A casa de Chico Mendes que Marina comparou com os elitistas donos do Itaú, da Natura e de palácios e mansões

 

Casa de Chico Mendes que, segundo Marina, pertencia à elite.
Casa de Chico Mendes que, segundo Marina, pertencia à elite.

Mostro a casa de Chico Mendes. Mostro com orgulho. Uma casa que devia ser tombada pelo Patrimônio Histórico. Que Dilma Rousseff cuide disso.

Chico Mendes é um nome que faz parte da história das lutas libertárias, e da defesa da Amazônia brasileira, cobiçada pelos piratas estrangeiros como George Soros e outros banqueiros e especuladores internacionais.

Disse Marina Silva que Chico Mendes pertencia à mesma elite de Maria Alice Neca Setubal e Guilherme Leal:

“Quero combater essa visão de apartar o Brasil, de que temos de combater as elites. O Guilherme, da Natura, faz parte da elite, mas os ianomâmis também. A Neca é parte da elite, mas o Chico Mendes também é parte da elite. Essa visão tacanha de ter de combater a elite deve ser combatida”.

 

Marina é defensora das elites no poder. Papel dela. Sua candidatura é financiada para não mudar este eterno poder. Mas dizer que Chico Mendes faz parte da elite é macular o nome de um mártir, cujo cadáver Marina sempre explorou, como hoje faz com o cadáver de Eduardo Campos.

Cellus
Cellus

 

Duvido Marina mostrar as luxuosas mansões e palácios dos donos da Natura de Guilherme Leal, do Banco Itaú de Olavo Setubal, prefeito biônico de São Paulo na ditadura militar, e ministro do exterior do presidente José Sarney.

O pai de Neca financiou as prisões arbitrárias, a tortura e  os assassinatos do delegado Fleury.

 

Revolta da terra de Marina

Nota de esclarecimento sobre a declaração da candidata Marina Silva no debate da Rede Bandeirantes.

CHICO MENDES

Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Xapuri (Acre)

Diante da declaração da candidata à Presidência da República para as próximas eleições, Marina Silva, onde esta coloca o companheiro Chico Mendes junto a representantes da elite nacional, o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Xapuri (Acre), legítimo representante do legado classista do companheiro Chico, vem a público manifestar-se nos seguintes termos:

Primeiramente, o companheiro Chico foi um sindicalista e não ambientalista, isso o coloca num ponto específico da luta de classes que compreendia a união dos Povos Tradicionais (Extrativistas, Indígenas, Ribeirinhos) contra a expansão pecuária e madeireira e a consequente devastação da Floresta. Essa visão distorcida do Chico Mendes Ambientalista foi levada para o Brasil e a outros países como forma de desqualificar e descaracterizar a classe trabalhadora do campo e fortalecer a temática capitalista ambiental que surgia.

Em segundo, os trabalhadores rurais da base territorial do Sindicato de Xapuri (Acre), não concordam com a atual política ambiental em curso no Brasil idealizada pela candidata Marina Silva enquanto Ministra do Meio Ambiente, refém de um modelo santuarista e de grandes ongs internacionais. Essa política prejudica a manutenção da cultura tradicional de manejo da floresta e a subsistência, e favorece empresários que, devido ao alto grau de burocratização, conseguem legalmente devastar, enquanto os habitantes das florestas cometem crimes ambientais.

Terceiro, os candidatos que compareceram ao debate estão claramente vinculados com o agronegócio e pouco preocupados com a Reforma Agrária e Conflitos Fundiários que se espalham pelo Brasil, tanto isso é verdade, que o assunto foi tratado de forma superficial. Até o momento, segundo dados da CPT, 23 lideranças camponesas foram assassinadas somente neste ano de 2014. Como também não adentraram na temática do genocídio dos povos indígenas em situação alarmante e de repercussão internacional.

