Convocan una conferencial internacional “Por la salida del euro y la recuperación de la soberanía”

Encuentro de Movimientos Emancipatorios de los Pueblos del Sur de Europa, 10-11 de Octubre 2015 en Barcelona

euro sair
Objetivos generales
La Plataforma por la salida del Euro recientemente constituida en el estado español convoca un Encuentro de Movimientos Emancipatorios de los Pueblos del Sur de Europa, para analizar la grave situación que sufren nuestros pueblos bajo la dominación y tiranía de la moneda única y su sistema económico-político.

El encuentro tiene como objetivo impulsar la liberación de los Pueblos del Sur de Europa de la moneda única, el Euro, y el corsé que supone la UE y sus tratados. Para ello se propone promover la recuperación de la soberanía popular, de la democracia, así como los instrumentos económicos que la hacen posible, aquellos que permiten superar la espiral de empobrecimiento, recorte de derechos sociales básicos y desigualdad creciente. Se trata de abrir la perspectiva de construir nuevas relaciones de cooperación y solidaridad en condiciones de igualdad entre los pueblos del Sur de Europa.

La voluntad de los convocantes es que el encuentro adquiera una dimensión internacional, mediante la participación de representantes de diversos movimientos emancipatorios del euro y de la UE que se han desarrollado en los últimos tiempos, particularmente en los pueblos del Sur de Europa, y que han manifestado en diversos encuentros su interés para construir y coordinar una acción colectiva por objetivos comunes. En este sentido, queremos que nuestro encuentro constituya un paso más en el camino emprendido por los encuentros de Roma (30 de noviembre de 2013), Nápoles (24 de mayo de 2015) y Atenas (22 a 24 de junio de 2015).

Independientemente del grado de participación de personas procedentes de Grecia, Italia, Francia, Portugal, etc., las diversas ponencias y conclusiones estarán enmarcadas en el contexto y movilización global contra el Euro y la “UE realmente existente”.

Comisión organizadora Encuentro Internacional – Plataforma “salir del euro”

sair do euro

Patrões, banqueiros e direita alemães querem expulsar Grécia da zona euro

Em coro bem afinado, porta-vozes dos patrões, banqueiros e do partido de Merkel vieram a público, neste domingo, exigir a expulsão da Grécia do euro pela população ter rejeitado em referendo as medidas de austeridade exigidas pelo Eurogrupo.

Direita alemã não
Direita alemã não “gostou” da vitória do “não” no referendo na Grécia.

O deputado conservador alemão Michael Fuchs, em reação à vitória do “não” no referendo, acusou Alexis Tsipras de ter provocado um “desastre”.

“Lamento muito o resultado”, afirmou o dirigente do partido de Merkel. “Tsipras provocou um desastre e precisa agora de descobrir como apanhar os cacos. Não há hipótese de encontrar uma solução dentro de 48 horas”, declarou este domingo Fuchs.

Julia Klöckner, também dirigente da CDU-CSU, avisou Tsipras que “não deve pensar que vai colocar a Alemanha e a Europa sob pressão à custa do resultado do referendo”.

Patrões e banqueiros alemães querem Grécia fora do euro

Dois presidentes de duas das mais influentes confederações patronais alemãs afirmaram este domingo que não conseguem ver outro caminho para a Grécia que não passe pela saída do país da zona euro, depois da sua população ter rejeitado em referendo as medidas de austeridade propostas pelo Eurogrupo.

“Não, vamos poder evitar”, declarou Anton Boerner, presidente da associação de empresas exportadoras da Alemanha, questionado pela agência Reuters se a saída da Grécia do euro era inevitável.

