Cocaína provoca disfunções sexuais, danos reprodutivos e infertilidade

EFEITOS DA COCAÍNA

 

Nestory Fedeliko
Nestory Fedeliko

 

 

 

Quais são os efeitos da cocaína a curto prazo?

A cocaína causa uma intensa e rápida euforia que é seguida imediatamente pelo oposto – uma intensa depressão, tensão e avidez por mais droga. As pessoas que a consomem não comem nem dormem adequadamente. Elas podem sofrer uma frequência cardíaca muito elevada, espasmos musculares e convulsões. A droga pode fazer a pessoa sentir–se paranoica,1 zangada, hostil e ansiosa, mesmo quando a pessoa não está eufórica.

Não obstante a quantidade ou frequência do consumo da droga, a cocaína aumenta o risco do consumidor de sofrer de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, convulsões ou falha respiratória, podendo qualquer um destes causar morte súbita.

 

Quais são os efeitos da cocaína a longo prazo?

A palavra “agarrado” foi inventada há muitos anos para descrever os efeitos colaterais negativos do uso constante da cocaína. À medida que a tolerância à droga aumenta, torna–se necessário usar cada vez quantidades maiores para conseguir a mesma euforia. O uso diário prolongado causa perda de sono e de apetite. Uma pessoa pode tornar–se psicótica e começar a ter alucinações.

Como a cocaína interfere na maneira como o cérebro processa os produtos químicos, uma pessoa precisa de cada vez mais droga para se sentir “normal”. As pessoas que se tornam viciadas em cocaína (assim como pela maioria das outras drogas) perdem o interesse nas outras áreas da vida.

Reduzir a droga causa uma depressão tão severa que a pessoa fará quase tudo para conseguir a droga – até mesmo cometer assassinato.

E se não conseguir a cocaína, a depressão pode tornar–se tão intensa que pode levar o toxicodependente ao suicídio.

 

Efeitos a curto prazo

Perda de apetite
Aumento do batimento cardíaco, pressão sanguínea, temperatura corporal
Contração dos vasos sanguíneos periféricos
Aumento da velocidade respiratória
Pupilas dilatadas
Padrões de sono perturbados
Náusea
Hiperestimulação
Comportamento bizarro, instável, por vezes violento
Alucinações, hiperexcitabilidade, irritabilidade
Alucinações tácteis que criam a ilusão de insetos a rastejar por baixo da pele
Euforia intensa
Ansiedade e paranoia
Depressão
Ânsia intensa pela droga
Pânico e psicose
Doses excessivas (mesmo que seja apenas uma vez) podem causar convulsões, derrames vasculares cerebrais e morte repentina

Efeitos a longo prazo

Danos irreversíveis nos vasos sanguíneos coronários e cerebrais
Tensão arterial elevada que causa ataques cardíacos, derrames vasculares cerebrais e morte
Danos no fígado, rins e pulmões
Destruição dos tecidos nasais se inalada
Falhas respiratórias se fumada
Doenças infecciosas e abcessos se injectada
Má–nutrição, perda de peso
Decadência dentária severa
Alucinações auditivas e tácteis
Disfunções sexuais, danos reprodutivos e infertilidade (tanto no homem como na mulher)
Desorientação, apatia, confusão e exaustão
Irritabilidade e perturbações de humor
Aumento da frequência do comportamento de risco
Delírio ou psicose
Depressão severa
Tolerância e dependência (mesmo quando consumida apenas uma vez)
“Não toque na cocaína. Passei dois anos na cadeia por causa desta droga. E quando saí, a vida era tão difícil que comecei a consumir a droga outra vez. Conheço 10 mulheres que se tornaram prostitutas por causa da cocaína. É muito mais extrema e degradante do que acreditamos. Na altura não nos damos conta até que ponto nos destrói.” – Shawne

 

 

Payam Boromand
Payam Boromand

Uruguay defendió ante la ONU la regulación de la marihuana

maconha 1

maconha 2

maconha 3

maconha 4

“Enfrentar el problema de las drogas requiere de un enfoque múltiple, de una gran flexibilidad, de comprensión por realidades diferentes, aceptando la posibilidad de transformaciones de las legislaciones nacionales o de impulsar cambios en la legislación internacional”, aseguró en su discurso el prosecretario de la presidencia, Diego Cánepa, informó a Télam la delegación uruguaya desde Viena.

