“Vários juízes fazem isso”

br_extra. juiz

 

O corregedor regional da Justiça Federal da 2ª Região, desembargador federal Guilherme Couto de Castro, classificou como “fato embaraçoso” o uso particular, por parte de um juiz, de bens apreendidos de réus. Ao determinar, nesta quarta-feira (25), a abertura de uma nova sindicância sobre fato de o juiz Flávio Roberto de Souza, da 3ª Vara Criminal Federal, ter dirigido o Porsche Cayenne do empresário Eike Batista, réu no processo que o magistrado conduz naquela vara, o desembargador afirmou que o caso é “apto a gerar confusão e manchar a imagem do Poder Judiciário”.

Na nova sindicância, o juiz Flávio Roberto de Souza é intimado a prestar esclarecimentos sobre declarações dadas por ele à imprensa de que seria “normal” juiz dirigir carros apreendidos.

A corregedoria já havia aberto uma sindicância para apurar o uso do veículo apreendido. O novo procedimento, segundo a corregedoria, foi motivado por uma reportagem publicada pela “Folha de S.Paulo” em que o juiz Flávio Roberto de Souza afirmou ser praxe dos magistrados usarem carros de réus. “A suposta declaração é apta a ofender a magistratura”, destacou o corregedor regional da Justiça Federal da 2ª Região, desembargador federal Guilherme Couto de Castro. [Suposta? Declarou sim. Confira]

Com a nova sindicância, o desembargador espera “que o magistrado esclareça se declarou realmente algo de teor similar”. Em sua ordem, o desembargador afirmou que nenhum carro apreendido pode ser mantido na garagem do juiz.

“Não há qualquer cabimento em depositar bens no edifício particular do próprio magistrado, fato embaraçoso, apto a gerar confusão e manchar a imagem do Poder Judiciário”, registrou o corregedor, ressaltando que “caberá ao magistrado (titular da 3ª Vara Federal Criminal) escolher o melhor caminho e, dentre eles, a nomeação de depositário, que poderá ser entidade idônea ou o próprio proprietário do bem, naturalmente com a pertinente restrição de uso”, destacou o desembargador Guilherme Couto.

carro

 

Quem é o proprietário do bem?

Bem, todo mundo sabe bem quem é o proprietário.

Luma de Oliveira, ex-mulher de Eike Batista, criticou o juiz Flávio Roberto de Souza:

“Passando de todos os limites. O carro apreendido do meu filho Thor também está na garagem do prédio residencial dele. E eu sem , desabafou a ex-modelo e rainha de bateria.

“Isso é um ato de afronta à lei. Um abuso. Os bens têm que estar com a Justiça, não com o juiz. Essa informação chegou até nós e foi verificada e reverificada”, declarou o advogado que defende Eike, Sérgio Bermudes.

Quinho
Quinho

 

Por que os despejos no Brasil são com armas letais?

Imagem símbolo da Chacina de Pinheirinho
Imagem símbolo da Chacina de Pinheirinho

 

Todo despejo é desumano, e (pasmem!) tem que ser autorizado por um juiz.

O mundo civilizado condena os despejos involuntários, que jogam milhares e milhares de famílias nos quintos do inferno.

Nesta Copa do Mundo, governadores e prefeitos solicitaram – e foram prontamente atendidos pela justiça – a demolição de mais de 250 mil casas, no País dos Sem Teto.

Mas antes da Copa haviam despejos, rememore a chacina de Pinheirinho, comandada pelo presidente do maior tribunal do mundo, o de São Paulo, com 360 desembargadores. Isso para beneficiar um doleiro, um especulador imobiliário.

Depois da Copa os despejos continuarão, que o Brasil desconhece o que seja Justiça Social.

Todo lar é sagrado.

