Marina: Reformista ou acomodada?

por Carlos Chagas

Alpino
Alpino

 

Na campanha agora acirrada e cheia de surpresas, surge uma encruzilhada para a ex-senadora: diante da possibilidade de vencer a disputa, ela manterá a imagem de candidata que rejeita a prática vigente no país desde o governo Fernando Henrique, passando pelo Lula e por Dilma, ou, no reverso da medalha, prepara-se para amaciar? Fará concessões às forças conservadoras, evitando assustá-las, como estratégia para ganhar a eleição, ou preservará suas características de contestadora da velha política, imaginando ter sido esse o instrumento que a trouxe à pole-position?

Numa palavra, Marina apresentará uma nova “Carta aos Brasileiros”, no estilo Lula, garantindo a governabilidade e abrindo mão de seu perfil contestador? Ou seguirá atropelando concepções e diretrizes enraizadas no Brasil? A dúvida é saber por qual desses caminhos imagina chegar ao palácio do Planalto: recuar e garantir o apoio das elites ou avançar imaginando dispor da maioria do eleitorado ávido por mudanças fundamentais?

Em sua primeira aparição nas telinhas, sábado, ela ficou em cima do muro. Prometeu superar a velha política e criticou PSDB e PT, “que dividem o país numa guerra”. Denunciou a chantagem dos partidos sobre Dilma, “que troca ministérios por tempo na televisão” e até provocou Aécio, revelando esperar o apoio de José Serra. E enviou sinais à turma do agronegócio, através de seu candidato a vice, Beto Albuquerque.

Está sendo pressionada pela turma do “deixa disso”, no Partido Socialista, para não bancar o lobisomem, modelo que o Lula seguiu depois de vencer a eleição, dando garantias de que não mudaria as regras do jogo. A dúvida é saber se Marina conseguirá chegar ao 5 de outubro equilibrando-se entre os dois pólos contrários. Entre ser reformista, quase revolucionária, ou acomodada, submetendo-se ao modelo econômico, político e social vigente, estará chave do sucesso ou do malogro de suas pretensões. (Transcrevi trechos)

 

Marina é uma acomodada. Pra lá de acomodada
Aroeira
Aroeira

 

Deseja que o Gigante continue adormecido. A única mudança que propõe é que não adormeça mais em berço esplêndido. E sim em uma rede.

Informa hoje a agência alemã Reuters:

A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, aproveitou o programa de rádio e TV nesta terça-feira para reforçar seu discurso de que o país precisa de união e que pretende dialogar com outros partidos.

O discurso cada vez mais forte na campanha serve, por um lado, como um contraponto à polarização entre PT e PSDB, siglas que comandaram o país nos últimos 20 anos.

Mas as declarações de que ela buscará outras legendas e que há pessoas qualificadas em outros partidos funcionam ainda como uma sinalização para obter apoio para um eventual governo, se eleita.

“É preciso uma mudança na política, na relação com o Congresso (Nacional), e com a sociedade. Nós vamos chamar pessoas honestas e competentes. Vamos dialogar com os partidos”, disse Marina no programa eleitoral desta tarde.

Segundo o coordenador-geral adjunto da campanha, Walter Feldman, o argumento –que inclui o reconhecimento de avanços obtidos tanto pela gestão tucana quanto pela petista– estará cada vez mais presente, inclusive no debate da TV Bandeirantes previsto para a noite desta terça.

“Se não tivermos um governo que reforce a unidade das forças, e que não reconheça os avanços na questão social, na questão econômica, o país vai desandar”, disse Feldman à Reuters, por telefone.

“É momento de ter uma unidade nacional e esse processo não pode ser conduzido pelo PT nem pelo PSDB. Eles não se aceitam”, afirmou, acrescentando, no entanto, que há pessoas nesses e em outros partidos “dispostos a contribuir” para o avanço do país. [Deseja Marina um governo da pacificação dos protestos de junho de 2013, da anistia, de tudo como dantes no quartel de Abrantes.

  Osmani Simanca
Osmani Simanca

O que caí na rede é peixe 

[Veja que Marina, que reúne antigos correligionários do racha petista, prega a união com seus antigos adversários do racha tucano.

Walter Feldman é do racha do PSDB, José Serra é outro. Marina já apóia Geraldo Alckmin para governador, reeleição.

Do racha petista: A própria Marina, o vice Beto Albuquerque, a coordenadora da campanha Erundina, Heloísa Helena e outros velhos companheiros de Lula da Silva]

 

Todos contra Dilma e nenhuma critica à direita, à mídia monopolista, ao sistema bancário, aos tucanos, aos EUA

por Emir Sader

mercosul_cupula_uruguai_presidentes

mercosul

Texto em espanhol

O fenômeno tem se repetido – na Bolívia, na Argentina, no Equador, no Brasil. Setores que saem dos governos – ou que sempre tinham se oposto – supostamente pela esquerda, percorrem uma trajetória que os leva a se situarem como oposições de direita.

