FACÇÃO CRIMINOSA. SUMIU PROCESSO CONTRA GRUPO DE AÉCIO COM PROVAS DE CORRUPÇÃO, ASSASSINATO E SUBORNO

por Marco Aurélio Carone/ Novo Jornal

 

Aécio e Anastasia. Os processos contra eles desapareceram
Aécio e Anastasia. Os processos contra eles desapareceram

Só mesmo por meio da interferência de organismos internacionais a moralidade e a legalidade poderão ser restauradas em Minas Gerais. A princípio imaginava-se que uma intervenção federal seria suficiente para pôr fim as constantes quebras das garantias civis e do Estado Democrático de Direito, porém sabe-se agora que a organização criminosa que opera em Minas Gerais tem apoio e até mesmo participação de integrantes da máquina pública federal.

Hoje sem medo de cometer injustiça, pode-se afirmar que os diversos poderes do Estado de Minas Gerais encontram-se reféns de um grupo criminoso que ameaça, intimida, frauda, sequestra e mata sob a proteção das instituições do governo do Estado. A Polícia, o Ministério Público e a Justiça que deveriam combater a organização criminosa estão imobilizadas devido o comprometimento de seus dirigentes.

Não se pode isentar de culpa nem mesmo o governador, Antônio Anastasia, uma vez que é de seu total conhecimento o que vem ocorrendo no Estado. É bem verdade que Anastasia herdou de Aécio o esquema criminoso já montado, entretanto a permanência do mesmo assim como de seus integrantes junto à máquina pública estatal indiscutivelmente depende de sua cumplicidade.

Como já narrado em outras reportagens, Minas Gerais se transformou em um Estado perigoso de se viver, e principalmente para constituir família e criar filhos, em função da inversão de valores após a eleição de Aécio Neves em 2002. Diante de seus vícios e hábitos, sua ida para o Poder representou a captura das instituições do governo por seus companheiros de vício e práticas.

Literalmente, a droga, a corrupção e a pederastia, (não confundir com homossexualismo, opção sexual) passou a ser quesito primordial para escolha de seus assessores e auxiliares. Evidente que a imprensa pouco falou a este respeito devido à censura imposta, contudo os que não eram adeptos do vício e das práticas de Aécio foram afastados do círculo do Poder.

Até mesmo no interior do Estado, tal fato ocorreu através da eleição de prefeitos e vereadores adeptos do que se convencionou chamar de “modelo Aécio”.

Por justiça, é necessário destacar que a grande maioria dos integrantes do TJMG e do MPMG vem lutando contra este estado de desmanche institucional, porém, desembargadores, juízes, promotores e procuradores são impotentes diante do comprometimento de seus dirigentes com o “modelo Aécio”.

Durante seis anos tramitou no TJMG o processo nº 0024.06.001.850-4 oriundo do inquérito nº 1027539, colhendo provas e depoimentos de integrantes e vítimas do esquema criminoso montado no Poder Judiciário, no Ministério Público e na Polícia Civil do Estado de Minas Gerais, até que o mesmo foi noticiado por Novojornal.

A partir deste momento o processo passou a tirar o sono de Aécio Neves, pois as investigações fatalmente chegariam a ele devido seu envolvimento em fatos apurados e citados nas investigações e da comprovada participação de seus principais assessores e amigos no esquema criminoso.

Além de Aécio, grandes empresários, advogados e alguns integrantes dos Poderes, Executivo, Legislativo, Judiciário do Ministério Público e da Polícia Civil de Minas Gerais também passaram a temer o processo.

Após a instauração do inquérito nº 3530 no STF em Brasília devido ao atentado contra Nilton Monteiro atribuído a Césio Soares Andrade, Eduardo Azeredo e Walfrido dos Mares Guia o processo anteriormente citado passou a ser cobrado insistentemente pela Polícia Federal, pelo STF e CNJ e ninguém o encontrava.