Por fim, os pontos elencados, são os legados do companheiro Chico Mendes: Reforma Agrária que garanta a cultura e produção dos Trabalhadores Tradicionais e a União dos Povos da Floresta.

Xapuri, 27 de agosto de 2014

José Alves – Presidente

Waldemir Soares – Assessor Jurídico

 

Maria profeta

“A Marina que a direita gosta”, por Urariano Mota

O retrato cubista de Marina

por Urariano Mota

 

marina silva(1)

marina_brava feia

Mais de uma pessoa já notou o quanto Marina Silva se tornou feia, em menos de 30 dias. No seu natural, ela nunca foi bonita. Mas havia nela uma face que, sem ser um feitiço para os olhos, despertava em toda a gente um afeto, uma admiração, uma, já disse o bloco de carnaval do Rio de Janeiro, uma simpatia que era quase amor. Agora, não. Aquela voz que jamais anunciaria voo de avião no aeroporto, desagradável, áspera, aguda, agora vem trêmula, vacilante, mecânica, que lembra mais um discurso de robô em peito de lata.

E aqui eu faço uma breve suspensão para o cubismo. Com absoluta certeza, muitos já viram quadros de Picasso, em especial o “Retrato de Dora Maar”. Ou melhor, para maior choque, o quadro “Dora Maar com gato”. Para a nossa vista acostumada a volumes, ou à ilusão de volume que tem um desenho em perspectiva, o quadro é um horror. É um quadro cubista. Isso quer dizer: no cubismo, os objetos e pessoas representadas quebram-se em muitas faces, decompõem-se. O artista procura a visão total da figura, examinando-a em todos os ângulos ao mesmo tempo. E devido à fragmentação excessiva dos objetos, torna-se quase impossível a identificação da figura original. A pintura apresenta duas, três ou mais caras juntas em um mesmo rosto.

dora-maar-picasso

Dora_Maar_Au_Chat

 

Pois assim tem sido Marina Silva. No último debate dos candidatos na Band, as suas muitas faces em um só plano eram quebradas, fragmentadas, expostas, mas reunidas todas em um só rosto. Mas sem harmonia para os olhos, aqui substituídos pelo que conhecemos dela. Por exemplo, ao ser questionada sobre as idas e vindas em São Paulo, sobre a sua candidatura estar ao lado de Alckmin e ao mesmo tempo não estar, ela afirmou: “Eu me sinto inteiramente coerente”. Aí vêm as coerências de um rosto cubista, porque assim falou Marina Silva: “Quando eu disse que não ia subir nos palanques que havia antes acordado com o nosso saudoso Eduardo Campos…” Notem o saudoso de passagem, mas saudade aí tem um conteúdo bem diferente do sentir falta.

Enio
Enio

Mas continuemos a reproduzir a fala da Marina saudosa, no sentido de quem tem uma alegre saudade: “Quando eu digo que quero governar com os melhores do PT, do PSDB e do PMDB…” Notem que ela substitui uma harmonia de ideias e valores partidários por uma seleção de melhores. Ótimo, para os ingênuos. Mas sob qual critério, os melhores serão eleitos por Marina, ela própria, que se acha a melhor dos melhores? E continua a rara orquídea decomposta em faces de um cubo: Ela criará o “Estado Mobilizador”, mas que diabo será isso? Uma injeção para uma corrida de 100 metros rasos? Não, é o Estado que nem é mínimo nem é provedor – e provedor vocês sabem o que é: é o Estado do Minha Casa, Minha Vida, por exemplo. Já o Estado Mobilizador é aquele capaz de mobilizar a iniciativa privada, empreendedorismo social, no atendimento das necessidades da população… Pelamordedeus: onde já se viu a iniciativa privada atender às necessidades da população? O valor do empresário, d aqueles mais empreendedores, é o lucro. Ponto.

