Todos os figuraços que a imprensa aponta como vice de Aécio terminam denunciados como corruptos. Acontece agora com Malan

Tanto o ex-ministro da Fazenda do governo Fernando Henrique, Pedro Malan, como a ex-ministra do Supremo Tribunal Federal, Ellen Gracie, foram denunciados por falsificação de contrato, manipulação de mercado e crime contra o sistema financeiro nacional; o motivo: na qualidade de conselheiros da OGX, de Eike Batista, teriam emprestado sua credibilidade à promessa feita pelo empresário de que injetaria US$ 1 bilhão na empresa caso as ações caíssem; Eike não honrou a palavra e os dois pularam fora do conselho; notícia-crime foi encaminhada pelo procurador Osório Barbosa e recebida pelo também procurador federal José Gomes Ribeiro Schettino; para o MP, Malan e Gracie são devedores solidários de US$ 1 bilhão

 

Malan

Publica 247:Uma mentira contada pelo empresário Eike Batista a seus investidores pode custar caro para o ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, e a ex-ministra do Supremo Tribunal Federal, Ellen Gracie – ambos ligados ao PSDB. Quando os dois eram membros do conselho da OGX, Eike prometeu injetar US$ 1 bilhão na companhia caso suas ações se desvalorizassem, numa cláusula conhecida como “Put”. Os papéis viraram pó, Malan e Gracie saíram do conselho, mas, para o procurador federal Osório Barbosa a história não terminou. Ele encaminhou uma notícia crime contra os dois, que foi recebida pelo também procurador federal José Gomes Ribeiro Schettino.

Na denúncia, Malan e Gracie são acusados dos crimes de falsificação de contrato, manipulação de mercado e crime contra o sistema financeiro nacional, cujas penas, somadas, chegam a 19 anos de prisão. “Assim sendo, ao venderem seus nomes para dar credibilidade à fraude, estes notáveis conselheiros não só teriam se tornado co-autores do crime, mas também avalistas da PUT”, diz o último parágrafo da denúncia.

“O MPF entende que os três são avalistas da PUT, o que implica em dizer são devedores solidários de US$ 1 bilhão. Isto é ótimo porque agora temos um número maior de devedores da PUT a serem acionados”, disse ao 247 Aurélio Valporto, presidente da Associação Nacional de Proteção ao Acionista Minoritário.

Leia a íntegra da denúncia acolhida pelo Ministério Público Federal, que atinge também Rodolpho Tourinho, ex-ministro de Minas e Energia do governo FHC

Dinheiro de Eike pegou sumiço

OGeconomico. Eike

Em 2010 informava a Folha de S. Paulo: O empresário Eike Batista saltou da 61ª para a 8ª posição na lista das pessoas mais ricas do mundo, com uma fortuna de US$ 27 bilhões, segundo o ranking de 2010 da revista americana “Forbes”. Ele estreou no ranking em 2008, na 142ª posição.
A revista americana diz “talvez a única coisa maior do que Eike Fuhrken Batista no Brasil seja o morro do Pão de Açúcar”.

No topo da lista da Forbes, o mexicano Carlos Slim, dono da operadora de telecomunicações Telmex, superou Bill Gates, fundador da Microsoft. O primeiro aparece com fortuna de US$ 53,5 bilhões, US$ 500 milhões a mais que Gates.

É a primeira vez desde 1994 que o número um da relação não é um bilionário norte-americano. Em terceiro está o megainvestidor norte-americano Warren Buffett, proprietário da Berkshire Hathaway, com US$ 47 bilhões de dólares.

Histórico

A fortuna de Eike começou a ser construída no início da década dos anos 1980, com atividades de comércio de ouro e diamantes extraídos na região Amazônica.

Depois de uma diversificação dos negócios e de um processo de internacionalização na década seguinte, Eike redirecionou integralmente seus esforços para o Brasil, na crença de que o país “é um dos melhores lugares do mundo para se fazer negócio”, nas palavras do próprio empresário.

Nos últimos anos, o grupo de Eike comprou direitos sobre blocos exploratórios de petróleo e gás e formou a OGX, ainda em fase pré-operacional como várias das empresas do grupo.

