Todos contra Dilma e nenhuma critica à direita, à mídia monopolista, ao sistema bancário, aos tucanos, aos EUA

por Emir Sader

mercosul_cupula_uruguai_presidentes

mercosul

Texto em espanhol

O fenômeno tem se repetido – na Bolívia, na Argentina, no Equador, no Brasil. Setores que saem dos governos – ou que sempre tinham se oposto – supostamente pela esquerda, percorrem uma trajetória que os leva a se situarem como oposições de direita.

Evo Morales, Rafael Correa, os Kirchner, Lula e Dilma – teriam “traído”. E seriam piores que outros contendores, porque seguiriam fingindo que defendem as mesmas posições que os projetaram como grandes líderes nacionais. Por isso tem que ser frontalmente combatidos, derrotados, destruídos, sem o que os processos políticos seguiriam retrocedendo e não poderia avançar.

Foi assim que setores que eram parte integrante do governo de Evo Morales declararam que ele é o inimigo fundamental a combater, porque teria “traído” o movimento indígena. Daí a proposta de uma frente nacional contra ele, que incorporaria a todos os setores opositores, não importa quão de direita sejam.

A mesma coisa com Rafael Correa. Teria “traído” a defesa da natureza e se passado a um modelo extrativista, tornando-se o inimigo fundamental a combater. Daí que setores que se reivindicam porta-vozes dos interesses dos movimentos indígenas e ecologistas, se aliam expressamente à direita, para combater a Correa.

Na Argentina, os Kirchner teriam “traído” o peronismo, daí setores que faziam uma critica de esquerda ao governo – expressados, por exemplo, no peronista Pino Solanas – se aliam a setores de direita – como Elisa Carrió, entre outros -, para combater ao governo de Cristina Kirchner.

Poderíamos seguir com a Venezuela, com o Uruguai, porque o fenômeno se repete. Para poder operar essa transição de uma oposição de esquerda a uma de direita, é preciso demonizar os lideres desses processos, que seriam, piores do que a direita, daí a liberação para alianças com esses setores contra os governos.

No Brasil o fenômeno se deu, inicialmente, com o PSol e Heloisa Helena, que abertamente fizeram aliança com toda a oposição contra o governo Lula. Com a Globo, com os tucanos, com todos os candidatos opositores, na ação desenfreada e desesperada para tentar impedir a reeleição do Lula.

Abandonaram as críticas de esquerda – sobre o modelo econômico e outros aspectos do governo – para se somarem à ofensiva do “mensalão”, sem diferenciar-se do tom da campanha da direita.

O fenômeno teve continuidade com a Marina, que repetiu de forma mecânica a trajetória da Heloisa Helena na volúpia contra o governo Lula e a Dilma, quatro anos mais tarde. O destempero faz parte do processo de diabolização, que se caracteriza sempre, também, pela ausência de qualquer tipo de critica à direita – à mídia monopolista, ao sistema bancário, aos tucanos, aos EUA.

A relação desses setores com a direita tradicional é explicita: a essa ausência de criticas à direita corresponde uma promoção explícita dos candidatos que se dispõem a esse papel: Heloisa Helena, Marina, agora Eduardo Campos.
Todos contra o Evo, todos contra o Rafael Correa, todos contra a Cristina, e assim por diante. Aqui, agora, todos contra a Dilma.

Não há nenhuma duvida que o campo opositor está composto pelas candidaturas do Aecio, do Eduardo Campos, ao que se soma agora a Marina. As reuniões de Eduardo Campos com Aecio, a entrada do Bornhausen, do Heraclito Fortes, entre outros, para o PSB e o discurso “anti-chavista” da Marina, completam o quadro. Vale tudo para tentar impedir que o PT siga apropriando-se do Estado brasileiro para seus fins particulares, impedindo que o Brasil se desenvolva livremente.