Si bien “el llamado `problema de las drogas` es un fenómeno global, también tiene especificidades regionales y nacionales que no deben descuidarse a la hora del diseño e implementación de políticas”, fundamentó su posición Cánepa, a la cabeza del grupo.

La delegación está integrada además por el secretario de la Junta Nacional de Drogas, Julio Calzada; el embajador de Uruguay ante la OEA, Milton Romani, y el representante en el país europeo, Carlos Barros.

En la lectura en la 57 sesión de la Comisión de Estupefacientes de Naciones Unidas, Uruguay sostuvo que ha “insistido todos estos años en promover la apertura de un debate amplio y fecundo sobre el modelo actual, conocido como `guerra contra las drogas`”.

“Constatamos que sigue habiendo varios enfoques, la aplicación de la estrategia generalmente no es equilibrada y es necesario el diálogo que nos permita avanzar para cumplir con los objetivos de las Convenciones”, establece el documento del gobierno de José Mujica.

El texto también señala el apoyo de la Comisión Global para la Reforma de las Políticas de Drogas, integrada entre otros por los ex presidentes Fernando Henrique Cardoso (Brasil), Cesar Gaviria (Colombia), Ernesto Zedillo (México), Jimmy Carter (EEUU) y Ruth Dreyfus (Suiza), y de figuras de renombre internacional como Mario Vargas Llosa, Kofi Annan o Paul Baulker.

“La no penalización del consumo de marihuana en Uruguay, fundada en la normativa constitucional, junto a la prohibición del cultivo, la producción, comercialización, etc… ha derivado en el desarrollo de un mercado ilegal en el cual el narcotráfico funda su accionar en nuestro país”, insistió Uruguay y remarcó: “No creemos, ni queremos, ser modelo para nadie”.

La ley que pone bajo órbita estatal la producción, venta y consumo de la droga en Uruguay fue sancionada en diciembre pasado y el Ejecutivo trabaja junto a los ministerios en su reglamentación.

 

Uruguai 2

Quantas cargas de cocaína transportou o helicóptero dos Perrella?

M_dia_golpista_helic_ptero_dos_Perrella

O helicóptero modelo Robinson R66 da família Perrella esteve no Paraguai um dia antes de ser apreendido com quase meia tonelada de cocaína no Espírito Santo. Análise feita pela Polícia Federal (PF) no GPS da aeronave mostrou também que, depois de permanecer em São Paulo em 23 de novembro, o helicóptero parou para abastecer em Minas Gerais pouco antes de seguir para o município de Afonso Cláudio, onde ocorreu o flagrante no dia seguinte. (Estadão). Confira. Pousou em Divinópolis, cidade mineira da rota da cocaína.

Esta informação não descarta a possibilidade de outras viagens ao Paraguai. E por que não foram consultadas as autoridades do país vizinho?

Segundo a PF, o helicóptero esteve no Paraguai no dia 23 de novembro para buscar a droga. No mesmo dia, o entorpecente foi transportado para um lugar ainda indefinido, em São Paulo, e o helicóptero foi guardado sem a droga no Aeroporto Campo de Marte. No dia seguinte, já com a pasta base de cocaína, a aeronave realizou um pouso em Minas Gerais para abastecer, e depois seguiu viagem até o Espírito Santo. Não há informações se o piloto que conduziu a aeronave até o país vizinho é o mesmo que foi detido em Afonso Cláudio. (Folha de S. Paulo) Confira

A aeronave voou do Paraguai até o interior de São Paulo – que o piloto diz ser Avaré-, onde teria descarregado. O helicóptero pernoitou no Campo de Marte, na capital paulista, retornou ao depósito onde estava a droga e seguiu para Divinópolis (MG), onde abasteceu. Em seguida, pousou na fazenda em Afonso Cláudio (ES). R7 Notícia) Confira 

No noticiário mais recente, Avaré aparece como local desconhecido. O importante é explicar o vai-vem do helicóptero. Pega a droga no Paraguai no dia 13, descarrega em Avaré ou em algum local desconhecido, segue para o Campo de Marte, na capital paulista, e no dia 14 retorna, para recarregar a droga e levar para o Espírito Santo.

