Cronofilia, junto a Nepiofilia, Hebefilia, Efebofilia, Teleiofilia e Gerontofilia. O termo Cronofilia não é muito usado pelos sexologistas e refere-se por atrações sexuais fora da sua faixa de idade.

Segundo o critério da OMS, adolescentes de 16 ou 17 anos também podem ser classificados como pedófilos, se tiverem uma preferência sexual persistente ou predominante por crianças pré-púberes pelo menos cinco anos mais novas do que eles.

Há uma incenti√ação para que o sexo seja realizado entre pessoas da mesma faixa etária, quando as meninas estão engravidando cada vez mais cedo.

Escreve Roberto Carlos C: “No Brasil são cerca de 700 mil meninas sendo mães todos os anos e desse total pelo menos 2% tem entre 10 e 14 anos, sendo que elas não têm nenhuma preparação psicológica e nem financeira para poder dar um bom futuro a essas crianças.

Apesar de o aborto ser uma prática proibida no Brasil – salvo em alguns casos – mais da metade das adolescentes grávidas da classe média alta, fazem uso dessa prática, quando não podem ou não querem essa gestação, muitas vezes fazem isso com o apoio dos próprios pais que acham que não é a hora do filho assumir tal responsabilidade.

Isso não quer dizer que as adolescentes pertencentes a uma classe social mais baixa não praticam o aborto. Praticam sim, e pior, utilizam métodos caseiros que uma ”amiga” disse que dá certo, objetos pontiagudos para atravessarem o canal do útero, remédios sem indicação médica…, pondo em risco muito maior a sua vida, do que se fosse feito por um profissional qualificado num local adequado para tal procedimento.

Já não causa tanto espanto sabermos que meninas de 10, 11, 12 anos tenham vida sexual ativa, assim como aparecem em consultórios portando alguma doença sexualmente transmissível (DSTs) e ou grávida”.

Casos de crianças grávidas e aidéticas precisam ser investigados. Podem ter origem na prostituição infantil ou no bulismo na escola, com estupro praticado por um adolescente pedófilo.

O estupro no Brasil vem sendo um crime comum e impune. Não entendo o que realmente pretende transmitir as manchetes de hoje. Que os casos de estupro superam o de assassinato.

BRA^PE_JDC estupro

Na internet, consideram como taras sexuais mais comuns: exibicionismo, sadismo, masoquismo, voyeurismo,  fetichismo, zoofilia, necrofilia, pedofilia. Mas minha classificação não é científica. Acrescento lesbofobia, homofobia, estupro, assédio sexual, adultização, gueto sexual, tortura, misandria, misoginia, peep-swow.

No meu universo infantil, as meninas eram criadas distantes dos meninos. A iniciação sexual era de menino com menino, a masturbação, a zoofilia. Para os meninos que tinham dinheiro, o pai encaminhava cedo para a zona de meretrício. Toda cidade do interior tinha uma rua para as “mulheres da vida”.

Não tão distante ficava o jardim feminino, que as crianças brincavam no terreiro da casa, na rua, no jardim, nas varandas, e eram possíveis certos toques, flerte e namoro – o necking.

Hoje as crianças não brincam mais.  De esconde-esconde, de médico, de casamento oculto. Nem dançam nas ruas.

As meninas sendo criadas para casar, instintivamente romantizavam parceiros mais velhos. Esta tendência passou a ser mais uma psychopatia  sexualis: a erotomania.

Para os idosos consideram a cópula um desvio: paradoxismo sexual, sexualidade exarcebada fora do tempo. Como se o amor tivesse idade.

Assim vejo como exemplar e educativo, para a mudança de um comportamento absurdo da fodida classe médias, os relacionamentos dos artistas e políticos e empresários.

Francisco Cuoco, 79, e Thaís Almeida, 26 anos
Francisco Cuoco, 79, e Thaís Almeida, 26 anos
Chico Buarque e Thais Gulin: diferença de idade, 37 anos
Chico Buarque e Thais Gulin: diferença de idade, 37 anos

O cheiro da morte de quem mora sozinho

Cada vez mais as pessoas nascem e morrem nos hospitais. E morrem sozinhas nas U.T.Is.

Quando não apodrecem em edifícios cortiços. No Brasil, sete em cada dez unidades domésticas têm apenas um responsável pelo domicílio.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 57 milhões de domicílios recenseados em 2010, 6,9 milhões eram de pessoas vivendo sozinhas.

