Defender o ensino público e condenar os desvios de verbas da educação

BRA_OG contra ensino públicoO governo perde uma dinheirama com o comércio do ensino privado. O escândalo da Operação Porto Seguro provou esta safadeza impune.

Os trotes acadêmicos não devem ser realizados para humilhar os calouros. Basta de bebedeira, orgia, assédio sexual, assédio moral e bullying. A politização dos trotes já!

Defender o ensino público começa pela fiscalização do luxo das reitorias, da mordomia magnífica dos reitores. Pela fiscalização, promovida pelos estudantes, dos elefantes brancos, das obras inacabadas e contratação de serviços fantasmas.

Uma menina de 13 anos, com seu Diário de Classe no Facebbok, conseguiu mudar a escola que estuda. Diretório acadêmico sem uma página na internet é sinal de cumplicidade pelo silêncio.

Os estudantes brasileiros precisam conhecer os movimentos estudantis do Chile.

ensino escola educação2

Represión estatal a movilizaciones sociales: La impunidad de la violencia

Agosto de 2011 quedará grabado en la memoria de las personas como uno de los meses donde la represión del Estado al movimiento social fue tremendamente violenta. En ese momento la demanda por una educación gratuita, de calidad para todos  y todas concitó un apoyo del 89% de la población. Y se manifestaba enérgicamente en la calles al son de caceroleos o cortes de ruta. El día 4 de agosto tuvo su punto más álgido. El 25 del mismo mes, un policía asesinó al joven Manuel Gutiérrez.

Por Gonzalo Espinoza

 Comenzaba agosto y el movimiento estudiantil había sorteado la Copa América y con ello volvía a cobrar relevancia en la agenda nacional. Miles de estudiantes a lo largo de Chile paralizaron sus establecimientos y salieron a las calles para demostrar el descontento con el actual sistema de educación y demandar uno nuevo. Ante la nula respuesta de Piñera, para el 4 de agosto se convocaron dos marchas que marcarían un hito en la movilización.

Ese día la represión policial fue expresión de la dureza con la que el gobierno enfrentaba a los estudiantes. La violencia callejera fue el método que utilizaron los manifestantes para responder. Durante la noche el humo del fuego era el símbolo de la batalla, el ruido de las cacerolas sonaba al unísono con los cantos y las piedras que chocaban contra los carros policiales. La imagen de la dictadura parecía volver a aplastar a los que clamaban por justicia.  Al término de la protesta las calles eran de gas lacrimógeno, mojadas por el chorro del guanaco, pero con aires de valentía por la vehemencia con la cual la gente no permitió que su voz fuera silenciada otra vez.

Por todos es conocida la palabra represión. Ésta va en directa asociación con lo que puede ser un chorro de agua, gases o un palo en la cabeza. Sin embargo, la realidad de ésta es aún más cruda y no es un hecho esporádico, es un método de control de masas aplicado sistemáticamente por los gobiernos para acallar y criminalizar a las personas que se manifiestan en las calles. La represión incluye desde golpes, torturas, llegando en muchos casos incluso a asesinatos.

“Decían ‘hay que humillarlo a este weón, hay que pegarle’. Después me taparon la cara con una polera, mientras estaba esposado y me mojaron la cara para que no pudiera respirar. Cuando empezaba a toser me soltaban, para que pudiera respirar… Me pegaban en el piso mientras me dejaban acostado (…)”. Este uno de los tantos testimonios consignados en el informe de la Comisión Ética Contra La Tortura que sistematiza una gran cantidad de vivencias de personas que sufrieron maltratos por parte de Carabineros durante el 2011.

LICENCIA PARA ASESINAR

Alrededor de las once de la noche del día 25 de agosto, en medio del paro convocado por la Central Unitaria de  Trabajadores (CUT), Manuel Gutiérrez (16) y su hermano Gerson iban en dirección a una pasarela para presenciar los enfrentamientos entre manifestantes y Carabineros, cerca de la población Jaime Eyzaguirre de la comuna de Macul. “A 300 metros de llegar se escuchan tres disparos y cuando suena el tercer disparo ‘Manolito’ cae al suelo”, así relata Gerson el momento cuando Miguel Millacura hace uso de su arma de servicio, dándole en el tórax a su hermano, quien horas más tarde fallece en la posta 4 de Ñuñoa.

