Das responsabilidades dos governadores e prefeitos e obras superfaturadas da Copa

Protestar sim, mas antes é preciso saber quem idealizou e/ou paga e incentiva o povo ir para as ruas. Pode ser um movimento nazista/direitista ou um movimento anarquista/esquerdista. Pode ser um movimento partidário, campanha eleitoral de Aécio, Dilma, Eduardo Campos ou qualquer outro candidato a presidente. Pode ser um movimento libertário ou de retorno da ditadura. Pode ser, nas redes sociais, um rolezinho dos negros favelados ou uma suruba da elite branca conservadora.

Casseta & Planeta. Inspirados em um post do Tico Santa Cruz. copa futebol

Veja quanto enganoso pode ser o jogo dos protestos de rua:

Os hospitais públicos bem equipados. Os hospitais podem ser federais, estaduais e municipais. Os postos de saúde, na sua maioria, são das prefeituras.

As escolas são estaduais (ensino do segundo grau) e municipais (ensino do primeiro grau). As universidades, na sua maioria, são federais. As greves de professores são sempre realizadas por professores das redes de ensino municipal e estadual e de empresas privadas. Governadores e prefeitos e o patronato pagam salários indignos. Em São Paulo, uma greve de professores já passou dos 30 dias.

Mais segurança. Governadores comandam verdadeiros exércitos. São Paulo tem uma polícia militar com um efetivo de cerca de cem mil soldados estaduais, uma força maior do que a de vários países. E acrescente a polícia civil que está cada vez mais armada. É difícil distinguir hoje um soldado do exército, da polícia militar e um agente da polícia civil.

A polícia civil de Pernambuco
A polícia civil de Pernambuco

Quem cuida do transporte nas cidades? O prefeito. Existem estradas municipais, estaduais e interestaduais.

Da construção de moradias. Veja um exemplo: Marco Maciel, governador de Pernambuco, construiu cem mil moradias. Mais do que todos os outros governadores juntos que lhe sucederam.

Pedem cadeia para os políticos e empresários corruptos, e esquecem que quem prende e condena é a justiça. Que polícia estadual investiga crimes de políticos e empresários? Os soldados estaduais e policiais civis apenas investigam os crimes dos pobres.

Precisamos conhecer as responsabilidades dos governantes, dos legisladores e dos juízes.  Toda reivindicação, toda reclamação deve ser dirigida à autoridade competente.

Não seja inocente útil. Vá para as ruas do povo consciente dos seus deveres de cidadania.

Não seja vítima do jogo duplo da imprensa. Não existem duas verdades.
Não seja vítima do jogo duplo da imprensa. Não existem duas verdades.
Não esqueça nunca: os governadores reivindicaram os jogos da Copa e construíram os estádios
Não esqueça nunca: os governadores reivindicaram os jogos da Copa e construíram os estádios

 

Movimientos sociales exigen mejoras sociales y denuncian el gasto del Mundial

por José Manuel Rambla

Diferentes movimientos sociales brasileños abrieron ayer (8 de mayo) con una manifestación en São Paulo un programa de movilizaciones que se prolongará hasta el inicio de la Copa, con el que pretende reclamar derechos básicos, al tiempo que denuncian el esfuerzo que la organización del Mundial ha supuesto para las arcas públicas.
Entre los participantes en estas acciones se encuentraban más de un millar de miembros del Movimiento de Trabajadores Sin Tierra (MST) que llegaron a la ciudad el día anterior dentro de su jornada Nacional de Lucha por la Reforma Agraria.

Los manifestantes realizaron diversos cortes de tráfico en diversos puntos de la ciudad, incluida la céntrica avenida Paulista, y ocuparon simbólicamente las sedes de varias de las principales empresas beneficiadas por las obras de la Copa. La protesta se producjo precisamente el mismo día que la presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, llegaba a São Paulo para inaugurar el estadio de Itaquerão donde el próximo 12 de junio se celebrará la ceremonia de apertura del Mundial.

Los promotores de esta campaña, que lleva por lema “Copa sem Povo, Tô na Rua de Novo”, vertebra sus reivindicaciones a partir de seis ejes, con los que simbólicamente pretende equiparar los retos sociales del país con las seis copas ganadas por la selección brasileña. Uno de esos ejes básicos es el de la vivienda. De hecho, uno de los grupos de manifestantes fue el del Movimiento de Trabajadores Sin Techo (MTST) que reivindicó la construcción de viviendas sociales en un terreno de 68.000 metros cuadrados ocupado en São Paulo por esta organización. Los organizadores exigen además el control de los precios de los alquileres y la formación de una comisión nacional para la prevención de los desalojos forzados. Este protagonismo tuvo sus frutos cuando la presidenta Rousseff se reunió durante 20 minutos con Guillerme Boulos, uno de los líderes del MTST de São Paulo.

Otro de las reivindicaciones de los colectivos es mejoras en el sistema de salud pública. Para ello reclaman que se destine el 10% del PIB al sistema público de salud y que se ponga fin a las subvenciones estatales a los planes de salud privados y a las privatizaciones de servicios. El precio y la mejora del transporte público, que fue el detonante de las grandes manifestaciones de junio pasado, también está en la agenda de los manifestantes que reclaman la creación de un fondo federal para reducir el coste de los pasajes hasta llegar a una tarifa cero bajo control público. Igualmente, los movimientos sociales también exigen que se haga efectivo la financiación del sistema público de educación con el 10% del PIB, la ampliación y construcción de nuevas guarderías y el mantenimiento del sistema de cuotas en las universidades que garantice la presencia de las minorías.

