Prefeitos contra o salário mínimo são inimigos do povo e defendem o trabalho escravo

município novo

 

As prefeituras nadam em dinheiro na hora de promover festas do santo padroeiro da cidade, carnaval, carnaval fora de época, Natal, réveillon, rodeios, embalos de finais de semana, shows comícios, 31 dias de São João, inaugurações de pequenas obras etc.

Não falta grana para pagar os altos salários do prefeito, secretários, vereadores, e uma imensa corte de cargos comissionados de familiares, de fantasmas e outras assombrações.

Quem realmente trabalha nas prefeituras recebe o salário mínimo do mínimo: começa pelos professores do ensino primário, os servidores dos postos de saúde, das creches, dos serviços essenciais para o povo pobre.

Dilma Rousseff, para o descontentamento de chefes de currais eleitorais, deu um basta na criação de municípios. Os ladrões das prefeituras enriquecem roubando dinheiro desviado dos governos da União e Estados. Difícil um prefeito brasileiro que não foi processado ou que esteja livre de investigação.

A corrupção no Brasil começa com os prefeitos, secretários municipais e vereadores governistas, com a vista grosa dos tribunais faz de contas, vereadores da oposição, do juiz e do promotor das varas municipais, das polícias civil e militar e fiscais e procura-dores, para o deleite de diferentes máfias de obras e serviços invisíveis. Que nada se faz que preste para o povo.

prefeito honesto

O SALÁRIO MÍNIMO DO MÍNIMO 

Publica o Jornal da Manhã de Ponta Grosa: O aumento de 6,78% no salário mínimo impactará no setor público e deve atingir, principalmente, a folha de pagamento dos municípios. Segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), a participação de servidores que recebem o salário mínimo nas administrações municipais é mais expressiva que em âmbito estadual ou federal.

O presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), Luiz Sorvos, afirma que, com o aumento, será ainda mais difícil para as prefeituras se manterem dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). “A receita dos municípios não vai acompanhar o aumento no salário mínimo, não haverá aumento real no Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e, se em 2013 o custeios da folha já foi crítico, neste ano deve piorar”, diz.

 

BRA_FDSP prefeitura são paulo corrupção

Um município que não pode pagar um salário mínimo do mínimo deve pedir falência, e voltar a ser distrito. Isso depois de revistos os contratos de todas prestadoras de ser√iços, levantados os contratos de parentes e contraparentes das autoridades municipais, e investigado o destino das verbas recebidas das secretarias estaduais e ministérios da União.

Onde vai parar a riqueza dos estados de terras raras e oceanos de água doce?
Onde vai parar a riqueza dos estados de terras raras e oceanos de água doce?

Privatização da saúde. A ganância mata. Greve dos médicos contra o lucro exorbitante dos coveiros

saúde plano banco hospital medicina

Os governos estaduais estão entregando a administração de hospitais públicos para empresas privadas. É uma concessão danosa, uma privatização da saúde. O dinheiro de doze estados são para construir estádios para a Copa do Mundo.

Na Espanha, os médicos começaram um movimento – a maré branca. O entreguismo não é bom para a saúde.

saúde hospital medicina hospital particular

La gestión sanitaria privada de centros públicos.

por Pepe Rubio

Así será la Comunidad Autónoma la que pague a las empresas para que ofrezcan esos servicios en vez de ofrecerlos ella como es su obligación. Por lo que ha dicho Ignacio González, la comunidad pagará a la empresa 600 euros al año por cada paciente que tenga como referencia ese hospital. Es decir, que la empresa cobra igual por un paciente que genera un gasto de 50 euros que por uno que genera 600. Pero, y aquí viene el negocio, los pacientes “no rentables” se derivan a hospitales públicos. Por eso se quiere convertir en geriátrico el Hospital La Princesa. Los ancianos son los que generan el grueso del gasto.

Cuando el usuario va al hospital no nota mucha diferencia pero la hay. La empresa de los 600 euros que recibe intenta quedarse el máximo posible, esto lo consiguen recortando en personal, pagándoles menos y presionándoles para que se realicen el menor número de pruebas posibles. Este modelo ha sido puesto en práctica en otros países como en Inglaterra, durante el mandato de Margaret Tatcher, y los resultados, según valoración de la Asociación de Médicos Consultores del NHS en 1995 fueron: Aumento de costes burocráticos en detrimento de la asistencia sanitaria. Existieron presiones financieras para reducir en cantidad y calidad la investigación clínica. Los profesionales sanitarios estaban desmoralizados viéndose presionados por criterios de rentabilidad y no de atención a necesidades sanitarias. Así, una epidemia de gripe colapsó un país que previamente contaba con uno de los mejores servicios sanitarios.