Segundo seus colegas, incansável foi à busca pelo advogado Dino Miraglia, nas diversas varas por onde passou o processo para encontrá-lo e comprovar serem verdadeiros os documentos e fatos narrados por Milton Monteiro, que embora não condenado, se encontra preso por prazo “indeterminado” sob a acusação de falsificação de documentos. Diante da insistência do Dr. Dino o TJMG foi obrigado a certificar que o processo havia desaparecido.

Consta da representação do Dr. Dino ao CNJ que o delegado Nabak vem avocando todas as investigações que tenham relação com o grupo criminoso a exemplo dos inquéritos que estavam sob sua presidência quando de sua transferência do DEOESP e de ser o responsável pelo desaparecimento do processo.

A atuação do delegado é igualmente investigada em vários procedimentos instaurados pelo Ministério Público Mineiro e através da Ação Penal do processo nº 0024.13.003.776-6 por ter ameaçado de morte o advogado de Monteiro, Dr. Dino Miraglia.

Enquanto isto, Nilton Monteiro permanece como preso político do PSDB mineiro, tendo em vista ter entregado a “Lista de Furnas”, a “Lista do Mourão”, AP 2280 ao STF e por ser a principal testemunha de acusação no processo do Mensalão tucano. Segundo versão corrente no meio jurídico, dificilmente o mesmo sairá vivo da prisão, principalmente, após o atentado conforme apurado no inquérito 3530 do STF.

Novojornal teve acesso à representação do Advogado Dino Miraglia e de Milton Monteiro ao Conselho Nacional de Justiça – CNJ, acompanhada das principais peças constantes do processo desaparecido. Tais peças são disponibilizadas com exclusividade para nossos leitores. Trata-se de documentos que chocam qualquer cidadão comum, pois mostram as vísceras do Poder construído por Aécio Neves e seu grupo.

Importante: Todos os documentos apresentados nesta reportagem estão autenticados e a disposição do TJMG com o advogado Dr. Dino Miraglia, caso o Tribunal queira restaurar o processo desaparecido.

 

Transcrito do GGN e diferentes blogues 

Encontro Latino Americano de Mídia e Ativismo

faccao.head.

POLÍTICAS PÚBLICAS

Políticas públicas para as Mídias Livres e direito, acesso e democratização dos meios de comunicação são os dois temas que orientam o Eixo de debates das Políticas Públicas. A Comunicação como Direito, as propostas de democratização e regulação dos meios de Comunicação frente ao monopólio da mídia e o enfrentamento ao coronelismo digital. O Marco Civil para a Internet, o Projeto de Lei da Comunicação e a Lei de Meios brasileira.

TECNOLOGIAS

O eixo Tecnologia traz as discussões sobre a liberdade tecnológica e política na concepção, distribuição e modificação de redes, plataformas, hardwares e softwares. A neutralidade da rede, a garantia do acesso igualitário e do livre tráfego de informações, é um dos pontos centrais da discussão, que também abarca temas com a segurança e a vigilância na rede, a difusão e produção descentralizada, plural e colaborativa, a inclusão digital e a representatividade cultural e étnica dos conteúdos, plataformas. Rádio e TV digital, software livre, apropriação tecnológica.

ATIVISMO
O eixo Ativismo faz um balanço das Jornadas de Junho e dos movimentos globais, coloca em questão a tensão entre estado e sociedade, a violação do direito à liberdade de expressão e a repressão aos manifestantes. O eixo irá explorar formas de promover mudanças sociais, políticas, econômicas e ambientais. A emergência de novas redes e movimentos de ativismo, midiativismo, ativismo digital, ações diretas, campanhas, boicotes, protestos, desobediência civil, ocupações, greves de fome e outras formas de ação serão debatidas como alternativas de pressão e transformação da realidade.
Quais as linguagens que surgem das práticas ativistas? O eixo Linguagens problematiza a lógica de produção do discursos e aponta para novas estéticas, explorando práticas de subversão dos lugares de fala cristalizados e disputando simbolicamente novas narrativas. A revolução das transmissões ao vivo, as instalações, ocupações culturais, os escrachos, as projeções e o fotojornalismo 2.0 são alguns dos temas que refletem experimentações em torno de novas estéticas do fazer político, fundadas em uma inteligência colaborativa e horizontal O eixo também vai discutir a midia-multidão, as linguagens audiovisuais, as rádios, o cinema, a música, o teatro/performnce, e as relações entre estética e política.