Se va a cumplir un año desde el hecho y actualmente Miguel Millacura se encuentra en libertad esperando la sentencia de la fiscalía militar, la cual cerró el sumario del caso. La causa fue tipificada bajo el delito de “violencia innecesaria con resultado de muerte”, en ningún caso homicidio como sería catalogada bajo la justicia civil. Es por esto que desde noviembre de 2011 se formó el Comité por La Justicia para Manuel Gutiérrez, el cual agrupa a distintas organizaciones, y que busca que el caso termine con una resolución justa para que se condene de manera efectiva al autor del crimen. Miguel Fonseca, miembro activo de la agrupación, señala que su apuesta “es que a través de la movilización se puedan ir generando condiciones para que se posibilite la no impunidad”.

Dentro de las acciones que ha realizado el comité, se hizo una campaña de firmas a los vecinos para cambiarle el nombre a una plaza de la población Jaime Eyzaguirre, bautizándola como Plaza Manuel Gutiérrez.

El caso de Manuel es uno de los tantos asesinatos que han ocurrido en democracia. Hoy son más de 60 y en su mayoría han quedado impunes. Dentro de éstos se encuentra atías Catrileo, Claudia López, Alex Lemún, Johny Cariqueo y una larga lista que incluye la muerte de militantes de organizaciones de izquierda -en diversas situaciones- hasta mapuche, trabajadores y estudiantes sin militancia que nada tenían que ver con movimientos políticos. La mayoría de ellos ocurrieron durante  los gobiernos de la Concertación.

FIN A LA JUSTICIA MILITAR 

Si hay algo que es transversal a todos los asesinatos cometidos en democracia por parte de Carabineros, es que los procesos judiciales de los involucrados no los realiza la justicia civil, sino que la fiscalía militar. Esto hace que sus penas sean muy bajas y muchas veces queden libres los autores de los homicidios. “Nosotros evaluamos que actualmente la represión a la protesta social que ejerce Carabineros tiene un cheque en blanco, un espaldarazo, que está dado porque posteriormente son juzgados por sus pares”, sentencia Fonseca.

Es por esto que el siguiente paso para hacer frente a la situación, por parte del comité, es la creación de una Agrupación de Víctimas de la Represión Policial. Esto no sólo va en la línea de juntar los casos que han terminado con muertes, sino también casos de cualquier índole que involucren el uso de la violencia por parte de Carabineros. “Se es víctima cuando se ha sido torturado en procesos de detención, cuando se sufren vejámenes”, añade el miembro del Comité.

El objetivo de la agrupación sería acabar con la justicia militar, visibilizando los casos para que no se tomen como hechos aislados, destacando que todos son derivados a una misma institucionalidad que no condena los actos de violencia por parte de Carabineros, sino que entrega fallos que permiten seguir aplicando procedimientos que violan los derechos humanos. “Nosotros tenemos la esperanza, hasta que se dicte el veredicto, de que Millacura pague, vemos que tenemos todo en contra nuestra, pero la esperanza es lo último que se pierde”, dice Gerson.

Así continúan las luchas por la justicia de aquellos que cayeron en tiempos pasados y son recordados cada vez que se les invoca como símbolos en las marchas.  Aunque, como dice su hermano, “Manuel no era un compañero”, sin quererlo, se convirtió en uno de los rostros por los cuales se levantaran banderas en contra de un sistema que oprime a inocentes, y deja libres a asesinos.

Uma justiça absolutista e medieval

Cobrar a melhoria do sistema carcerário sim. Cobrar também a melhoria dos sistemas de ensino, de saúde, de moradia, de todos os serviços essenciais. Colocar os corruptos na cadeia. Não apenas os envolvidos no Mensalão.