En el ámbito de la justicia, la campaña plantea la reclamación de una comisión nacional que estudie la violencia de Estado en las favelas y periferias urbanas, la desmilitarización de la policía militar y la eliminación de las medidas especiales contra manifestaciones y protestas. Por último, los manifestantes exigen que se permita la presencia de vendedores informales en las inmediaciones de los estadios durante la Copa, prohibida y restringida por imposición de la FIFA y una prevención efectiva de la explotación sexual.

Otro trabajador muerto en accidente

La plataforma de movimientos sociales también pide que se garantice una pensión vitalicia para los familiares de los trabajadores muertos o heridos durante las obras de preparación del Mundial. Una reivindicación que ayer vuelve a estar plenamente de actualidad tras el accidente que se cobró la vida de un operario que trabajaba en las obras del estadio de Cuiabá, una de las sedes del Mundial. El fallecido, de 32 años, murió como consecuencia de una descarga eléctrica. Este es el noveno trabajador que pierde la vida durante los trabajos preparatorios del Mundial.

El Mundial de Fútbol de Brasil comenzará el próximo 12 de junio. La preparación del mundial, así como de las Olimpiadas que en 2016 se celebrarán en Rio de Janeiro, ha supuesto una inversión de 25.600 millones de reales (unos 8.200 millones de euros), de los cuales 8.900 millones de reales (unos 2.870 millones de euros) se corresponden con la construcción y remodelación de estadios. Solo en el caso de los estadios, el coste de la inversión ha sido un 300% superior al inicialmente previsto. Además, las obras de infraestructuras y reurbanización han supuesto el desplazamiento a más de 200.000 personas, en su mayoría residentes en favelas y comunidades irregulares.

En los últimos tiempos se están incrementando los actos de protesta contra la Copa del Mundo. Sin embargo, hasta el momento su impacto está siendo mucho menor que el de las grandes movilizaciones del pasado año que sacaron a la calle a millones de brasileños. Por el momento, el movimiento está promovido por colectivos progresistas, vinculados a movimientos sociales tradicionales. No obstante, en los últimos tiempos también se están incrementando los llamamientos a través de las redes sociales autodefinidos de apolíticos, pero con un perfil conservador, aunque su plasmación en la calle está siendo hasta ahora nula. Pese a todo, el gobernante Partido dos Trabalhadores está incrementando también sus iniciativas en las redes sociales en apoyo de la Copa, en un intento de contrarrestar las críticas a un evento cuya cuenta atrás para su comienzo ya ha empezado.

 

Propaganda espanhola
Propaganda espanhola

 

Encontro dos atingidos pela Copa no Primeiro de Maio em Belo Horizonte

seminario-copac

atingidos

 

 

No Encontro dos Atingidos – quem perde com os megaeventos e megaempreendimentos, organizado pela ANCOP (Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa), pessoas de todas as cidades-sede desses megaeventos esportivos vão estar juntas, de 1 a 3 de maio, em Belo Horizonte. As Plenárias ocorrerão na Escola Municipal Marconi (Av. do Contorno, 8476 — Santo Agostinho)
FORMAÇÃO e TROCA DE EXPERIÊNCIAS
A proposta é possibilitar um momento de formação política de pessoas direta ou indiretamente atingidas pela copa e olimpíadas (a ser realizada no RJ). Moradores e moradoras de diversas comunidades, favelas e bairros do Brasil se unem para fortalecer a luta contra a violação de direitos.
COMITÊS POPULARES DA COPA
Organizados nas 12 cidades com uma articulação nacional, os Comitês Populares da Copa acompanham as intervenções nas cidades desde 2009 e acumulam conhecimento crítico e embasado sobre os impactos dos megaeventos no país. Agora chega a hora de trocar experiências e organizar ainda mais a luta.
QUEM PARTICIPA!
Movimentos sociais e organizações parceiras. Os interessados em participar sugerimos entrar em contato através do e-mail: articulacaonacionalcopa@gmail.com para mais informações e formas de participação ou entrar em contato direto com os comitês populares nas cidades-sede.

Jornal do Comércio, Recife
Jornal do Comércio, Recife

 

 

 

 

ESTADO AUTORITÁRIO DE DIREITO PROMOVE DESPEJO DA FAVELA DA OI

por Daniel Mazola

 

oo ocupação

ocupação 000

ocupação 00

ocupação ooo bandeira

Na cidade dos megaeventos, onde será realizada a “Copa das Copas”, o sonho de muitas famílias foi atropelado por um contingente de mil policiais militares.

Os PMs chegaram ao local às 4h da madrugada para cumprir a ordem de reintegração de posse a “mando” da Oi, e do Estado reacionário. Foram registrados momentos de pânico dos moradores da ocupação, que não se intimidaram e enfrentaram a repressão. Em inúmeros momentos, jornalistas e midiativistas flagraram policiais disparando tiros de munição letal contra moradores com pedras e paus.

Policiais do Bope com touca ninja por baixo do capacete, armados com fuzis; agentes do Batalhão de Ação com Cães; bombeiros e guarda municipal. Muitas viaturas estacionadas e outras fazendo o transporte dos agentes. Muitos disparos de bala de borracha, mas também, (irresponsavelmente) foi possível ouvir som de disparo de arma de fogo.

