Lava a jato nomes de delegados e togados

Na Lava a Jato não aparecia nome de delegado.

Como milagre acontece. Ainda não surgiu nenhum nome de juiz, de desembargador, de polícia, de procura dor e não encontra, e de fiscal, que no Brasil tem fiscal pra tudo, e sobra gente em tribunal de (faz de) contas.

Diz Marcos Simões: “Ladrão, mas com muitas cobranças sobre os outros. Esse tipo é o pior dos bandidos”.

10362941_779107832207526_4175995431537002616_n

Outra coisa inusitada: toda CPI tem uma musa. Na da Petrobras não apareceu nenhuma.

Graça Foster não vale.

Fraga

Se estenderem a CPI pros tempos blindados de FHC vamos ter várias lindezas. Vai virar concurso de misse.

Outra coisa esquisita: não veio bater calçada nenhuma Ana. Nem uma prostituta respeitosa. Na CPI da Refinaria do Manguinhos tinha uma.

A Refinaria do Manguinhos, que de Magra ficou para os Gordos, é mais uma prova do que o crime compensa.

 

 

 

 

 

Cachoeira e o assassino do jornalista Valério Luiz

Tem seis meses que está preso incomunicável, em Belo Horizonte, o jornalista Marco Aurélio Carone, porque denunciou  e provou a bandidagem da política mineira, envolvida com drogas, assassinatos e assaltos aos cofres públicos.

Outro meio de calar um jornalista chamo de solução final: o assassinato. Aconteceu com Valério Luiz, que teve a coragem de denunciar o uso do time de futebol Atlético Goianiense na lavagem de dinheiro do cartório de Maurício Sampaio e de empresas do bicheiro Cachoeira & outros.

A corrupção acontece pela harmonia dos três poderes: executivo, legislativo e judiciário.

É esta ligação Cachoeira-Sampaio, ora escancarada, e o uso do Atlético para safadezas mil, que motivaram a morte encomendada de Valério Luiz, que não sabia da missa um terço.

Por estes Brasis da escuridão, cartolas usam times de futebol para o tráfico de pessoas (passe de jogadores), de drogas, lavagem de dinheiro, esquentamento de notas frias, comedouro de verbas públicas e curral eleitoral.

 

Andressa Mendonça, mulher de Cachoeira, posta foto com acusado de ser mandante de assassinato de jornalista

andressa-e-sampaio

Andressa Mendonça, mulher de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, postou na última quinta-feira (12/6) uma foto mostrando seu novo brinco. Ao fundo, está o réu Maurício Sampaio, denunciado como mandante do assassinato do cronista esportivo Valério Luiz de Oliveira, sorrindo distraído.

A foto foi retirada do instagram de Andressa, mas Valério Luiz, filho do cronista, a divulgou em sua página do Facebook. A empresária colocou a sua página da rede social no modo “privado”, impedindo pessoas que não a seguem de visualizarem suas imagens.

O empresário Carlos Cachoeira foi apontado como chefe de um esquema de exploração de jogos ilegais e corrupção em Goiás e no Distrito Federal em uma operação deflagrada pela Polícia Federal e Ministério Público Federal (MPF) conhecida como Operação Monte Carlo. Na época, vários políticos foram apontados como envolvidos no esquema. O empresário foi condenado a 39 anos e 8 meses de prisão pelos crimes de peculato, corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha. Carlos Cachoeira recorreu da sentença e aguarda pela decisão em liberdade.

O processo do ex-dirigente do Atlético Clube Goianiense Maurício Sampaio continua em aberto, sendo que além de Sampaio mais quatro pessoas também foram denunciadas como tendo participação no crime de Valério Luiz. Todos os acusados aguardam o julgamento em liberdade.