Mas continuemos em outras faces e fases de Marina que ela justapõe no mesmo rosto. No debate da Band ela cravou: “Quero combater essa visão de apartar o Brasil, de que temos de combater as elites. O Guilherme, da Natura, faz parte da elite, mas os ianomâmis também. A Neca é parte da elite, mas o Chico Mendes também é parte da elite. Essa visão tacanha de ter de combater a elite deve ser combatida”. Meus amigos, essa eu vi e ouvi. Isso valeria para um atestado de óbito de um ex-militante socialista. Mas em Marina é apenas mais uma absurda face. A Neca, no caso, é acionista e herdeira do Banco Itaú, que para Marina é apenas uma educadora social. O Guilherme é um chapa, um cara legal, desinteressado, que não joga dinheiro fora por nada, só por amor ao retrato de Dora Maar. E Chico Mendes, bem, é aquele cara que foi morto na luta na floresta. Mas todos estão juntos e na elite, lado ao lado dos ianomâmis. Não é piada, é um escárnio, que já vem pronto.

“O senhor Leal, da Natura, deve bilhões ao fisco”, respondeu Fidelix, outro candidato. E mais: “A gente sabe também que o banco Itaú não quer pagar R$ 18 bilhões pela compra do Itaú-Unibanco. E a senhora está com essas pessoas”. A isso Marina respondeu que os empresários que respondam, porque ela mesma está acima de coisas tão mesquinhas. Mas continuemos.

Em outra face do seu retrato cubista, Marina hoje se declara contra a esquerda, ao mesmo tempo que se filia à luta da militância no Acre, quando lhe é conveniente. E critica, e chama de “velha esquerda”, a que se acha dona da verdade, que acha que vai começar tudo do zero. Na educação, sobre o ensino do criacionismo em escolas, Marina defendeu uma educação “plural”: “Se você coloca claramente para as pessoas que existe uma outra visão, a do evolucionismo, não vejo nenhum demérito nisso”, Mas o evolucionismo não é uma outra visão, para ser posta ao lado da criação do mundo por Deus. É a diferença entre ciência e crença medieval.

Disse antes que nos últimos tempos Marina se transformou num retrato cubista e cometi um pecado. Cubismo é arte. Ele está há séculos e anos-luz de distância das muitas faces de Marina Silva, em um só plano. E o plano dela é, o que reúne todas as suas faces: chegar à presidência da República. Nesse novo retrato dos últimos tempos, Marina é a encarnação de um amontoado de faces. Da falsa viúva à madona falsa, mas sempre de cabelos presos e com bastante pudor. Daqueles que a direita brasileira adora.

Chico Mendes1

chico elite

Guilherme Leal foi o vice de Marina, candidata a presidente pela Partido Verde, em 2010
Bilionário Guilherme Leal foi o vice de Marina, candidata a presidente pela Partido Verde, em 2010
O candidato a vice de Marina (PSB) passou a ser Beto Albuquerque, defensor dos transgênicos e dos agronegócios. Membro da Banca Ruralista é contra a reforma agrária e os sem terra
O candidato a vice de Marina (PSB) passou a ser Beto Albuquerque, defensor dos transgênicos e dos agronegócios. Membro da Banca Ruralista é contra a reforma agrária e os sem terra
CHEGA DE INTERMEDIÁRIAS- NECA PARA PRESIDENTE! Legenda e foto do portal 247
CHEGA DE INTERMEDIÁRIAS- NECA PARA PRESIDENTE! Legenda e foto do portal 247
Dora Maar, fotografada por Man Ray
Dora Maar, fotografada por Man Ray

As legendas das fotos são do editor do blogue (T.A.)

A volta da República velha de Marina que promete um governo com partidários da ditadura, Sarney, Collor, FHC e Soros

Marina prometeu governar com um banco de reservas. Nem isso. Pretende entregar os ministérios, o Banco Central, o Banco do Brasil, o Banco do Desenvolvimento, e o que resta de estatais, a zumbis, vampiros, sanguessugas de um circo de horrores. É um retrocesso, uma velha república com personagens de dupla nacionalidade. Uma elite que ela diz ser a cara de Chico Mendes.