Moradores da ocupação relataram que mesmo enquanto passavam crianças, a repressão continuava. Os sem teto gritavam: “criança passando, criança passando”, mas os agentes continuavam utilizando spray de pimenta muito perto e bombas de efeito moral. Um morador que foi atingido por bala de borracha foi para o hospital Salgado Filho e perdeu o olho.

0000 ocupação

ocupação 7

ocupação 4

ocupação 8

ocupação 6

ocupação FP

ocupação 1

ocupação 10

o bandeira ocupação

 

Um menino de 9 anos ficou ferido, também atingido por bala de borracha. Há diversos relatos de moradores que havia muitas mulheres grávidas na ocupação e também crianças recém nascidas. Seres humanos em pânico, covardia, truculência, crueldade, irresponsabilidade, violência, terror. Parece que esse será o único legado da Copa do Mundo no Brasil para o povão. “A rua agora é a nossa única casa!”, veja o vídeo produzido pelo jornal A Nova Democracia:

“Copa das Copas’, pra quem?

No estado autoritário de direito “vivemos” o drama secular da exclusão e da falta de políticas públicas de qualidade, em função disso, a partir dessa semana, as manifestações em torno de um dos maiores megaeventos do planeta vão explodir com mais intensidade por todo o Brasil.

Os protestos contra a Copa do Mundo representam a luta pelos interesses do povo e a defesa da dignidade humana, ferida por leis de exceção e pelo processo covarde de construção da Copa do Mundo da FIFA. Mas segundo Dona Dilma Rousseff: “Os brasileiros estão prontos para mostrar que sabem receber bem os turistas e contribuir para que esta seja a Copa das Copas”.

Copa das Copas pra quem? Para os turistas, as empreiteiras e a corrupção, para a mídia corporativa (Globo e similares). Para o povão, certamente que NÃO!

ATO Pelo fim das UPPs! Pelo fim das Remoções. Sem Saúde, Educação, Transporte e Moradia, Não Vai Ter Copa! Será na próxima terça feira, 15 de abril, às 18h na Candelária. Em apoio às lutas e manifestações, transcrevo a seguir o chamado e as reivindicações da Frente Independente Popular – RJ. Vamos pra rua!

1 oi

PELO FIM DAS UPPS! PELO FIM DAS REMOÇÕES!

O futebol é o esporte das multidões; esporte das mais intensas paixões dos povos ao redor do planeta. Não negamos a importância do futebol para o povo brasileiro nem mesmo o papel do esporte e do lazer em uma sociedade. Entretanto, a Copa do Mundo da FIFA não se resume a um evento esportivo.

O grito ‘NÃO VAI TER COPA’ surgiu nas ruas, no levante popular de junho de 2013, quando milhares de pessoas em diversas cidades do país lutaram por melhores condições de vida e de trabalho. Gritar ‘NÃO VAI TER COPA’ é se posicionar contra o total domínio do poder econômico e de seus interesses nas decisões políticas, que devem ser determinadas pelo povo e voltadas única e exclusivamente às suas reais necessidades. Não podemos fechar os olhos para os crimes que estão sendo cometidos em nome da Copa do Mundo. Calar-se para o ‘NÃO VAI TER COPA’ é trair o povo pobre, é trair a luta contra a desigualdade social. É TRAIR as ruas!

Por que gritamos NÃO VAI TER COPA?

REMOÇÕES

Em nome da Copa do Mundo e das Olimpíadas, despejos ilegais e graves violações aos direitos humanos foram e estão sendo cometidos. Comunidades inteiras foram e estão sendo riscadas do mapa, acabando com a vida de milhares de pessoas.

As remoções geram dor, tristeza, abandono e morte. Todo o processo é uma tortura. Desde a pichação para marcar as casas (que lembram práticas nazistas) que serão demolidas, a pressão covarde – com intimidação e ameaças – dos agentes públicos da SMH (Secretaria Municipal de Habitação), até a retirada à força, muitas vezes, com a polícia empunhando armas de fogo para as pessoas saírem de suas próprias casas.

O Estado Burguês brasileiro, conhecido como Estado Democrático de Direito, nega o direito de toda a pessoa a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família os serviços sociais indispensáveis à dignidade humana – saúde, educação, limpeza urbana, transporte e HABITAÇÃO. O direito à moradia é completamente negado pelo Estado Burguês.

A Copa reproduz a exclusão social e racial. Aprofunda problemas sociais e ambientais nunca solucionados.

Mais de 250.000 famílias foram removidas e/ou vivem ameaçadas de remoção. Os gastos para a Copa do Mundo no Brasil passam os incríveis R$ 30 Bilhões (até o momento). Em comparação, as últimas três Copas do Mundo somadas chegam a R$ 25 bilhões.

ENORMES GASTOS PÚBLICOS E ELEFANTES BRANCOS

O que são os Elefantes brancos? São obras extremamente caras, grandiosas e, no entanto, TOTALMENTE INEFICIENTES. Na linguagem popular é o famoso “jogar dinheiro no lixo”.

Os estádios de Brasília, Cuiabá, Manaus e Natal não deverão sair por menos que três bilhões de reais no total. A verba será financiada via BNDES e pelos governos estaduais, que são composições de verbas públicas, portanto, o nosso dinheiro.

O estádio Mané Garrincha, em Brasília, por exemplo, tem capacidade máxima para 71 mil pessoas. A contradição salta aos olhos quando olhamos para o público do primeiro jogo da final do campeonato brasiliense do ano passado: 1.956 pagantes. O mesmo cenário se repete nas outras três cidades mencionadas.