No início deste mês, o Ministério Público de Goiás requereu a prisão preventiva de Sampaio pelos crimes de peculato, cobrança de tributo indevido ou com emprego de meio gravoso e modificação do sistema de informações sem autorização. O pedido foi negado pela Justiça no mesmo dia. O MP também instaurou uma ação civil pública contra ele e seus três filhos por improbidade administrativa.

A mulher de César

por Mauro Santayana

 

 

transparência
Depois de pedir licença de seu mandato, o deputado André Vargas renunciou à primeira vice-presidência da Câmara dos Deputados, após instauração de processo no Conselho de Ética da Casa, para apurar denúncias contra ele, a propósito de suas relações com o doleiro Alberto Youssef, detido pela Polícia Federal em uma operação que investiga lavagem de dinheiro.

O envolvimento de André Vargas com o doleiro teria vindo à tona a partir do pedido de “empréstimo”, feito pelo deputado, de um jatinho, para viajar de férias a Youssef.

Já houve caso de quem viajasse em avião público por questões estéticas; de quem pegasse carona em aeronaves destinadas a atendimento médico; de quem tivesse a própria aeronave apreendida com substâncias proibidas.

Há grandes e pequenos escândalos, e episódios que são vistos, por alguns, como “pecadilhos”, que atingem, infelizmente, de forma indiscriminada, partidos das mais variadas legendas, tendências e orientação política.

Embora quase todo mundo tenha um lado, e nem sempre os fatos sejam abordados com o rigor, a honestidade e a isonomia que merecem — há assuntos que são rapidamente julgados enquanto outros passam anos sem ser sequer investigados — a verdade é que leis como a da Ficha Limpa e a do voto aberto para o julgamento e a cassação de parlamentares já deveriam ter sido vistas, por todos, como sinal de alerta e mudança nos riscos e cuidados da vida pública.

Leis da Ficha Limpa e do voto aberto para julgamento e cassação de parlamentares já deveriam ter sido vistas
Para gregos e troianos da odisseia política brasileira, talvez nunca seja demais lembrar a frase atribuída por Plutarco a certo prócer romano, ao repudiar sua mulher, filha de Quintus Pompeius Rufus: “À mulher de César, não basta ser honesta, é preciso parecer honesta”.

Embora a expressão, para alguns, coloque as aparências na frente da verdade, ela reflete a necessidade do rito; da manutenção de regras básicas de convívio e de respeito entre pares e por seus eleitores; e até por si mesmos, no exercício da atividade pública, no sentido de que todos deveriam se dedicar ao objetivo de mantê-la, sempre que possível fosse, ao abrigo de qualquer suspeita.

Ao colocar seu comportamento em dúvida, estendendo o opróbrio e a desconfiança da população sobre a atividade política e a instituição de que toma parte, o homem público não macula apenas a si mesmo.

Ele agride e arrasta na lama a imagem da Democracia que, como à mulher de César, não deveria bastar que fosse — majoritariamente — honesta, mas também que assim transparecesse aos olhos da nação.

Há lugares, como o Uruguai, em que o presidente anda de Fusca.

No Brasil, escancarar o convívio, até em festas e redes sociais, com bicheiros, lobistas e doleiros, está ficando mais comum, nos últimos anos, do que o prosaico gesto de passar pelo check-in e embarcar em um avião de carreira.

 

Eray Özbek
Eray Özbek

Mulher de Cachoeira candidata deputado federal de Goiás

mulher-do-carlos-cachoeira-andressa-alves-mendonca-30-anos-da-entrevista-para-a-folha-em-goiania-1335528916659_300x300

 

Andressa Mendonça, mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira, se filiou ao PSL em Goiás e já deu início aos planejamentos sobre uma candidatura nas eleições de 2014. A mulher do bicheiro, além de entrar no noticiário político em consequência de ser mulher do empresário e por ter sido denunciada pelo MPF por suspostamente ameaçar um juiz que cuidava do caso de seu marido, Andressa se torna protagonista, frisando que “no ano passado, disse a amigos que escolheria como plataformas a legalização dos jogos de azar e o combate à corrupção”. [Todo mundo combate a corrupção. É o povo nas ruas. É Andressa. É a direita. É a coluna do meio. E  a esquerda].