O presidente de bancos de poupança alemães, Georg Fahrenschon, disse que “com o “não”, o povo grego manifestou-se contra os fundamentos e regras de um bloco de moeda única. Como consequência, a Grécia deve deixar a zona euro”. In Esquerda/ Net/ Portugal

“A Grécia está a dar à Europa uma lição de democracia e resistência”. Veja  Vídeo

CACEROLAZOS EN GRECIA. Manifestaciones basadas en el modelo de las patrocinadas por potencias extranjeras en países de América Latina con el propósito de derribar los gobiernos de izquierda

Es muy posible que ya se hayan creado en Grecia las condiciones para los cacerolazos, es decir, las manifestaciones basadas en el modelo de las impulsadas por las oposiciones reaccionarias y patrocinadas por potencias extranjeras en países de América Latina con el propósito de derribar los gobiernos de izquierda

banco central grecia

Es hora de que el temor a la salida del euro ya no nos asuste

.

por Stathis Kouvelakis
Jacobin

.

La decisión del gobierno de Syriza de transferir todos los fondos disponibles del sector público al Banco de Grecia marca un punto de inflexión político. Esta medida de alto riesgo muestra de la manera más clara posible cuál es la situación creada en los dos meses y medio transcurridos desde el acuerdo del 20 de febrero/1. El argumento avanzado en su momento a favor de dicho acuerdo fue que permitía “ganar tiempo”, aunque fuera a un precio doloroso, a fin de preparar el terreno para las negociaciones clave del verano. Se afirmaba que durante un periodo de cuatro meses el Banco Central Europeo suspendería la tortura a que había estado sometiendo la economía del país desde el 5 de febrero, cuando decidió poner fin al principal mecanismo de financiación de los bancos griegos. Tal como reconoce ahora todo el mundo, el gobierno griego se vio forzado a firmar aquel acuerdo leonino mediante la presión de la creciente fuga de depósitos bancarios y la amenaza de un colapso bancario.

Ahora, cuando se vacían las arcas públicas para evitar el impago de los intereses de la deuda y el incumplimiento de obligaciones ineludibles del Estado, es evidente que el único tiempo que se ha ganado es un tiempo que juega a favor de las instituciones de Europa y que el lado griego está expuesto a un chantaje cada vez más intenso a medida que se deteriora su posición. El clima extraordinariamente hostil que reinó en la reunión del eurogrupo en Riga, donde el ministro de Hacienda griego, Yanis Varufakis, fue ridiculizado por sus adversarios (incluso los de países del peso de Eslovaquia o Eslovenia), muestra claramente cuántos sapos humillantes ha tenido que tragarse el gobierno griego durante los dos últimos meses.

Artsenal
Artsenal

Las causas del error

En una significativa declaración del 23 de abril, el viceministro responsable de relaciones económicas internacionales que ha sustituido ahora a Varufakis a la cabeza del equipo negociador griego, Euklidis Tsakalotos, afirmó lo siguiente: “Cuando suscribimos el acuerdo del 20 de febrero, cometimos el error de no asegurarnos de que dicho acuerdo sirviera de señal para el Banco Central Europeo iniciara la cuenta atrás de la concesión de liquidez.” Sin embargo, dicho “error” no se refiere a algún aspecto secundario, sino al meollo mismo del acuerdo, y se debe a una causa específica, que es de carácter político y no técnico. El lado griego no tuvo en cuenta una cosa que era evidente desde el principio, a saber, que el Banco Central Europeo y la Unión Europea (UE) no se quedarían de brazos cruzados y mirando para otro lado frente a un gobierno de la izquierda radical. La bomba más potente que tienen en su arsenal es la de la liquidez y era totalmente lógico y predecible que recurrirían a ella de inmediato. Desde luego, los prestamistas tienen todos los motivos para seguir “apretando la soga” alrededor del cuello de Grecia (según expresión del primer ministro Alexis Tsipras) hasta forzar al gobierno a capitular de plano.

Por decirlo de otra manera: si con el acuerdo del 20 de febrero los prestamistas hubieran aceptado “garantizar la liquidez”, si la hubieran desvinculado de los planes de austeridad concretos que pretenden imponer, no habrían hecho más que privarse del medio más contundente que tienen a su disposición para presionar a Grecia. Que Tsakalotos creyera que lo harían revela una ingenuidad política extrema, por no decir ceguera voluntaria, sobre todo cuando una parte importante de su propio partido estuvo advirtiendo desde el principio de la inevitabilidad de ese resultado. Por consiguiente, el “error” se deriva de una hipótesis de trabajo totalmente equivocada, en la que se ha basado toda la estrategia gubernamental desde el comienzo: la que dice que “finalmente llegaremos a un acuerdo con los prestamistas” que permitirá a Syriza aplicar su programa sin tener que abandonar la zona del euro. Esta es la lógica –condenada al fracaso– del “europeísmo de izquierda”.