A sociedade e a família se parecem ao arco de um palácio; tiras uma pedra e tudo se derruba. El Talmud

Jesus, ao encarnar-se na casa de María e José, manifestou e consagrou a família como santuário da vida, e célula fundamental da sociedade. Juan Pablo II

 

novo pinheirinho

 

DESALOJO COM “ARMAS LETAIS”

Una jueza dejó en suspenso el desalojo de la toma por el desacuerdo entre la Metropolitana, que proponía la participación de efectivos con armas de fuego, y la Federal, que lo consideró “un atentado a la razón y una falla táctica”.

 

por Eduardo Videla
La Justicia porteña decidió dejar en suspenso el desalojo del asentamiento Papa Francisco, en Villa Lugano, ya que la Policía Metropolitana y las fuerzas federales no se pusieron de acuerdo en la forma de abordar el operativo: la fuerza porteña proponía que parte de sus hombres utilizaran armas letales, a lo cual se opuso la conducción de la Policía Federal. “No repetir experiencias trágicas ni senderos que ya se demostraron errados es un acto de racionalidad y de prudencia. No resulta un tema menor el desacuerdo respecto del empleo de armas de fuego en la ejecución de un desalojo de estas características”, evaluó la jueza María Gabriela López Iñíguez, haciendo expresa referencia a lo ocurrido en el Parque Indoamericano, en 2011, al rechazar un nuevo pedido de la fiscalía para que ejecute el desalojo. La jueza también rechazó, con durísimos argumentos, la pretensión de que la causa pase al fuero Penal nacional porque –según la fiscalía– se habrían cometido, además del delito de usurpación de las tierras, los de asociación ilícita, tenencia de armas e infracción a la ley de drogas, ilícitos sobre los cuales el fiscal “no ofreció ninguna prueba”.

López Iñíguez, jueza en lo Penal, Contravencional y de Faltas de la Ciudad, adoptó esas decisiones en respuesta a una doble presentación del fiscal Carlos Rolero: el funcionario pidió, por un lado, que se dicte una nueva orden de desalojo del predio tomado el 24 de febrero último, y por otro, le reclamó a la jueza que se declare incompetente, ante la posibilidad de que se hubieran cometido delitos que son de competencia de la Justicia nacional.

De acuerdo con el fallo, que difundió el Departamento de Información Judicial del Consejo de la Magistratura porteño, la jueza subrayó la necesidad de no frustrar el avance del proceso de desalojo pacífico del predio, en el cual trabaja su colega, la jueza en lo Contencioso Administrativo y Tributario Elena Liberatori. Esta magistrada dispuso realizar un censo habitacional en el predio tomado así como en la Villa 20, en el marco de la causa por el cumplimiento de la Ley 1770, de saneamiento y urbanización de ese barrio. El censo se llevó a cabo días atrás y arrojó que en predio tomado viven 1900 personas.

En la resolución, la jueza sostiene la existencia de una “contradicción” en el planteo de incompetencia impulsado por la fiscalía: por un lado, se pide el cambio en la calificación legal –de un delito de “usurpación”, de competencia local, a “asociación ilícita”, “estafas”, “extorsión”, y “malversación de caudales”, entre otros delitos de competencia de la Justicia nacional–, y por otro, a Marcelo Chancalay, el único detenido en la causa, se le imputa sólo el delito de usurpación del predio tomado a partir del 24 de febrero de 2014. “No logra comprenderse por qué (el fiscal) no intimó a uno de los principales imputados de la causa en orden a tales supuestos típicos. Esto sólo, a mi modo de ver, ya debería señalarnos que la pretendida incompetencia no puede tener favorable acogida, por resultar cuanto menos infundada y prematura.”

En la sentencia también se resalta que “el fiscal no ofreció ni una sola prueba” que sostenga la hipótesis de existencia de una asociación ilícita, y remarca que “ni los allanamientos; ni las escuchas telefónicas; ni la declaración del único imputado; ni los testigos que fueron escuchados (en general, de modo informal y sin control de las Defensas) abonan esta hipótesis”.

