MÉTODOS DE PROTESTO NÃO VIOLENTOS E PERSUASÃO

polícia flor protesto estudante

████████████████ O ativismo inteligente exige estudo e por diversas vezes é extremamente eficaz. Esta é uma lista com métodos para fazer o seu protesto sem se utilizar da violência.

Declarações formais
1. Discursos públicos
2. Cartas de oposição ou de apoio
3. Declarações de organizações e instituições
4. Declarações públicas assinadas
5. Declarações da acusação e de intenção
6. Comunicações de petições em Grupo ou em massa
Comunicação com uma audiência mais ampla
7. Slogans, caricaturas e símbolos
8. Banners, cartazes e comunicações exibidas
9. Folhetos, panfletos e livros
10. Jornais e revistas
11. Discos, rádio e televisão
12. Escritas com fumaça no céu ou na terra

Representações em grupo
13. Delegações
14. Prêmios satíricos
15. Grupos de lobby
16. Piquetes
17. Simulacros de eleições

Atos públicos simbólicos
18. Exibição de bandeiras e cores simbólicas
19. Uso de símbolos
20. Oração e culto
21. Entrega de objetos simbólicos
22. Nudez em protesto
23. Destruição de propriedade própria
24. Luzes simbólicas
25. Mostra de retratos
26. Pintura como forma de protesto
27. Novos sinais e nomes
28. Sons simbólicos
29. Reclamações simbólicas
30. Gestos rudes

Pressões sobre os indivíduos
31. “Atormentar” funcionários
32. “Insultar” funcionários
33. confraternização
34. Vigílias

Teatro e música
35. Sketches cômicos e brincadeiras
36. Desempenho de jogos e música
37. Canto

Procissões
38. Marchas
39. Desfiles
40. Procissões religiosas
41. Peregrinações
42. Cortejos

Homenagem aos mortos
43. Luto Político
44. Simulacros de funerais
45. Funerais demonstrativos
46. Peregrinação a locais de sepultamento

Assembleias públicas
47. Assembleias de protesto ou de apoio
48. Reuniões de protesto
49. Reuniões camufladas de protesto
50. Invasões de aulas

Retirada e renúncia
51. Abandono de recinto
52. Silêncio
53. Renúncias a homenagens 5
54. Virar as costas

(Gene Sharp, The Politics of Nonviolent Action, Parte II, The Methods of Nonviolent Action.)

Nota do redator do blogue: Fotografe e/ou filme os protestos. Principalmente os policiais em ação: dando cacetadas, murros, prendendo manifestantes, atirando balas de borracha, bombas de efeito moral, bombas de gás lacrimogêneo, os cães, os cavalos, tudo que lembre a Gestapo, a ditadura militar de 64.
Esta é a arma mais temida pelos gendarmes:
polícia fotografia greve geral

Filme ou fotografe sem que a polícia perceba. Ela teme qualquer prova dos atos de violência. Este o motivo de atirar nos olhos de fotógrafos e cinegrafistas da grande imprensa ou imprensa alternativa.

O filme Diaz e Black Bloc

por Celamar Maione

BRA_OPOVO braça armado vândalo rua protesto

Sobre os Black Blocs, o grupo que vem agitando as manifestações. Eu tenho a minha opinião sobre: são um bando de garotos mimados, rebeldes sem causa, que sofrem com o descaso do poder público, como todo cidadão, mas acreditam que têm o direito de protestar e conseguir mudança na base da força.

São verdadeiras massas de manobra, manipulados por partidos políticos, sofrem de um vazio patológico e ainda se acham cheios de razão. Quem não concorda com os ideais “utópicos” dos “black blocs” são chamados de reacionários.

Eles acham-se o supra sumo da intelectualidade. Ontem eu estava vendo num vídeo, um discurso de um deles e deu vontade de rir. Total falta de noção. Discurso vazio. Sem conteúdo.

Tenho certeza que os políticos estão adorando os “Black Blocs”. São patéticos. A que ponto chegamos! Já deu! Mudança se faz com inteligência. O resto é presepada.

Brasil protesto

Concordo com Celamar Maione. Os “Black Blocs”, inclusive, justificam a ação brutal da polícia contra os manifestantes.

Existe um filme magnífico sobre esses extremistas, dependendo do regime, chamados de comunistas, anarquistas, capitalistas. Em Diaz, um grupo de jovens ativistas se reúne para o Fórum Social de Genova, que ocorre ao mesmo tempo que um encontro do G8. Eles ficam acampados na escola Diaz-Pascoli, e acabam surpreendidos com um ataque brutal da polícia, na noite de 21 de julho de 2011. Muitos vão parar no hospital e, mais tarde, acabam em um centro de detenção. A polícia planta dois coquetéis Motolov no local para justificar a ação. Mais informações aqui (clique). Inclusive trailer.

cartazete

fotocena4

É um filme que recomendo. A polícia em ação com seus cacetes, bate para matar; e chuta, e arrebenta estudantes e jornalistas. Até hoje nenhum policial foi preso pelo sangue derramado. As prisões, os interrogatórios são de um sadismo que lembra o fascismo. Do filme poderemos tirar várias lições.

Que sempre existirá infiltrados da polícia. Para motivar a violência dos jovens e, consequentemente, a resposta da ordem pública – o terrorismo policial, como legenda de medo, e assim afastar o povo das ruas – os manifestantes pacíficos.

Entre os vândalos existem, além dos policiais, agentes estrangeiros – a Primavera Árabe bem comprova essa participação.

O que difere um Black Bloc de um infiltrado, que este é um profissional pago.

protesto governo polícia