Em Manaus, o absurdo é ainda maior! O Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário, ligado ao Tribunal de Justiça do Amazonas, levantou a hipótese de transformar o recém-construído estádio em um ‘presídio’ temporário.

A reforma do Maracanã custou quase dois bilhões de reais e apenas três jogos da Copa do Mundo serão realizados no estádio. Gastou-se um valor maior do que construir um novo! O novo estádio, agora “arena”, apagou a identidade histórica do Maracanã. Torcedores e até jogadores da seleção espanhola e italiana tiveram essa sensação ao entrar no novo estádio: “Cadê a geral?” “É muito europeu.” “Igual aos outros estádios, perdeu a mística…”

OPRESSÃO DE GÊNERO E RAÇA

A Copa do Mundo da FIFA reproduz as antigas práticas machistas e incentiva a mercantilização do corpo.

Um exemplo são as camisetas vendidas pela Adidas, uma das multinacionais que patrocinam o megaevento. As camisetas estampam bundas de mulheres, e numa alusão grosseira reforçam a opressão de gênero e, em especial, as cotidianas agressões sexistas contra as brasileiras.

Somado a isso está o racismo: a FIFA se cala sobre inúmeros casos de racismo nos campeonatos europeus e pelo mundo; por ser negro, um casal foi recusado pela FIFA, com respaldo do governo, de apresentar o sorteio dos grupos da Copa – com o discurso de que o casal não se enquadra aos “padrões europeus”.

A Copa só fará aquecer ainda mais as redes de aliciamento que se beneficiam do mercado da exploração sexual. Na África do Sul, por exemplo, o número estimado aumentou de 100 para 140 mil, durante o megaevento de 2010.

O Brasil possui um dos maiores níveis de exploração sexual infanto-juvenil do mundo. Há denúncias do aumento de exploração sexual, incluindo crianças e adolescentes, nos arredores dos estádios e das grandes obras urbanas da Copa, que revelou, por exemplo, que garotas de 11 a 14 anos estão se prostituindo na região do Itaquerão, Zona Leste de São Paulo.

ELITIZAÇÃO = SEGREGAÇÃO NOS ESTÁDIOS

Os novos estádios ou arenas, só ficam ao nível da aparência. Na prática, há um trágico efeito colateral em curso: os custos das novas “arenas” (pagos com o dinheiro público, sendo assim, nosso dinheiro) são embutidos no preço dos ingressos, que ficam mais caros, gerando uma elitização do futebol. É o resultado da privatização dos espaços públicos – empresas capitalistas que só visam o próprio lucro passam a controlar espaços públicos.

Os tradicionais torcedores, a classe trabalhadora, os mesmos que construíram os estádios ou arenas, são excluídos de seus direitos, pois um trabalhador(a) não tem como pagar um ingresso que chega a custar 50% (ou mais) do salário mínimo.

Uma recente pesquisa apontou que no atual Campeonato Brasileiro os ingressos das novas arenas estão em média 119% mais caros que os nos estádios antigos.

REPRESSÃO

Mais preocupante que a campanha orquestrada para desqualificar os que criticam a Copa do Mundo é o movimento orquestrado pelo Estado brasileiro para expandir o aparato repressivo visando sufocar protestos durante o megaevento – e muito provavelmente, depois.

Este movimento tem atuado em duas frentes: uma legislativa e outra ostensiva (policial e militar). Os projetos de lei que visam tipificar o crime de terrorismo no Brasil criam subterfúgios jurídicos para que o Judiciário possa enquadrar movimentos sociais e manifestantes como terroristas.

O governo federal agora envia Tropas Federais ao Rio de Janeiro com o discurso de conter o tráfico de drogas. O tráfico sempre existiu, nunca acabou. Por que agora? É uma ação dos governos (federal, estadual e municipal) para justificar a vinda das tropas federais, auxiliando na invasão das favelas, na instalação ou reforço das UPPs, ampliando o domínio e repressão do Estado e aumentado o lucro capitalista, já que a primeira ação do Estado é abrir as portas para que empresas privadas consigam novos consumidores.

Em um contexto de indignação e protestos, aumentam as forças repressivas para sufocar, reprimir e controlar as lutas populares, especialmente as seguidas revoltas que têm ocorrido nas favelas, locais de inúmeros focos de resistência. Pois é nas favelas que cotidianamente o povo pobre e negro é perseguido, torturado e assassinado.

O que aconteceu em Manguinhos foi mais uma revolta popular! Pois cerca de cem famílias ocuparam um galpão (vazio) atrás da biblioteca Parque de Manguinhos. A polícia militar tentou retirar as famílias à força. Diante da resistência dos moradores, os policiais atiraram bombas de gás e de efeito moral; a população respondeu com uma chuva de pedras e garrafas. Em seguida, os policiais começaram a atirar com armas de fogo. Várias pessoas ficaram feridas. Quatro jovens foram baleados. Um está em estado grave. É a criminalização da pobreza e dos movimentos sociais, das lutas e ocupações.

PROTESTOS

Diante de tantas arbitrariedades, violações de direitos humanos, processos de total exclusão social, apropriação do patrimônio público, desvio de verba pública, entre outros vários crimes contra o povo, protestar contra a realização da Copa da FIFA no Brasil não só é legítimo – é também um dever. Portanto, não se deixe intimidar por discursos mentirosos e por um patriotismo cego e incoerente com as necessidades do povo ou ainda por artigos escritos por jornalistas e intelectuais cujo verdadeiro compromisso é com determinado partido político ou com o próprio bolso.