O assunto é um dos destaques da coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, assinada pela jornalista Vera Magalhães nesta segunda-feira (14).

Na época em que Cahoeira estava preso sob acusação de comandar um esquema de jogo olegal revelado por uma operação policial, Andressa foi denunciada pelo Ministério Público Federal por tentar ameaçar e chantagear o juiz da Operação Monte Carlo, Alderico Rocha Santos, em troca da liberdade do marido. A denúncia chegou a ser confirmada pelo MP e externou que Andressa teria entregue ao juiz, um pedaço de papel com o nome de três conhecidos do magistrado. Ela teria dito possuir um dossiê que envolveria Alderico Rocha Santos. O magistrado entendeu a ameaça como corrupção ativa, prevista pelo Código Penal, e acionou a Polícia Federal. Ela pagou fiança de R$ 100 mil à Justiça Federal, em agosto do ano passado, para não ser presa.

Crimes

Carlos Augusto Ramos, também denominado pela imprensa como Carlinhos Cachoeira, é um empresário preso sob acusações de envolvimento no crime organizado e por corrupção. Ele foi preso no dia 29 de fevereiro de 2012 como resultado da Operação Monte Carlo e só foi solto no dia 20 de novembro do mesmo ano, quando caiu a prisão preventiva em relação a outro caso que tramita no Distrito Federal, da Operação Saint-Michel.

A Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), através do desembargador Fernando Tourinho Neto, Cachoeira estava sendo prejudicado por excesso de tempo de prisão preventiva, quando ainda não há condenação, por culpa dos juízes responsáveis pelos desdobramentos da Operação Monte Carlo na Justiça Federal em Goiás. Já o Ministério Público Federal (MPF) alegou que a culpa do atraso era da defesa, que ingressava com vários recursos sem necessidade. A Operação Monte Carlo apurou esquema de corrupção e exploração ilegal de jogos no Centro-Oeste. (JusBrasil)

Justiça Cupido banca o casamento e a lua de mel de Cachoeira

BRA^BA_COR é muito desaforo

Justiça brasileira é assim mesmo: O jornalista Ricardo Antunes pobre de marré deci está preso desde o dia 5 de outubro último, incomunicável, em presídio de segurança máxima, por escrever em um blogue desconhecido coisas consideradas duras para Antônio Lavareda, governador Eduardo Campos e prefeito João da Costa.

A mulher de Cachoeira ameaçou um juiz e está solta. Tem até um jornalista que foi assassinado em Goiana, por escrever que um clube de futebol andou recebendo dinheiro de Cachoeira.

Para Ricardo, a lua de fel.

Para Cachoeira, a lua de mel.

foto do casamento

fotos do casamento

pés 1

pés 2

cachoeira beijo

As imagens que mostram o empresário Carlinhos Cachoeira passando a lula de mel com a mulher, Andressa, neste domingo em um resort de luxo na Bahia, gerou críticas na Internet na manhã desta segunda-feira.

Nas redes sociais, internautas criticaram a liberdade do bicheiro, condenado em dezembro do ano passado a 39 anos de prisão por formação de quadrilha, corrupção ativa, violação de dados sigilosos, advocacia administrativa e peculato. Ele, que se casou com Andressa em dezembro, foi solto poucos dias depois de ser preso.

‘Crime compensa’

Pela Facebook, usuários da rede fizeram uma montagem em que aparece Cachoeira no hotel localizado na Península de Maraú, no litoral baiano, e uma imagem ao lado de uma cela superlotada. Na foto do contraventor, aparece o título ‘bandido rico’, enquanto a foto com os presos é descrita como “bandido pobre”.