Por que a viagem ao Campo de Marte?

Todo noticiário censurado, todo segredo de justiça (inquérito policial ou foro privilegiado),  qualquer ato ou fato escondido, por envolver personalidades do executivo, legislativo e judiciário e alto empresariado, nada muda o comprovado uso do avião da família Perrella para transportar o maior carregamento de cocaína apreendida este ano.

A droga foi conduzida  pelo piloto Rogério Almeida Antunes, que era funcionário da Limeira, propriedade da família Perrella, e foi indicado pelo deputado estadual Gustavo Perrella para um cargo no Legislativo mineiro, de onde recebia R$ 1,7 mil desde abril. Além dele, também foram presos o copiloto Alexandre José de Oliveira Júnior e Róbson Ferreira Dias e Everaldo Lopes de Souza, que estavam em terra para receber a carga. O delegado expediu carta precatória para que os proprietários da Limeira fossem ouvidos em Belo Horizonte – o que já ocorreu -, mas esclareceu que nenhum deles prestou depoimento “na condição de investigado”.

A PF ainda tenta apurar como a droga seria retirada do País, pois avalia que a quantidade apreendida era muito grande para ser distribuída apenas no Espírito Santo. Também investiga de onde saiu o dinheiro para a compra do sítio onde a aeronave foi apreendida, hoje registrada no nome de Hélio Rodrigues, um pequeno negociante de imóveis da cidade de Afonso Cláudio – um laranja. Ora, ora, um helicóptero, que pousa no Paraguai, voa para outros países.

“A gente acredita que uma parte da droga possa ser desmembrada, para ser vendida no Espírito Santo, e uma grande parte que vai para o tráfico de drogas internacional, sendo exportada para a Europa”, falou o major Santiago, da Polícia Militar daquele estado.

De acordo com a polícia, há 20 dias já estava sendo investigada a movimentação na propriedade rural, mas a presença do helicóptero chamou a atenção. “Era uma coisa totalmente inesperada, em um local ermo e de difícil acesso, um helicóptero chegando na nossa região sem ninguém ter conhecimento. A maioria das aeronaves que vem para a região é para trazer autoridades ou algum visitante, mas tudo é avisando com antecedência”, explicou o major Santiago. (G1) Confira  

O nome do antigo proprietário do sítio, estranhamente, ainda não foi relevado. A imprensa informou que era um português que, depois da negociação desapareceu, pegou sumiço. Estaria em Portugal.

O corretor local Hélio Rodrigues foi quem intermediou a negociação.

Relembre o caso

A aeronave foi apreendida com o entorpecente na zona rural de Afonso Cláudio (ES). A Polícia Militar (PM) da cidade investigava o local, que apresentava movimentação suspeita há 15 dias, e flagrou a aterrissagem. Além disso, também foram encontrados R$ 16 mil em dinheiro na aeronave. Piloto, copiloto e dois homens que receberiam a droga foram presos.

De acordo com o comandante da 2ª Cia Independente da Polícia Militar do Espírito Santo, major Flávio Santiago, há cerca de 15 dias, um empresário esteve na região metropolitana de Vitória e comprou uma propriedade no distrito de Ibicaba, pertencente a Afonso Cláudio, por cerca de R$ 150 mil, e teria quitado rapidamente, o que causou estranheza à PM.

“Policiais saíram para fazer uma investigação a respeito e se depararam com um fluxo de pessoas e veículos que não eram da região. Então, começaram a montar um cerco. Esperávamos apreender drogas e armas, mas não no nível apreendido. Buscando informações, ficamos sabendo da vinda do helicóptero”, explicou.