A atuação da polícia contra as manifestações se intensifica, fato que ficou claro no protesto do último dia 25 de janeiro, quando o manifestante Fabrício Proteus Chaves foi baleado à queima roupa (quase o levando a morte) por policiais militares. Este covarde episódio que apenas representa a rotina nas favelas e periferias do Brasil, nos coloca em alerta para futuras manifestações.

Nem a violência policial nem o discurso mentiroso da desqualificação nos fará parar. Somos parte do povo e lutamos pelo povo e com o povo. Nada impedirá de desfrutarmos do direito constitucional de protestar, sobretudo contra uma Copa do Mundo mergulhada em podridão e crimes – que inclusive levou à prisão e morte pessoas que sofreram com as truculentas remoções ou pelo processo de “limpeza” social.

Os protestos contra a Copa do Mundo no Brasil representam a luta pelos interesses do povo e a defesa da dignidade da pessoa humana, ferida por leis de exceção e pelo processo covarde de construção desta Copa do Mundo da FIFA.

O ATO será nesta terça feira, 15 de abril, às 18h, Candelária – Pelo fim das UPPs! Pelo fim das Remoções. Sem Saúde, Educação, Transporte e Moradia, Não Vai Ter Copa!

 

ocupação

Fotos da equipe do jornal A Nova Democracia, com destaque para Patrick Granja.

Os governadores fogem dos estádios da Copa que construíram. Dilma marca reunião

br_folha_spaulo.750 jovem ferido protesto rolezinho

Vai ser uma investigação parecida com a da chacina da família Pesseghini
VAI SER UMA INVESTIGAÇÃO PARECIDA COM A DA CHACINA DA FAMÍLIA PESSEGHINI

correio_braziliense.750 Por que nao perguntar ao povo que ele quer. protesto. rolezinho

Os governadores que construíram os estádios (as arenas, os gigantescos Coliseus) fogem da Copa do Mundo como o diabo foge da cruz. Idem os prefeitos que também se envolveram na construção de obras de infra-estutura, que enriqueceram muitos e motivaram mais de 250 mil despejos.

O presidenciável Aécio Neves não fala mais da Copa que defendia.  Eduardo Campos não fala mais do estádio que mandou construir na Mata de São Lourenço. Dilma, que se encontra em viagem ao exterior,  convocou uma reunião de emergência para quando retornar ao Brasil. A decisão foi tomada depois que um manifestante foi baleado pela polícia do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), neste sábado, durante um protesto contra os gastos da Copa.

A intenção de Dilma é traçar uma estratégia de emergência para evitar que os protestos cresçam e atinjam o ápice durante o Mundial.

Isso será impossível. Este 2014 um ano de eleições. Os partidos políticos vão usar a Copa como bandeira. Pretendem levar a campanha eleitoral para o campo… emocional.

Foram convocados para a reunião de Dilma os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça), Celso Amorim (Defesa) e Aldo Rebelo (Esportes). De acordo com auxiliares da presidente, Dilma foi informada de que os protestos contra a Copa feitos no sábado foram violentos, com pessoas feridas, depredações e ondas de vandalismo realizadas por infiltrados, inclusive uma polícia que espanca, prende e mata.

A presidente, então, convocou a reunião para a volta ao Brasil, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo.

br_estado_spaulo.750 protesto vandalismo

O ministro da Justiça está em férias. De acordo com sua assessoria, deve retornar ao trabalho nesta terça-feira. E já encontrará uma série de demandas envolvendo a segurança da Copa, maneiras de evitar que os tumultos se espalhem pelo País e formas de conter a ação violenta contra as manifestações por parte dos soldados estaduais. A fonte deste notícia é a revista Veja que, em conúbio com os jornalões, pretende transformar Dilma no único alvo dos protestos. Será que os marqueteiros burros da presidente não percebem?

O que tem de escondido na entrevista do secretário de Segurança do governador Eduardo Campos?

polícia estudante passeata greve

Para a catarse da classe média, a transformação do secretário Damásio em bode expiatório, pela reveladora e sincera (sem cera) entrevista que concedeu.

O escândalo não está na confissão, mas nos atos e omissões. Nos crimes praticados, e impunes. Nas palavras que escancaram atrocidades contra o povo, que continuarão a ser cometidas pelo terrorismo policial.

Nenhuma fala sobre a repressão policial contra os Amarildos favelados; os meninos Marcelos Pesseghini, que de assassinado passou a ser serial killer; nem sobre o jovem Douglas Rodrigues, aquele que perguntou para um soldado: – Por que o senhor atirou em mim?

Damásio foi nomeado secretário por Eduardo Campos, e deixou o cargo porque quis, e saiu elogiado pelo governador.

A opinião constitui uma ação passiva, e ninguém, necessariamente deve ser punido por revelar seus pensamentos ou expressar suas opiniões, que são ações passivas; e sim quando as palavras se transformam em atitudes e comportamentos, que são ações ativas.

O que fez Damásio, para incomodar tanto? Mostrou que a polícia de Eduardo Campos não difere das polícias comandadas pelos governadores Alckmin, Sérgio Cabral e outros.

Nesta segunda-feira, a partir das 19h, nos escombros de casas demolidas para construção do Ramal da Copa, nas proximidades do Terminal Integrado da cidade da Região Metropolitana do Recife, removidos pelas obras da Copa do Mundo que receberam ou não suas indenizações prometem se reunir para um Natal diferente.

