Corrupção do governo de Alckmin: meio milhão de paulistas pegaram dengue este ano

Até 27 de julho último, pela contagem oficial, e nada confiável, do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretária Estadual da Saúde do Governo do Estado de São Paulo, foram confirmados exatos 499.556 casos de infectados pela dengue. Informa o G1: “O número é quase o dobro do que foi registrado durante todo o ano de 2013, quando 201.498 pessoas foram confirmadas da doença. Neste ano, o pico da doença no estado de São Paulo ocorreu em maio, com 175.879 casos”. 2014 foi quando começou o racionamento de água, negado por Alckmin.

Falta a lista dos mortos, que a dengue mata.

Ou melhor dito, a corrupção mata. Que a dengue é doença de lugar que falta saneamento, água, e uma campanha de erradicação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da peste. Remember que José Serra, quando ministro da Saúde de Fernando Henrique, desativou as brigadas mata-mosquitos, criadas por Oswaldo Cruz para acabar com a febre amarela no Rio de Janeiro.

Em 1999, José Serra demitiu quase seis mil mata-mosquitos no Rio de Janeiro. Seis mil pessoas que se viram desempregadas da noite para o dia. Muitas ficaram na miséria. Houve 33 casos de suicídio apenas no Rio. E nos outros Estados?

Brigada contra os mosquitos na campanha de erradicação da febre amarela no Rio de Janeiro, no início do século
Brigada contra os mosquitos na campanha de erradicação da febre amarela no Rio de Janeiro, no início do século XX

Em São Paulo falta tudo. É o Estado mais rico do Brasil, o maior PIB, mas contabiliza dezenas de anos de desgovernos.

Em São Paulo falta água, e o racionamento leva as populações mais pobres a improvisar reservatórios: tanques, vasos, baldes, bacias, garrafões etc.

Divulga a ONG Dengue Org: “A prevenção é a única arma contra a doença. A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros”. Confira

Em São Paulo falta saneamento. Na Capital de São Paulo existem mais de duas mil favelas sem água, sem luz, sem esgoto… sem nada.

Apesar da classificação de “doença democrática”, por não livrar os ricos, as principais vítimas da dengue são os pobres, que as favelas são campos de emigrantes e lixões.

Favela do Jardim Jaqueline, na Zona Oeste de São Paulo
Favela do Jardim Jaqueline, na Zona Oeste de São Paulo
Isso é uma rua de São Capital. Favela Cantinho do Céu, localizada no Grajaú, na Zona Sul
Isso é uma rua de São Paulo Capital. Favela Cantinho do Céu, localizada no Grajaú, na Zona Sul

Governadores e prefeitos ladrões em 5 anos desviaram mais de 4 bilhões na farsa do combate à dengue

Sempre repito: onde tem dengue tem prefeito ladrão. Prefeitos que não investem em saneamento, que permitem que ruas e calçadas permaneçam esburacadas, com suas poças d`água e esgotos abertos, e não realizam a limpeza das praças, dos parques, dos cemitérios, dos terrenos baldios da agiotagem imobiliária.

Informa o Estadão: De 2010 a 2014, o governo federal gastou ao menos R$ 4,2 bilhões em ações de prevenção e tratamento da dengue, segundo dados inéditos obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo com o Ministério da Saúde. No período analisado, o custo da dengue para a pasta aumentou 48% – passando de R$ 613,4 milhões em 2010 para R$ 911,8 milhões em 2014.

O valor do ano passado só não foi superior ao de 2013, quando o País viveu a pior epidemia de dengue da história, com 1,4 milhão de pessoas infectadas e 674 mortes. Naquele ano, a doença custou R$ 1,1 bilhão ao governo federal, elevando as despesas com dengue ao patamar de outros programas estratégicos do ministério, como o de aids, que teve custo de R$ 1,2 bilhão no ano passado, e o Mais Médicos – R$ 1,1 bilhão anuais em 2013 e 2014.

