O povo doente e a saúde dos bolsos de prefeitos, secretários, mercadores de planos e outros comerciantes da morte

bauru morte saúde
BRA^PA_OL planos saúde

BRA^SP_ODDM saúde gestante hospital
BRA^SP_OV doentes em maca saúde hospital
BRA_JP secretário saúde
BRA_OP prefeitos saude
diario_cuiaba. saúde

Brasil: 1,8 médico por mil habitantes. Motiva filas e consultas “rapidinhas”

BRA^MA_OI médicoBRA^MA_OEDM médico

BRA_CB Dilma médicosBRA_JSC hospital

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou nesta terça-feira que o programa Mais Médicos, lançado nesta segunda-feira, 8, criará mais vagas para esses profissionais. Padilha sustentou que a discussão a respeito do projeto deve ser realizada “de forma respeitosa e com diálogo”, ante as avaliações feitas por associações médicas.

De acordo com a Agência Brasil, em contestação às regras divulgadas, os médicos anunciaram uma greve. O ministro da Saúde reiterou que a prioridade da administração federal é ocupar os postos com brasileiros. “Estamos deixando claro que o programa não vai tirar vagas de médicos brasileiros, pelo contrário, vai gerar mais empregos para esses profissionais. Com os investimentos de mais de R$ 7 bilhões em infraestrutura que já estão em andamento, e mais de R$ 5 bilhões previstos, serão abertos 35 mil postos de emprego nessa área no Brasil”, afirmou.

Padilha disse que, ao avançar no assunto, o Poder Executivo “enfrenta tabus”, como o conceito de que há profissionais excesso no País e que a questão é a distribuição. “Estamos mostrando, com dados concretos, que faltam médicos no Brasil, não só na comparação com países europeus, mas com países aqui do lado, como a Argentina e o Uruguai”, disse, declarando que nações com alto nível de desenvolvimento econômico e social que adotaram projetos análogos também enfrentaram forças opostas num primeiro momento.

Segundo o Ministério da Saúde, existe no País 1,8 médico por mil habitantes, ao passo que na Argentina a fração é 3,2; no Uruguai, 3,7; em Portugal, 3,9, e na Grã-Bretanha, 2,7. “Vamos continuar dialogando (com os médicos), montamos um grupo de trabalho com entidades médicas, mas a questão é que faltam médicos no Brasil e a culpa não é dos médicos brasileiros. Mas o único interesse que temos de observar são as necessidades de saúde da população”, garantiu.

AE

BRA^MG_CDU médico

VANDALISMO DE VERDADE

por Vittorio Medioli

 

BRA^PA_AH saúdeBRA^PA_DDP saúdeBRA_JOBR saúde

Vandalismo, dizem os vândalos e os despolitizados, é deixar milhões de brasileiros correndo desesperadamente de um posto de saúde a outro sem encontrar atendimento, hospitais lotados em seus corredores, com falta de médicos, leitos e material.

Vandalismo entre esses arruaceiros é considerado deixar um idoso sentado numa cadeira escancarada por 24 horas tomando soro até ruir aos pés dos filhos que choram, apenas choram. Deixar um enfartado morrendo numa maca suja; “internar” pacientes em colchonete estendidos no chão, sem fraldas, lençóis; aguardar 15 dias para recompor uma fratura exposta que leva a amputação. Não ter fio cirúrgico e álcool, remédios e o básico.

Outro vandalismo que as ruas comentam é não ter creches para crianças que vivem em ambientes insalubres e imundos; vandalismo de Estado é prometer 6.300 creches em quatro anos e depois de 30 meses ter apenas um número insignificante e, portanto, não informado. Barbaridade é ter 39 ministérios inúteis e criar mais um para abrigar Afif Domingos, um dublê de empresário, mas assim mesmo merecer seu kit de jato-executivo, cartão corporativo, residência oficial e um sem números de assessores e serviçais. (Continua)

 

BRA^RJ_EX Rio de Janeiro hospitalBRA_OPOVO hospital criançaBRA^SC_DDL previdência velho indignadosBRA_HOJE idoso velho BRA^SP_TI corpo incendia nova máfia orfanato abrigo