DE LA CALLE AL CONGRESO. Líderes estudiantiles chilenos buscan ser diputados

[No Brasil, os líderes estudantis são presos. E fichados, pela polícia, como membros de facções criminosas. O Brasil é mais pinochetista que o Chile]

Camila-Vallejo h

A poco más de un mes de convertirse en madre primeriza, Camila Vallejo cierra su campaña a diputada por la populosa comuna de La Florida, donde ella creció.

Sube al escenario sonriente, con jeans y su cabello a medio recoger, pero ahora no le habla sólo a estudiantes. Padres, niños y ancianos se congregaron para escuchar a una de las mayores figuras del movimiento estudiantil que en 2011 sacó a miles de personas a las calles, en reclamo de una educación pública, gratuita y de calidad.

En la tarima, Camila, de 25 años y egresada recién de Geografía, llama a todos a votar el domingo y afirma que éste es el “inicio de una nueva primavera, de un nuevo ciclo político en Chile” con la misma convicción con la que llamó a derribar el sistema educativo heredado de la dictadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Vallejo, que saltó a la fama tras presidir la poderosa Federación de Estudiantes de la Universidad de Chile, postula por el Partido Comunista, que para esta elección se unió al pacto Nueva Mayoría, la coalición de la exmandataria socialista Michelle Bachelet, favorita para ganar la elección presidencial del domingo, que se realiza junto con la parlamentaria.

Su apoyo a Bachelet es visto por algunos como una traición. En enero de 2012, afirmó que “jamás estaría dispuesta a hacer campaña por Bachelet ni llamar a los jóvenes a votar por ella”.

Pero ahora la respalda con fuerza. En sus carteles aparece apoyada en su hombro, bajo el lema “juntos vamos al Congreso”.

“Es una decisión política que asumimos para poder hacer viable y materializables las demandas de la calle en un futuro gobierno, en un futuro parlamento”, explica Vallejo en una entrevista con la AFP.

El Partido Comunista, relegado por años de la primera línea de la política chilena, resolvió tempranamente apoyar a Bachelet, a cambio de asegurar el respaldo a sus candidatos al Parlamento, entre ellos Vallejo, que tiene casi asegurada su elección.

Un camino distinto

El expresidente de la federación de Estudiantes de la Universidad Católica Giorgio Jackson optó por un camino distinto. Formó un movimiento político, Revolución Democrática, y decidió postularse como independiente por la comuna de Santiago, al no lograr un acuerdo con Nueva Mayoría para definir los candidatos de la comuna en primarias.

Pero por expresa petición de Bachelet, el pacto no inscribió competidores en esa comuna, apoyando a Jackson, que a sus 26 años y recién titulado como Ingeniero Civil, tiene también casi asegurada su elección

“No quiero ser un espectador, sino un actor. Y ser un actor es también asumir responsabilidades y poder aprovechar esa responsabilidad”, dice Jackson a la AFP, tras reunirse con un grupo de amas de casa y jubiladas en un club social de Santiago, a la mitad de su campaña.

El movimiento que lo apoya, integrado por jóvenes profesionales desconfiados de los partidos políticos tradicionales, resolvió no apoyar a Bachelet aunque en una eventual segunda vuelta Jackson ha señalado que apoyaría a la exmandataria, que ha comprometido una profunda reforma educacional.

De las calles al Congreso

En 2011, Giorgio y Camila lideraron más de 40 multitudinarias marchas por Santiago, haciendo tambalear el gobierno del derechista Sebastián Piñera. Camila deslumbró al mundo por su belleza, la convicción y serenidad para plantear la necesidad de cambios radicales.

