Eike Batista envolvido em uma trama assassina. Prefeita Carla Machado, de bebança em um bar, contrata pistoleiro que chama de “meu bichinho”

Prefeita Carla Machado
Prefeita Carla Machado

Eike Batista, o homem mais rico do Brasil, aparece em um negócio de terras. Quem denuncia é o deputado federal Anthony Garotinho, ex-governador do Rio. Ele não explica a história, mas prova como a prefeita Carla Machado, de bebança com um pistoleiro, contrata o assassinato de uma assistente social da Apae. De nome Lenilse

É uma conversa safada, melosa, íntima demais, carinhosa, cheia de “meu bichinho” pra cá, “meu bichinho” pra lá. Só essa amizade bandida, de prefeita bêbada em um bar com um seboso, constitui uma baita falta de decoro. Basta isso para ser cassada. Desde que existam vereadores com moral para tanto.

Revelada, a trama assassina passa a ser um caso de polícia. E da justiça. Trata-se de uma morte que precisa ser evitada.

A MORTE ANUNCIADA DE UMA FUNCIONÁRIA DA APAE

Tramar a morte de uma pessoa, contratar um assassino, pode não ser crime no Estado do Rio de Janeiro.

Pelo papo de mesa de bar não sei quem é mais bandido: se a prefeita se o parceiro. Um pelo outro não quero troca.

Esse Samuca precisa ter o passado investigado. Um passado que a prefeita conhece. Ninguém contrata qualquer um para bater, torturar e matar uma pessoa. O Samuca é um profissional.

Eis a conversa e risadinhas dos dois criminosos:

Escute. Clique aqui. Trata-se do planejamento de um crime de morte violenta. Cruel. Matar de pancadas. E para espanto nosso, a triste realidade de saber como se tornou fácil contratar um pistoleiro no Estado do Rio de Janeiro, terra sem governo e lei, das chacinas e das milícias.