Ainda segundo o major, as aeronaves que costumam ir à cidade conduzem autoridades políticas ou são da Polícia Militar. Nesse domingo (24), militares fizeram campana na zona rural e avistaram o helicóptero modelo Robson 66 logo que o dia amanheceu.

“Na parte da tarde, o helicóptero foi localizado em um descampado, um local ermo de difícil acesso e até de ser visualizado. Estava com o motor funcionando. Os policias aguardaram desligar as turbinas e fizeram a abordagem”, contou Santiago.

O total de 445 kg de pasta base de cocaína, que equivale a até R$ 10 milhões, segundo cálculo da Polícia Federal (PF), possui entre 92% e 96% de pureza. A droga estava em formato de tabletes, dentro de caixas, que encheram quatro picapes Hilux da polícia. A droga era esperada por dois homens, que a transportariam em um Polo branco.

O piloto Rogério Almeida Antunes, de 36 anos, natural de Campinas (SP), o copiloto Alexandre José de Oliveira Junior, de 26 anos, natural de São Paulo (SP) e os homens que receberiam a droga, o comerciante Robson Ferreira Dias, de 56 anos, natural do Rio de Janeiro (RJ), e o jardineiro Everaldo Lopes Souza, de 37 anos, natural de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, foram presos. (G1- Globo) confira 

A HISTÓRIA DO AVIÃO VAZIO

No dia 13, depois de desembarcar a droga no interior, o helicóptero segue vazio para São Paulo. E volta, no dia seguinte, também vazio, para pegar a droga para levar para o Espírito Santo.

Por que esta viagem para São Paulo?

Toda censura permite especulações, rumores e boatos. Sei que a verdade um dia aparece.

Aqui vale a pergunta: o helicóptero levou no dia 13 droga para a São Paulo?

Caso confirmado: houve dois transportes de drogas do Paraguai para o Brasil no dia 13. Ou antes.

Avaré era local de armazenamento. Possivelmente saiu um carregamento no dia 13 para São Paulo Capital. E outro, no dia 14, para o Espírito Santo.

Até agora o helicóptero é nave de primeira viagem.

Resultado da censura: Piada propagada na internet
Resultado da censura: Piada propagada na internet

Foi no Pará ou no Espírito Santo, a maior apreensão de cocaína em 2013?

HeliPÓptero, foto de Jc Bruno
HeliPÓptero, foto de Jc Bruno

 

A Polícia Federal realizou, no 17 de outubro, uma das maiores apreensões de cocaína do país em 2013. Os policiais federais encontraram quase meia tonelada da substância escondida nos tanques de combustível de um caminhão. A ação se deu na BR-316 em Ananindeua, região metropolitana de Belém. Confira

Cinquenta milhões de reais. Esse é o valor que poderia render os 445kg de pasta-base de cocaína apreendidos num helicóptero no município de Afonso Cláudio, Região Serrana do Estado, no último domingo. Essa foi a maior apreensão do produto já feita no Espírito Santo. O helicóptero do deputado estadual de Minas Gerais Gustavo Perrella pousou em um sítio recém adquirida pelo parlamentar de Minas Gerais. O sítio, de R$ 150 mil, teria sido comprado por cerca de R$ 500 mil. “A comunidade é de agricultores, gente humilde. Quando compraram esse sítio, a população começou a desconfiar. Resolvemos investigar e, ao perceber a grande movimentação de veículos, fizemos um cerco maior. Quando o helicóptero se aproximou, já tínhamos os policiais posicionados”, explicou o major Flávio Pereira Santiago, comandante da 2ª Companhia Independente de Afonso Cláudio, o local onde o helicóptero foi apreendido era investigado havia pelo menos 15 dias. Leia mais sobre a apreensão da droga que tinha como destino a Europa.

Qual foi a maior apreensão do ano? Que traficante investe 10 milhões em uma operação de alto risco? Nos dois casos, vão aparecer os milionários narcotraficantes?