¿Y ahora?

Aunque la expresión esté desgastada de tanto usarla y de tanto abusar de ella, no encontramos nada mejor para describir la situación actual del país que diciendo que está pendiente de un hilo. Dado el método y el contenido de la legislación en materia de transferencia de fondos, el gobierno griego se halla en una situación muy difícil, no solo financiera, sino también política. Es muy posible que ya se hayan creado en Grecia las condiciones para los cacerolazos, es decir, las manifestaciones basadas en el modelo de las impulsadas por las oposiciones reaccionarias y patrocinadas por potencias extranjeras en países de América Latina con el propósito de derribar los gobiernos de izquierda. La única manera de escapar a la amenaza de quedar encerrados en la jaula de los memorandos y evitar el descarrilamiento del proyecto del gobierno, radica en la activación de la movilización popular y en la recuperación del clima combativo y esperanzado que prevalecía antes del acuerdo del 20 de febrero.

No es demasiado tarde. Ha llegado la hora de hablar abiertamente; es lo único que puede impactar y activar a la gente, justamente porque hay que tratarla con el debido respeto, como adultos y agentes de su propio destino. Lo que está en juego en Grecia es la posibilidad de un cambio radical y la apertura de una vía hacia un cambio político y la emancipación del pueblo, de las clases trabajadoras, así como el futuro de los trabajadores de toda Europa. El miedo a la salida del euro de Grecia debe dejar de asustarnos. Ha llegado la hora de dejar claro desde el principio que todos los fondos que se ingresen con arreglo a la nueva legislación en las arcas públicas se destinarán a satisfacer las necesidades públicas y sociales y no a la devolución de la deuda.

Ha llegado la hora de poner fin a la soporífera palabrería sobre la “buena marcha de las negociaciones” y los “acuerdos inminentes”. Ha llegado la hora de poner fin de inmediato a las referencias surrealistas a unas “soluciones mutuamente beneficiosas” y a los “socios” con los que supuestamente somos “copropietarios de la UE”. Ha llegado la hora de revelar a la opinión pública griega e internacional los datos que muestran la guerra sin cuartel desatada contra este gobierno. Y ha llegado la hora, sobre todo, de preparar de una vez, desde el punto de vista político, técnico y cultural, la única solución honrosa, que pasa por elegir otro camino que el de ese implacable conciliábulo neoliberal.

Ha llegado la hora de concretar el contenido y explicar la viabilidad de la propuesta alternativa, empezando por la doble iniciativa de suspender los pagos a los prestamistas y nacionalizar los bancos, avanzando si es preciso hacia la elección de una moneda nacional, aprobada por el público mediante un referendo popular. Ha llegado la hora de una reflexión seria y también de una decisión firme. Es la hora en que entre el desastre y la redención hay una línea muy fina. Es la hora de la contraofensiva.

Alemanha não tem qualquer base para rejeitar proposta do Syriza sobre a dívida, afirma Krugman

Na sua coluna do The New York Times, o economista Paul Krugman defende que as propostas do Syriza são perfeitamente razoáveis e que se a posição alemã é que a dívida grega deve ser sempre paga na totalidade, “então essa posição é basicamente louca, e todas as afirmações de que a Alemanha entende a realidade são desmentidas”.

Paul Krugman: “Se a troika tivesse sido verdadeiramente realista, teria reconhecido que estava a exigir o impossível”. Foto de Lou Gold
Paul Krugman: “Se a troika tivesse sido verdadeiramente realista, teria reconhecido que estava a exigir o impossível”. Foto de Lou Gold

Segundo refere o economista Prémio Nobel de 2008, o que o Syriza pretende “é o alívio substancial, mas não escandaloso, do fardo dos excedentes primários (ou seja, os excedentes referentes ao pagamento dos juros), reduzindo as transferências para os credores de 4,5% para 1-1,5% do PIB. Pretendem, igualmente, flexibilidade para alcançar esses mesmos excedentes, através de uma fórmula que inclua mais receita e menos cortes na despesa”.