Outras empresas da EBX são a MMX (mineração), LLX (logística), MPX (energia) e OSX (estaleiros). Com exceção da holding e da OSX, a última em processo de abertura de capital, as demais já possuem ações negociadas na Bovespa.

Todas as companhias de propriedade de Eike têm a letra ‘X’ no nome em referência ao sinal matemático da multiplicação.

ar

[Como é que essas botijas de ouro e prata desapareceram? Ficaram encantadas?

O x dessa história é saber se Eike perdeu dinheiro apenas no Brasil?

Não acredito na teoria de que “tudo que é sólido desaparece no ar”…

Tem algo de podre no reino da Dinamarca, ou melhor dito, no reino da Alemanha, que Eike, apelidado pela mãe de “bundinha de ouro”, tem dupla nacionalidade.

 

Quanto mais Eike ganha, mais pobre fica

Não deixem de ler o relato do que ocorreu em São João da Barra, publicado no blog do Pedlowski, mostrando o drama de um agricultor e sua família vítimas da arbitrariedade e desumanidade de Cabral, para beneficiar Eike Batista. É de cortar o coração. Esse drama deveria ser mostrado por toda a imprensa. Dezenas de família foram praticamente expulsas de suas terras, sem direitos, sob ameaça da Polícia Militar. A CODIN, do governo estadual, manipulou processos judiciais para prejudicar os agricultores. É para deixar qualquer um indignado. (Blog do Garotinho)

dramasjoaodabarra

[É sinal de que algo muito estranho aconteceu ou vai já, já. Quanto mais terras, rios, lagos, praias, concessões de minérios, portos, ferrovias, poços de gás e petróleo, dinheiro emprestado de bancos oficiais (só no BNDES foi 13 bilhões), quanto mais presentes ganha Eike, quanto mais ele ganha, mas pobre fica no Brasil.

Acontece que Eike revelou e propagou que o apelido dele, colocado pela mãe, é “bundinha de ouro”, pela inexplicável sorte que tem de multiplicar bens.

Por que o patrão paga um salário de fome aos jornalistas?

Escreve Marco Antônio Santos: “O din-din não dá para pagar as despesas básicas até o final do mês, ou melhor, o final do mês do trabalhador chega alguns dias após o recebimento do holerite de fome”.

É que o patrão está em crise. Cada vez mais miserável. Quanto mais empresas tem, mais pobre fica. É o fenômeno Eike Batista, um pobre coitado. Que pena mais que um jornalista pena de ouro.

crise vida indignados economia imposto salário

Um Trem Para As Estrelas

Cazuza

São 7 horas da manhã
Vejo Cristo da janela
O sol já apagou sua luz
E o povo lá embaixo espera
Nas filas dos pontos de ônibus
Procurando aonde ir
São todos seus cicerones
Correm pra não desistir
Dos seus salários de fome
É a esperança que eles tem
Neste filme como extras
Todos querem se dar bem

Num trem pras estrelas
Depois dos navios negreiros
Outras correntezas

Estranho o teu Cristo, Rio
Que olha tão longe, além
Com os braços sempre abertos
Mas sem proteger ninguém
Eu vou forrar as paredes
Do meu quarto de miséria
Com manchetes de jornal
Pra ver que não é nada sério
Eu vou dar o meu desprezo
Pra você que me ensinou
Que a tristeza é uma maneira
Da gente se salvar depois

Num trem pras estrelas
Depois dos navios negreiros
Outras correntezas

Ilustração de Giacomo Cardelli
Ilustração de Giacomo Cardelli

No reino da impunidade, Sergio Cabral entrega o Maracanã a Eike e justifica 200 milhões de gastos adicionais. Isso sim que é corrupção. E o Rei do Rio vai ficando cada vez mais pobre…

  

Carlos Newton

Reportagem de Carolina Oliveira Castro, no Globo Online, mostra que mais uma anunciada armação do governador Sergio Cabral foi completada com êxito. Como já se sabia, o consórcio Maracanã S.A – formado pelas empresas Odebrecht (90%), IMX (5%), de Eike Batista, e a americana AEG (5%) – ganhou a concorrência pública para administrar o estádio pelos próximos 35 anos.

O anúncio do novo administrador do palco da final da Copa do Mundo de 2014 foi feito nesta quinta-feira, no Palácio Guanabara, onde foram abertos os envelopes com as garantias dos dois consórcios que estavam na disputa.