As despesas informadas pela pasta reúnem os principais, mas não todos, os gastos com a dengue. Estão incluídos os valores gastos com internações, verba fixa repassada aos municípios e Estados para ações de prevenção e recursos adicionais exclusivos para a doença. O repasse fixo é usado também para a prevenção de outros problemas, entretanto, segundo o ministério, em média 60% desse valor são destinados a ações contra a dengue.

Não estão incluídos nesses valores, portanto, despesas com a assistência a doentes com quadros mais brandos, que não precisam de internação. Nesses casos, o paciente procura uma unidade de atenção básica, como um posto de saúde ou uma Assistência Médica Ambulatorial (AMA), e as despesas com esses atendimentos entram no repasse geral para atenção básica. Se fosse possível calcular esses valores, os custos com a dengue subiriam ainda mais.

“É preciso lembrar que não é só o Ministério da Saúde que tem gastos com dengue. As prefeituras têm grande despesa porque são as responsáveis por fazer o trabalho direto de prevenção”, explica Gonzalo Vecina Neto, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

Prevenção

O A. aegypti é escuro e apresenta marcações brancas nas pernas e no corpo, enquanto o Culex apresenta coloração marrom. Além dessas diferenças, os dois mosquitos apresentam hábitos bastante diferenciados em relação aos seus criadouros preferenciais e horários de maior O Culex é o principal vetor da filariose, popularmente conhecida como elefantíase. Fotos Gustavo Resende
O A. aegypti é escuro e apresenta marcações brancas nas pernas e no corpo, enquanto o Culex apresenta coloração marrom. Além dessas diferenças, os dois mosquitos apresentam hábitos bastante diferenciados em relação aos seus criadouros preferenciais e horários de maior O Culex é o principal vetor da filariose, popularmente conhecida como elefantíase. Fotos Gustavo Resende

Foi a área de prevenção e combate à dengue a responsável por elevar os custos do ministério com a doença. Somados os valores do piso fixo de prevenção com os adicionais específicos, houve crescimento de 54% entre 2010 e 2014. De acordo com a pasta, foi graças a esse aumento que ocorreu uma redução de internações pela doença e, consequentemente, dos custos hospitalares com esses pacientes. O número de internações por dengue caiu de 93.934 em 2010 para 35.667 em 2014 – derrubando o custo no período de R$ 31,2 milhões para R$ 11,8 milhões.

Entre 2010 e 2014, 4,4 milhões de brasileiros foram contaminados pela dengue, dos quais 2.544 morreram. Neste ano, até 9 de maio, foram 845,9 mil casos notificados – dos quais 585 tiveram a forma grave da doença – e 290 mortos.

As informações do jornal O Estado de S. Paulo não revelam que as campanhas realizadas são para culpabilizar o povo.

Recomendações do tipo:

* “Não deixar água parada em pneus fora de uso. O ideal é fazer furos nestes pneus para evitar o acúmulo de água”. Ninguém guarda pneu velho. Pneu velho é jogado no lixo que fica acumulado nas ruas. Quanto mais suja a cidade, mais peste. Pneu velho serve para ser queimado como protesto nas manifestações populares

* “Não deixar água acumulada sobre a laje de sua residência”. É preciso investir no calçamento de ruas e avenidas. Ruas terraplenadas, cobertas por matagais, também enriquecem as máfias do asfalto. Que asfaltam ruas de mentirinha.

* “Não deixar a água parada nas calhas da residência. Remover folhas, galhos ou qualquer material que impeça a circulação da água”. Qualquer chuvinha alaga ruas. E os esgotos a céu aberto nos bairros pobres, principalmente nas favelas, não incomodam os prefeitos que residem em luxuosos edifícios, coincidentemente construídos por alguma empreiteira das principais obras do município.