Giorgio, por su parte, fue alabado por su templanza pero también por el manejo de cifras y elementos técnicos. Otros dirigentes estudiantiles de esa época, como la comunista Karol Cariola, y los independientes de izquierda Gabriel Boric y Francisco Figueroa postulan también al congreso.

¿Qué aprendieron de la calle?

“Aprendí a desconfiar. Aprendí a organizarme, aprendí a presionar y también aprendí a comunicar algunas cosas. Y a escuchar mucho, eso es lo que uno más hace”, dice Jackson a la AFP.

Ahora, desde el Congreso, ambos buscan ser la voz de los estudiantes pero también de otros movimientos sociales que irrumpieron a la par de los estudiantes.

“La educación fue mi leitmotiv para poder ingresar al parlamento, es mi razón, pero ya avanzando en el tema educacional, yo creo que también hay otros temas, el tema de las pensiones, el tema de la salud, que viven la misma crisis que la educación y también los temas medioambientales”, dice Camila, que debió hacer un alto en el acto para amamantar a su pequeña hija, Adela.

(República, Uy)

FACÇÃO – Encontro Latino-Americano de Midiativismo

encontro mídia

Depois de ser palco das principais manifestações brasileiras em 2013, o Rio de Janeiro se configurou como sede de uma potente rede de midiativistas, comunicadores capazes de, juntos, pautarem uma nova leitura dos fatos, apresentando narrativas independentes e questionadoras.

O encontro FACÇÃO reunirá centenas de pessoas do Brasil e da América Latina, entre jornalistas, comunicadores, movimentos sociais, blogueiros, artistas, agentes culturais e desenvolvedores de tecnologia livre nos dias 22 e 24 de novembro para debates e atividades, que construirão propostas para a democratização da comunicação.

O evento apresenta 4 eixos centrais: Ativismo, Linguagens, Tecnologias e Políticas Públicas. O intuito é avaliar o cenário contemporâneo da mídia, levando em conta o movimento independente que vem ganhando cada vez mais espaço.

Temos um grande desafio pela frente: furar a barreira dos meios hegemônicos para construir informação a partir de todas as camadas da sociedade.

Fotógrafos Ativistas. Veja outros organizadores/apoiadores. Inscreva-se

Lugar de estudante é na cadeia. A USP quartel de Alckmin

Ao menos 20 estudantes da Universidade de São Paulo (USP) seguiam acampados em frente ao 91º Distrito Policial da capital paulista, na Vila Leopoldina, Zona Oeste da cidade, no fim desta manhã, segundo o Diretório Central Estudantil (DCE). Eles protestam contra a prisão dos dois estudantes. Leia a versão da Globo que ama os cantores de rock e faz da coleta de dinheiro do Brasil Esperança o mais rendoso programa de salvação das 250 mil crianças prostitutas e dos filhos da rua.

Estudante "vândalo", "terrorista", "bandido", "quadrilheiro", membro de perigosa "facção criminosa", preso pela mansa  polícia de Alckmin
Estudante “vândalo”, “terrorista”, “bandido”, “quadrilheiro”, membro de perigosa “facção criminosa”, preso pela mansa polícia de Alckmin
usp-livre-144

A Justiça acaba de conceder o relaxamento judicial da prisão de Inauê Taiguara e João Vitor, presos arbitrariamente no último dia 12, durante a reintegração de posse da reitoria.

Eles estão no Centro de Detenção Provisória Osasco II e serão liberados ainda hoje. O processo contra eles, com as acusações de formação de quadrilha, furto qualificado e depredação ao patrimônio público, continuará existindo e é preciso lutar contra estes processos.

A opinião pública não pesa na balança da justiça

Pesquisa publicada em 2 de agosto de 2010: A maioria da população considera a Justiça no Brasil morosa, cara e parcial. A conclusão faz parte de uma pesquisa da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (Direito GV), que divulgou  o Índice de Confiança na Justiça (ICJBrasil).