O sistema carcerário medieval, com as chacinas, os massacres, sinaliza um Brasil cruel das moradias em áreas de risco, das favelas incendiadas, “pacificadas”, marcadas por deslocamentos involuntários – neologismo para despejos judiciais.

Nada mais medieval que uma justiça absolutista.

A guerra interna
A guerra interna

Diário de um Posto de Saúde ou o acorda povo e médicos

Médica Luiza Portugal
Médica Luiza Portugal

 

A médica Luiza Portugal informa na abertura do seu Diário de um Posto de Saúde:

“Iniciei essa página, inspirada na nossa querida e incentivadora Isadora Faber (que criou o Diário de Classe: uma página do Facebook que ela usa para relatar a realidade vivida no seu colégio, que é público e que enfrenta inúmeras adversidades).

Sou uma médica recém-formada (sim, porque tenho CRM há um ano e poucos meses apenas), que como muitos médicos entrou em um Posto de Saúde e hoje enfrenta

 a dura realidade de entender melhor como funciona (ou como não funciona) o SUS.

Entrei empolgada e muito motivada para ‘A REVOLUÇÃO’, querendo ser ‘A MÉDICA’, ‘O EXEMPLO’. Me deparei com uma realidade diferente daquela que imaginei. O sistema sempre te DERRUBA. Apesar de amar o que eu faço, de continuar tentando alguma mudança; me sinto hoje DESMOTIVADA!

É isso que eu quero compartilhar com o Brasil, não só como desabafo (com certeza isso vai me fazer um bem danado), mas para tentar, como um último recurso…. ser ouvida!”.

A moca é bonita! E dou o meu testemunho de quem foi professor de jornalismo e diretor de jornais e revistas: escreve bem. Sinal de que lê. De que estuda. De que ama o povo brasileiro. Sua coragem me impressiona. Jovem, ela não sabe os perigos que corre.
Perigosas máfias atuam na Educação e na Saúde. Vários secretários estaduais e municipais foram assassinados. A menina Isadora Faber vem sofrendo bullying, assédio moral e stalking. E teve a casa apedrejada.
REPERCUSSÃO
Publica UOL: As deficiências de um posto de saúde da região oeste de Goiânia extrapolaram os limites do bairro e estão sendo discutidas por pessoas de todo o país. Desde o dia 1º de de outubro, o cotidiano da Unidade de Atenção Básica Saúde da Família Vera Cruz tem sido relatado no Facebook, na página “Diário de um Posto de Saúde” criada pela médica Luisa Portugal, de 25 anos.
Por mês, a equipe de Luisa atende cerca de 300 pacientes de todas as idades. Na unidade, a média de atendimentos mensal chega a 4.000 famílias. Uma realidade que, de acordo com ela, demandaria estrutura e higiene impecáveis. “Mas não é isso que acontece. Há falta de materiais, eu e outros médicos chegamos a levar sabonetes de casa para o trabalho, de profissionais e segurança”. Leia mais 
Folha de São Paulo: As reclamações feitas nas redes sociais ganharam um marco: antes e depois de Isadora Faber. A corajosa iniciativa da garota catarinense de 13 anos, que criou um perfil no Facebook chamado “Diário de Classe” para denunciar os problemas de sua escola, inspirou uma série de outros “Diários” espalhados pela rede. Um deles é o “Diário de um Posto de Saúde”, que narra a dura vida de um pequeno Posto de Saúde da Família (PSF) em Goiânia. Confira 
G!: Para a médica, o mais gratificante, até o momento, tem sido o envolvimento da sociedade. “Os meus pacientes estão achando o máximo. Eles acessam e comentam, apesar de ser uma população carente”, comemora.Ela conta que um jardineiro da comunidade, sensibilizado com um de seus desabafos na web, foi até o posto se oferecer para um trabalho voluntário na área externa do local. “A direção do posto ficou de ver a parte burocrática para receber esse tipo de ajuda”, informou. Leia mais 

Luiza Portugal escrevendo o Diário de um Posto de Saúde
Luiza Portugal escrevendo o Diário de um Posto de Saúde

Merenda escolar das escolas de Florianópolis é um nojo!