Que serviço público atende um pedido de socorro de pessoas que passem mal: apoplexia (ataque cardíaco), ataques epilépticos, convulsões etc?

Que orientação oferecem os governos federal, estaduais e municipais?

5 pessoas que foram encontradas mortas anos depois de terem morrido

por  Ramon Voltolini

Tente manter contato com um ao menos um círculo pequeno de pessoas. Pode ser que você não seja fã de dar as caras em absolutamente todas as confraternizações agendadas via Facebook. Mas pertencer a um nicho social qualquer é o que nos faz existir. Essas breves considerações se dão em função desta infeliz lista: pessoas que foram encontradas mortas em suas próprias casas depois de anos.

42 anos assistindo à TV sem dar um suspiro

Os restos de uma mulher foram encontrados 42 anos depois de sua morte. Mais curioso notar que o corpo sem vida estava sentado sobre uma poltrona, em frente a uma TV. Hedviga Golik, nascida em 1924, aparentemente fez um copo de chá antes de sentar-se como espectadora de um show qualquer.

suspiro

E tudo parou aí. Algumas décadas após 1966 – última vez em que Hedviga fora vista pelos seus vizinhos –, policiais acabaram invadindo o tal flat e a encontraram lá, congelada no tempo. Nada na velha casa tinha sido destruído até a chegada dos policiais – que tomaram o local em função da aquisição do flat por outra pessoa.

3 anos deitada sobre o sofá

Policiais do norte de Londres fizeram uma triste descoberta em janeiro de 2006. Deitado sobre seu sofá, estava o esqueleto de uma mulher. Em um dos quartos, uma televisão ainda estava ligada. Em outro dos cômodos, presentes de Natal ainda não tinham sido abertos.

sofá

Ao combinar os ossos do corpo estático, percebeu-se que tratava-se dos restos mortais de Joyce Vincent. A causa da morte ainda é desconhecida. E por três anos, ninguém deu falta da presença de Joyce – mesmo fazendo ela parte do cenário musical londrino das décadas de 1980 e 1990.

escritor

Ao entrar no flat de Barbara, o cunhado da escritora sentiu um “cheiro horrível”. Uma autópsia preliminar apontou morte natural como causa do infortúnio falecimento.

15 anos, um monte de ossos e pijamas
Um homem sem família foi encontrado morto em sua casa depois de 15 anos. Sobre o esqueleto, um pijama ainda cobria os ossos dos sujeito. O caso aconteceu na França, no ano passado.

caveira

“Não havia bagunça. A casa estava trancada por dentro. E nada sugeriu um ato criminoso”, disse um dos responsáveis por encontrar o corpo. O esqueleto do homem, nascido em 1921, foi achado sobre a cama.

Morto durante 7 anos sobre a cama

Em 2007, o corpo de um homem foi encontrado sem vida sobre uma cama, na Alemanha. E o mais trágico da história é o fato de que nenhum dos parentes sentiu falta do falecido.

cama

Ao lado da cama, encontrava-se uma carta enviada pelo Welfare Office, um maço de cigarros e um catálogo de televisão. E o cheiro de decomposição não perturbou ninguém? Aparentemente não. Os restos do homem foram encontrados por policiais que cumpriam uma ordem de despejamento.

Papa criticou “a cultura de rejeição” dos idosos

Papa embarcou na manhã desta segunda-feira para a viagem ao Brasilfoto GIAMPIERO SPOSITO/REUTERS
Papa embarcou na manhã desta segunda-feira para a viagem ao Brasil. Foto GIAMPIERO SPOSITO/REUTERS

O papa Francisco, que se encontra, esta segunda-feira, em viagem para o Brasil, insistiu “no risco” de ver toda uma geração de jovens sem trabalho, ao mesmo tempo que criticou “a cultura de rejeição” dos idosos.

“A crise mundial nada fez pelos jovens. Corremos o risco de ter uma geração sem trabalho, e do trabalho provém a dignidade da pessoa”, sublinhou o primeiro papa sul-americano da história, perante os jornalistas que o acompanham no avião com destino ao Rio de Janeiro.

Francisco, que prega desde que foi eleito uma “Igreja pobre para os pobres”, vai chegar a um país onde os jovens realizaram manifestações em massa, em junho, por vezes violentas, contra a incompetência dos serviços públicos e a corrupção.