A visita ao Jesus despejado, que nasceu em uma manjedoura, reunirá famílias que moravam no Loteamento São Francisco (Camaragibe) e em outras comunidades atingidas pela Arena Pernambuco e por obras de mobilidade que estão sendo construídas para o Mundial de 2014 em Pernambuco.

No Estado, mais de 2.000 famílias foram ou serão removidas por obras do Mundial de 2014. Além dos removidos em Camaragibe, onde 129 residências estão sendo demolidas para as obras do Terminal Integrado da cidade e do Ramal da Copa, devem participar também representantes de outras comunidades como Cosme e Damião, São Lourenço da Mata e do Coque.

No Brasil, entre 170 mil e 250 mil pessoas estão sendo obrigadas a sair de suas casas para dar espaço a obras realizadas para o Mundial de 2014, segundo estudo da Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa. Leia mais e veja galeria de fotos.

Que significa “mobilidade”, quando não se faz nada que preste para o povo?

Disse o Papa Francisco em sua mensagem natalina: “Há tantas famílias sem casa, seja porque nunca tiveram ou porque perderam por tantas razões diferentes. Famílias e casas andam de mãos dadas. É muito difícil de conduzir uma família para a frente sem ter uma casa”.

 

APAGÃO VERBAL, MENTAL E MORAL

polícia funk

por Dorrit Harazim, O Globo

A entrevista durou cerca de uma hora e meia e foi concedida na manhã da sexta-feira 22 de novembro.

Além de Wilson Damázio, secretário de Defesa Social de Pernambuco, estavam presentes na sala o corregedor adjunto Paulo Fernando Barbosa, o ouvidor Thomas Edison Xavier Leite de Oliveira e a gerente do Centro Integrado de Comunicação, Ana Paula Alvares Cysneiros.

O tema investigado pela repórter Fabiana Moraes, do “Jornal do Commercio”, eram as abordagens sexuais de policiais militares contra mulheres jovens, pobres e negras de Recife.

Mais especificamente, as denúncias de práticas abusivas por integrantes do Grupo de Ações Táticas Itinerantes (Gati), das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam) e da Patrulha do Bairro, uma das principais vitrines da gestão do governador Eduardo Campos, provável candidato à Presidência em 2014.

A entrevista com Damázio encerrava a robusta série de artigos da repórter sobre o tema e foi publicada na edição desta quinta-feira. Vale repetir aqui, na íntegra, os trechos que desembocaram na demissão do secretário.

Não por representarem a parte dominante da entrevista. Em duração, são parte desprezível (pouco mais de um minuto, do total de 57 minutos de gravação). Em conteúdo, porém, ofuscam todo o resto e por isso mesmo merecem exposição nacional — até para não serem varridos para baixo da árvore de Natal.

Indagado sobre a ausência de registros de denúncias de policiais que pedem para ver os seios de meninas ao fazer uma abordagem ou praticam outros abusos, o secretário conjecturou:

“Desvio de conduta a gente tem em todo lugar. Tem na casa da gente, tem um irmão que é homossexual, tem outro que é ladrão, entendeu? Lógico que a homossexualidade não quer dizer bandidagem, mas foge ao padrão de comportamento da família brasileira tradicional. Então, em todo lugar tem alguma coisa errada, e a polícia… né? A linha em que a polícia anda, ela é muito tênue, não é?”

De acordo com números do Centro de Vulnerabilidade Social LGBT, da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, o levantamento parcial para o ano de 2013 lista 22 casos de homossexuais assassinados em Pernambuco.

Em 2012 os homicídios de gays computados pela entidade foram 35, embora o secretário Damázio contestasse o número afirmando que metade desses crimes possa ter tido motivação passional, interesse financeiro, drogas, bebida ou similares.

Entidades atuantes como o Grupo Gay da Bahia, contudo, há anos listam Pernambuco no topo dos estados brasileiros em número de crimes de homofobia proporcionais à população.

No início deste mês de dezembro o governo de Eduardo Campos tomou a alvissareira medida de transformar em crime casos de violência e discriminações contra a comunidade LGBT.

Voltando à entrevista. Já quase no final, a repórter mencionou um escândalo ocorrido em Fortaleza três anos atrás quando câmeras instaladas em carros de polícia filmaram agentes fazendo sexo oral em mulheres no interior dos próprios veículos.

Comentário do então ainda secretário de Defesa Social, na presença do corregedor adjunto, do ouvidor e da gerente de Comunicação:

“Tem muitos problemas com a polícia, mulheres, principalmente… O policial exerce um fascínio no dito sexo frágil… Eu não sei por que é que mulher gosta tanto de farda. Todo policial militar, civil eu não sei, dos mais antigos tem duas famílias, tem uma amante, duas. É um negócio. Eu sou policial federal, feio pra caramba… A gente ia pra Floresta (Sertão), pra esses lugares. Quando a gente chegava lá, colocava aquele colete, as meninas ficavam tudo (sic) saçaricadas e… Às vezes [tinham] namorado, às vezes [eram] mulheres casadas. A moral delas é diferente da gente. Pra elas, é o máximo tá dando pra um policial… Dentro da viatura, então, o fetiche dela vai lá em cima, é coisa de doido”.

A tóxica entrevista disseminou indignação de intensidade black bloc para todos os lados. Às três da tarde da própria quinta-feira, representantes de 26 entidades de direitos civis do estado já decidiam uma primeira tomada de posição.

