“Batalha no céu” e o segredo eterno

O filme “BATALLA EN EL CIELO” , que se passa no México, podia ter sido rodado no Brasil, por denunciar a corrupção, ou melhor, abordar a reação de uma filha que descobre que o pai é corrupto.

Este medo de como a família vai conviver com a revelação de que o pai foi um torturador na ditadura militar, ou um ladrão na ditadura econômica, fez o presidente Fernando Henrique criar o foro especial, ou a justiça secreta; e o presidente Lula da Silva decretar o segredo eterno.

Um bandido que tortura e/ou rouba não tem vergonha na cara, mas teme a indignação dos filhos.

“Batalha no céu” é um filme que provoca, que choca, que mistura cenas sexuais com procissões e marchas militares. Vale assistir. Baixei hoje da internet.

Não é uma obra de arte.  O filme é lento, talvez demasiado lento pela espera de uma cena que denuncie o terrorismo estatal, ou a corrupção do governo, mas a tortura fica restrita à penitência religiosa; e a ganância, o desejo de obter dinheiro fácil e ilícito, é de um motorista, de um miserável cidadão comum, personagem principal do drama, que participa com a esposa, fisicamente horrenda, de um sequestro frustado de uma criança.

Este mundo miserável, pobre e feio contrasta com a beleza de  Anapola Mushkadiz, a jovem rebelde. Numa das cenas de sexo, a mostra de que o sexo pelo sexo não traz o prazer, por um único gesto de ternura: Quando a bela aperta a mão do parceiro sexual Marcos Hernández, um artista amador que, na vida real, é também motorista.

Eis a resenha: cinta mexicana que, de entrada, ya comienza con la felación de su feo, gordo y viejo protagonista a cargo de una adolescente guapa. Acto seguido yacen en el lecho tocándose en una estampa no para todos los paladares, pero que no deja de tener su morbo. La bella y la bestia en pleno apogeo carnal, y precisamente el exceso de carne, michelines y vello son iconos del film. La chica es la hija de un general corrupto que castiga a papi prostituyéndose. El gordete es el chófer del militar. Sus escarceos sexuales son una especie de grito (no silencioso, aunque se corran a veces sin hacer ruido) contra la sociedad, la vida que se nos escapa. La secuencia seleccionada (v. link) ilustra a la perfección uno de estos encuentros sin sentimentos, pero mucho humor (si eres él espectador, no los protagonistas).

O povo nas ruas bonito de se ver

Quando o povo decide marchar nas ruas contra a ditadura econômica,
não existe justiça PPV que proíba,
não existe polícia gorilesca que evite,
não existe governo tirano que segure.

A imprensa vendida procura diminuir o número de participantes.
Baba de raiva. Destaca qualquer exaltação, qualquer provocação – distúrbios provocados por espias e agitadores e traidores e delatores e quintas-colunas e outras almas sebosas a serviço dos quatro poderes.

O povo é sempre compassivo, indulgente e submisso nas Américas.
São cinco séculos de domínio dos conquistadores do Velho Mundo.
São cinco século de colonialismo.
São cinco séculos de escravidão.
São cinco séculos de apartheid social.
São cinco séculos de fome, miséria, atraso e servidão.

O efeito Mubarak no País do Nióbio, da corrupção, colônia internacional

O medo que aconteça aqui, a imprensa vendida ao capital estrangeiro, evitou o destaque.

Que o Brasil bem que precisa acabar com o absolutismo da justiça PPV.

Com o voto por favores do legislativo.

Com a ditadura da política econômica, que congela salários, pensões, aposentadorias dos pobres, e aumenta os juros, os impostos, para fazer caixa, o safadoso déficit primário para pagar a dívida da vassalagem.

Os quatro poderes temem o povo.

É uma democracia sem plebiscito.

Conheça as gestapos de uma cruel ditadura

Um prestamista brasileiro, para comprar um fogão, uma cama, seja o que for para sua pobre moradia, tem a vida devassada.

Entrega cópias da carteira de identidade, do CPF, da declaração do imposto de renda, do cheque salário, de uma postagem dos correios como comprovação do endereço, número de telefone e mais e mais informações e documentos.

Os lá de cima roubam o Brasil, e permanecem protegidos pelo sigilo fiscal, pelo sigilo bancário, pelo segredo de justiça, pelo foro especial, pelos cães de guarda, pelas empresas de segurança, pelos advogados blindados de porta de palácio; e possuem dupla nacionalidade, contas secretas nos paraísos fiscais, e casas de praia, de campo, na cidade e no exterior, e passaporte e jatinho para todo tipo de fuga.

O brasileiro comum é espionado pelas Gestapos do SPC e da Serasa e outros famigerados farejadores serviços de informações, e perseguidos por cobradores, stalkings e oficiais de defunto.

E a imprensa do apartheid social louva a nossa democracia capitalista. Quando vivemos em uma ditadura econômica das transnacionais, que esfola, mata e come.

Dezoito leis por dia e nenhum corrupto preso

O Brasil cria 18 leis por dia para perseguir, multar, prender os inimigos do rei. Toda ditadura política é assim. Na ditadura econômica também.

Leis que facilitam os inquéritos sob segredo de justiça.
Inquéritos que são engavetados nos tribunais.

Leis que protegem o enriquecimento ilícito e rápido, com sigilo bancário e conta secreta nos paraísos fiscais.

Leis que tornam milionários os advogados de porta de palácio. Todos com edifícios blindados.

Leis para a justiça PPV consolidar o apartheid social.

Leis para garantir o segredo eterno.

Leis da justiça do foro especial. A justiça fantasma. A oculta justiça oculta para os criminosos especiais receberem atestados de santidade.