* “A vasilha que fica abaixo dos vasos de plantas não pode ter água parada. Deixar estas vasilhas sempre secas ou cobri-las com areia”. Jarro de flores existe nos palácios do executivo, do legislativo, do judiciário, e nos condomínios de luxo. Desde o aparecimento da dengue, o pobre quebrou o jarro e pisou na fulô.

* “Caixas de água devem ser limpas constantemente e mantidas sempre fechadas e bem vedadas. O mesmo vale para poços artesianos ou qualquer outro tipo de reservatório de água”. Poços artesianos possuem os engarrafadores de água (Na maioria, empresas estrangeiras), os donos de caminhões pipa, as fábricas de bebidas frias e quentes, de soverte, e os edifícios da classe média alta. Em cidades com racionamento d`água, com o serviço de abastecimento privatizado, como acontece hoje em São Paulo, a classe média baixa e os pobres e miseráveis pouca água têm para guardar. A água está mais cara do que a gasolina.

* “As piscinas devem ter tratamento de água com cloro (sempre na quantidade recomendada). Piscinas não utilizadas devem ser desativadas (retirar toda água) e permanecer sempre secas”. Quem tem casa com piscina?  Que prefeito multa ou eleva os impostos dos edifícios fechados?

.
Fumacê

combate-dengue

O dinheiro da dengue evapora-se, vira fumaça, quando as prefeituras deveriam realizar a pulverização espacial UBV.

Por que não se faz o necessário e real fumacê, para eliminar os focos do Aedes aegypti nas residências e ruas?

Falta fiscalização dos vereadores, dos promotores públicos, dos ministros dos tribunais de conta, dos procura dores e não acham.

Recife
RECIFE
CAMPINAS
CAMPINAS

Desvio das verbas de Saúde e Saneamento mata. Aumenta o risco de epidemias

BRA_OP porque dengueNo final dos anos 60 e início da década de 70 a noção de contenção é substituída pela “Vigilância Epidemiológica” que pressupõe o alerta constante e o desencadeamento de ações de controle imediatas a fim de circunscrever o problema em sua fase inicial.

As sucessivas alterações da estrutura social, principalmente nos países não desenvolvidos, na conjuntura de crise dos anos 70 propiciaram a reinstalação de muitos problemas cujo controle era tido como satisfatório. Nessa condição incluimos as recentes epidemias de malária, febre amarela silvestre e dengue, que vêm acometendo vários países da América Latina.

Desta forma, a questão das epidemias torna-se mais uma vez presente, pondo em cheque, a maneira habitual de concebê-las e controlá-las.

saude aécio

No Brasil, prefeitos e governos ficam esperando, de cuia na mão, dinheiro do governo federal, na maioria das vezes desviado, para investir apenas nos programas de saúde pública. Que ninguém investe em Saneamento. Obra enterrada não proporciona boa propaganda, badalada e visível.

Além dos vampiros, temos os traidores do povo que planejam a privatização da Saúde, para enriquecimento dos piratas, notadamente dos rendosos planos de saúde.

BRA_ZH saúde privaizada

Panelaço nos bairros ricos de São Paulo é para espantar o mosquito da dengue…

300 de Esparta

por Gilmar Crestani

Amorim
Amorim

Heróis não foram os 300 de Esparta comandados pelo Rei Leônidas que enfrentaram o poderoso exército persa no desfiladeiro das Termópilas. Até porque eles só tinham um escudo numa mão e a espada noutra para enfrentar uma epidemia de imortais. Iguais aos paulistas com dengue, lutaram sem água.

Choque de gestão é isso que acontece na gestão da saúde pública em São Paulo, o resto é coisa do PT. 300 casos por 100 mil pessoas só os espartanos e o PSDB conseguem. E viva o partido com os melhores quadros… Se a má gestão tivesse sido coisa isolada, do Alckmin, e estaria desculpado. Mas tem sido rotina por onde passa o PSDB. Foi assim na Paraíba do Cássio Cunha Lima, nas Minas Gerais do Aécio Neves, no RS da Yeda Crusius e agora também no Paraná do Beto Richa.