No Twitter, os usuários usavam de revolta a ironia para criticar a notícia. “O crime compensa, pelo menos para Cachoeira”, postou um internauta. “Flanelinha fica 8 anos preso acusado de passar nota falsa de R$ 20″ Enquanto isso, Cachoeira curte as belezas da Bahia”, disse outro. (Jornal O Dia)

Lua de mel do bicheiro

por Amanda Almeida

A lua de mel do bicheiro Carlinhos Cachoeira, condenado por formação de quadrilha e tráfico de influência na Operação Saint Michel e réu em outros três processos, ganhou as redes sociais ontem. Internautas interpretaram como um “escárnio” os momentos de diversão do contraventor, flagrado em fotos, ao lado da mulher, Andressa Mendonça. Na Península de Maraú, no Sul da Bahia, Cachoeira chegou a ser tratado como celebridade por turistas, que pediram para fotografar o protagonista da CPI frustrada no Congresso. Ele está proibido de deixar o país, mas pode se deslocar em território nacional, desde que comunique à Justiça.

Os dois se casaram em 28 de dezembro, depois de Cachoeira ter passado uma temporada de nove meses no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Libertado em 20 de novembro, com um habeas corpus da 5ª Vara Criminal da capital federal, o contraventor fez questão de cumprir a promessa, registrada em áudios da Polícia Federal, de se casar com Andressa ainda em 2012. Os dois fizeram uma cerimônia discreta, em Goiânia, que reuniu apenas amigos mais próximos e parentes. Ele beijou os pés da noiva em “agradecimento” pela companhia no “ano difícil”.

Investigado pelas operações Saint Michel e Monte Carlo, Cachoeira se tornou um dos alvos da CPI que levou seu nome no Congresso. Além de analisar o esquema de jogo ilegal, a comissão tinha o objetivo de desvendar as ligações de políticos, autoridades e empresários flagrados em conversas com Cachoeira, como o ex-senador Demóstenes Torres, diretores da Delta e o governador de Goiás, Marconi Perillo. O grupo, no entanto, concluiu os trabalhos com um relatório de uma lauda e meia, que não pedia o indiciamento de ninguém.

Em um dos processos em que é réu, um desdobramento da Operação Saint Michel, que trata de máquinas estrangeiras, Cachoeira foi proibido pela Justiça de deixar o país e exigiu que saídas de Goiânia fossem comunicadas, o que, segundo o advogado Antônio Nabor Bulhões, que o defende, “tem sido feito rigorosamente”. (Transcrevi trechos. Diário de Pernambuco)

tirando ouro do narizcachoeira bebendo. sombra e água fresca111

Cachoeira, o preso de luxo da justiça, goza turismo de mel e vinho na Bahia. Está no paraíso

Beneficiado por habeas corpus após ser condenado a quase 40 anos de prisão, o recém-casado Carlos Cachoeira (esq.) reapareceu sexta-feira (4) hospedado no resort Kiaroa em Taipús de Fora, praia da Península de Maraú (BA), com a mulher, Andressa Mendonça (centro). (Foto> Rodrigo Nunes/Reprodução/Folha de São Paulo)
Beneficiado por habeas corpus após ser condenado a quase 40 anos de prisão, o recém-casado Carlos Cachoeira (esq.) reapareceu sexta-feira (4) hospedado no resort Kiaroa em Taipús de Fora, praia da Península de Maraú (BA), com a mulher, Andressa Mendonça (centro). (Foto> Rodrigo Nunes/Reprodução/Folha de São Paulo)

Solto por um habeas corpus após ser condenado a quase 40 anos de prisão, o bicheiro Carlinhos Cachoeira foi fotografado curtindo lua de mel na praia de Taipús de Fora, na Península de Maraú, Baixo Sul da Bahia. Cachoeira está hospedado no luxuoso resort Kiaroa com a mulher, Andressa Mendonça, com quem se casou em dezembro do ano passado.
Andressa virou a musa da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou a atuação de Cachoeira. As diárias do resort passam dos R$ 3 mil em suíte simples e chegam a R$ 10 mil em bangalô luxo. O casal está acomodado em um bangalô à beira-mar, com piscina privativa.