Nenhuma palavra sobre o tipo de modelo econômico e social que desenvolveria caso ganhassem. Nenhuma palavra sobre o tipo de inserção internacional do Brasil. Nada sobre o papel do Estado. Silêncio sobre tudo o que é essencial, porque do que se trata é de tentar derrotar a Dilma.

Na verdade hoje a direita – seus segmentos empresariais, midiáticos, partidários – já se contentaria em conseguir que a Dilma não triunfasse no primeiro turno. O que vier depois disso, sera’ lucro.

Em todos os países, esses setores tem sido derrotados fragorosamente. Suas operações politicas não tem dado resultados, por falta de plataforma, de lideranças e de apoio popular.

Aqui também tem acontecido isso. O PSol foi ferido de morte por suas atitues em 2006. Marina abandona a plataforma ecológica para assumir o anti-comunismo de hoje (o anti-chavismo) e se somar à politica mais tradicional, sem sequer ter conseguido as assinaturas para registrar seu partido.

Termina no Todos contra a Dilma, cada um do seu jeito, mas com o objetivo comum. Esse cenário politico tem Evo, Correa, Cristina, como teve a Lula e agora tem a Dilma, como referência central. Os outros são os outros, sem plataforma, sem lideranças e sem apoio popular.

Eduardo Campos deita na rede de Marina

Marina Silva tirou Eduardo Campos de cima do muro.

Campos virou sem querer, querendo, anti tudo que dizia ser. Tornou-se o inimigo n.1 de Lula e Dilma Rousseff, e candidato dos evangélicos ultraconservadores.

Vestiu a saia de Marina.

É este novo Eduardo Campos que a direita festeja.

Miguel
Miguel

Escreve Heriovaldo Almeida Prado: “Marina Silva, grande combatedora do chavismo, do homossexualismo, do abortismo e do não-criacionismo, veio engrossar as fileiras dos homens bons, juntamente com J. Bornhausen, H. Fortes, e outros homens de bem, para que o grande molusco escarlate do ABC sofra a vingança necessária pelos seus atos indignos quando da usurpação presidencial, a qual todos nós repudiamos. Com isso, está cimentada a derrota da Dilma, pois ela perderá milhares de votos femininos, uma vez que muitas mulheres preferirão votar em uma mulher fiel às tradições familiares cristã, do que votar em uma fêmea insubmissa, serva do marxismo ateu, o que facilitará a vitória de Aécio ou Serra.

Dilma por sua vez, cada dia míngua mais, pois além de seu governo fraco, sofre o peso de ser a sucessora de Lula, uma espécie de maldição por ter sido escolhida por ele para esconder o grande fracasso que foi seu desgoverno de 8 anos no Brasil. Não é difícil constatar, portanto, que estamos assistindo o ocaso da era lulista, o fim da maldição vermelha, o término do sofrimento, atraso e retrocesso brasileiro em mãos bolchevistas, sem Lula e o PT nosso horizonte será bem melhor. Alvíssaras!”

Todos os blogues que atacavam Marina, pela sua militância no Partido Revolucionário Comunista, e trinta anos de petismo, mudaram os discursos, e agora, também elogiam o mudado Eduardo Campos.

Heriovaldo selicionou os blogues que se autoproclamam:

BLOGS SUJOS

Heriovaldo: "O Casal 20 do Bem"
Heriovaldo: “O Casal 20 do Bem”
pastor

O palanque do pastoril profano de Marina Silva

Rede-de-Marina-Silva

Marina saiu do PT e queria um Partido Verde só para ela, que no Brasil até os partidos políticos têm dono. Foi candidata a presidente e perdeu. Inventou de criar outro partido Verde, o Rede Sustentabilidade da segunda candidatura a presidente, e não conseguiu. Terminou no PSB, um partido socialista, o socialismo do PSDB, que tem o apoio do Partido Comunista do Brasil, o PCB, o pecezão que virou o pós-comunismo do PPS de Roberto Freire, que apoiava José Serra para presidente, e este recusou a legenda, que foi oferecida à Marina Silva, que também recusou, preferindo ser comandada por Eduardo Campos.