Não fossem os Fernando Gouveia espalhados pelos grupos mafiomidiáticos e o PSDB já teria sido varrido para o lixo de onde nunca deveria ter saído. Além do Poder Judiciário, segundo Jorge Pozzobom do PSDB gaúcho…

FHC, que é chamado para comentar até pum do Lula, não dá um pio sobre a dengue em São Paulo nem sobre o fascismo policial instalado no Paraná!

Ao invés de enfrentarem a dengue, a Jovem Pan, famosa por seu puxasaquismo do PSDB, associou-se à Globo e demais veículos do Instituto Millenium para venderem a ideia de caos no Brasil durante a Copa. Tínhamos seleção, mas a administração da Copa estava em cheque, manchetava a Folha de São Paulo. É, não tivemos dengue, tivemos administração mas não tivemos seleção. E agora vê-se que a dengue está impondo uma derrota alemã no planejamento administrativo da mídia pelo PSDB. Se a AMBEV, a Multilaser e o Banco Itaú tivessem investido em saúde pública ao invés de amestrar uma manada para xingarem Dilma na abertura da Copa, talvez os paulistas poderiam estar comemorando algo melhor que uma epidemia de dengue.

Fica ainda mais incompreensível o que está acontecendo na medida que São Paulo vive, sim, racionamento de água. Imagine se tivesse em abundância. Estados onde não houve racionamento d’água e onde o PSDB foi apeado do poder, a dengue regrediu. Esta epidemia é o exemplo pronto e acabado do compadrio dos sucessivos governos paulistas e os grupos Abril, Folha, Estadão e Globo. Se estes fatos estivessem acontecendo num governo petista, haveria reportagens especiais, e até a cunhada do Vaccari seria presa acusada de transportar mosquitos transmissores. Não há minutos infindáveis no Jornal Nacional, entrevistas nas páginas amarelas da Veja.

Por isso que se diz que o panelaço nos bairros ricos de São Paulo é para espantar o mosquito da dengue…

Tivemos mensalão, petrolão e agora temos o mosquitão. Só que este não aparece porque nossa imprensa é dengosa. Quando envolve PSDB, só faz cafuné…

Epidemia de dengue afeta 1 a cada 4 cidades

dengue
Mapeamento federal inclui a capital paulista, pela primeira vez, entre os municípios com alta transmissão da doença

No Estado de São Paulo, 82% das cidades estão em situação epidêmica, com mais de 300 casos por 100 mil pessoas

NATÁLIA CANCIANDE BRASÍLIA

Uma em cada quatro cidades do país já apresenta epidemia de dengue, segundo levantamento do Ministério da Saúde a pedido da Folha.

O Estado com a situação mais crítica é São Paulo, onde 82% dos municípios estão nessa condição. Entre eles, a capital paulista, que, pela primeira vez, aparece em situação epidêmica da doença no mapa do governo federal.

O parâmetro adotado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para caracterizar a epidemia é quando a incidência de dengue supera 300 casos por 100 mil habitantes.

De 5.570 cidades brasileiras, 1.397 estão nessa condição, sendo 530 em São Paulo.

O levantamento mostra um avanço acelerado do vírus pelo país. No anterior, com informações do começo de março, 511 municípios estavam em epidemia. Um mês depois, esse número quase triplicou.

Além da capital paulista, outras seis capitais já aparecem no grupo epidêmico: Florianópolis, Goiânia, Palmas, Rio Branco, Recife e Natal.

VULNERÁVEL

Na avaliação de Giovanini Coelho, coordenador do Programa Nacional de Controle de Dengue, a combinação entre condições climáticas favoráveis e modo de vida urbana, com problema no abastecimento de água (que leva a população a armazenar o produto) e na coleta de lixo, tornam o Brasil vulnerável à dengue.

Outro problema, diz, é a falta de instrumentos de controle mais eficazes, como vacina e medicamentos específicos.