“O objetivo da minha viagem é encorajar os jovens a viverem inseridos no tecido social com as pessoas de idade”, acrescentou o papa argentino, numa crítica à “cultura de rejeição dos idosos, que transmitem a sabedoria da vida”.

Para o papa, de 76 anos, os jovens “são o futuro dos povos, mas não apenas eles”.

“No outro extremo da vida, as pessoas idosas têm a sabedoria da vida, da história, da pátria e da família, de que precisamos”, sublinhou.

Antes desta intervenção, o papa cumprimentou cada um dos 70 jornalistas a bordo do avião, afirmando não gostar de dar entrevistas. E antes da partida, Jorge Bergoglio garantiu que não faria qualquer declaração no avião, mas acabou por pedir “a colaboração” dos jornalistas na defesa “dos jovens e dos idosos”.

Esta é a primeira viagem ao estrangeiro do jesuíta argentino que em março sucedeu a Bento XVI na chefia da Igreja católica, também em crise, minada sobretudo por escândalos de pedofilia.

“Chego ao Brasil dentro de algumas horas e o meu coração está cheio de alegria porque em breve estarei junto de vós” para celebrar a 28.ª edição das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), disse o papa numa mensagem divulgada na rede social Twitter, logo após a partida.

Cerca de 1,5 milhões de peregrinos de todo o mundo são esperados nesta ocasião, no Brasil, o maior país católico do mundo.

O papa deve chegar às 16 horas (20 horas em Lisboa), ao aeroporto internacional do Rio, onde será recebido pela presidente brasileira, Dilma Rousseff.

Francisco, que renunciou ao ‘papamóvel’ blindado, vai saudar a multidão no centro do Rio, a bordo de um jipe descoberto.

Durante a estada, o papa vai visitar uma favela e uma unidade hospitalar para toxicodependentes de ‘crack’, tendo ainda previsto encontros com detidos.

Movimentos de ateus e militantes de ‘Anonymous’ Rio convocaram manifestações para protestar, desde a chegada do papa, contra as despesas públicas (mais de 30 milhões de euros) criadas pelas JMJ.

O movimento ‘Anonymous’ convocou uma segunda manifestação para sexta-feira, na praia de Copacabana, no percurso do calvário das JMJ.

“Não é contra a Igreja católica. É mais um grito contra a corrupção e por serviços públicos dignos”, explicou o grupo na página da rede social Facebook.

As autoridades brasileiras destacaram 30.000 polícias e militares para garantir a segurança do papa e das JMJ, na “maior operação de segurança da história do Rio” de Janeiro, de acordo com a agência noticiosa francesa AFP.

(Jornal de Notícias/ Portugal)

Violência contra idoso aumentou 200%

PAI NOSSO QUE ESTÁ NO CÉU
PAI NOSSO QUE ESTÁ NO CÉU

Entre os atendimentos a idosos, os principais tipos de violação denunciados no ano passado foram 68,7% por negligência, 59,3% de violência psicológica, 40,1% de abuso financeiro, econômico e violência patrimonial, e 34% de violência física

Para apressar a morte dos velhos, quem tem 60 anos, sem emprego e sem dinheiro, fica esperando os 65 anos, quando é idoso, para entrar com um pedido de aposentadoria por idade, para receber miseráveis 330 dólares.

Depois dos 45 anos é difícil arranjar emprego no Brasil. A violência contra os idosos faz parte da cobrança de familiares que ofereceram hospedagem e alimentação antes e durante a velhice. É uma cobrança cruel. Tão danosa quanto os despejos judiciários.

O PAI ETERNO E O ESPÍRITO SANTO
O PAI ETERNO E O ESPÍRITO SANTO

A Campanha de Enfrentamento à Violência Contra a População Idosa promovido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República foi lançada durante o encontro Nacional de Promotores, Defensores e Delegados. A campanha é uma parceria com o Ministério Público, Ministério da Justiça e órgãos que atuam na promoção dos direitos da pessoa idosa.

Segundo a ministra Maria do Rosário (Secretaria de Direitos Humanos), de janeiro a novembro de 2012, o Disque Direitos Humanos contabilizou um aumento em todos os módulos, considerando o mesmo período de 2011. “No nosso módulo sobre idosos tivemos um crescimento de aproximadamente 200%. Desde o ano de implantação (2011), identificamos abandono, negligência, violência psicológica, violência física, violência sexual e discriminações”, afirmou.