Fotos do Diário de Classe da blogueira Isadora Faber. Fotos que os vendidos jornais de Florianópolis jamais publicarão.

O governador, o prefeito, os secretários estadual e municipal da Educação classificam de merenda escolar. Prefiro a verdade. Chamo de lavagem de porcos. Isso é caso de polícia. Da Polícia Federal.Tem dinheiro do Ministério da Educação na jogada. Cadê a Justiça Federal?
É só investigar que aparece… você, leitor, sabe o quê. Veja vídeo 

Essa menina me emociona. Com a idade dela dirigi um jornal estudantil. Foi assim que comecei a minha profissão. É o meu lema:
Jornalismo se faz com coragem e sonho.

O de Isadora:

“Estou fazendo essa página sozinha, para mostrar a verdade sobre as escolas públicas. Quero melhor não só pra mim, mas pra todos”.

Que bom!

Que Deus te livre dos apedrejadores! E teu caminho seja sempre iluminado!

Florianópolis nas páginas internacionais. Tentaram apedrejar blogueira de 13 anos

Apedrejada a casa da estudante Isadora Faber, de 13 anos, criadora do “Diário de Classe”, página através da qual denuncia a infraestrutura precária de sua escola, em Florianópolis, no sul do Brasil.

A grande exposição que a garota de 13 anos passou a ter – atualmente a página conta com mais de 377 mil “curtições” – fez com que ganhasse admiradores e inimigos.

A avó da estudante, de 65 anos, foi atingida por uma pedra na testa, enquanto estava no quintal da casa junto com a filha, Mel Faber, e a neta. O ataque ocorreu na noite de segunda-feira.

Avó de Isadora foi atingida na cabeça
Avó de Isadora foi atingida na cabeça

Mel Faber disse que elas não viram quem atirou as pedras, mas acredita que tenha sido um senhor que foi citado diversas vezes na página “Diário de Classe“. De acordo com a mãe da estudante, o mesmo senhor ameaçou o pai de Isadora com uma arma na tarde de terça-feira.

A idosa de 65 anos, que sofre de doença degenerativa, foi encaminhada para fazer exames médicos no Instituto Geral de Perícias e passa bem. A mãe da estudante revelou que já registou os dois casos na polícia.

Segundo Mel Faber, nas ameaças, o senhor citava o fato da família ser gaúcha, apesar de Isadora ter nascido em Florianópolis, capital de Santa Catarina, noticiou o portal Globo.com. Mel Faber disse ainda que o senhor terá mandado a família ir embora do local por não serem “nativos”.

As ameaças contra a exemplar estudante, cujo blogue já era conhecido e imitado em vários países, começaram pelos professores da escola que ela mostrou o abandono, o sucateamento. A menina vinha e vem sofrendo bulismo e assédio moral na escola. Coisa de uma cidade onde o nazismo persiste.

Ao denunciar, nas últimas semanas, por meio do “Diário de Classe”, a falta de conservação da quadra da escola e o fato do pintor contratado para fazer o serviço ter recebido o dinheiro adiantado pelo trabalho sem que tivesse cumprido a obra, a menina passou a viver um inferno particular.

Leia mais:  Família autora do “Diário de Classe” processa PSD de SC

Primeiro, conforme relatou no Diário de Classe, começou a receber ameaças da filha do pintor, Francisco da Costa Silva, de 47 anos. Depois, nesta segunda-feira, 5, teve a casa apedrejada, e sua avó, de 65 anos, que sofre de doença degenerativa, foi atingida, segundo Isadora.

Nesta terça, 6, quando estava junto com o pai no carro em frente ao colégio, o pintor e sua filha, a ameaçaram. Os incidentes levaram a família da adolescente a registrar, neste mesmo dia, dois boletins de ocorrência – um relativo às ameaças sofridas e outro por conta das pedradas –, e procurar o Ministério Público.

