Patrícia Poeta e a briga dos executivos da TV Globo

pat poeta

 

247 – O afastamento de Patrícia Poeta do posto de âncora do Jornal Nacional, principal programa da TV Globo, pode estar relacionado com uma decisão pessoal da jornalista.

Segundo a coluna Outro Canal, da Folha de S. Paulo, a notícia tem a ver com a compra de um apartamento feita por ela e seu marido, o diretor de programação da TV Globo, Amauri Soares.

O imóvel, no Rio de Janeiro, teria custado R$ 23 milhões. Mas não estaria aí o problema, e sim no proprietário que vendeu o apartamento para o casal.

Trata-se do empresário Georges Sadala, citado nas investigações sobre o bicheiro Carlinhos Cachoeira e como membro da chamada “gangue dos guardanapos”, termo criado pela oposição ao ex-governador Sérgio Cabral.

De acordo com a coluna, o vazamento à imprensa da notícia da compra do apartamento pela apresentadora do JN teria desagradado a cúpula da emissora dos Marinho e até sido tema de reunião.

Mais de um ano na ‘geladeira’

De acordo com o colunista de TV Ricardo Feltrin, também da Folha, os protagonistas do embate que resultou na saída de Poeta do JN foram Ali Kamel, diretor de jornalismo da Globo, e Soares, marido da apresentadora, que vivem em “constante rixa”.

Kamel, que já estudava Renata Vasconcellos na bancada do jornal, teria sido determinante para a saída de Patrícia.

Segundo Feltrin, não há, até o momento, nenhum projeto de novo programa para a jornalista, seja no entretenimento, no jornalismo ou na dramaturgia, fato que a deve deixar na geladeira por um ano ou mais.

É o fim do mundo: a última CPI

VEXAME

por Carlos Chagas

Do vexame da CPI do Cachoeira, nem há que falar. PSDB, PMDB e PT acertaram-se para que ninguém fosse indiciado, salvando-se todos, entre mortos e feridos. Nem os governadores Marconi Perilo e Agnelo Queirós, nem o empreiteiro Fernando Cavendish, muito menos a empresa Delta. O relatório final faz as vezes de réquiem para as Comissões Parlamentares de Inquérito. Depois dessa, nunca mais se constituirá outra.

VACA1

[Acrescento a Gangue dos Guardanapos e o chef governador Sérgio Cabral]

A Gangue dos Guardanapos: Sérgio Côrtes, Georges Sadala, Fernando Cavendish, Sérgio Dias (secretário de Paes) e encoberto Wilson Carlos (secretário de Cabral)
A Gangue dos Guardanapos: Sérgio Côrtes, Georges Sadala, Fernando Cavendish, Sérgio Dias (secretário de Paes) e encoberto Wilson Carlos (secretário de Cabral)

Minas Gerais quintal da Delta Construções

Anthony Garotinho: Georges Sadala é um dos integrantes da "Gangue dos Guardanapos"
Anthony Garotinho: Georges Sadala é um dos integrantes da “Gangue dos Guardanapos”

Georges Sadala Rihan levou a Delta para Minas Gerais, sendo o testa-de-ferro de Cavendish em vários negócios.  Quem denuncia é o deputado federal Anthony Garotinho.

Existia na internet um site de propaganda da Delta exclusivo para o País da Geral. Parte deste site ainda é possível acessá-lo via portais de pesquisas estrangeiros, desde que a construtora de Cachoeira vem apagando os rastros em vários Estados. Clique aqui 

A blindagem da imprensa vem evitando que se descubra as perigosas relacões de  Fernando Cavendish com o judiciário (caso da construção dos anexos do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) e reitorias. Idem governadores dos Estados mais ricos.

Grandes empresas de construções – que usam o mesmo modus operandi  –  participam desse esquema de proteção, e herdarão os negócios da Delta.  Tudo como antes no quartel de Abrantes.

Les races des petits et des grands seront égales en mille ans. No Brasil desconforme nada se faz que preste para o povo. Escolas, hospitais, moradias. Nada vale o preço das construtoras.

Taí o mensalão que começou com o mensalinho de Minas Gerais, e tem seu ponto alto na privataria tucana de São Paulo.

A Revolução de Trinta foi realizada para acabar com a política do café com leite. Que virou negócio, um alto negócio.

Pela denúncia de Garotinho, Georges Sadala Rihan, das empresas falidas

passou a ser dono de empresas que faturam, faturam, faturam sem parar

Considero um escândalo as investidas da nossa alta sociedade de empresários, cujas diversões Anthony Garotinho vem denunciando, de americanização dos costumes brasileiros.

Principalmente quando escolas de ricos festejam o halloween.

George e Ana Paula Sadala
George e Ana Paula Sadala