Entre os atendimentos a idosos, os principais tipos de violação denunciados no ano passado foram 68,7% por negligência, 59,3% de violência psicológica, 40,1% de abuso financeiro,econômico e violência patrimonial, e 34% de violência física.

O objetivo da campanha é constituir o apoio necessário para implementar ações governamentais de promoção e defesa dos direitos do idoso, ferramentas adequadas e medidas concretas para valorização da inclusão e independência. “Nós queremos formar uma rede para defender os direitos da população idosa, uma rede que possa trocar experiência, que possa buscar recursos específicos, que possa trabalhar para chegar mais perto da pessoa idosa.”

Que você espera de um velho, de um idoso ou de um ancião na sociedade moderna? Devem apressar a morte?

Hojemente não se sabe quando termina a infância nem a juventude. Que não mais existe nenhum rito de passagem.

Uns pedem a pena de morte para crianças que praticam crimes considerados hediondos. Na Argentina, o governo quer conceder o direito de voto aos 16 anos, a oposição é contra. A idade para adquirir a carteira de motorista ou o término do curso de segundo grau ou, ainda, a permissão da justiça do direito de trabalhar da criança no Brasil sinalizam – para a maioria – a conquista da maioridade.

Antes da nossa era, até os tempos medievais, a medicina recomendava o rompimento do hímen para evitar uma infecção generalizada pelo não corrimento do mênstruo. A medicina e/ou a religião motivavam o casamento das meninas antes ou logo depois da primeira menstruação.

A HISTÓRIA DE JOSÉ O CARPINTEIRO

Esta tela de Rembrant van Rigt falseia as idades de Maria e José
Esta tela de Rembrant van Rigt falseia as idades de Maria e José

I. Jesus fala a seus apóstolos

No Apócrifo A História de José o carpinteiro:  “E estava um dia nosso bom Salvador no monte das Oliveiras com os discípulos à sua volta e dirigiu-se a eles com estas palavras: (…) ‘Este homem justo, de quem estou falando, é José, meu pai segundo a carne, com quem se casou na qualidade de consorte, minha mãe, Maria.

III. Maria no templo

Enquanto meu pai José permanecia viúvo, minha mãe, a boa e bendita entre as mulheres, vivia por sua parte no templo servindo a Deus em toda a santidade, e havia já completado doze anos. Passara os seus três primeiros anos na casa de seus pais, e os nove restantes no templo do senhor. E, ao ver que a santa donzela levava uma vida simples e plena de temor a Deus, os sacerdotes conversaram entre si e disseram: ‘Busquemos um homem de bem e celebremos o casamento com ele até que chegue o momento de seu matrimônio, que não seja por descuido nosso que lhe sobrevenha o período de sua purificação no templo, nem que venhamos a incorrer num pecado grave’.

IV. Bodas de Maria e José

Convocaram então as tribos de Judá e escolheram entre elas doze homens correspondendo ao número das doze tribos. A sorte recaiu sobre o bom velho José, meu pai segundo a carne. Disseram, então, os sacerdotes à minha mãe, a Virgem. ‘Vai com José e permanece submissa a ele até que chegue a hora de celebrar teu matrimônio’. Então José levou Maria, minha mãe, para sua casa. Ela encontrou o pequeno Tiago na triste condição de órfão e o cobriu de carinhos e cuidados. Esta foi a razão pela qual a chamaram Maria a mãe de Tiago. Então, depois de tê-la acomodado em sua casa, José partiu para o local onde exercia o ofício de carpinteiro. Maria viveu dois anos em sua casa até que chegou o feliz momento.

V. A encarnação

E no décimo quarto ano de idade Eu, Jesus, Vossa Vida, vim habitar por meu próprio desejo. E aos três meses de gravidez o solícito José voltou de suas ocupações. Porém, ao encontrar minha mãe grávida, presa à turbação e ao medo, pensou secretamente em abandoná-la. E foi tão grande o desgosto, que não quis comer nem beber naquele dia.

VI. Visão de José

Eis, porém, que durante a noite, mandado por meu Pai, Gabriel, o arcanjo da alegria, lhe apareceu numa visão e lhe disse: ‘José, filho de Davi, não tenhas cuidado em admitir Maria, tua esposa, em tua companhia. Saberás que o que foi concebido em seu ventre é fruto do Espírito Santo. Dará, então, à luz um filho, a quem tu porás o nome de Jesus. Ele aparecerá aos povos com o cajado de ferro. Finalmente o anjo desapareceu. E José, voltando do sono, cumpriu o que lhe havia sido ordenado, admitindo Maria consigo.