“Todos sabem que a dívida grega não pode ser paga a totalidade”, frisa o economista.

Na opinião de Krugman, a Alemanha não tem qualquer base para rejeitar esta proposta.

“Se a posição alemã é que a dívida deve ser sempre paga na totalidade, sem qualquer alívio substancial, mesmo conseguindo evitar as amortizações da dívida em papel, então essa posição é basicamente louca, e todas as afirmações de que a Alemanha entende a realidade são desmentidas”, defende o Prémio Nobel de 2008.

“A questão neste momento é que o Syriza está a fazer sentido. O próximo passo é com os credores”, remata Paul Krugman.

.

Grécia tem que deixar de ser “a chaga” da zona euro

.
Numa entrevista concedida ao Channel 4 esta segunda-feira, o ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, destacou que o Syriza tem “a determinação de acabar com o alegado ciclo em que a Grécia foi transformada na chaga da zona euro”.

Varoukakis adiantou ainda que acredita que a Grécia chegará a um acordo com os seus congéneres europeus sobre a dívida do país “nas próximas horas ou dias”.

.

Leia:
Plano económico do Syriza é mais realista que o da troika, diz Krugman

 

 

 

 

Nova Grécia de Tsipras provoca onda anti-austeridade na Irlanda

Arcadio Esquivel
Arcadio Esquivel

 

Na Irlanda existe a possibilidade dos partidos historicamente dominantes, Fine Gael e Fianna Fail, ficarem fora do poder pela primeira vez desde a fundação do Estado em 1922. A vitória do Syriza na Grécia deu um impulso extra aos partidos da oposição, principalmente ao Sinn Féin, que há meses acumula novos apoiantes.

A economia irlandesa cresce e o desemprego desce, mas a chegada ao poder de um governo de esquerda radical na Grécia reavivou o debate sobre os sacrifícios provocados pela austeridade e pelos cortes.

A vitória do Syriza na Grécia deu um impulso extra aos partidos da oposição, entre eles o partido de esquerda Sinn Féin, que há meses acumula novos apoiantes.

“Esta carga insustentável de dívida que se impôs ao nosso povo é a principal causa da nossa miséria económica”, disse o líder do Sinn Féin, Gerry Adams, no Parlamento após as transcendentais eleições na Grécia.

“Não é só um problema irlandês”. É um problema europeu. Necessitamos de uma solução europeia”, disse Adams, que defende uma conferência europeia sobre a dívida como sugeriu o novo primeiro-ministro grego Alexis Tsipras. A Irlanda estima que o seu crescimento em 2014 foi de 4,7%, será de 3,9% em 2015, e que o desemprego cairá para os 9,8% este ano.

O país já não está a contrair novos empréstimos junto da UE e do FMI, todavia está envolvido nos reembolsos dos anteriores, e o Sinn Féin quer uma renegociação, em particular, dos 64 mil milhões de euros injetados nos bancos desde 2008.

Governo insiste que não é a Grécia

Apesar de algumas semelhanças, o Governo irlandês insiste que não é a Grécia, e exibe os dados macroeconómicos positivos. “A especulação na comunicação social e a especulação política vão à frente do Governo grego”, disse Simon Harris, secretário de Estado das Finanças.

“Não sabemos exatamente o que é que o Governo grego vai pedir”, disse.

Harris também assinalou que a Irlanda já reestruturou as dívidas do seu resgate em quatro ocasiões para reembolsar antes, cortar nas taxas de juro e estender os prazos de pagamento.

Esta semana, o Fundo Monetário Internacional (FMI) disse que a recuperação da Irlanda vive um “bom começo”, mas são necessários esforços para pôr “a dívida pública num ritmo descendente”.

“As perspetivas a médio prazo da Irlanda são positivas, mas o estancamento da zona euro cria inconvenientes”, disse o FMI na sua última avaliação pós-resgate.