Onde o vício custa mais caro
Dependendo da distância dos polos produtores e da eficiência da rede de distribuição, o custo da cocaína pode variar enormemente de um país para o outro. Esse é um dos dados que constam no novo relatório da Organização das Nações Unidas sobre a indústria do tráfico. Um grama da droga pode custar entre 2 dólares no Panamá e 312 dólares na Nova Zelândia. A tabela mostra o preço médio da cocaína em vários países.

preço cocaína

As escolas bocas de drogas

Não sei o motivo de uma pesquisa de agosto do ano passado virar manchete hoje da imprensa nacional. Talvez uma campanha contra o ensino público.

Quando tem droga na escola pública (com alunos pobres), tem na escola particular (com os filhos de papai cheios da grana).

Vai completar o ano da revelação da pesquisa, e nenhuma providência das autoridades competentes.

O consumo de drogas provoca a formação de gangues que realizam bulismo, estupros, curras e prostituem rapazes e moças.

A polícia, o juizado de menores, os secretários estaduais e municipais de Educação e os proprietários de escolas particulares possuem os endereços das bocas: perto e dentro dos estabelecimentos de ensino.

BRA_JOBR escolas públicasBRA^MG_drogasBRA_NOTA droga nas escolas Espírito Santo

Publica o portal Terra: Pouco mais de um terço (35%) das escolas públicas brasileiras têm tráfico de drogas nas proximidades.

No DF, mais da metade dos estabelecimentos (53,2%), a maior proporção do País, registram a ocorrência de venda e compra de drogas nas redondezas.

Nenhum Estado está livre. A menor ocorrência é no Piauí, com 15,3% das escolas. Os dados foram levantados pelo QEdu: Aprendizado em Foco, uma parceria entre a Meritt e a Fundação Lemann, organização sem fins lucrativos voltada para educação.

A pesquisa se baseou nas respostas dos questionários socioeconômicos da Prova Brasil 2011, aplicada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), divulgada em agosto do ano passado.

A questão sobre o tráfico nas proximidades das escolas foi respondida por 54,5 mil diretores das escolas públicas. Deles, 18,9 mil apontaram a existência da atividade. A situação, de acordo com especialistas, é preocupante e está associada diretamente à violência e à precariedade que cercam muitos centros de ensino do País, além de contribuir para que os alunos deixem de estudar.

O responsável pelo estudo, o coordenador de Projetos da Fundação Lemann, Ernesto Martins, diz que não dá para isolar escola no contexto em que está inserida. “Ela faz parte de um todo maior, se há violência fora, haverá também nos centros de ensino. Basta observar que o Distrito Federal (53,2%) e São Paulo (47,1%), (regiões) com altos índices de violência, são (as áreas) com o maior percentual”, afirmou.

“Só policiais e favelados morrem na guerra das drogas”

Unknown
Presidida pela juíza aposentada Maria Lucia Karam, a Leap Brasil (Agentes da Lei contra a Proibição) defende ainda a regulação da produção de drogas pelo Estado como forma de combate ao narcotráfico e para reduzir a violência.
Em entrevista ao jornal O Dia, do Rio de Janeiro, o delegado titular da 18ª DP e diretor da Liga, Orlando Zaccone diz que há “hipocrisia” no trato do tema: “Só policiais e favelados morrem nessa guerra”.
A missão da LEAP é reduzir os inúmeros e danosos efeitos colaterais resultantes da guerra às drogas e diminuir a incidência de mortes, doenças, crimes e dependência, pondo fim à proibição das drogas.
.
OS OBJETIVOS DA LEAP SÃO:
.
1. Informar o público, a mídia e os políticos sobre a falência da atual política de drogas, mostrando-lhes um retrato verdadeiro da história, das causas e dos efeitos do abuso de drogas e dos crimes provocados pela proibição;2. Restaurar o respeito público aos integrantes das forças policiais, que tem se reduzido consideravelmente por seu envolvimento na imposição da proibição das drogas.A principal estratégia da LEAP para cumprir esses objetivos consiste na criação de um crescente quadro de porta-vozes, composto por ex-combatentes da guerra às drogas bem informados e articulados, que descrevam o impacto das atuais políticas de drogas sobre: as relações polícia/comunidade; a segurança de policiais e suspeitos; a corrupção policial e outros desvios de conduta; e os custos financeiros e humanos decorrentes das atuais políticas de drogas.