XIV Doença de José

(…) Eis aqui, resumida, a vida de meu querido pai José: Ao chegar aos quarenta anos, contraiu matrimônio, no qual viveu outros quarenta e nove. Depois que sua mulher morreu, passou somente um ano. Minha mãe logo passou dois anos em sua casa, depois que os sacerdotes confiaram-na com estas palavras: ‘Guarda-a até o tempo em que se celebre vosso matrimônio’. Ao começar o terceiro ano de sua permanência ali – tinha nessa época quinze anos de idade – trouxe-me ao mundo de um modo misterioso, que ninguém entre toda a criação pode conhecer, com exceção de mim, meu Pai e o Espírito Santo, que formamos uma unidade.

XV. O início do fim

A vida de meu pai José, o abençoado ancião, compreendeu cento e onze anos, conforme determinara meu bom Pai.(…)”

PROTO-EVANGELHO DE TIAGO

Comenta Maria Helena de Oliveira Tricca, que traduziu os Apócrifos – Os Proscritos da Biblia: “A idade de José, na casa dos noventa, ao casar-se com Maria, é confirmada no Proto-Evangelho de Tiago e em todos os demais Apócrifos”.

No Proto-Evangelho de Tiago: “Então o sacerdote disse: ‘A ti coube a sorte de receber sob tua custódia a Virgem do Senhor’. José replicou: ‘Tenho filhos e sou velho, enquanto que ela é uma menina; não gostaria de ser objeto de zombaria por parte dos filhos de Israel”.

O homem é velho aos 60, idoso aos 65. A ancianidade começas aos 70 anos. Um casamento de um ancião com uma menina hoje seria visto com horror.

Um crime, pela lei da maioria dos países cristãos. Um crime contra a natureza. Uma aberração.

A MEDICINA HOJE

Climatério

Estágio, em sentido figurado. Tempo crítico. Os chamados anos da menopausa da mulher, ligados a mudanças mentais. No homem, mais ou menos semelhante a crimacterium virile.

Paradoxismo sexual

Sexualidade exarcebada fora do tempo. Como, por exemplo, no velho.

Cronofilia

Termo usado para se referir a um grupo de parafilias do tipo em que a idade sexo-erótica da pessoa em causa é discordante da sua própria idade cronológica e concordante com a do parceiro.

Efebofilia

Ou hebefilia [do grego “ephebos” – pessoa jovem pós-pubescente, ou “hebe” – juventude, + “philia” – amor ou amizade] é uma orientação ou preferência sexual na qual um adulto tem uma atração sexual primária por adolescentes pubescentes ou pós-pubescentes.

A atração por adolescentes femininas é algumas vezes chamada de Síndrome de Lolita. O termo é relacionado como uma preferência distinta por pessoas a partir da metade da adolescência, que não é relacionado, segundo psicólogos, a uma patologia quando isso não interfere na vida de outras pessoas, ou transcende o espaço social do indivíduo que possui essa preferência.

Na maioria dos países, se o adolescente atingiu a idade de consentimento pela lei local, a relação efebofílica não é crime.

Ginagogia

Tratamento psicoterapêutico (isolado ou em apoio) da mulher em perturbações por causa especificamente sexuais.

Teleiofilia

Termo criado por Kurt Freund, significando a atração sexual de um menor por adultos. Como isto é considerado normal na maioria das sociedades, não é usualmente considerado uma parafilia, e a expressão é raramente usada. Um clássico da música brasileira fala desse amor

Pedofilia

(também chamada de paedophilia erotica ou pedosexualidade) é a perversão sexual, na qual a atração sexual de um indivíduo adulto ou adolescente está dirigida primariamente para crianças pré-púberes (ou seja, antes da idade em que a criança entra na puberdade) ou no início da puberdade.

Segundo o critério da OMS, adolescentes de 16 ou 17 anos também podem ser classificados como pedófilos, se eles tiverem uma preferência sexual persistente ou predominante por crianças pré-púberes pelo menos cinco anos mais novas do que eles.

Andropausa

Término da função sexual no homem (especialmente da atividade sexual)

Anedonia

Falta de prazer sexual em sentido amplo, ou o aparecimento de um vazio afetivo.