O resultado transforma a AEG (Anschutz Entertainment Group) no maior administrador de estádios no Brasil. Com sede em Los Angeles, nos EUA, a empresa é responsável pela administração de 120 arenas em todo o mundo. Entre as quais, estão as brasileiras Arena da Baixada (Curitiba), Arena Pernambuco e Arena Palestra (do Palmeiras, em São Paulo). A empresa pretende concorrer também à administração do Mané Garrincha, em Brasília. Mesmo tendo só 5% de participação no consórcio, a empresa foi fundamental para o consórcio na disputa. A AEG, das três, era a única que cumpria o requisito, exigido por edital, de ter experiência em administração de estádios.

IMPREVISTOS DE 200 MILHÕES

O governo do estado atribuiu a “imprevistos” o gasto adicional de cerca de R$ 200 milhões na reforma do Maracanã. Mas não discriminou quanto gastará em cada um dos “fatores alheios à vontade” do consórcio responsável pela reconstrução do estádio.

Em nota oficial, o governo afirma que “uma obra dessa magnitude pode enfrentar obstáculos imprevisíveis ao longo da sua execução”. O principal deles, diz, “foi o expressivo aumento de quantitativo de recuperação e reforço estrutural e de demolição verificadas”. Segundo a nota, ao longo da reforma, os técnicos descobriram que as estruturas das rampas monumentais e de cinco pavimentos do estádio precisavam ser recuperadas.

Um reforço metálico sob a arquibancada, segundo o governo, também justificou o aditivo. “Os impactos de todos os imprevistos”, diz a nota oficial, adiariam a conclusão da obra para setembro deste ano, já depois da Copa das Confederações. Por isso, “optou-se pela adoção de metodologia diferenciada para as arquibancadas (estruturas metálicas) e implantação de medidas de aceleração (turno adicional e horas extras)”, o que elevou o valor final do contrato para R$ 1,12 bilhão.

[PRIVATIZAÇÃO COM CARTAS MARCADAS. ANTIGAMENTE ISSO ERA CONSIDERADO CRIME. LADROAGEM. MARMELADA. BANDIDAGEM. FORMAÇÃO DE QUADRILHA. TODO CORRUPTO SABIA DO CONCHAVO.  TODA IMPRENSA SABIA QUE EIKE BATISTA IA GANHAR A CONCORRÊNCIA. QUANTO CUSTOU TODA ESTA FARRA PARA OS COFRES DO BRASIL, DO GOVERNO DO RIO E PREFEITURA DO RIO?]

A “namorada” de Eike Batista

flávia sampaio

A mãe de um futuro herdeiro de concessões e mais concessões dos governos da União, estados e municípios é notícia sim. Eike, realmente, nasceu com uma “bundinha de ouro”. Está “casado” com uma mulher linda, inteligente, e sócia do escritório Sampaio, Morisson e Boquimpani Advogados Associados, especializada em ações tributárias e ambientais. Portanto, uma profissional mais do que importante para os negócios de Eike. Confira  

Flávia Sampaio tem 29 anos. Eike nasceu em Governador Valadares, em 1956. É outro ex-mineiro famoso, que virou carioca.

Estranho uma grávida ser chamada de “namorada” pela imprensa bajuladora. Fosse uma mulher pobre o nome seria outro. Prefiro enamorada.

Foto Vicente de Paulo
Foto Vicente de Paulo

Os bundas-moles e as bundas-de-ouro

BRA_NOTA bundas

A capa de hoje do Notícia Agora apresenta as bundas de tanajura, e prepara os leitores para o Carnaval e para o BBBrazil. A Play Boy faz até concurso

playbol concurso

As clínicas faturam com implantes.

silicone-no-bumbum

Preferencia-Nacional bunda e peitos

O brasileiro só pensa nisso. Dizem que andar para trás faz bem. Escreve Carolina Cagno, na revista Boa Forma:”Caminhar de costas é tendência no mundo fitness, mas será que vale a pena? ‘Como o movimento não é natural, o corpo precisa se esforçar para se adaptar, o que aumenta a queima calórica’, fala o personal trainer Márcio Atalla, do Rio de Janeiro. Em um estudo da Universidade de Nevada, nos Estados Unidos, atletas que andaram de costas na esteira três vezes por semana por 15 minutos notaram menos dor na lombar. ‘A técnica ajuda mesmo, porque oferece menos impacto’, explica Atalla. Mas a novidade pede cuidados: comece devagar, alternando com a caminhada normal, e aumente o tempo e a velocidade à medida que ganhar confiança – a mesma regra vale para o exercício no transport, que também permite o movimento para trás. Na rua, escolha um lugar calmo para evitar trombadas. Na esteira, concentre-se para não perder o equilíbrio”.