“PACIFICAÇÃO” DAS FAVELAS
.
A pacificação nas favelas constitui um tapume. Idem os muros dos guetos. Visam esconder uma guerra das milícias pelo faturamento da economia subterrânea, dos currais eleitorais da bancada da bala na Assembléia Legislativa e Câmara Municipal, a grilagem de terras, a especulação imobiliária.
.
Os invisíveis bandidos de colarinho branco não residem nas favelas, e sim em condomínios de luxo. Para encontrá-los tem que seguir a pista do dinheiro também invisível.
.
Veja (vídeo) depoimento da juíza  Maria Lucia Karam: temos 500 mil pessoas encarceradas pela guerra das drogas.
.

Nos EUA, liberam a maconha. Enquanto isso, no Brasil, os traficantes ditam as regras

por Wildner Aguiar

A capital mundial da política proibicionista, Washington, decidiu, por votação de seus eleitores, acabar com a balela da guerra às drogas, descriminalizando o uso recreativo da cannabis. O mesmo ocorrendo no Colorado.

Enquanto isso, em terras tupiniquins, os traficantes ditam as regras e impõem aos cidadãos o recolhimento compulsório em suas residências. Por enquanto, só em SP. Quantas mortes ainda serão necessárias para que se perceba a inutilidade de todas as medidas adotadas até hoje?

Medidas que só fizeram aumentar o poder dos marginais, a corrupção nos meios policial e jurídico, o encarceramento de jovens inocentes, a morte de civis e militares e o estúpido gasto de recursos financeiros e humanos. Recentemente nos surpreendemos com a notícia de que a Corregedoria da Pm-SP suspeita que policiais entregaram a criminosos uma listagem com nomes completos, endereços residenciais e telefones de quase cem PMs da Grande SP.

Parece-nos que o exemplo deixado por Al Capone não serviu para nada. Alás, costuma-se falar apenas do Capone, mas é preciso não esquecer Joseph Kennedy. Não só pela fortuna amealhada com a venda ilegal de bebidas como o vôo extraordinário que o fez embaixador estadunidense em Londres. Sem contar, o fato de ter emplacado a presidência com o filho John.

Essa ingrata tarefa de enxugar gelo jamais se esgotará enquanto houver pessoas que se beneficiem diretamente desse sistema fracassado. No Rio, descobriu-se que milhões de reais eram destinados a ex-major da PM, com mais de 40 mortes em 3 anos (“todas em legítima defesa” (sic)), dono de “abrigos de recuperação”. Recebia recursos públicos da ordem de R$ 28 mil por viciado em crack.

O prefeito Paes, percebendo o excelente negócio, apressou-se em lançar o balão de ensaio da internação compulsória, muito embora especialistas tenham se posicionado contrariamente. Ele adora um miliciano.

Esse é apenas um pequeno exemplo e não se pode confundir cannabis e crack. Existem experiências, no Brasil e em Portugal, do uso da cannabis na recuperação dos viciados em crack com percentual considerável de sucesso na remissão total dos pacientes. No Brasil, esse trabalho foi levado a efeito pelo psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira.

O Brasil não deve enveredar-se por caminhos sem retorno. Essa armadilha só faz consumir recursos de fundamental importância em outras áreas, fazendo com que a nação fique a patinar tornando-se presa fácil do capital internacional. Alguém já disse “Países não têm amigos, têm interesses”. Um novo México, com o potencial econômico do Brasil, podem apostar, é o sonho de consumo de muitos países.

Rezemos para que São Paulo recupere a paz e não se torne joguete nas mãos de políticos incompetentes e distantes da realidade do cidadão comum.

(Transcrito da Tribuna da Imprensa)