Pubertas praecox

Amadurecimento sexual precoce

AS PÍLULAS QUE LIBERARAM A SEXUALIDADE

A pílula branca anticoncepcional libertou a mulher. E para que serve a pílula azul tipo Viagra?

Escreve Karina Haddad Mussa (A pílula anticoncepcional e a emancipação feminina): “Historicamente falando, a chegada das bolinhas brancas contendo hormônios contraceptivos selou uma verdadeira revolução de costumes e hábitos novos, livrando aquela mulher “facultativa”, apagada, do destino de pária a que ela estava fadada. Com tais mudanças, a mulher pôde ensaiar novos passos em seus múltiplos papéis, emergir com suas honestas  potencialidades para poder deliberar sobre suas escolhas, inclusive para poder relacionar-se sem o perigo de uma gravidez indesejada. Chegou a hora de acabar com tanta desigualdade.

Para Maria Andrea Loyola: “Poucas dentre as várias descobertas tecnológicas surgidas no século XX que contribuíram para alterar profundamente os rumos das sociedades contemporâneas, foram objeto de tantas polêmicas como a pílula anticoncepcional. (…) Foi sobre a mulher, seu comportamento e sua posição na sociedade, que a pílula produziu os impactos mais significativos, considerados por muitos como verdadeiramente revolucionários. Graças à pílula, a mulher pôde então usufruir de liberdade sexual e acabou ganhando um forte aliado rumo à conquista de mais espaço na esfera pública, no mercado de trabalho e na igualdade com os homens. Sua utilização acabou provocando avanços nos direitos reprodutivos e sexuais das mulheres, ampliando as possibilidades de realização de um efetivo planejamento familiar e, talvez o mais importante, conferindo total autonomia da mulher na condução desse processo: a pílula é o único anticoncepcional que pode ser utilizado sem a participação do médico e a colaboração ou consentimento do parceiro”.

Nas favelas brasileiras está acontecendo uma mudança de costumes ainda não estudada: os “casamentos” de mulheres avós com adolescentes.
Com quem um homem velho faz sexo? Veja se a resposta está na propaganda do Viagra:
propaganda-viagra

Fernando Henrique aumentou o tempo de aposentadoria dos 60 para os 65 anos. Na Europa, o FMI recomenda que seja aos 76 anos. Assim sendo os velhos, os idosos e os anciãos devem trabalhar. Faz parte desta campanha a mentira de que a previdência social dá prejuízo.

Que motivação tem um velho, um idoso ou um ancião para trabalhar? Que emprego pode arranjar um pé na cova?

ESQUECEU OS BEBÊS

por Carlos Chagas

Deveria ser condenado a prisão perpétua o ministro das Finanças do Japão, Taro Aso, por haver sugerido que os idosos em seu país deveriam ser autorizados a se apressar e morrer para aliviar a pressão sobre as despesas do estado, que paga suas despesas médicas. Digno de figurar entre os generais japoneses da Segunda Guerra Mundial condenados à forca, o indigitado ministro quer que os velhinhos se matem para equilibrar as finanças de seu governo.

Só faltou, mesmo, completar a sugestão recomendando o sacrifício dos bebês. Ou eles também não dão prejuízo?

Chico Buarque proibido de namorar

Vi vários tipos de patrulhas sexuais.

Tinha uma vida imoral ou suspeita, uma condição social idêntica à da prostituta, toda adolescente solteira que perdesse a virgindade, e toda mulher descasada. Idem as primeiras desquitadas e, depois, as divorciadas.

Eram estigmatizadas a menina namoradeira e a ex-noiva, apesar de virgens; e, em alguns casos, a viúva.

Aos 30 anos, a mulher se tornava um encalhe. E chamada de solteirona, titia,  donzelona, moça velha.

Não existiam lésbicas. Costumeiro as meninas andar de mãos dadas, dormir na mesma cama, dançar coladinhas ou ser par constante.

Mas vistas como aberrações a mulher de aspecto e atitudes masculinizadas (inclusive exercer certas profissões típicas do homem). Os nomes pra lá de feios: fanchona, machona, machoa, homaça, marimacho, mulher-homem, mulher-macho, virago.

Atualmente o macho não segue o ritual de cortejo, de pretendente, de paquera, de namoro, de noivado (o pedido de casamento feito aos pais, com a permissão de usar aliança – o anel como símbolo tradicional do ilimitado (eterno).

O movimento feminista considerou tais costumes machistas.  Alguns, sim. Moça que procurava atrair homem era chamada de sirigaita, assanhada, exibida, galinha, lambisgóia, oferecida, perereca, piririca, sapeca, semostradeira.