Para López Iñíguez, resulta “temeraria” la descripción de los hechos realizada por el fiscal, quien pretende un cambio de competencia argumentando que “dentro del predio existiría una violación a la Ley 23.737 (de drogas)” y que “no pude descartarse la autoría de alguno de los imputados en esos delitos” (ya mencionados). Para la jueza, los argumentos del fiscal son “una forma de derecho penal de autor basada en un prejuicio por pertenencia socioeconómica”.

Finalmente, la jueza abordó el pedido de libramiento de una nueva orden de desalojo, formulada por el fiscal el 13 de mayo, la misma fecha en la que se planteó la incompetencia. Sobre este punto, la magistrada menciona que en el Plan Estratégico diseñado por la Policía Metropolitana con miras a un operativo de desalojo, el jefe de esa fuerza, Horacio Jiménez, sostuvo que la “disponibilidad operativa” de la Metropolitana “está mermada en lo que respecta a recursos humanos con experiencia en equipos de combate”, por lo que se requeriría de “elementos suficientes y adecuados de otras fuerzas federales”, sin los cuales “esta manda judicial se torna inviable”. La jueza advierte que en su informe, la Metropolitana se refiere a las personas a desalojar como “el oponente”.

También se incorpora en la resolución la posición de las fuerzas federales que, en un dictamen técnico, desaconsejan el plan elaborado por la policía porteña. Para la Superintendencia de Seguridad Metropolitana de la Federal, constituye “un atentado a la razón y una falla táctica de ejecución portar ese tipo de armas” (letales).

Ante la falta de acuerdo, la jueza resolvió que dictará “una nueva orden de allanamiento”, cuya fecha quedará “supeditada a que se encuentren reunidas las condiciones para garantizar la vida y la integridad física de las personas”.

EM APENAS UMA ENTREVISTA, MARINA ACERTA AS CONTAS COM AÉCIO, O CAMARADA CAMPOS, DONA DILMA, E COM ELA MESMA. BLOQUEIO DE BENS NÃO PREOCUPA EIKE

por Helio Fernandes

chavismo Marina

Conversando com o jornalista Bernardo Mello Franco (Folha), a ex-senadora e ex-ministra ultrapassada e ignorada, “descobre a pólvora”. Altiva, impávida e altaneira, garante: “O Brasil atravessa momento com baixo crescimento, aumento da inflação e dos juros”. Puxa que poder de análise e de conclusão.

Durante o governo FHC, constatei e divulguei: “Seu governo é um RETROCESSO de 80 anos em 8”. Agora Dona Marina utiliza a identificação para Dona Dilma. E coloca o ex-presidente no auge. Como estava mesmo na contramão e a arma carregada, atirou no amigo quase inimigo, Aécio Neves.

Aécio responde logo às intimidações de Dona Marina

Como a entrevista teve enorme repercussão, (realmente com consequência), se prolongou pelo fim de semana e continuará, continuemos também. O repórter é escravo dos fatos. E como jornalismo é informação, opinião, combate, combateremos, mesmo “que seja à sombra”.

Os objetivos de Dona Marina

 

Nani
Nani

1 – Como Aécio e Campos não podem ficar o tempo todo transitando pela mesma estrada eleitoral, Marina “dinamitou” a ponte antes que o companheiro e camarada Campos o fizesse. Dona Marina ainda não é “vice assumida”, tem esperança no futuro.

2 – Quando falou já sabia do resultado da pesquisa do Datafolha, que coloca Aécio muito na frente de Campos. Com segundo turno entre Dilma e o candidato do PSDB. Aí não disfarçou as intenções, “Aécio tem jeito de morto no segundo turno”. Escolheu a frase para fazer efeito.

O neto de Tancredo

3 – Não esperava que Aécio respondesse tão rápido e mais agressivo do que ela. Levou um susto na hora, mas se acomodou, disse para o próprio Campos: “Ele não passará daí é o estilo dele”.

O neto de Arraes

4 – Só que Campos não aceitou a entrevista nem as explicações de Dona Marina. Não discutiu nem refutou, mas ficou visivelmente contrariado.