Disse Marina que a Rede não conseguiu registro por causa do chavismo, do socialismo venezuelano de Hugo Chávez e dos presidentes Nicolás Maduro, Cristina Kircner, Evo Molares e Raimundo Correa. Certamente, que neste time do Mercosul inclui Dilma Rousseff, a guerrilheira esquerdista.

Quando Marina começou na política pelo Partido Revolucionário Comunista (PRC), comandado por José Genoíno.

Casas de tolerância para uma mulher de vida fácil

por Gilmar Crestani

Marina vem aí. Os partidos de aluguel ligaram a luz vermelha e escancararam as portas. Tem dias que a noite é um breu… A nova, quando caiu a máscara, entrou em processo de envelhecimento precoce e em dois dias, a máscara da Natura revelou em velocidade estonteante, a decrepitude dos velhos métodos da República Velha. Por traz de uma marionete sempre há quem manipule: Itaú, Globo e Natura seus financiadores ideológicos. A Natura fornece o creme do rejuvenescimento, a Globo tem o photoshop da embalagem perfeita e  o Itaú é entra com seu compromi$$o com as verdinhas….

A capacidade da gestora Marina Silva foi posta à prova na sua decisão de criar um partido para chamar de seu, a Rede Sustentabilidade. Não conseguiu. A sua coerência, ética ou seja lá o que isso significa, ficou de pé menos de 24 horas. Marina: “Não tenho plano B. Meu partido é a Rede ou a Rede”.  E agora a filiação ao PSB. A tal de fidelidade partidária, identidade ideológica ou coerência de vida depende de quem manipula a fontoche. Quem nasce para marionete só tem futuro de capacho.

Balaio de gatos é o “novo na política”

Os nomes que vão combater o “chavismo” já começaram a aparecer.

Walter Feldmann (ex-PSDB), notório capacho de Serra e FHC, Bornhausen (ex-DEM) que dispensa apresentações, Heráclito Fortes (ex-DEM), o homem de Dantas na política. Aliás, são “Fortes” os argumentos desta união da Marina com Heráclitores no combate ao chavismo:

Telegrama obtido pelo WikiLeaks aponta que o senador Heráclito Fortes sugeriu que o governo norte-americano estimulasse a produção de armas no Brasil para conter supostas ameaças de VenezuelaIrã e Rússia. Em correspondência assinada pelo então embaixador americano Clifford Sobel”.

Assim, Marina Silva e suas ONGs que defendem interesses norte-americanos na Amazônia se soma a outro capacho dos interesses do Tio Sam. Com Marina Silva e Heráclitoris juntos, ficam dispensados os espiões da CIA. Terão tudo em primeira mão e em papel timbrado e assinado, “com subserviência, mister Sam”. Marina se soma ao balaio dos ressentidos movida pelo mesmo ódio das velhas senhoras da Globo.

 

“Podemos fazer alianças pontuais. Não precisamos eliminar sonhos. Mas é preciso que fique claro que somos diferentes“, afirmou Marina sobre a nova sigla REDE. E depois esta outra: “Não tenho plano B. Meu partido é a Rede ou a Rede”. E há quem afirme que Marina é o novo na política…

Marina diz que foi vítima de ‘chavismo’

Em reunião antes de se filiar ao PSB, ex-senadora acusou PT de táticas semelhantes à do líder venezuelano

Chamada de “plano C”, aliança com Campos foi articulada pelo deputado paulista Márcio França (PSB)

por Ranier Bragon, Natuza Nery e Dimi Amora

 

Na longa reunião em que comunicou a seus aliados a disposição de ingressar no PSB, Marina Silva centrou críticas no PT e no governo, dizendo haver risco de instalação no país do estilo político do presidente venezuelano Hugo Chávez, morto em março, acusado por seus críticos de perseguição contra a oposição e a imprensa.