Novas tarifas da água e outros contratempos empurram o voto para a esquerda

A introdução de novas tarifas para a água a partir de 1 de janeiro deste ano, assim como uma série de contratempos políticos em 2014, fizeram com que os apoios dos partidos do Governo caíssem para os níveis mais baixos dos últimos meses.

O imposto da água era a última peça de um pacote de aumento de impostos e cortes na despesa no valor de 30 mil milhões de euros desde 2008 e que afetou todos os cidadãos, num país em que o desemprego atingiu os 15,1% em 2012.

Este mês, no entanto, existiu um corte modesto nos impostos, naquele que foi o primeiro Orçamento de Estado expansionista em sete anos, por seu lado os ministros vendem a ideia de recuperação económica sempre que podem.

Porém, as eleições gregas demonstram que uns resultados considerados impossíveis “há cinco anos são agora uma possibilidade”, realçou Nat O’Connor, da Tasc, uma organização de análise e estudos independente.

“Agora existe a possibilidade de um cataclismo eleitoral similar na Irlanda, mas também em Portugal e em Espanha”, disse.

Na Irlanda existe a possibilidade dos partidos historicamente dominantes, Fine Gael e Fianna Fail, ficarem fora do poder pela primeira vez desde a fundação do Estado em 1922.

Negociações a serem acompanhadas de perto

Com eleições legislativas em 2016, as negociações sobre a reestruturação da dívida grega serão observadas com atenção na Irlanda.

“Se os gregos recebem algum tipo de oferta melhor por terem votado no Governo que votaram, os irlandeses farão o mesmo e dirão que essa é a verdadeira resposta aos nossos problemas”, disse à AFP o comentador político Johnny Fallon.

No entanto, o economista chefe do banco KBC Bank, Austin Hughes, diz que há diferenças entre a Grécia e a Irlanda.

“A lição fundamental é que é necessário ter uma economia que gere pelo menos a promessa de aumento dos rendimentos e do emprego, e a Irlanda está, provavelmente, nessa etapa”, disse.

“O desafio que o Governo enfrenta é encontrar um equilíbrio que faça sentir às pessoas que estão no caminho correto, por que as suas expetativas não estão claras sobre o que a economia pode razoavelmente proporcionar-lhes”, disse Hughes.

Tradução de Fabian Figueiredo para esquerda.net

 

Vamos conversar sobre crescimento do PIB e Crise Internacional?

Muitos analistas de economia na grande imprensa afirmam que o Brasil cresce menos que seus vizinhos latino americanos, realmente não deixa de ser verdade até um ponto, acontece que o Brasil está posicionado como uma das 20 nações mais ricas do mundo, atualmente é a sexta, entre as maiores economias do mundo o Brasil tem o terceiro maior crescimento acumulado de 2008-2013, para ter noção Japão tem crescimento de 2008 a 2013 de 0,3 %. EUA 5,5%, Alemanha 4,21%, França 0,61 %, Reino Unido -1,37 % e o Brasil teve crescimento de 19,87 % ficando atrás apenas de China e Índia.

desuni_o_europeia

O catastrofismo que os analistas de economia da grande imprensa tratam o Brasil é proposital e tem fins políticos claros de destabilização, se a crise internacional é “papo furado da presidente”, por que estas outras grandes economias como EUA, FRANÇA, ALEMANHA,JAPÃO, não tiveram nem metade do crescimento que teve o Brasil nesse acumulado? In Marcos Simões/ Falando Verdades

economia

abc. economia europa deflação

eleconomista. deflação europa

o ataque ao euro

A decadência do Ocidente

por Mario Vargas

Fernando Vicente
Fernando Vicente

O fato central dessa eleição é a irrupção torrencial em quase toda a Europa de partidos de ultradireita ou de ultraesquerda, inimigos do Euro e da União Europeia, que querem destruir para ressuscitar as velhas nações, fechar as fronteiras à imigração e proclamar sem rubor sua xenofobia, seu nacionalismo, sua filiação antidemocrática e seu racismo. Que haja matizes e diferenças entre eles não dissimula a tendência geral de uma corrente política que até agora parecia minoritária e marginal e que, nessa disputa eleitoral, demonstrou um crescimento espetacular.