7 motivos pelos quais Marina Silva não representa a “nova política”

por Lino Bocchini

Se a sua intenção este ano é votar em uma “nova forma de fazer política”, leia este texto antes de encarar a urna eletrônica

religião política eleição pastor

É comum eleitores justificarem o voto em Marina Silva para presidente nas Eleições 2014 afirmando que ela representaria uma “nova forma de fazer política”. Abaixo, sete razões pelas quais essa afirmação não faz sentido:

1. Marina Silva virou candidata fazendo uma aliança de ocasião. Marina abandonou o PT para ser candidata a presidente pelo PV. Desentendeu-se também com o novo partido e saiu para fundar a Rede — e ser novamente candidata a presidente. Não conseguiu apoio suficiente e, no último dia do prazo legal, com a ameaça de ficar de fora da eleição, filiou-se ao PSB. Os dois lados assumem que a aliança é puramente eleitoral e será desfeita assim que a Rede for criada. Ou seja: sua candidatura nasce de uma necessidade clara (ser candidata), sem base alguma em propostas ou ideologia. Velha política em estado puro.

novo Marina Beto Alkcmin

2. A chapa de Marina Silva está coligada com o que de mais atrasado existe na política. Em São Paulo, o PSB apoia a reeleição de Geraldo Alckmin, e é inclusive o partido de seu candidato a vice, Márcio França. No Paraná, apoia o também tucano Beto Richa, famoso por censurar blogs e pesquisas. A estratégia de “preservá-la” de tais palanques nada mais é do que isso, uma estratégia. Seu vice, seu partido, seus apoiadores próximos, seus financiadores e sua equipe estão a serviço de tais candidatos. Seu vice, Beto Albuquerque, aliás, é historicamente ligado ao agronegócio. Tudo normal, necessário até. Mas não é “nova política”.

Bira
Bira

3. As escolhas econômicas de Marina Silva são ainda mais conservadoras que as de Aécio Neves. A campanha de Marina é a que defende de forma mais contundente a independência do Banco Central. Na prática, isso significa deixar na mão do mercado a função de regular a si próprio. Nesse modelo, a política econômica fica nas mãos dos banqueiros, e não com o governo eleito pela população. Nem Aécio Neves é tão contundente em seu neoliberalismo. Os mentores de sua política econômica (futuros ministros?) são dois nomes ligados a Fernando Henrique: Eduardo Giannetti da Fonseca e André Lara Rezende, ex-presidente do BNDES e um dos líderes da política de privatizações de FHC. Algum problema? Para quem gosta, nenhum. Não é, contudo, “uma nova forma de se fazer política”.

banco central autonomia marina

4. O plano de governo de Marina Silva é feito por megaempresários bilionários. Sua coordenadora de programa de governo e principal arrecadadora de fundos é Maria Alice Setúbal, filha de Olavo Setúbal e acionista do Itaú. Outro parceiro antigo é Guilherme Leal. O sócio da Natura foi seu candidato a vice e um grande doador financeiro individual em 2010. A proximidade ainda mais explícita no debate da Band desta terça-feira. Para defendê-los, Marina chegou a comparar Neca, herdeira do maior banco do Brasil, com um lucro líquido de mais de R$ 9,3 bilhões no primeiro semestre, ao líder seringueiro Chico Mendes, que morreu pobre, assassinado com tiros de escopeta nos fundos de sua casa em Xapuri (AC) em dezembro de 1988. Devemos ter ojeriza dos muito ricos? Claro que não. Deixar o programa de governo a cargo de bilionários, contudo, não é exatamente algo inovador.