En otros hospitales europeos con este modelo privado se ha comprobado un

aumento significativo de la mortalidad que va desde el 2% en adultos, 10% en recién nacidos, y 8% en crónicos.

Junto con un aumento de las enfermedades como por ejemplo de origen infeccioso. Al producirse recortes de personal en limpieza se producen más infecciones en los quirófanos.

En este tipo de gestión se producen altas prematuras de los pacientes, para rentabilizar al máximo las camas, lo que se traduce en reingresos y reintervenciones por complicaciones.

Marea Blanca

La respuesta al intento por parte de la Comunidad de Madrid de hacer nuevas privatizaciones ha sido unánime por parte de la sanidad madrileña. Empezaba La Princesa con un encierro indefinido, la colocación de mesas informativas y de recogida de firmas, y la realización de 2 concentraciones diarias. Ahora hay 20 hospitales con encierros. También se han sumado centros de salud. Se han entregado en la Consejería de Sanidad un millón de firmas contra la privatización. Se han convocado 4 días de huelga.

En los encierros se han producido asambleas y tomas de decisiones como la acción de abraza tu hospital, que se realizó el 2 de diciembre con enorme éxito. También se han realizado pancartas para usar en manifestaciones y poner por los hospitales.

Esta reacción no ha gustado a Ignacio González que ordenó a los gerentes retirar las pancartas e identificar a los encerrados en algunos hospitales como el 12 de Octubre. La manifestación que se produjo en Madrid el 5 de diciembre colapso la ciudad. La Sanidad Pública no se vende, se defiende. Es el lema de esta marea blanca con la que no contaba el Partido Popular.

Hay que parar este plan privatizador que nos lleva hacia una sanidad de calidad para ricos y una de segunda para la clase obrera.

MareaBlanca

Greve dos Médicos (Onda Branca) em Madri
Greve dos Médicos (Onda Branca) em Madri
Galeria de fotos

Uma justiça absolutista e medieval

Cobrar a melhoria do sistema carcerário sim. Cobrar também a melhoria dos sistemas de ensino, de saúde, de moradia, de todos os serviços essenciais. Colocar os corruptos na cadeia. Não apenas os envolvidos no Mensalão.

O sistema carcerário medieval, com as chacinas, os massacres, sinaliza um Brasil cruel das moradias em áreas de risco, das favelas incendiadas, “pacificadas”, marcadas por deslocamentos involuntários – neologismo para despejos judiciais.

Nada mais medieval que uma justiça absolutista.

A guerra interna
A guerra interna

Médicos de Madrid convocan una huelga general indefinida desde finales de noviembre

Aún son pocos, pero tienen ganas de luchar contra las nuevas medidas del Gobierno de la Comunidad de Madrid, contra el euro por receta, contra la privatización de seis hospitales de la región y contra la remodelación de La Princesa. Por todos esos motivos, la Asociación de Facultativos Especialistas de Madrid (Afem) ha acordado hoy, en asamblea, convocar una huelga general indefinida que comenzará a finales de noviembre y no cesará hasta que el presidente Ignacio González y su consejero de Sanidad, Javier Fernández Lasquetty, retiren su Plan para la sostenibilidad del sistema sanitario público.El acto ha tenido lugar en el salón de actos del Colegio de Médicos de Madrid, cuyo aforo es de 500 personas. “El 99% votamos sí a la huelga general”, señala Antonio Gómez, portavoz de la Coordinadora Antiprivatización de las Sanidad (CAS Madrid), presente en el acto.De poco ha servido la actitud dialogante que el departamento de Lasquetty ha adoptado hoy, al crear un grupo de trabajo con los profesionales de La Princesa, quienes -a pesar de valorar el acercamiento del consejero- mantienen el encierro. “Por supuesto que estamos con La Princesa, pero incluso aunque su situación llegue a arreglarse, La Princesa es sólo uno de los puntos del problema”, señala Mónica García, vocal de la junta directiva de Afem.