Alguns comentaristas se consolam afirmando que esses resultados indicam um voto de raiva, um protesto momentâneo mais do que uma transformação ideológica do velho continente. Mas como está claro que a crise da qual resultaram os altos níveis de desemprego e a queda do nível de vida levará ainda alguns anos para ficar para trás, tudo indica que a virada política que essas eleições mostraram, ao invés de ser passageira, provavelmente durará e talvez se agrave. Com quais consequências? A mais óbvia é que a integração europeia, se não for completamente freada, será muito mais lenta do que o previsto, com quase certeza de que haverá debandada entre os países membros, começando pelo britânico, que já parece quase irreversível. E, acossada por movimentos antissistema cada vez mais robustos e operando em seu seio como uma quinta coluna, a União Europeia estará cada vez mais desunida e abalada por crises, políticas falidas e uma contestação permanente que, a curto ou longo prazo, poderiam enterrá-la.

euro Europa crise capitalismo

 

Enquanto me inteirava dos resultados das eleições europeias, lia, no último número de The American Interest, revista dirigida por Francis Fukuyama (Maio/Junho 2014), uma fascinante pesquisa intitulada America Self-Contained? (que poderia ser traduzida como “América ensimesmada?”), na qual uma quinzena de destacados analistas estadunidenses de distintas tendências examina a política externa do Governo do Presidente Obama.

O país que até agora havia assumido a liderança do Ocidente democrático e liberal ia se eximindo discretamente de semelhante responsabilidade para confinar-se, sem traumas nem nostalgia, em políticas internas cada vez mais desconectadas do mundo exterior e aceitando, neste globalizado planeta de nossos dias, sua condição de país destronado e menor.

Os críticos divergem sobre as razões dessa “decadência”, mas todos estão de acordo que ela se reflete em uma política externa na qual Obama, com o apoio inequívoco da maioria da opinião pública, se livra de maneira sistemática de assumir responsabilidades internacionais.
Segundo a pesquisa da The American Interest, nada disso é casual e nem pode ser atribuído exclusivamente ao governo de Obama. Trata-se, pelo contrário, de uma tendência muito mais antiga e que, mesmo tendo ficado soterrada e velada por um bom tempo, encontrou, como consequência da crise financeira que golpeou com tanta força o povo estadunidense, a oportunidade de crescer e se manifestar por meio de um governo que se atreveu a materializá-la. Ainda que a ideia de que os Estados Unidos se atrapalhem para solucionar seus próprios problemas e, para acelerar seu desenvolvimento econômico e devolver à sociedade os altos níveis de vida que alcançou no passado renuncie à liderança do Ocidente e a intervir em assuntos que não lhe digam respeito diretamente nem representem uma ameaça imediata a sua segurança seja objeto de críticas entre a elite e a oposição republicana, ela tem um apoio popular muito grande dos homens e mulheres comuns, convencidos de que os Estados Unidos devem deixar de se sacrificar pelos “outros”, entregando-se a guerras caríssimas em que dilapida seus recursos e sacrifica seus jovens, enquanto o trabalho escasseia e a vida se torna cada vez mais dura para o cidadão comum. Um dos ensaios da pesquisa mostra como cada um dos importantes cortes em gastos militares que Obama fez teve o respaldo esmagador da população.

Quais conclusões tiramos disso tudo? A primeira é que o mundo já mudou muito mais do que acreditávamos e que a decadência do Ocidente, tantas vezes prognosticada na história por intelectuais sibilinos e amantes das catástrofes, passou por fim a ser uma realidade de nossos dias. Decadência em que sentido? Antes de mais nada, do papel diretor, de liderança, que tiveram a Europa e os Estados Unidos no passado mediato e imediato, para muitas coisas boas e algumas más. A dinâmica da história já não nasce só ali, mas também em outras regiões e países que, pouco a pouco, vão impondo seus modelos, usos e métodos ao resto do mundo. (Transcrevi trechos)

 

 Malagón
Malagón