No encontro ocorrido em sua casa, e que só terminou por volta das 5h de ontem, Marina disse que sua Rede Sustentabilidade foi vítima de “chavismo”, pela tentativa de aprovação no Congresso de projeto que sufocava as novas legendas e pelo alto índice de rejeição de assinaturas de apoio ao partido em cartórios como o do ABC Paulista, reduto do PT.

“O aparelhamento do Estado e das instituições pelo PT é insuportável. O caso da Venezuela é um populismo autoritário com inspiração militarista, aqui esse fenômeno é mais sofisticado”, disse o vereador paulistano Ricardo Young (PPS), um dos presentes à reunião.

Questionada em coletiva de imprensa sobre o uso da expressão, Marina afirmou que “houve um esforço para inviabilizar” o seu partido.

“Há, no país, uma tentativa, de forma casuística, de eliminar uma força política que legitimamente tem o direito de se constituir como um partido político. Vejo um risco de aviltamento da nossa democracia”.

No encontro com os aliados, Marina disse ainda que o PT comemorava ter “abatido ainda na pista” o “avião” da Rede. Essa reunião foi realizada logo após o encontro em que ela selou o acordo com o governador Eduardo Campos (PSB-PE).

PLANO C

“Você inventou isso. Agora, venha para cá urgentemente cuidar disso”, avisou, entre tenso e feliz, Campos ao deputado federal Márcio França (PSB-SP) na madrugada da última sexta-feira.

O paulista foi o idealizador da articulação que culminou na filiação de Marina.

França travou as negociações com o deputado Walter Feldman, que deixou o PSDB e ontem também se filiou ao PSB, e que é um dos principais operadores de Marina.

“Acreditávamos que a candidatura do Eduardo só aconteceria mais para frente, e seria necessário sangue frio para esperar. Com a filiação, vai se antecipar muito e ele só ganha com isso”, disse França.

Marina apresentou outra versão para a gênese do acordo, dizendo que ela teve a ideia de procurar Campos na reunião com os aliados logo após a sessão do Tribunal Superior Eleitoral que rejeitou a criação da Rede, na quinta.

Segundo ela, como todos falavam em plano A (a criação da Rede) e em plano B (sair candidata a presidente por outro partido), ela começou a bolar o “plano C” –”plano Eduardo Campos”.

“Ninguém teria coragem de propor a uma candidata com 26% das intenções de voto que ela desistisse de sua candidatura à Presidência para apoiar um outro candidato. Essa é uma iniciativa que só ela teria a capacidade de colocar na mesa”, afirmou o deputado Alfredo Sirkis (RJ), que também ingressou no PSB.

Ex-estrela do DEM, Heráclito Fortes virou PSB

por Josias de Souza

Frequentador da caderneta de políticos que Lula se empenhou para expurgar do Senado na eleição de 2010, o ex-senador Heráclito Fortes abandonou o DEM. Em cerimônia comandada pelo governador Wilson Martins, do Piauí, o arquirrival do PT filiou-se ao PSB. Vai ao palanque presidencial de Eduardo Campos em 2014 como candidato a deputado federal.

Heraclito, o Fortes
Heráclito, o Fortes

Eduardo estimulou o ingresso de Heráclito no partido. É o segundo inimigo figadal do PT que vira socialista em pleno voo. No final de agosto, tornou-se presidente do PSB de Santa Catarina Paulo Bornhausen (ex-DEM e ex-PSD), filho do ex-senador Jorge Bornhausen, outro velho desafeto de Lula e do PT. Num mundo de fronteiras ideológicas flexíveis, o PSB diversifica suas atividades. Além de partido, tornou-se clínica de cirurgias plásticas.

 

http://www.youtube.com/watch?v=xAc2_u-rLLA