“Ela não vai parar”

Segundo a mãe da garota, Mel Faber, “a situação ficou séria e foi além da conta”. Ela afirmou que irá procurar a Promotoria da Infância e Juventude e preparar um dossiê para “buscar punição” tanto para o pintor Francisco da Costa Silva, quanto para a escola. Para ela “não dá pra argumentar com quem vem e atira pedra na gente”.

Sobre a instituição de ensino, ela afirma que a aluna segue estudando lá, apesar de dizer que “a escola tem responsabilidade” na atual situação de ameaças vivida por sua filha. Para a mãe, Isadora é vítima de bullying. “Os alunos ficam chamando-a de idiota, falando que ela está prejudicando a escola”, relata.

Mobilização: Críticas a escolas unem blogueiras mirins de Brasil e Escócia

Isadora não foi à aula nesta quarta-feira, 7. O motivo foi a presença em um seminário, onde recebeu apoio de estudantes e professores para seguir em frente com o “Diário de Classe”.

“Ela vai seguir atualizando a página, não quer parar”, diz Mel Faber. “Eu fico preocupada, mas incentivo, pois ela está certa e tem que seguir em frente. Se pararmos, será uma vitória para quem quer impedi-la de fazer justiça, então o ‘Diário de Classe’ vai continuar”, garante.

“Eu Isadora Faber que tenho 13 anos, estou fazendo essa página sozinha, para mostrar a verdade sobre as escolas públicas. Quero melhor não só pra mim, mas pra todos”

Porta sem maçaneta, fios desencapados, carteiras quebradas e ventiladores que dão choque. Isadora Faber, de 13 anos, não imaginava que a ideia de postar as fotos de sua escola na internet causaria tamanha repercussão.

“Eu sempre reclamei, mas nunca adiantou. Pensei que publicar poderia fazer com que a prefeitura se sensibilizasse. Mas não tinha noção do que estava por vir”, diz a aluna da 7.ª série, de voz tímida e dedos muito afiados.

Em pouco mais de um mês, a página Diário de Classe, que Isadora criou no Facebook, recebeu até ontem quase 30 mil “curtir” e cada uma das publicações tem dezenas de comentários elogiosos à guria que não teve medo de mostrar a situação da Escola Básica Municipal Maria Tomázia Coelho, em Florianópolis.

Mas o apoio é de desconhecidos. Dentro da escola onde ela estuda há mais de sete anos, desde o início do ensino fundamental, a iniciativa tem sido duramente criticada. Muitos amigos se afastaram e os professores consideram um absurdo. Talvez por eles também serem vítimas.

Ao lado da foto do vidro quebrado da fachada do prédio, está o vídeo que mostra a desordem na aula de matemática. Também há comentários sobre o fraco desempenho dos professores auxiliares. “Quando temos aulas com auxiliares, elas dão um texto e uma pergunta e é sempre isso, acho que o tempo poderia ser melhor aproveitado”, publicou.

Com mensagens tão diretas, não dava para esperar que os professores apenas ignorassem a página. A reação já começou. Num comentário, uma das professoras perguntou onde estava a menina meiga que visitava muito a biblioteca e pediu que aluna deixasse de trilhar caminhos obscuros ou teria um futuro triste.

Isadora Faber
Isadora Faber, 13 anos, blogueira

Uma estudante, que visita “muito a biblioteca”, aprende a não ser cúmplice do sucateamento das escolas públicas. Quer estudar. Não colabora com professores da turma do prefeito. Professores que não ensinam. Que recebem um salário humilhante, e não protestam.

A jovem Isadora Faber tem o apoio da mãe e de milhões de brasileiros que combatem a corrupção.

Isadora terá um futuro brilhante. Que assim seja. Hoje e sempre uma aluna modelo.

(in)certos professores esquecem. Somos eternamente estudantes. 

Agora, agorinha Isadora tem 98 mil e 763 curtições. T.A.