Eike Batista revelou que possui uma “bundinha de ouro”. Que lhe fez bilionário. Menos de um por cento dos brasileiros tem a sorte do dono da Eikelândia e rei do Rio. Está comprando tudo. Até o Maracanã.

O Brasil anda para trás.

Fernando Henrique privatizou mais de 70 por cento das estatais (fatiou e mudou o nome da Petrobras). A crise continuou com Lula, que também desestatizou. Se Dilma bater o martelo nas privatizações anunciadas, sinal de que o país continua com o pibinho baixo.

BRA^PA_DDP mal de chagas tatuagem

Significa que o povo também anda para trás. É o Brasil da peste (dengue, malária, tuberculose, mal de chagas, febre amarela), da fome, da guerra interna das milícias (paramilitares). De um povo que precisa deixar de ser bunda-mole e bunda-suja.

mosquito pica

Apatia nossa virou uma arte de levar um pé na bunda dos governos que nunca fizeram nada que preste para o povo.
apatia pobreza indignados

Rio de Janeiro lidera ranking da destruição da Mata Atlântica

Os estados de Minas Gerais e Bahia lideraram o ranking de desmatamento da Mata Atlântica no período de 2010 a 2011, segundo informou, nesta terça-feira, o Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica. Minas foi responsável pela degradação de 6.339 hectares e a Bahia, por 4.686 hectares.

O estudo foi realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (Inpe) e pela Fundação SOS Mata Atlântica. Os estados que mais devastaram o bioma após estes foram: Mato Grosso do Sul (588), Santa Catarina (568), Espírito Santo (364), São Paulo (216), Rio Grande do Sul (111), Rio de Janeiro (92), Paraná (71) e Goiás (33).

Ao todo, a Mata Atlântica teve 13.312 hectares de área desflorestados no período da pesquisa, o equivalente a 133 quilômetros quadrados. A pesquisa realizada dois anos antes de 2010 avaliou que o bioma perdeu 31.195 hectares ao todo, representando um resultado positivo em 2011. Isso foi publicado por SRZD.

Quanto a Eikelândia vai desmatar apenas no Norte Fluminense? Ou melhor perguntado: quantos bosques, plantações, lagoas e praias apenas no Norte Fluminense?

Testemunha André Vieira:

“No litoral fluminense, bilionário constrói porto e quer atrair empresas de aço, cimento, carro, produtos Apple, além da cidade “X”

A ponte mede quase três quilômetros de comprimento. Nasce em solo arenoso e avança sobre o mar adentro. Está montada sobre 662 estacas fincadas no fundo da água que se enfileiradas teriam a distância de 38 quilômetros. Sua estrutura tem a largura de 27,5 metros, que permitirão não só a passagem de uma gigantesca correia de transporte de minério de ferro como também a circulação de caminhões pesados.

Na ponta da ponte em alto-mar, a temperatura supera os 30 graus. O forte vento reduz a sensação térmica, mas deixa o mar agitado. As primeiras pedras lançadas para a construção do quebra-mar já começam a aparecer na superfície e vão proteger os navios que chegarão no futuro porto que está sendo construído. Ao todo, serão lançados 1,8 milhão de metros cúbicos de blocos de pedras no mar, o equivalente ao morro do Pão de Açúcar”.

O aterro do mar, com gigantescas pedras, já destruiu uma das mais belas praias do Rio de Janeiro, e outras serão levadas pela mar agitado que busca os espaços que foram roubados.

ERA UMA VEZ UM MAR CALMO

Praia do Açu

Nome originado de moradores nativos da região, possui mar ideal para pesca de anzol e de rede. 