5 – E nos bastidores, com amigos, não fugiu do comentário duplo: “Por que a entrevista agora, e sem que eu soubesse coisa alguma?”. Elementar, o que ela queria era aparecer, precisava disso.

E a chapa Campos-Marina

6 – A “intimidade” eleitoral e naturalmente política entre Marina e Campos, como tenho analisado fartamente, vai depender das pesquisas. Não a de agora, muito longe. Mas como faltam quatro meses, outras virão. Dentro de dois meses já serão praticamente definitivas.

Campos impaciente

Precisa ser contido, é a coisa mais natural. Nunca se viu em toda a história do Brasil, um candidato sem votos ser o primeiro na chapa, suplantando o mais bem colocado nas pesquisas. Campos precisa sair do “clima” de 10 por cento. Esse era um dos alvos de Dona Marina.

(Quando digo que o primeiro nunca foi preterido pelo segundo, tenho que explicar: as possibilidades foram raras. Nos 41 anos da “República Velha”, só existia o Partido Republicano, que indicava o vencedor, candidato único).

(Depois, duas ditaduras, 15 anos a primeira, 21 a segunda. E nos intervalos, golpes silenciosos e sem tortura, com o vice assumindo no lugar do presidente. Somadas as transições, um impeachment, e a indireta, sobrou quase nada. E para o povo, NADA VEZES NADA).

Dona Dilma, a afilhada que pode ser rejeitada

Essa pesquisa que deixou Dona Dilma “pendurada mas não insatisfeita”, misturada com a entrevista, “primária mas protelatória”, dominou o fim de semana.

eikelandia2

Bens pessoais de Eike

Juiz do Rio “determinou” o bloqueio de 122 milhões dos bens pessoais, do ex-empresário e ex-bilionário. Agora é apenas um personagem fora do palco, ficou como coadjuvante.

Acontece que ele passou para os dois filhos todas as propriedades imobiliárias. Mas ainda tem BILHÕES, portanto 122 milhões, para ele ainda é uma brincadeira.

Não é para as milhares de pessoas que compararam suas ações. Está sendo investigado e acusado, precisamente pela CVM, que trata do assunto e de “informações privilegiadas”.

Bloqueio só interno

O importante é que Eike tenha conta em 14 bancos, 7 só no Brasil, devem ser mais. Fora os bancos no exterior, o bloqueio só atinge bancos brasileiros.

E as centenas de milhares que perderam fortunas, serão ressarcidas, que palavra, com o bloqueio? Nem pensar.

Por que 14 bancos?

No Brasil existem 4 ou 5 bancos, digamos do primeiro time. São os que ganham fortunas explorando o cidadão, cobrando taxas “escondidas” de todas as maneiras. E os outros 9 ou 10, por que os “depósitos” do ex-bilionário? Deviam investigar. Estranhíssimo. Transcrevi trechos

 

 

Dinheiro de Eike pegou sumiço

OGeconomico. Eike

Em 2010 informava a Folha de S. Paulo: O empresário Eike Batista saltou da 61ª para a 8ª posição na lista das pessoas mais ricas do mundo, com uma fortuna de US$ 27 bilhões, segundo o ranking de 2010 da revista americana “Forbes”. Ele estreou no ranking em 2008, na 142ª posição.
A revista americana diz “talvez a única coisa maior do que Eike Fuhrken Batista no Brasil seja o morro do Pão de Açúcar”.

No topo da lista da Forbes, o mexicano Carlos Slim, dono da operadora de telecomunicações Telmex, superou Bill Gates, fundador da Microsoft. O primeiro aparece com fortuna de US$ 53,5 bilhões, US$ 500 milhões a mais que Gates.

É a primeira vez desde 1994 que o número um da relação não é um bilionário norte-americano. Em terceiro está o megainvestidor norte-americano Warren Buffett, proprietário da Berkshire Hathaway, com US$ 47 bilhões de dólares.

Histórico

A fortuna de Eike começou a ser construída no início da década dos anos 1980, com atividades de comércio de ouro e diamantes extraídos na região Amazônica.