“Las medidas de la Comunidad son un ataque y un desmantelamiento de la sanidad pública, una vía de privatización planeada desde hace años y, además, un ataque a los médicos, con quienes no han contado para nada”, lamenta García. “Claro que sabemos que hay deficiencias en este sistema, pero porque lo conocemos mejor que quienes lo gestionan y ahora dicen que lo público es caro porque hay un problema de gestión”, denuncia.

Además, según la vocal de Afem, la historia y numerosos estudios demuestran que “cuando el lucro entra en el sistema, lo primero que sale de él es la calidad asistencial”, escenifica. “Hoy es un problema laboral del personal sanitario, pero mañana serán los pacientes los perjudicados por estas medidas”, advierte.

Por este motivo, Afem -que ya ha recibido el apoyo de otras organizaciones como CAS Madrid-, insta al resto de colectivos: médicos, enfermeras, técnicos, etc. y a la propia ciudadanía a apoyar la huelga indefinida. ¿Por qué? “Porque tenemos una importante responsabilidad como facultativos: Somos médicos y somos pacientes”, responden en su cuenta de Twitter.

Médicos protestam

Diário de um Posto de Saúde ou o acorda povo e médicos

Médica Luiza Portugal
Médica Luiza Portugal

 

A médica Luiza Portugal informa na abertura do seu Diário de um Posto de Saúde:

“Iniciei essa página, inspirada na nossa querida e incentivadora Isadora Faber (que criou o Diário de Classe: uma página do Facebook que ela usa para relatar a realidade vivida no seu colégio, que é público e que enfrenta inúmeras adversidades).

Sou uma médica recém-formada (sim, porque tenho CRM há um ano e poucos meses apenas), que como muitos médicos entrou em um Posto de Saúde e hoje enfrenta

 a dura realidade de entender melhor como funciona (ou como não funciona) o SUS.

Entrei empolgada e muito motivada para ‘A REVOLUÇÃO’, querendo ser ‘A MÉDICA’, ‘O EXEMPLO’. Me deparei com uma realidade diferente daquela que imaginei. O sistema sempre te DERRUBA. Apesar de amar o que eu faço, de continuar tentando alguma mudança; me sinto hoje DESMOTIVADA!

É isso que eu quero compartilhar com o Brasil, não só como desabafo (com certeza isso vai me fazer um bem danado), mas para tentar, como um último recurso…. ser ouvida!”.

A moca é bonita! E dou o meu testemunho de quem foi professor de jornalismo e diretor de jornais e revistas: escreve bem. Sinal de que lê. De que estuda. De que ama o povo brasileiro. Sua coragem me impressiona. Jovem, ela não sabe os perigos que corre.
Perigosas máfias atuam na Educação e na Saúde. Vários secretários estaduais e municipais foram assassinados. A menina Isadora Faber vem sofrendo bullying, assédio moral e stalking. E teve a casa apedrejada.
REPERCUSSÃO
Publica UOL: As deficiências de um posto de saúde da região oeste de Goiânia extrapolaram os limites do bairro e estão sendo discutidas por pessoas de todo o país. Desde o dia 1º de de outubro, o cotidiano da Unidade de Atenção Básica Saúde da Família Vera Cruz tem sido relatado no Facebook, na página “Diário de um Posto de Saúde” criada pela médica Luisa Portugal, de 25 anos.
Por mês, a equipe de Luisa atende cerca de 300 pacientes de todas as idades. Na unidade, a média de atendimentos mensal chega a 4.000 famílias. Uma realidade que, de acordo com ela, demandaria estrutura e higiene impecáveis. “Mas não é isso que acontece. Há falta de materiais, eu e outros médicos chegamos a levar sabonetes de casa para o trabalho, de profissionais e segurança”. Leia mais 
Folha de São Paulo: As reclamações feitas nas redes sociais ganharam um marco: antes e depois de Isadora Faber. A corajosa iniciativa da garota catarinense de 13 anos, que criou um perfil no Facebook chamado “Diário de Classe” para denunciar os problemas de sua escola, inspirou uma série de outros “Diários” espalhados pela rede. Um deles é o “Diário de um Posto de Saúde”, que narra a dura vida de um pequeno Posto de Saúde da Família (PSF) em Goiânia. Confira 
G!: Para a médica, o mais gratificante, até o momento, tem sido o envolvimento da sociedade. “Os meus pacientes estão achando o máximo. Eles acessam e comentam, apesar de ser uma população carente”, comemora.Ela conta que um jardineiro da comunidade, sensibilizado com um de seus desabafos na web, foi até o posto se oferecer para um trabalho voluntário na área externa do local. “A direção do posto ficou de ver a parte burocrática para receber esse tipo de ajuda”, informou. Leia mais 

