Reflexões sobre o Kit Felicidade

por Paulo Passarinho

Conforme era esperado, foi anunciado pela presidente Dilma Rousseff um conjunto de novas concessões a serem feitas pelo governo federal, envolvendo rodovias e ferrovias. Dentro de algumas semanas, será a vez de portos e aeroportos serem também concedidos à iniciativa privada.

A presidente não somente evitou a utilização da palavra privatização, como fez questão de destacar que o Estado não está se desfazendo de nenhum patrimônio, para “fazer caixa” ou para abater dívidas. Trata-se de uma explicação que deve ser entendida dentro do universo psíquico do neopetismo, conflitado entre o seu passado de oposição às privatizações e concessões realizadas por FHC e o seu presente, de eficaz gestor do modelo herdado do PSDB e mantido pelos governos de Lula e Dilma.

Aliás, Sergio Guerra, o presidente do PSDB, fez questão de divulgar uma nota paga nos jornais da imprensa dominante, elogiando e felicitando Dilma Rousseff pela sua iniciativa e pelo fato da mesma “ter aderido ao programa de privatizações”.

SEMPRE O BNDES

Com relação aos recursos financeiros disponíveis, observamos que novamente é o sempre presente BNDES, agora turbinado não somente pelas verbas do FAT – Fundo de Amparo ao Trabalhador, mas também por injeções de recursos do Tesouro Nacional, que estará financiando, a juros subsidiados, o investimento “privado”, incluindo empresas estrangeiras. Não satisfeito, o governo pretende, também, desonerar a folha de pagamentos à Previdência Social, dos setores de transporte aéreo e de carga, navegação de cabotagem, transporte marítimo, navegação de apoio marítimo e portuário, e manutenção e reparação de aeronaves, motores e componentes.

Porém, o que viabiliza essa verdadeira ditadura do capital e seu pleno domínio político sobre o Estado brasileiro é a mudança de posição política de vários atores, como o próprio PT e a CUT. Com relação a essa central sindical, seus principais dirigentes estiveram reunidos no Palácio do Planalto, no próprio dia do anúncio dessas novas privatizações, com representantes do governo. Ponderando apenas a necessidade de garantias de emprego e salários aos trabalhadores, o presidente da entidade, Vagner Freitas, considerou as medidas anunciadas como positivas.

Em um quadro como esse, e com muito pesar, reconheço que quem melhor definiu a natureza das decisões do governo foi o sempre presente e diligente defensor de seus interesses, Eike Batista. Para ele, o pacote de medidas é um “kit felicidade”. Para ele e os seus.

 

Governo oferece emprego para velhos e idosos

Os marajás e Marias Candelária

Cobacabana dos anciãos malandros

O Estado de Minas destaca que Belô possui uma Copacabana de velhos. E estampa como prova a foto de uma anciã, enfermeira de 80 anos, que passa o dia sem medo, na verde paz e na maior vadiagem: lendo num banco de praça, indo à igreja e visitando amigas.

Ô vida boa a dos aposentados!

O malandro do Fernando Henrique, aposentado precoce, aumentou o tempo de serviço do trabalhador dos 60, quando começa a velhice, para 65 anos, quando se é idoso.

Lula da Silva, que também foi beneficiado com uma aposentadoria precoce, pretendeu esticar o tempo de aposentadoria para os 70 anos, início da ancianidade.

Uma carência que motiva a campanha dos jornais, que não empregam cabelos brancos.

Na pisada que vai – do pisoteado salário piso da classe média, do salário mínimo do mínimo dos operários e camponeses e comerciários – o rico Ministério da Previdência, valhacouto de ladrões e sonegadores, ficará sem pés-na-cova para pagar aposentadorias e pensões. E com mais dinheiro economizado para o contentamento do FMI e para os beneficiários do BNDES – Banco do Desenvolvimento das montadoras e oficinas estrangeiras e do empresariado parasita brasileiro.