Depois de uma diversificação dos negócios e de um processo de internacionalização na década seguinte, Eike redirecionou integralmente seus esforços para o Brasil, na crença de que o país “é um dos melhores lugares do mundo para se fazer negócio”, nas palavras do próprio empresário.

Nos últimos anos, o grupo de Eike comprou direitos sobre blocos exploratórios de petróleo e gás e formou a OGX, ainda em fase pré-operacional como várias das empresas do grupo.

Outras empresas da EBX são a MMX (mineração), LLX (logística), MPX (energia) e OSX (estaleiros). Com exceção da holding e da OSX, a última em processo de abertura de capital, as demais já possuem ações negociadas na Bovespa.

Todas as companhias de propriedade de Eike têm a letra ‘X’ no nome em referência ao sinal matemático da multiplicação.

ar

[Como é que essas botijas de ouro e prata desapareceram? Ficaram encantadas?

O x dessa história é saber se Eike perdeu dinheiro apenas no Brasil?

Não acredito na teoria de que “tudo que é sólido desaparece no ar”…

Tem algo de podre no reino da Dinamarca, ou melhor dito, no reino da Alemanha, que Eike, apelidado pela mãe de “bundinha de ouro”, tem dupla nacionalidade.

 

Quanto mais Eike ganha, mais pobre fica

Não deixem de ler o relato do que ocorreu em São João da Barra, publicado no blog do Pedlowski, mostrando o drama de um agricultor e sua família vítimas da arbitrariedade e desumanidade de Cabral, para beneficiar Eike Batista. É de cortar o coração. Esse drama deveria ser mostrado por toda a imprensa. Dezenas de família foram praticamente expulsas de suas terras, sem direitos, sob ameaça da Polícia Militar. A CODIN, do governo estadual, manipulou processos judiciais para prejudicar os agricultores. É para deixar qualquer um indignado. (Blog do Garotinho)

dramasjoaodabarra

[É sinal de que algo muito estranho aconteceu ou vai já, já. Quanto mais terras, rios, lagos, praias, concessões de minérios, portos, ferrovias, poços de gás e petróleo, dinheiro emprestado de bancos oficiais (só no BNDES foi 13 bilhões), quanto mais presentes ganha Eike, quanto mais ele ganha, mas pobre fica no Brasil.

Acontece que Eike revelou e propagou que o apelido dele, colocado pela mãe, é “bundinha de ouro”, pela inexplicável sorte que tem de multiplicar bens.

A justiça que assina despejos

A Chacina de Pinheirinho foi um despejo comandado pelo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, o maior tribunal do mundo, com 360 (trezentos e sessenta desembargadores).

O povo vai para as ruas contra a corrupção, sim, e devia combater quem facilita a impunidade. Apenas a justiça prende por mais de trinta dias.

Os despejos sempre beneficiam grileiros no campo e no asfalto.

BRA_CB Brasília terraBRA_JOBR sem terra brasíliaBRA_CB Trinta Mil moradores brasília

Sobradinho começou a se originar quando Antônio Gomes Rabelo ocupou as terras onde hoje se localiza a cidade e fundou à Fazenda Sobradinho. O local foi bastante desmembrado devido a muitas vendas e inventários, passando a ser propriedade de várias famílias.

Durante a construção de Brasília, entre 1956 e 1960, um dos diretores da Novacap (Companhia Urbanizadora da Nova Capital), o deputado federal Iris Meinberg, que havia sido presidente da Confederação Nacional de Agricultura, teve a idéia de criar uma cidade tipicamente rural no Distrito Federal. A melhor opção encontrada foi assentar a nova cidade na região, que tradicionalmente desenvolvia atividades agropecuárias desde os tempos de seus primeiros ocupantes.

A partir de 1959, a Novacap elaborou um levantamento de uma área onde estaria localizada a sede da região administrativa. Havia a necessidade de alojar definitivamente as famílias imigrantes do Nordeste de Goiás, da Bahia e de outros estados. Essas pessoas foram transferidas para as margens da antiga estrada que ligava a cidade goiana de Planaltina  à nova capital. A então cidade-satélite recebeu o nome de Sobradinho, e foi fundada no dia 13 de maio de 1960, mas só chegou a ser oficializada bem mais tarde, pelo Decreto nº 571, de 1967.