O CORREIO ligou para o resort e tentou falar com o bicheiro. “Não posso nem confirmar que ele está aqui, ainda mais passar a ligação para o quarto”, respondeu uma atendente. Investigado durante a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, Cachoeira foi condenado a 39 anos e 8 meses de prisão por crimes como corrupção ativa, formação de quadrilha e peculato.

Segundo a acusação, o bicheiro controlava um esquema de jogo ilegal, que se expandiu para desvio de recursos públicos por meio de corrupção de agentes estatais. Cachoeira foi solto após habeas corpus concedido pelo juiz federal Tourinho Neto.

Como a condenação ainda não transitou em julgado, Cachoeira está em liberdade, mas é obrigado a avisar a Justiça sempre que sair de Goiânia. “É um comunicado, não um pedido de autorização”, afirma Nabor Bulhões, advogado do empresário.

Vista aérea do ressort
Vista aérea do ressort
Ilha exclusiva
Ilha exclusiva
Praia particular
Praia particular
Este o bangalô da lua de mel de Cachoeira no no Kiaroa, Luxury Resort. No Brasil o governo não faz casa de madeira para o povo. Desde 1500 que foi iniciada o tráfico de madeira. Para os palacetes dos ricos.
Este o bangalô da lua de mel de Cachoeira no Kiaroa – Luxury Resort. No Brasil o governo não faz casa de madeira para o povo. Desde 1500 foi iniciado o tráfico de madeira. Para os palacetes dos ricos

Jornalista Ricardo Antunes preso. Policarpo Júnior, diretor da Veja, solto

Andressa Alves Mendonça de Moraes, mulher de Cachoeira, foi indiciada por corrupção ativa pela Polícia Federal por ter tentado chantagear o juiz Alderico Rocha Santos.

A notícia foi publicada no Globo no domingo e no portal G1, também da Globo, que protegeram tanto Veja, como Policarpo, assim como a Folha já havia feito no sábado.

“Segundo relato de Rocha Santos na época, Andressa esteve em sua sala e disse que havia um dossiê contra ele, envolvendo as pessoas cujos nomes foram escritos no pedaço de papel que ela entregou ao magistrado. De acordo com ofício enviado pelo juiz ao MPF, a tentativa de constrangimento tinha como objetivo ‘obter decisão revogando a prisão preventiva e absolvição’ de Carlinhos Cachoeira. Em troca, o suposto dossiê não seria divulgado pela imprensa”, diz a reportagem.

Ao sugerir a publicação do dossiê, Andressa não falou de forma genérica na imprensa. Ela foi específica. Disse com todas as letras que o jornalista Policarpo Júnior era “empregado de Cachoeira” e que as denúncias contra o juiz seriam publicadas na revista Veja – e não em outro veículo. Portanto, se Andressa está indiciada, não há razões para que Policarpo não o seja. Até para que possa se explicar.

Ninguém defende Ricardo Antunes, preso pela polícia do governador Eduardo Campos por tentar “vender” uma noticia de um milhão de dólares (?) ao bacharel em Jornalismo Antônio Lavareda.

Extorsão, chantagem, censura, transformação da imprensa em balcão de negócios, assédio judicial, stalking da polícia e jornalismo marrom podem ser ou não ser crimes. Tudo depende das pessoas envolvidas. Ricardo Antunes é pobre. Um simples blogueiro. Preso permanece, incomunicável.

Catástrofe política ou natural? Chuva no Brasil é tragédia anunciada. A virgindade de Sandy

Chuva nas médias e grandes cidades alaga ruas, dissolve casas alka seltzer, derruba morros, soterra e afoga a plebe rude que prefere a aventura do esporte radical de morar em áreas de risco.