Chico Mendes, Marina, Neca

5. Marina Silva tem posições conservadoras em relação a gays, drogas e aborto. O discurso ensaiado vem se sofisticando, mas é grande a coleção de vídeos e entrevistas da ex-senadora nas quais ela se alinha aos mais fundamentalistas dogmas evangélicos. Devota da Assembleia de Deus, Marina já colocou-se diversas vezes contra o casamento gay, contra o aborto mesmo nos casos definidos por lei, contra a pesquisa com células-tronco e contra qualquer flexibilização na legislação das drogas. Nesses temas, a sua posição é a mais conservadora dentre os três principais postulantes à Presidência.

Ivan
Ivan

6. Marina Silva usa o marketing político convencional. Como qualquer candidato convencional, Marina tem uma estrutura robusta e profissionalizada de marketing. É defendida por uma assessoria de imprensa forte, age guiada por pesquisas qualitativas, ouve marqueteiros, publicitários e consultores de imagem. A grande diferença é que Marina usa sua equipe de marketing justamente para passar a imagem de não ter uma equipe de marketing.

Fausto
Fausto

7. Marina Silva mente ao negar a política. A cada vez que nega qualquer um dos pontos descritos acima, a candidata falta com a verdade. Ou, de forma mais clara: ela mente. E faz isso diariamente, como boa parte dos políticos dos quais diz ser diferente.

Há algum mal no uso de elementos da política tradicional? Nenhum. Dentro do atual sistema político, é assim que as coisas funcionam. E é bom para a democracia que pessoas com ideias diferentes conversem e cheguem a acordos sobre determinados pontos. Isso só vai mudar com uma reforma política para valer, algo que ainda não se sabe quando, como e se de fato será feita no Brasil.

Aécio tem objetivos claros. Quer resgatar as bandeiras históricas do PSDB, fala em enxugamento do Estado, moralização da máquina pública, melhora da economia e o fim do que considera um assistencialismo com a população mais pobre. Dilma também faz política calcada em propósitos claros: manter e aprofundar o conjunto de medidas do governo petista que estão reduzindo a desigualdade social no País.

Se você, entretanto, não gosta da plataforma de Dilma ou da de Aécio e quer fortalecer “uma nova forma de fazer política”, esqueça Marina e ouça Luciana Genro (PSOL) e Eduardo Jorge (PV) com mais atenção.

De Marina Silva, espere tudo menos a tal “nova forma de fazer política”. Até agora a sua principal e quase que única proposta é negar o que faz diariamente: política.

Sebastianismo brasileiro

Marina Silva, a herdeira da candidatura de Campos, é a figura mais perigosa com a qual o PT se poderia chocar

Rei Sebastião
Rei Sebastião

 

 

por Carlos Pagni/ El País, Espanha

Em 4 de agosto de 1578, Sebastião I, de Portugal, morreu na batalha de Alcácer-Quibir. Assim nasceu o sebastianismo, um movimento que profetizava o retorno do monarca morto para conduzir a nação. O mito se arraigou no Nordeste brasileiro e adquiriu com os séculos diversas modulações. A confiança em que a morte possa prover a política de uma redenção messiânica parece visitar de novo o Brasil nestes dias. As emoções desatadas pelo trágico desaparecimento de Eduardo Campos, o candidato presidencial do Partido Socialista Brasileiro (PSB), revolucionaram a campanha. Campos é, post mortem, o representante de muitos cidadãos que mal o conheciam quando estava vivo. Essa canonização agiganta a sua vice, Marina Silva, que ocupou o seu lugar. Dilma Rousseff nunca suspeitou que sua reeleição enfrentaria um desafio tão arriscado, tão inesperado.

A fórmula inicial do PSB tinha a extravagância de que Marina era muito mais conhecida do que Campos. Em 2010, ela havia conseguido 20 milhões de votos como candidata a presidente. E em meados de 2013 superava Dilma nas pesquisas. Com a morte de Campos o risco para Dilma se multiplicou. Segundo o Datafolha, Marina deslocou Aécio Neves, do PSDB, para o terceiro lugar. O PSB passou de 8% para 21%. Em um eventual segundo turno contra Dilma, Marina triunfaria.