Luiza Portugal escrevendo o Diário de um Posto de Saúde
Luiza Portugal escrevendo o Diário de um Posto de Saúde

Como curar a peste da corrupção nos postos de saúde?

Consultório Médico bem organizado e profissional

O design interior de um consultório médico transmite muitas coisas para os pacientes.

Por exemplo, o escritório de um pediatra vai ter um visual diferente do escritório de um cirurgião plástico. Porque os projetos de de um consultorio médico devem atender primeiramente as necessidades dos pacientes, o espaço precisa expressar o profissionalismo e competência do médico e fazer os pacientes se sintirem confortáveis.

O tipo de móveis, quadros e iluminação do consultório podem transformar a experiência da visita ao médico em um sensação menos estressante. A coisa mais importante a se considerar é a quantidade de espaço disponível. Os móveis, utensílios e decoração devem corresponder ao tamanho do consultório.

O design interior de um consultório médico deve ser atual, mas não muito na moda. Um consultório desatualizado pode dar a impressão de que a prática médica é antiquada, que não é um adjetivo que as pessoas querem associar com qualquer aspecto de sua saúde. Tendo móveis antigos misturados com equipamentos de ponta e eletrônica faz com que o espaço pareça incompatível.

Cada comodo, desde a recepção e sala de espera de um consultório médico precisam fluir e estar em harmonia com o outro.

As cadeiras em uma sala de espera deve ser simples e confortável e estrategicamente espaçadas para que os pacientes tenham espaço suficiente e opções de lugares. Colocar cadeiras em conjunto pode criar desconforto para os pacientes, especialmente em ambientes fechados com pessoas que estão doentes. A iluminação deve ser brilhante o suficiente para eles lerem, mas não brilhante a ponto de causar desconforto visual. Materiais de leitura devem ser abundantes e convenientemente exibidos.

As salas de exame deve ser bem iluminado e o paciente precisa ficar a vontade. Cartazes e outros objetos de decoração são bons porque dão ao paciente algo para se concentrar e, possivelmente, ajudar a eliminar o estresse.

Leia mais e veja fotos

Diário de um Posto de Saúde

Sei que não se faz nada que preste para o povo no Brasil que gasta bilhões com a saúde pública. Dinheiro que desaparece no ar. Dinheiro jogado no lixo. Veja como é um posto de saúde do pobre povo pobre:

Salas de exame

Eis o que escondem os sujos lençóis
Eis o que escondem os sujos lençóis
Legenda do G1: Janela de consultório não possui cortinas ou outro tipo de vedação
Legenda do G1: Janela de consultório não possui cortinas ou outro tipo de vedação
Acontece o mesmo no gabinete sanitário dos médicos. Com panorâmica vista para quem está dentro e fora...
Acontece o mesmo no gabinete sanitário dos médicos. Com panorâmica vista para quem está dentro e fora…

Improvisada lixeira. Jeitinho malandro e brasileiro
Improvisada lixeira. Jeitinho malandro e brasileiro
Outra improvisação
Outra improvisação

Fotos do Diário de um Posto de Saúde da médica Luiza Portugal

Postos de saúde revelam as verdadeiras caras dos prefeitos. Sem plástica, sem maquilagem, sem retoques

Fotos de um Posto de Saúde em Goiânia

A fachada espelha o interior do posto de saúde. Para as autoridades, o povo não coisa melhor. Na verdade, comparando com milhões de moradias nas favelas, o posto é um verdadeiro luxo
A fachada espelha o interior do prédio. Para as autoridades, o povo não merece coisa melhor. Na verdade, comparando com milhões de moradias nas favelas, o posto de saúde é um verdadeiro luxo
Parede rachada
Parede rachada
Mofo deu
Mofo deu

Fotos do Diário de um Posto de Saúde da médica Luiza Portugal