Nas redes sociais o assunto fervia e a exoneração do secretário antes de o dia acabar não surpreendeu ninguém. Para usar as próprias palavras de Damázio, “em todo lugar tem alguma coisa errada, e a polícia…”

Depois de 30 anos de carreira policial, primeiro como agente da Civil, depois como agente, delegado e superintendente da Federal, além das duas gestões consecutivas na secretaria, Damázio não soube evitar os cacoetes epistolares comuns a demissionários lotados de culpa.

Referiu-se a “declarações a mim atribuídas”, apesar de ele poder ouvir a gravação da própria voz na internet, se desejar. Sustentou que seus pensamentos não constituem seus pensamentos e declinou com estridência o verbo repelir. Também pediu desculpas a quem “porventura” tenha se ofendido com as declarações. Porventura?

“Não pensei duas vezes”, arrostou Eduardo Campos tonitruante ao justificar que aceitara a renúncia para não permitir que o episódio interferisse na sua política pública de segurança.

Tivesse pensado duas vezes talvez lhe ocorresse não lamentar a saída de Wilson Damázio. Nem se referir aos “bons serviços prestados” pelo secretário na nota protocolar de exoneração — há vezes em que mesmo frases obrigatórias soam melhor quando omitidas.

Damázio deveria ter sido demitido não por ter feito declarações que “motivaram críticas e cobranças”. Sequer deveria ter ocupado o cargo por pensar o que diz.

polícia repressão terror estatal estudante

POLÍCIA MILITAR. O treinamento da morte

 Menekse Cam
Menekse Cam

Preparam os soldados estaduais para uma guerra interna contra o povo. Que a polícia dos governadores não prende os ladrões da equipe e amigos dos seus comandantes.

A polícia dos governadores Tião Viana (Acre),  Jaques Wagner (Bahia), Agnelo Queiroz (Distrito Federal) e Tarso Genro  (Rio Grande do Sul) não prende petistas.

A polícia de Teotônio  Vilela Filho (Alagoas), Marconi Perillo (Goiás),  Antônio Anastasia (Minas Gerais), Simão Jateme (Pará), Beto Richa (Paraná), José de Anchieta Júnior (Roraima), Siqueira Campos (Tocantis) e Geraldo Alckmin (São Paulo) não prende tucanos.

A mesma política de proteção para os aliados e partidários do governador, comandante em chefe da Polícia Militar, vale para os outros Estados. Por exemplo, a polícia não é doida, para prender um líder do PSB em Pernambuco de Eduardo Campos.

A polícia vem sendo adestrada para executar despejos (deslocamentos involuntários), reprimir greves, movimentos estudantis, protestos sociais (como acontece em qualquer ditadura) e prender os condenados da justiça PPV.

Chacina de Pinheiro, São Paulo
Chacina de Pinheiro, São Paulo

balas de borracho protesto

Mortes e chicotadas na polícia

A morte de um recruta no Rio de Janeiro chama a atenção para o treinamento abusivo no país

ALGOZ O capitão Leonardo Hirakawa. Ele humilhou um subordinado e foi preso
ALGOZ
O capitão Leonardo Hirakawa. Ele humilhou um subordinado e foi preso

por Raphael Gomide/ Revista Época

A sensação térmica em 12 de novembro era de 48 graus célsius na Zona Oeste do Rio de Janeiro, onde recrutas da Polícia Militar iniciavam treinamento no dia mais quente do ano. Submetidos à rigorosa sessão de exercícios de ordem-unida, sem água, os alunos do Curso de Formação de Soldados desfaleciam. Logo nos primeiros dias, numa das punições sem sentido, apelidadas de sugas, os instrutores determinaram que os pelotões se sentassem no chão quente do pátio, sobre as mãos. Um urinou sangue. Outro vomitou sangue. Foi aí que o re­cém-in­corporado Paulo Aparecido, de 27 anos, não resistiu e desmaiou. Foi atendido por paramédicos e, como não acordasse, foi levado a um pronto-socorro, com mais 18 alunos – quatro deles com queimaduras nas nádegas. Sem responder aos estímulos, recebeu massagem cardíaca, e seu coração voltou a bater. Pela gravidade do caso, ele foi transferido para o Hospital Central da PM – e, dez dias depois, sofreu morte cerebral.

>> Crise de confiança na polícia do Rio de Janeiro

As longas horas de exercícios ao sol são padrão na semana de adaptação, a primeira dos sete meses do curso do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap). Faltas são punidas com flexão de braços ou perda do final de semana livre. Esse tratamento não é exclusividade da PM fluminense. Em todo o país, denúncias de abusos são corriqueiras nos adestramentos das forças policiais. Algumas levam a casos fatais. A morte de Paulo Aparecido chama a atenção para as consequências funestas dos excessos e equívocos. Os cursos do Batalhão de Operações Especiais (Bope) do Rio de Janeiro – como foi retratado no filme Tropa de elite – já registraram duas mortes. Morreram também um agente da Polícia Rodoviá­ria Federal, afogado por instrutores, no ano passado, e um soldado e três cadetes em Mato Grosso, em dois episódios distintos, em 2010 e 1998. Os cursos de formação das polícias do Paraná, Mato Grosso, Rio Grande do Norte e Ceará já foram investigados por abusos.