No tupi-guarani, significa ¨grande¨.

Fonte: Prefeitura de São João da Barra

A praia do Açu era assim, o mar calmo, e de uma beleza virgem intocada

Acrescenta André Vieira:

“Quando estiver pronto, o porto acomodará dez berços de atracação. O calado natural de 15 a 18 metros já seria suficiente para navios Panamax, nas medidas que cruzam o canal do Panamá. Mas as obras de dragagem vão aumentar a profundidade para 25 metros, o que inclui a nova geração de meganavios Chinamax, com capacidade carga de mais de 350 mil toneladas de minério, que hoje chegam apenas a poucos portos existentes no mundo.

A empresa de logística LLX responde pelas atividades portuárias; a de energia MPX planeja construir duas usinas térmicas, uma movida a carvão importado (2.100 MW) e outra a gás (3.330 MW), similar à oferta de energia firme de Itaipu; a empresa de construção naval OSX prevê instalar seu estaleiro. A OGX é outra potencial candidata a ter uma base local: a empresa de petróleo e gás tem direitos na exploração de blocos na bacia de Campos, a menos de 300 quilômetros da costa.

Além dos negócios próprios, o plano para a Eikelândia contempla a instalação de outros grandes empreendimentos. Numa área de 90 quilômetros quadrados, equivalente a cidade de Vitória (ES), o bilionário brasileiro pretende atrair duas siderúrgicas – uma já assinou contrato com os chineses da Wisco, uma das três principais produtoras de aço do país asiático.

A outra foi fechada com os ítalo-argentinos da Ternium-Techint, um dos maiores fabricantes de aço da América Latina. Cada uma das siderúrgicas terá fábricas de cimento como vizinha – a Votorantim e a Camargo Corrêa, as duas maiores empresas brasileiras do setor, já assinaram acordos de intenção de investimento com as empresas de Eike”.

QUATROCENTAS PROPRIEDAS INVADIDAS

Tudo que Eike faz tem marca ferrada do “X”. André Vieira confessa:

“Equipamentos pesados. Guindastes gigantescos, caminhões pesados novíssimos, estradas de acesso recém-asfaltadas. Aos poucos, a paisagem está sendo drasticamente redefinida pelas novas construções. Os canteiros de obras ocupam espaço em fazendas dedicadas antes à pastagem”.

Isso é mentira. O projeto existe, 99 por cento dele está no papel, para justificar benesses no executivo, no judiciário, no legislativo do Estado do Rio de Janeiro. Só agora começou o desalojamento de milhares de pequenos ruralistas e suas famílias e funcionários. Desapropriações realizadas pela gangue dos guardanapos.  Fazendas doadas pelo governador Sérgio Cabral e pela prefeita Carla Machado de São João da Barra. Doações que precisam ser investigadas pela polícia polícia, pela justiça justiça. E pela Rio + 20, uma conferência das Nacões Unidas que se realiza este mês na Capital do Rio, em defesa da economia verde e da economia azul. E pela conferência paralela, a Cúpula dos Povos em defesa da economia sustentável e da justiça social. A Eikeândia nega todo este ideário internacional de um mundo melhor.

A polícia de Sérgio Cabral, comandada pela banda podre da justiça do Rio, conforme denúncia do deputado Anthony Garotinho, vem expulsando, no ditatorial prende e arrebenta, os verdadeiros e seculares donos das plantações.

(Continua)

Prefeito de m. Márcio Lacerda despeja 350 famílias. Falta agora doar o terreno para um empresário amigo

Belo Horizonte virou uma Roma de Nero
Belo Horizonte virou uma Roma de Nero

A justiça brasileira tão lenta e cara, costuma agir rápida e militarmente no desalojamento de pobres famílias pobres. Isso no Brasil dos sem teto. É a justiça PPV. Do Pinheirinho, em São José dos Campos. Com a soldadesca comandada pelo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, o desembargador Ivan Sartori. Cães de guerra que atiram balas contra o povo, jogam bombas contra o povo, toda uma batalha desigual para favorecer um empresário corrupto, Naji Nahas, ex-preso da Polícia Federal. É a justiça PPV. Do governador Sérgio Cabral, também inimigo do povo, que desapropriou matas, bosques, fazendas e praias, em São João da Barra, para presentear o bilionário Eike Batista, que se autodenomina Bundinha de Ouro. Leia mais 

É a justiça dos despejos e dos precatórios que beneficiam os  corruptos moradores de palácios encantados no Brasil e no exterior. Taí o dono da Delta como exemplo. Isso acontece porque empresas corruptas não podem ser punidas criminalmente.  Tanto que, só agora,  informa o jornalista Flávio Ferreira,

a comissão do Senado que prepara a proposta de um novo Código Penal aprovou a inclusão da criminalização de empresas que participam de casos de corrupção contra a administração pública.