Sobradinho hoje possui cerca de 85.491 habitantes (PDAD 2010/2011).

 Urbanização

Assim como Brasília, Sobradinho também é uma cidade planejada. O plano da cidade foi elaborado entre 1958 e 1959 pelo engenheiro Inácio de Lima Ferreira, que pertencia ao quadro de engenheiros do Departamento de Terras e Agricultura da Novacap. Lúcio Costa, urbanista, principal responsável pelo planejamento de Brasília e chefe do Departamento de Urbanismo da Novacap, preferiu que o planejamento fosse executado por um arquiteto de sua equipe. O projeto de Sobradinho foi então confiado ao urbanista Paulo Hungria Machado, que também já havia feito o plano urbanístico da região administrativa do Gama. A construção da cidade se desenvolveu entre 1959 e 1960, com recursos do Departamento de Terras e Agricultura da Novacap. Pouco depois, Inácio Lima Ferreira retomou o projeto, executando serviços topográficos, arruamento e locação de terrenos, instalando os serviços subterrâneos de abastecimento d’água e saneamento básico. (Wikipédia)

BRA^SP_ODDM A justiça que assina despejos

Posseiros protestam no Fórum

Cerca de 50 posseiros da Região de Jundiapeba levaram cartazes, faixas e apitos à porta do Fórum Distrital de Braz Cubas para tentar sensibilizar autoridades da Cidade quanto ao fato da empreiteira Itaquareia Indústria Extrativa de Minérios Ltda, dona das áreas onde eles moram, ter entrado com processos na Justiça para reintegração de posse contra 180 famílias de bairros como Barreiro, Vila Vitória e Chácara dos Baianos.

A empresa alega que essas pessoas teriam invadido os terrenos há menos de um ano, diferentemente dos quase 1,2 mil chacareiros que, há anos, lutam para conseguir a posse definitiva dos imóveis, inclusive com o apoio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Dois desses processos tiveram audiências realizadas, ontem (31), e o grupo foi dar apoio aos vizinhos que temiam perder suas casas, de uma hora para outra. (Sabrina Pacca)

BRA_FDL desapropriações despejo

Triste cenário

O medo e a incerteza rondam as famílias remanescentes do Jardim Califórnia, em Londrina, que tiveram suas casas desapropriadas para a ampliação do aeroporto. O mesmo clima de terror, de desesperança e de abandono – sem que as igrejas cristãs rezem pelas vítimas – assolam as capitais, que construíram super, super faturados estádios para as Copas da Fifa. Mais de duzentas mil famílias estão sendo desalojadas.

despejo

Salário mínimo da Argentina: o dobro do Brasil

 Giacomo Cardelli
Giacomo Cardelli

O Brasil paga um dos piores salário mínimo do mundo, e reclama do povo que vai para as ruas. Quero ver que candidato a presidente prometerá um salário igual ao da Argentina, que paga 600 dólares; e o Brasil acha 300 muito, muito dinheiro, dinheiro demasiado, quando roubar um bilhão não é nada, não é nada.

O trabalhador brasileiro tem crédito apenas no Banco de Horas, e o Eike Batista, cada vez mais pobre, pega 13 bilhões de reais no Banco Nacional do Desenvolvimento.

O fenômeno Eike Batista, pra lá de curioso: Ganhou ferrovias, portos, terras e mais terras; concessões de minérios, de petróleo, de gás; & empréstimos a perder de vista; e quanto mais ganha, mais pobre fica.