De acordo com o levantamento, 88% das pessoas avaliam que o Judiciário resolve os conflitos de forma lenta ou muito lenta. É. Promete ser bem rápida para criminalizar os movimentos sociais. Legalizando o prende e arrebenta das polícias de Alckmin e Sérgio Cabral.

Espero que os juizados móveis sejam para evitar o uso de armas letais, notadamente armas químicas. Os tiros de balas de borracha nos olhos de fotógrafos e cinegrafistas. Os espancamentos de adolescentes. E para permitir o socorro da Cruz Vermelha e outras associações de médicos ativistas.

BRA_OG juizados móveis

Para 80% dos brasileiros, os custos para acessar a Justiça são altos ou muito altos, e 60% acreditam que ela é nada ou pouco independente.

Isso piora nos casos dos tribunais das polícias militares. Tribunais nada transparentes. E corporativistas.

BRA_GDP Curitiba2 justiça mais cara

Eis uma reivindicação do povo pobre que, para ter um advogado, precisa do humilhante e estigmatizante atestado de pobreza:

BRA_FDL justiça cara

Uma campanha que falta ser realizada no Brasil
Uma campanha que falta ser realizada no Brasil

Polícia de Eduardo Campos enquadra manifestantes por formação de quadrilha e outros horrendos crimes

Cristiano Vasconcelos (Resistência Pernambucana), Igor e Diego, todos da Frente Independente Popular – PE, foram indiciados hoje por “Formação de Quadrilha”, “Corrupção de Menores” e “Crime de Incêndio” (caso do dia 21 de agosto) pela delegada Patrícia Domingues. “A repressão está grande em nosso estado, e pedimos que todos os companheiros, no Brasil, divulguem a forma com que Eduardo Campos, ditador de Pernambuco, reage diante dos movimentos sociais nesta terra de coronel. LUTAR NÃO É CRIME!”

lutar

“Qual é a diferença entre a depredação que acontece em um dia de jogo e em dia de protesto? É que a segunda é perigosamente engajada demais para passar em branco.
102 ônibus depredados e nenhuma pessoa presa. Depois acham ruim quando dizemos que as prisões em dias de protesto são políticas!
Os jogos do último final de semana, entre Sport e São Caetano e Santa Cruz e Betim, deixaram um saldo de 102 ônibus depredados. As destruição ocorreu antes e depois das partidas. http://leiaja.me/mkBbEX
jogo

O Movimento Popular promete não se intimidar

lei

E bate forte: “Dudu Malvadeza e Marina Mentirosa estreiam ‘O Ilusionista’. O Filme conta a história de um governador inescrupuloso que cria um Estado de faz de conta onde ninguém podia dizer não ao Rei, que se junta à malvada Marina Avon para enganar o povo. O filme está cotado pra estrear em outubro de 2014, na mostra de cinema tupiniquim ‘O circo bufo da Farsa Eleitoral’. Não percam!
BREVE NOS PIORES CINEMAS E DVD’S PIRATAS!
NÃO SE DEIXE ENGANAR POR ESSA ILUSÃO…

O ILUSIONISTA – Mestre em fabricar resultados fechando escolas. Em sua sanha política, pretende mandar para ALEPE, projeto que joga para as prefeituras a responsabilidade com o Ensino Fundamental. Com isso, espera construir um modelo de Ensino Médio questionável e ineficiente, e apresentar como vitrine para o país nas eleições. O ILUSIONISTA PRETENDE ENGANAR A TODOS!”
dudu

O Movimento considera demagógicas e falsas as declarações de Eduardo Campos tipo: Se fosse mais novo e não ocupasse uma posição política de destaque no Estado, também participaria dos protestos por um #brasilmaisjusto. “Claro que eu iria a uma manifestação dessa se eu tivesse a idade deles e não estivesse nesta posição”, se referindo aos estudantes, maioria dos ativistas. O governador considera as manifestações legítimas e já disse que a polícia não deverá usar de violência para conter os mais fervorosos.