Se aprovado, o anteprojeto poderá permitir o fechamento ou a imposição de penas como multas ou prestação de serviços à comunidade contra as empresas.

Segundo o relator da comissão, o procurador da República Luiz Carlos Gonçalves, nos delitos contra o patrimônio público é insuficiente punir apenas os executivos ou funcionários de pessoas jurídicas diretamente envolvidos nos crimes.

“A ideia é surpreender esse fenômeno infelizmente comum no Brasil no qual a pessoa jurídica se vale de funcionários como se fossem laranjas, e quando chega a hora da responsabilização criminal, só os funcionários são responsabilizados e a empresa continua com sua atividade perniciosa e nociva. Pela nossa proposta isso acabou”, disse Gonçalves.

É a justiça de um Brasil cruel. Que escravizar uma pessoa constitui uma inflação menor que um conflito de trânsito. Confira .  E todo escravocrata sequestra, prende, tortura e rouba o salário dos miseráveis.

A polícia herodiana em ação hoje em Belo Horizonte
A polícia herodiana em ação hoje em Belo Horizonte

PREFEITO DE M.

O prefeito de Belo Horizonte, do PSB, mandou despejar 350 famílias sem teto da Ocupação Eliana Silva, localizada no bairro Barreiro de Baixo, na Avenida Perimetral, Santa Rita, em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. O despejo começou a partir das 6 horas da manhã desta sexta-feira, quando “seu” M. ainda dormia. Cem barracos já foram demolidos e os moradores que se danem.

Faz bem o povo cantar. O nome dele  “Começa com m, termina com erda. Adivinha o que que é”.  Escute a música.

Os cães contra o povo
Ensinaram 400 cães a morder os pobres

DIVINA AÇÃO

A ação de despejo coletivo, realizada no prende e arrebenta, por 400 policiais fortemente armados, foi autorizada pela juíza da 6ª Vara de Feitos da Fazenda Municipal da Comarca de Belo Horizonte,  Luzia Divina de Paula Peixoto, cujo despacho foi publicado em 26 de abril último. Exemplar justiça rápida!  Veja vídeo da brutalidade policial contra o pobre povo pobre. São 1. 400 pessoas jogadas na rua. Viviam miseravelmente. Mesmo assim toda mãe de família, que morava em um casebre,  chora: – perdi tudo.

Cavalaria montada no povo de Belo Horizonte
Cavalaria montada no povo de Belo Horizonte

Leia. 

Trabalho escravo e os variados conceitos de propriedade rural em São João da Barra

Prefeitos não constroem casas para o povo. Dão terrenos em locais distantes e de risco. E os sem teto, devargazinho, economizando no pão nosso de cada dia, vão construindo aos poquinhos suas moradias. Se com o tempo, a cidade crescer, os terrenos ficarem valorizados pela especulação imobiliária, acontece a mágica de aparecer um misterioso dono: uma empresa limitada e, muitas vezes, fantasma ou falida a pedir o desalojamento de todos os moradores. Foi assim em Pinheirinho.

Polícia Militar de Alckmin expulsam de Pinheirinho, em São José dos Campos,  milhares de trabalhadores que recebem o salário mínimo do mínimo
Polícia Militar de Alckmin expulsa de Pinheirinho, em São José dos Campos, milhares de trabalhadores que recebem o salário mínimo do mínimo
Tragédia esquecida do Pinheirinho. O fogo amigo e legal do desembargador Ivan Sartori. Quem chora pelas vítimas?
Tragédia esquecida do Pinheirinho. O fogo amigo e legal do desembargador Ivan Sartori. Quem chora pelas vítimas?
A força do poderoso braço de Naji Nahas em Pinheiro, terra de uma família alemã misteriosamente assassinada
A força do poderoso braço do doleiro Naji Nahas em Pinheirinho, terra de uma família alemã misteriosamente assassinada

Tramita no Congresso Nacional uma lei que visa acabar com o trabalho escravo. Dez anos de discussão.