Evo Morales, Rafael Correa, os Kirchner, Lula e Dilma – teriam “traído”. E seriam piores que outros contendores, porque seguiriam fingindo que defendem as mesmas posições que os projetaram como grandes líderes nacionais. Por isso tem que ser frontalmente combatidos, derrotados, destruídos, sem o que os processos políticos seguiriam retrocedendo e não poderia avançar.

Foi assim que setores que eram parte integrante do governo de Evo Morales declararam que ele é o inimigo fundamental a combater, porque teria “traído” o movimento indígena. Daí a proposta de uma frente nacional contra ele, que incorporaria a todos os setores opositores, não importa quão de direita sejam.

A mesma coisa com Rafael Correa. Teria “traído” a defesa da natureza e se passado a um modelo extrativista, tornando-se o inimigo fundamental a combater. Daí que setores que se reivindicam porta-vozes dos interesses dos movimentos indígenas e ecologistas, se aliam expressamente à direita, para combater a Correa.

Na Argentina, os Kirchner teriam “traído” o peronismo, daí setores que faziam uma critica de esquerda ao governo – expressados, por exemplo, no peronista Pino Solanas – se aliam a setores de direita – como Elisa Carrió, entre outros -, para combater ao governo de Cristina Kirchner.

Poderíamos seguir com a Venezuela, com o Uruguai, porque o fenômeno se repete. Para poder operar essa transição de uma oposição de esquerda a uma de direita, é preciso demonizar os lideres desses processos, que seriam, piores do que a direita, daí a liberação para alianças com esses setores contra os governos.

No Brasil o fenômeno se deu, inicialmente, com o PSol e Heloisa Helena, que abertamente fizeram aliança com toda a oposição contra o governo Lula. Com a Globo, com os tucanos, com todos os candidatos opositores, na ação desenfreada e desesperada para tentar impedir a reeleição do Lula.

Abandonaram as críticas de esquerda – sobre o modelo econômico e outros aspectos do governo – para se somarem à ofensiva do “mensalão”, sem diferenciar-se do tom da campanha da direita.

O fenômeno teve continuidade com a Marina, que repetiu de forma mecânica a trajetória da Heloisa Helena na volúpia contra o governo Lula e a Dilma, quatro anos mais tarde. O destempero faz parte do processo de diabolização, que se caracteriza sempre, também, pela ausência de qualquer tipo de critica à direita – à mídia monopolista, ao sistema bancário, aos tucanos, aos EUA.

A relação desses setores com a direita tradicional é explicita: a essa ausência de criticas à direita corresponde uma promoção explícita dos candidatos que se dispõem a esse papel: Heloisa Helena, Marina, agora Eduardo Campos.
Todos contra o Evo, todos contra o Rafael Correa, todos contra a Cristina, e assim por diante. Aqui, agora, todos contra a Dilma.

Não há nenhuma duvida que o campo opositor está composto pelas candidaturas do Aecio, do Eduardo Campos, ao que se soma agora a Marina. As reuniões de Eduardo Campos com Aecio, a entrada do Bornhausen, do Heraclito Fortes, entre outros, para o PSB e o discurso “anti-chavista” da Marina, completam o quadro. Vale tudo para tentar impedir que o PT siga apropriando-se do Estado brasileiro para seus fins particulares, impedindo que o Brasil se desenvolva livremente.

Nenhuma palavra sobre o tipo de modelo econômico e social que desenvolveria caso ganhassem. Nenhuma palavra sobre o tipo de inserção internacional do Brasil. Nada sobre o papel do Estado. Silêncio sobre tudo o que é essencial, porque do que se trata é de tentar derrotar a Dilma.

Na verdade hoje a direita – seus segmentos empresariais, midiáticos, partidários – já se contentaria em conseguir que a Dilma não triunfasse no primeiro turno. O que vier depois disso, sera’ lucro.

Em todos os países, esses setores tem sido derrotados fragorosamente. Suas operações politicas não tem dado resultados, por falta de plataforma, de lideranças e de apoio popular.

Aqui também tem acontecido isso. O PSol foi ferido de morte por suas atitues em 2006. Marina abandona a plataforma ecológica para assumir o anti-comunismo de hoje (o anti-chavismo) e se somar à politica mais tradicional, sem sequer ter conseguido as assinaturas para registrar seu partido.

Termina no Todos contra a Dilma, cada um do seu jeito, mas com o objetivo comum. Esse cenário politico tem Evo, Correa, Cristina, como teve a Lula e agora tem a Dilma, como referência central. Os outros são os outros, sem plataforma, sem lideranças e sem apoio popular.