A herdeira de Campos é a figura mais perigosa com que o PT se poderia chocar. Não é, como Aécio, um antibiótico. É uma vacina. É composta de uma substância parecida com a de seu rival.

A biografia de Marina parece, como a de Lula da Silva, um roteiro de Hollywood. Nasceu em uma família de agricultores, trabalhadores e donas de casa do Estado do Acre. Aos seis anos, uma intoxicação com mercúrio lhe causou transtornos que a afetam ainda hoje. Teve cinco malárias e três hepatites. Quando criança, perdeu a mãe. Trabalhou como empregada doméstica. Aprendeu a ler aos 16 anos. Formou-se em História. Casou-se, separou-se, voltou a se casar. Tem quatro filhos. Há dez anos é evangélica, da Assembleia de Deus.

Intimidada, Dilma se apoiou no pai do PT. Sua campanha defende “o país de Dilma e Lula”. Mas Marina pode ser vista, em um desdobramento subliminar, como uma herdeira mais genuína das promessas iniciais do governo. Marina, que foi ministra de Lula, tem apelo para uma esquerda desencantada pelas alianças conservadoras do PT e os escândalos de corrupção. Há outro no momento dando voltas: Paulo Costa, ex-diretor da Petrobras preso por manobras ilegais, decidiu falar, sob o regime de delação premiada. Transformado em homem-bomba, poderia revelar irregularidades da empresa.

Marina representa um ambientalismo algo nebuloso, o regresso a um paraíso perdido que combina com a antropologia radical de Eduardo Viveiros de Castro. Com um fraseado contemporâneo, defende o compromisso com a sustentabilidade do meio ambiente, produtiva, urbana. O partido de Marina, batizado com duas palavras da moda, Rede Sustentabilidade, rejeita doações de empresas de tabaco, agrotóxicos e bebidas alcoólicas.

Os rivais apresentam a intransigente Marina como uma Joana d’Arc da floresta. Ela tenta escapar desse retrato com o auxílio de dois multimilionários poderosos. Um é Guilherme Leal, dono da Natura, uma multinacional de cosméticos identificada com a preservação do meio ambiente. A outra aliada é Maria Alice Setúbal, Neca, acionista do Banco Itaú, o mais importante banco privado do país. Neca acaba de agitar a cena eleitoral com suas declarações à Folha de S. Paulo. Revelou que Marina promoveria uma lei para a autonomia do Banco Central e fixaria uma meta de inflação mais rigorosa, de 4,5%, descendente até os 3% em quatro anos. E também antecipou a incorporação de outros financistas ao entorno da candidata.

Marina Silva pretende tranquilizar o mercado e seduzir os eleitores urbanos de Aécio que, com a assessoria de Armínio Fraga, combate as desordens econômicas do governo de Dilma. O Brasil está às portas de uma recessão. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, o clima econômico é o pior desde 1991. É natural que Marina se rodeie de economistas ortodoxos, como Eduardo Giannetti ou André Lara Resende, um dos pais do Plano Real. Ou que queira incorporar Murilo Portugal. Giannetti acaba de definir o programa da candidata: câmbio flutuante, superávit primário e metas de inflação. Enquanto Dilma aprofunda o populismo, as oposições chegam a pontos comuns.

Os adversários de Marina tentam expor seu lado B. Certa inclinação ao sectarismo que já provoca faíscas com os líderes do PSB. Mas ela desfruta de um encanto próprio de candidatos como Lula ou Obama: consegue fazer com que muitos eleitores projetem sobre sua figura as melhores fantasias. O prodígio pode desvanecer-se. Mas o percurso é curto. Por ora, Marina encarna melhor que ninguém a inclinação da sociedade brasileira à mudança. Uma mudança de contornos pouco definidos. Como ela mesma.

 

Aroeira
Aroeira