Os ruralistas consideram que a lei brasileira não é suficientemente clara sobre o conceito de trabalho escravo, o que força a apresentação de um projeto em separado para garantir que a aplicação não fique submetida a interpretações – ainda que o Código Penal brasileiro defina o que é trabalho escravo. “Isso é enrolação. Vai votar daqui a 15 dias a mesma coisa”, criticou o líder do PSOL, Chico Alencar (RJ). “A princesa Isabel, quando aboliu a escravidão, enfrentou alguma resistência, mas ninguém chegou ao cúmulo de pedir que ela definisse de que se trata o trabalho escravo. O que mais vai ser definido?”

Temendo a derrota para a bancada ruralista, de atuação suprapartidária, PT e PSB aceitaram adiar para o dia 22 a votação. “Lamentamos que um tema do século 19 estamos discutindo no século 21, e com esta dificuldade de votar”, afirmou o líder do PT, Jilmar Tatto (SP). “Vamos remeter para 22 de maio, vamos colocar em pauta, vamos fazer todos os acordos possíveis, sem no entanto rebaixar de forma alguma o tema principal.”

Foi o segundo dia seguido em que os ruralistas conseguiram impor o adiamento da votação com o argumento de que a PEC é perigosa para a propriedade. Na véspera, estiveram no Congresso ministros e ex-ministros, artistas e representantes de centrais sindicais. Entre 1995 e 2012, 42 mil pessoas foram resgatadas de condições análogas à escravidão pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

A exemplo do dia anterior, houve discursos que colocaram a propriedade acima da dignidade humana – e mesmo da vida humana. Na terça-feira (8), Luis Carlos Heinze (PP-RS) chegou a relativizar o crime da escravidão afirmando que também eles, deputados, estão submetidos a condições degradantes.

Na quarta-feira, coube a Nelson Marquezelli (PTB-SP) a tarefa de dizer que se trata de um “crime” colocar em votação a PEC 438. “Se eu, na minha propriedade, matar alguém, tenho direito a defesa. Se tiver bom advogado, não vou nem preso. Mas se der a um funcionário um trabalho que será visto como trabalho escravo, minha esposa e meus herdeiros vão ficar sem um imóvel. É uma penalidade muito maior do que tirar a vida de alguém. A espinha dorsal da Constituição brasileira é o direito à propriedade.”

 Mas este direito à propriedade não é considerado pelo governador Sérgio Cabral em São João da Barra, no Rio de Janeiro, que desapropriou terras e mais terras, bosques, matas, fazendas, praias para um mega projeto de Eike Batista. É um ABC X, que Eike, bundinha de ouro, chama de Eikelândia. Confira.
Existe defesa da propriedade de terra em São João da Barra? Que ruralista, no Congresso, vai opinar contra esta desapropiação de terra? Veja vídeo.  São 70 quilômetros de fazendas e 300 de faixa de mar.
O conceito de propriedade me parece muito vago. Outro exemplo de que o direito de propriedade vale para uns sortudos, e não para todos ruralistas. Quatrocentas fazendas vão desaparecer. Clique aqui.  
Produtor rural, em São João da Barra, RJ, chora a fazenda perdida para Eike Batista. São 400 propriedades desapropriadas por Sérgio Cabral e dadas, de mão beijada, para o homem mais rico do Brasil
Produtor rural, em São João da Barra, RJ, chora a fazenda perdida para Eike Batista. São 400 propriedades desapropriadas por Sérgio Cabral e dadas, de mão beijada, para o homem mais rico do Brasil
O verde dos bosques, das matas, das plantações, e o azul dos lagos, dos rios e do mar das belas praias de São João da Barra vão ser acinzentados pela ganância do mega 20-X
O verde dos bosques, das matas, das plantações, e o azul dos lagos, dos rios e do mar das belas praias de São João da Barra vão ser acinzentados pela ganância do mega ABC-X