Moça recatada,  um elogio máximo. Ou, ainda, moça prendada.

Nenhum movimento feminista realizou mudanças.  Novos costumes foram impostos pela revolução de 64, assim digo, com os programas Mauá e Rondon. Faziam partes do Projeto Camelot da CIA. Com a introdução do movimento hipee de butique. E das drogas. Notadamente nas universidades. Com a onda da mãe solteira.

Na ditadura de Vargas a ordem era caminhar, não juntar gente; na de 64, não pensar, e faça amor, não a guerra. Wilhelm Reich, que morreu em 1957, foi apresentado como novidade nas faculdades de Psicologia, com sua teoria de amor livre deturpada. Proclamaram o liberou geral, embora o homossexualismo masculino continuasse perseguido pela igreja e a polícia.

Certos crimes agora comuns eram severamente punidos: o estupro e o assédio sexual.

Cometi este nariz-de-cera para criticar o espalhafato que a imprensa promove com o namoro de Chico Buarque de Holanda. Pelas manchetes pensei que Thaís Gulin fosse uma adolescente. Não é não. Nos anos de universidade de Chico seria considerada uma balsaquiana. Tem 31 anos.

Hoje é assim: menina de 12 anos faz sexo com um coleguinha de 12. Garota de 16 com rapaz de 16. Essa obrigação cria uma avalanche de abortos.

Quando as adolescemtes e mulheres de vinte fogem de sua faixa etária passaram a ser vítimas de tarados. Coisa de pedofilia, crime de sedução e outras anomalias contra a natureza.

Antigamente os meninos procuravam sair de casa o mais cedo possível. Hojemente são as mulheres. Os varões alargam uma conveniente adolescência. No meu tempo, o homem que não casava antes dos trinta boa coisa não era.

A sociedade nunca será livre de tabus e preconceitos. Diziam que as mulheres quando chegavam a menopausa perdiam o desejo sexual.

O idoso  passou a ser pedófilo, sodomita, devasso, um nojo. Que procure as prostitutas. De rua. Que amor de outono não existe. Nem romantismo. Lugar de velho é no asilo.

Assim se explica o sensacionalismo com o namoro de Chico. Inclusive passaram a perseguir a moça. “Não é uma boa cantora”, como se isso fosse preciso. A inveja se torna maior, que Thaís, além de linda, é poetisa e compositora.

Escreve Ricardo Setti, na revista Veja:

Thaís Gulin. Você a aprova como cantora?

Amigos, eis a cantora Thaís Gulin, 31 anos, namorada de Chico Buarque, a curitibana que faz carreira no Rio de Janeiro desde 2007 e que inspirou o compositor em uma das canções de seu mais recente CD, “Chico”.

A canção de Chico, “Minha Pequena”, fala claramente da relação entre os dois e menciona delicadamente a diferença de idade  (ele tem 67 anos):”Meu tempo é curto, o tempo dela sobra. Meu cabelo é cinza, o dela é cor de abóbora. Temo que não dure muito a nossa novela, mas eu sou tão feliz com ela”.

Thaís acaba de lançar seu segundo CD, ôÔÔôôÔôÔ

Ainda bem que Rosiska Darcy de Oliveira (O Globo, 21/01/12) escreveu:

Um tempo sem nome

Com seu cabelo cinza, rugas novas e os mesmos olhos verdes, cantando madrigais para a moça do cabelo cor de abóbora, Chico Buarque de Holanda vai bater de frente com as patrulhas do senso comum. Elas torcem o nariz para mais essa audácia do trovador. O casal cinza e cor de abóbora segue seu caminho e tomara que ele continue cantando “eu sou tão feliz com ela” sem encontrar resposta ao “que será que dá dentro da gente que não devia”.

Afinal, é o olhar estrangeiro que nos faz estrangeiros a nós mesmos e cria os interditos que balizam o que supostamente é ou deixa de ser adequado a uma faixa etária. O olhar alheio é mais cruel que a decadência das formas. É ele que mina a autoimagem, que nos constitui como velhos, desconhece e, de certa forma, proíbe a verdade de um corpo sujeito à impiedade dos anos sem que envelheça o alumbramento diante da vida .