“As ferramentas hoje disponíveis são de eficácia limitada. Só temos o combate ao vetor. Isso torna a situação desafiadora. Se é difícil fazer o controle onde há boa estrutura, imagina num cenário em que não tem rede de água ou coleta regular de lixo.”

Os números do Ministério da Saúde consideram todas as notificações da doença, com base em fatores clínicos/epidemiológicos, e não só em confirmações depois de contraprova em cada município.

O critério segue recomendação dos planos de contingência quando há alta expressiva de casos de dengue.

Os dados apontam que, nas cidades em epidemia, a incidência média é de 1.480 casos por 100 mil habitantes –quase cinco vezes a referência básica da OMS. No Brasil, a média é de 367 casos por 100 mil, conforme dados do ministério atualizados até 18 de abril. Na capital paulista, atingiu 346.

O mapeamento aponta que 26 Estados têm ao menos uma cidade em epidemia. Só o Distrito Federal fica de fora.

O topo do ranking de incidência de dengue é ocupado por cidades de pequeno e médio porte. A principal é São João do Cauiá, no Paraná, que tem 6.044 habitantes –lá, é como se uma em cada cinco pessoas tivesse sido contaminada pelo Aedes aegypti.

Coordenador de epidemiologia da cidade, Magno Zonta diz que a situação começa a ser controlada após atingir o auge em fevereiro. Agentes têm aplicado multas em quem mantém água parada e alunos fazem “miniarrastões” no entorno das escolas na caça de focos do mosquito.

Dengue é peste escondida em São Paulo

Sempre fez parte da campanha de combate a dengue não guardar água em balde.

Com a seca na Região Metropolitana de São Paulo, a recomendação passou a não existir.

A verdade verdadeira é que o governador de São Paulo até hoje nega o racionamento no serviço de abastecimento de água.

 Ali Divandari
Ali Divandari

E quando é verão, e quando falta água, a dengue se transforma em uma epidemia. E mortal epidemia.

De repente a imprensa parou de informar sobre a dengue em São Paulo.

Mas Carlos Tramontina furou a censura. O apresentador do telejornal SPTV – 2ª edição, da TV Globo, informou através de sua página no Facebook que está com dengue e, portanto, ficará longe do trabalho por uma semana.

“Meus amigos, o mosquito me pegou. Estou em casa, muito bem, me recuperando da dengue. Repito, estou bem. Na semana que vem eu volto. A gente se encontra. Abraços.”, escreveu em post na rede social.

Tramontina está devendo uma reportagem sobre a dengue em São Paulo.

Em Recife, para outro exemplo, são inimagináveis as seguintes cenas de combate ao mosquito noutras cidades brasileiras:

combate-dengue

combate-a-dengue

1 COMBATE A DENGUE

Veja que a Argentina faz para acabar com a dengue

“Quando é detectada uma pessoa suspeita de ter contraído a dengue, imediatamente começa o que é chamado bloqueio de foco, para erradicar os mosquitos dentro de nove quadras próximas de onde o paciente se encontra, de modo a evitar uma propagação da doença”.

No Brasil, José Serra, quando ministro, acabou com os guardas mata-mosquitos.

Mais de 500 brasileiros morreram de dengue em 2013 e quase 1 milhão e meio contraíram a doença.

Raramente se pulveriza inseticidas, através do popular “fumaçê”, que prefeitos e secretários de saúde roubam as verbas enviadas pelo governo federal.

A dengue é mais uma constatação de que a corrupção mata.

Histórico da dengue no Brasil
As primeiras referências à dengue no Brasil remontam ao período colonial. Em 1865 foi descrito o primeiro caso na cidade de Recife. Sete anos depois, em Salvador uma epidemia levou a 2 mil mortes. Em 1846, a dengue é considerada como epidêmica, atingindo vários Estados, como Rio de Janeiro e São Paulo. Até 1916, São Paulo foi atingido por várias epidemias de dengue.