605 dólares en agosto

Con la reciente actualización dispuesta en el salario mínimo vital y móvil, el piso legal de remuneraciones de Argentina se ubicará entre cincuenta y ciento por ciento por encima de otros países de la región.

salário mínimo2

Por Tomás Lukin

El salario mínimo en Argentina es uno de los más elevados de América latina. A partir de agosto, cuando se implemente la primera de las dos partes del reciente aumento de 25,2 por ciento, el piso legal llegará hasta los 605 dólares. El salario mínimo vital y móvil (SMVM) será entonces entre 49 y 100 por ciento más elevado que los valores registrados en Uruguay, Venezuela, Chile y Brasil. La medición en dólares no alcanza para analizar el poder adquisitivo del salario mínimo en cada país, pero ofrece una primera línea de comparación donde se destaca el comportamiento reciente de la institución en Argentina.

Una estimación reciente realizada por Roxana Maurizio, economista de la UNGS, evidencia que entre 2003 y 2011 el salario mínimo real en Argentina registró un aumento del orden del 200 por ciento. Aun cuando esa dinámica se debilitó por la aceleración de la inflación desde 2007, el mínimo mantuvo un comportamiento positivo al “ganarles” a los aumentos de precios un 6 por ciento. La tendencia se mantuvo los últimos dos años, cuando el SMVM aumentó por encima de las mediciones de precios alternativas al Indec y también superó al promedio de mejoras acordadas en paritarias. La evolución del piso legal en Argentina solamente es comparable con el comportamiento exhibido en Brasil y Uruguay que, en el mismo período, aumentaron el valor real del piso legal alrededor del 180 por ciento.

La actualización del salario mínimo tiene un impacto directo limitado, ya que beneficia a un pequeño universo de trabajadores registrados con ingresos salariales alrededor del piso legal. El Ministerio de Trabajo calculó que los aumentos llegan directamente a 113 mil trabajadores, alrededor del 2 por ciento de todos los asalariados registrados. Esa situación contrasta con otros países, como Brasil o México, donde más del 50 por ciento de la fuerza laboral cobra el salario mínimo. El ritmo de aumentos reales en el mínimo brasileño que permiten amortiguar el pobre desempeño económico del país contrasta con el estancamiento del piso en México, donde los bajos salarios y la flexibilización laboral son una característica saliente de su mercado de trabajo.

El limitado alcance directo de la medida en Argentina no resta relevancia a las instituciones laborales –no solo el SMVM sino fundamentalmente las negociaciones paritarias–. El Ministerio de Trabajo enfatiza su rol como instrumentos para mejorar los ingresos de los trabajadores más vulnerables y reducir la desigualdad salarial que prevalece en el país. Actualmente, el porcentaje de trabajadores no registrados que perciben un salario inferior al mínimo se ubica en torno del 40 por ciento.

En sintonía con los estudios publicados por la cartera laboral sobre el impacto de las mejoras en mercado de trabajo sobre la reducción de la desigualdad, los resultados de la investigación realizada por Maurizio –el trabajo es una actualización de otro efectuado con el economista Saúl Keifman– evidencian la relevancia de las instituciones laborales en la reducción de la desigualdad. “Los incrementos del salario mínimo durante la última década contribuyeron a comprimir la parte inferior de la distribución y, así, a reducir la desigualdad salarial. En Argentina y Brasil, la recuperación fue más intensa y los impactos igualadores de mayor magnitud”, sostiene Maurizio. A pesar de las mejoras recientes, la región continúa exhibiendo elevados niveles de precariedad laboral, bajos salarios promedios y una alta desigualdad de los ingresos laborales.

luxo salário mega teto super

11 bilhões do BNDES

 

O trabalhador consegue transformar trocados em tudo que é preciso para sobreviver: pagar o aluguel de uma moradia em alguma favela ou cortiço, transporte, luz, gás, comprar alimentos, água de beber, medicamentos, vestimenta etc.

Wellton Máximo, repórter da Agência Brasil, escreveu que o valor emprestado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às empresas do Grupo EBX, do empresário Eike Batista, soma R$ 10,4 bilhões.

Empresas e grana (muita grama mesmo!) não podem desaparecer no ar. Uma baita estória, sem pé nem cabeça, essa de Eike.