Proust, que de gente entendia como ninguém, descreve o envelhecer como o mais abstrato dos sentimentos humanos. O príncipe Fabrizio Salinas, o Leopardo criado por Tommasi di Lampedusa, não ouvia o barulho dos grãos de areia que escorrem na ampulheta. Não fora o entorno e seus espelhos, netos que nascem, amigos que morrem, não fosse o tempo “um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho“, segundo Caetano, quem, por si mesmo, se perceberia envelhecer? Morreríamos nos acreditando jovens como sempre fomos.

A vida sobrepõe uma série de experiências que não se anulam, ao contrário, se mesclam e compõem uma identidade. O idoso não anula dentro de si a criança e o adolescente, todos reais e atuais, fantasmas saudosos de um corpo que os acolhia, hoje inquilinos de uma pele em que não se reconhecem. E, se é verdade que o envelhecer é um fato e uma foto, é também verdade que quem não se reconhece na foto, se reconhece na memória e no frescor das emoções que persistem. É assim que, vulcânica, a adolescência pode brotar em um homem ou uma mulher de meia-idade, fazendo projetos que mal cabem em uma vida inteira.

Essa doce liberdade de se reinventar a cada dia poderia prescindir do esforço patético de camuflar com cirurgias e botoxes — obras na casa demolida — a inexorável escultura do tempo. O medo pânico de envelhecer, que fez da cirurgia estética um próspero campo da medicina e de uma vendedora de cosméticos a mulher mais rica do mundo, se explica justamente pela depreciação cultural e social que o avançar na idade provoca.

Ninguém quer parecer idoso, já que ser idoso está associado a uma sequência de perdas que começam com a da beleza e a da saúde. Verdadeira até então, essa depreciação vai sendo desmentida por uma saudável evolução das mentalidades: a velhice não é mais o que era antes. Nem é mais quando era antes. Os dois ritos de pasanunciavam, o fim do trabalho e da libido, estão, ambos, perdendo autoridade.sagem que a  Quem se aposenta continua a viver em um mundo irreconhecível que propõe novos interesses e atividades. A curiosidade se aguça na medida em que se é desafiado por bem mais que o tradicional choque de gerações com seus conflitos e desentendimentos. Uma verdadeira mudança de era nos leva de roldão, oferecendo-nos ao mesmo tempo o privilégio e o susto de dela participar.

A libido, seja por uma maior liberalização dos costumes, seja por progressos da medicina, reclama seus direitos na terceira idade com uma naturalidade que em outros tempos já foi chamada de despudor. Esmaece a fronteira entre as fases da vida. É o conceito de velhice que envelhece. Envelhecer como sinônimo de decadência deixou de ser uma profecia que se autorrealiza. Sem, no entanto, impedir a lucidez sobre o desfecho.

”Meu tempo é curto e o tempo dela sobra”, lamenta-se o trovador, que não ignora a traição que nosso corpo nos reserva. Nosso melhor amigo, que conhecemos melhor que nossa própria alma, companheiro dos maiores prazeres, um dia nos trairá, adverte o imperador Adriano em suas memórias escritas por Marguerite Yourcenar.

Todos os corpos são traidores. Essa traição, incontornável, que não é segredo para ninguém, não justifica transformar nossos dias em sala de espera, espectadores conformados e passivos da degradação das células e dos projetos de futuro, aguardando o dia da traição. Chico, à beira dos setenta anos, criando com brilho, ora literatura , ora música, cantando um novo amor, é a quintessência desse fenômeno, um tempo da vida que não se parece em nada com o que um dia se chamou de velhice. Esse tempo ainda não encontrou seu nome. Por enquanto podemos chamá-lo apenas de vida.

Essa Pequena

Chico Buarque

Meu tempo é curto, o tempo dela sobra
Meu cabelo é cinza, o dela é cor de abóbora
Temo que não dure muito a nossa novela, mas
Eu sou tão feliz com ela

Meu dia voa e ela não acorda
Vou até a esquina, ela quer ir para a Flórida
Acho que nem sei direito o que é que ela fala, mas
Não canso de contemplá-la

Feito avarento, conto os meus minutos
Cada segundo que se esvai
Cuidando dela, que anda noutro mundo
Ela que esbanja suas horas ao vento, ai

Às vezes ela pinta a boca e sai
Fique à vontade, eu digo, take your time
Sinto que ainda vou penar com essa pequena, mas
O blues já valeu a pena

Veja o vídeo Essa Pequena
Chico e Thaís cantam juntos . Formam um dueto que en-canta