O transmissor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, tem origem africana, sendo reconhecido pela primeira vez no Egito – daí o seu nome. Chegou ao Brasil nos navios negreiros – e se reproduzia nos depósitos de água dos barcos nas viagens da África para cá.

O Aedes estava erradicado no Brasil em 1955 (governo de Café Filho), mas retornou em 1985, com uma epidemia de dengue em Roraima.

 

Foi mais um presente da ditadura militar, no governo de João Figueiredo (1979-1985).

Prefeitos ladrões, para receber verbas federais para erradicar a dengue, chegaram a disseminar em seus municípios larvas de Aedes aegypti. Vários casos foram denunciados pela imprensa. Que os nomes desses assassinos sejam lembrados.

Argentina: El dengue, en baja

En 2013, en la Argentina se reportaron sólo 2718 casos de dengue, ninguno mortal
En 2013, en la Argentina se reportaron sólo 2718 casos de dengue, ninguno mortal

Un informe del Ministerio de Salud muestra que entre 2009 y 2013 se registró una caída del 90 por ciento de la enfermedad. En los países de la región, el año pasado fue una epidemia.

Los casos registrados de dengue en Argentina disminuyeron un 90 por ciento entre 2009 y 2013, informó el Ministerio de Salud de la Nación en referencia a la enfermedad que se contrae por la picadura de un insecto. Esta, junto a otras de transmisión vectorial, constituyen el tema central con el que la Organización Mundial de la Salud conmemora el Día Mundial de la Salud el próximo 7 de abril.

“El año pasado hubo una epidemia de grandes proporciones en el Cono Sur, con más de 250.000 casos, y nuestro país reportó sólo 2718, ninguno mortal, lo que constituyó una cantidad pequeña en relación al resto del continente”, destacó el ministro Juan Manzur.

En 2009, Argentina había padecido una epidemia que dejó cinco muertos y que reportó 26.923 casos.

Desde principios de este año hasta la primera semana de abril se llevan registrados 27 casos confirmados de dengue “cuando el promedio anual oscila entre 200 y 250, salvo cuando hubo epidemia, como la que se disparó en 2013 en países limítrofes”, comentó Héctor Coto, director de Enfermedades Transmisibles por Vectores del Ministerio de Salud de la Nación. El funcionario detalló que “cuando se detecta a una persona sospechosa de haber contraído el dengue de inmediato se pone en marcha lo que se llama bloqueo de foco y que consiste en erradicar los mosquitos en un radio de nueve manzanas de donde se encuentra el paciente, de modo de prevenir que haya una propagación de la enfermedad”.

El dengue es causado por un virus que se transmite a través de la picadura de mosquitos infectados, principalmente de la especie Aedes Aegypti, lo que convierte el control del vector en una herramienta fundamental para la prevención de la enfermedad.

El cuadro más común se caracteriza por fiebre acompañada de un intenso malestar general (dolor de cabeza, de músculos y articulaciones), erupciones rojizas en brazos y piernas, picazón, náuseas y vómitos y sangrado de nariz y encías.

Ante estos síntomas se debe acudir sin demoras al médico para recibir el tratamiento adecuado y es importante no automedicarse ya que las aspirinas, el ibuprofeno o la aplicación de inyecciones intramusculares pueden empeorar el cuadro de la enfermedad.

En América, existen 35 países que concentran casi toda la población del continente y conviven con el mosquito Aedes Aegypti; durante las últimas décadas, América latina se convirtió en la región con las cifras anuales reportadas más altas en el mundo, advirtieron la OPS y la OMS.

De cara al Día Mundial de la Salud, que se celebra cada 7 de abril, la OPS y la OMS llamaron a tomar medidas sencillas para evitar este tipo de enfermedades, como el uso de ropas que sirvan de barrera en la exposición a la picadura y la reducción de criaderos cerca de las casas.