Em maio, o capitão Leonardo Hirakawa, então comandante do Corpo de Alunos do 3o Ano da Academia D. João VI, que forma oficiais em três anos, protagonizou um episódio que parece saído de um livro sobre a Idade Média. No deslocamento da tropa no Dia da Cavalaria, Hirakawa irritou-se e deu forte chicotada no cadete Fabio Costa. Humilhado, o futuro oficial venceu o medo de retaliação e queixou-se à administração. Responsável por 164 alunos, Hirakawa foi preso por dez dias e transferido para o Regimento de Cavalaria. A PM afirmou a ÉPOCA que “o oficial usou um rebenque e atingiu de leve um aluno. Segundo o capitão, não houve intenção”. De acordo com a corporação, “assim que tomou conhecimento do fato, o comando da Academia decidiu afastá-lo preventivamente, mesmo não havendo intenção de ferir”. O inquérito administrativo foi concluído – a PM não informou o resultado – e entregue à Justiça Militar.

>> Caso Pinheirinho: Corregedoria indicia 14 policiais por tortura e abuso

VÍTIMA O recruta Aparecido. Ele passou mal no treinamento e morreu no hospital
VÍTIMA
O recruta Aparecido. Ele passou mal no treinamento e morreu no hospital

Hirakawa foi o 119º colocado entre 127 aspirantes em sua turma. Fez curso de Policiamento Montado em 2008 na Academia Barro Branco, da PM de São Paulo. É um amante da montaria. Há, em seu perfil no Facebook, fotos a cavalo, fardado ou adestrando potros – numa, ele se diverte de pé sobre os animais, qual um artista de circo. Na equitação, o chicote é instrumento de alerta e comando – como a batuta de um maestro. Deve ser usado com critério pelo cavaleiro. Não é símbolo de ameaça, tortura ou castigo. Um mês antes da chicotada no cadete, Hirakawa retornara de um curso de técnica de ensino na PM paulista. Depois de publicar foto do brevê dourado que passou a usar no uniforme, um amigo escreveu: “Sucesso na aplicação dos novos conhecimentos”.

Tido como um liberal, o coronel Íbis Pereira, o comandante que afastou Hirakawa, proibiu trotes – como forçar novatos a se deitar no pátio para secá-lo com a farda ou a rolar no campo à noite, junto a formigas. Nos anos 1980, alunos dormiam dentro de armários, com a roupa encharcada. Íbis também vetou canções de rivalidade entre turmas – embora persistissem, a sua revelia. Em agosto, foi substituído por um oficial mais tradicional, Cristiano Gaspar, para quem “cadete tem de sofrer por três anos” e “chegar formado ao batalhão, com cara de assustado”. Cristiano impôs regras mais rígidas e aumentou a carga horária do curso. Agora, ele começa às 5h30 e, incluindo palestras, pode chegar até as 21 horas. Na gestão de Cristiano, canções e trotes estão de volta. Uma semana depois da troca de comando, dois alunos foram presos por atacar sexualmente uma recruta, no vizinho Cfap – onde morreu Paulo Aparecido.

Com essa mentalidade até na formação de oficiais, é difícil antever o progresso da polícia esperado pela sociedade. Após a morte do recruta Paulo Aparecido, a ministra Maria do Rosário, dos Direitos Humanos, disse que “um treinamento que produz sofrimento e morte precisa ser revisto”. Há muito mais a rever na formação policial.

abusos

Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Um milhão de pessoas por ano. Isso é mais do que mortes por conflitos, guerras e homicídios combinados

Dia-mundial-prevenção

O dia passou em branco. O suicídio é, realmente, um tabu no Brasil. Mas nestes tempos de despejos para as obras da Copa do Mundo, lembro para as autoridades do Executivo e para a Justiça:  Que  a segunda maior causa de morte está entre jovens de 15 a 25 anos. As taxas estão associadas à crise econômica, ao aumento no número de desempregados e também fatores sócio-econômicos, como urbanização e migração.

Estão previstos 250 mil despejos nas doze capitais que se candidataram para construir arenas para os jogos.

Em todo o mundo um milhão de pessoas por ano comete suicídio. Isso é mais do que mortes por conflitos, guerras e homicídios combinados. A declaração é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que marca nesta segunda-feira (10), o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

Segundo relatório da OMS, a cada 40 segundos uma pessoa se suicida no mundo; o número de tentativas de suicídio chega a 20 milhões por ano; ou seja, 5% das pessoas no mundo fazem uma tentativa de suicídio pelo menos uma vez em sua vida.

O relatório afirma que os países precisam tomar providências de combate ao problema dificultando o acesso das pessoas a armas, álcool, drogas e pesticidas. Além disso, a simples construção de barreiras em pontes pode levar a uma diminuição de casos.

A agência da ONU informou que as tentativas de suicídio são mais comuns entre mulheres, porém o número de óbitos é maior entre os homens. E a segunda maior causa de morte está entre jovens de 15 a 25 anos. As taxas estão associadas à crise econômica, ao aumento no número de desempregados e também fatores sócio-econômicos, como urbanização e migração.

Uma outra causa para que alguém tente tirar a própria vida são os problemas mentais. Por isso, a OMS preparou uma série de diretrizes para a mídia pedindo que a representação do suicídio seja feita de forma responsável reduzindo a estigmatização desse grupo de pessoas.

Uma outra dica da agência para ajudar na prevenção é a identificação de pessoas com depressão e ansiedade.

Hojemente, no Brasil, quando se quer destruir uma pessoa, basta dizer que é louca. Nem precisa atestado psiquiátrico.

Outra face cruel: as pessoas fogem dos suicidas e dos velhos.

prevenir

Porque ninguém se preocupa, informo sem nenhum destaque: tradicionalmente o número de suicídios é maior entre os velhos, idosos e anciãos.