Não é o caos no trânsito provocado pelas greves de professores  que reivindicam o privilégio de receber um salário igual ao de uma empregada doméstica ou de um soldado de polícia de Brasília.

Depois da contagem dos mortos, os costumeiros pedidos de verbas dos governadores. Dinheiro para o enriquecimento rápido dos Noés de cada dilúvio, cujas arcas navegam  águas tranquilas para ancorar nas ilhas fiscais.

Lastimam, os aproveitadores da chuva sem “medida”, o Brasil ser pobre de ciclone, de terremoto, de maremoto. Um vulcão no Rio seria bom para o turismo. Renderia mais que uma copa do mundo, uma olimpíada. O ruim é que o governo não precisava gastar nenhum tostão em superfaturados Coliseus.

Brasil tem mulher furacão. A última foi Denise Rocha.

Originalmente, eram dados aos furacões nomes de santos que foram homenageados no dia em que cada desastre ocorreu. Por exemplo, o furacão Santa Ana de 1825 se formou em 26 de julho, o dia dedicado à santa.

A partir de 1953 , os nomes de furacões são do sexo feminino.  O primeiro de uma  “menina” chamada Maria, heroína do romance  “A Tempestade” (1941) de George Rippey Stewart.

As feministas, em 1979, protestaram. Que os nomes fossem alternados. Sandy – que devastou a cidade símbolo do capitalismo, a desvirginada Nova Iorque – foi o último mundialmente conhecido. Que o próximo seja macho. E todos os nomes masculinos denunciem os  genocidas, ditadores, governantes corruptos e banqueiros que provocaram a atual crise global.

La tormenta tropical Sandy.
¿Catástrofe natural o política?
Diez días después de la tormenta Sandy, más de 730.000 personas seguían sin electricidad en los estados de Nueva York y en Nueva Jersey, y casi 150.000 en la ciudad de Nueva York. Cerca de 50.000 personas se encuentran desalojadas; cientos de miles esperan en el frío para conseguir algo de agua, comida y gasolina de los repartos. Millones de personas se apelotonan dentro de los escasos medios de transporte públicos que están operativos, al tiempo que los ánimos se van enardeciendo; los viajeros se pegan codazos y empujones para poder llegar al trabajo, al colegio o para cumplir con sus obligaciones diarias.

Militarismo en el extranjero y decadencia en casa

Cada año, el gobierno de Estados Unidos gasta más de 800.000 millones de dólares en armas, bases militares en el extranjero (más de 700), carreteras militares, autopistas, puentes, y transporte de tropas; aunque no lo haga público, gasta miles de millones en la financiación de guerras indirectas, mercenarios privados, operaciones de las Fuerzas Especiales, y regímenes marioneta en los cuatro continentes. Los sistemas federal, estatal, y municipal gastan miles de millones en “Seguridad Nacional” y en sus filiales locales destinadas a espiar a 40 millones de ciudadanos estadounidenses, a perseguir a ciudadanos y vecinos musulmanes y a detener, deportar y abrir expedientes a millones de inmigrantes latinoamericanos y asiáticos.

Cuando se trata de movilizar a la flota naval por el Golfo Pérsico para intimidar a Irán, o de suministrar las más modernas armas a Israel, el Pentágono se “compromete con la causa” ipso facto; pero cuando se trata de evacuar a miles de estadounidenses mayores, discapacitados y vulnerables, atrapados en sus apartamentos dentro de altas torres de pisos, sin luz ni calefacción, no se ve a los Marines por ningún lado.

Obviamente, el imperio es “eficiente” en el extranjero, y la seguridad nacional deja mucho que desear en casa.

Leer más

Mensageira do grupo criminoso de Cachoeira

A empresária Andressa Mendonça, 30 anos, tornou-se “mensageira do grupo criminoso” do marido, o bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos , o Carlinhos Cachoeira, de acordo com o Ministério Público Federal em Goiás. A informação foi dada pelo procurador Daniel Resende Salgado, que concedeu entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (30).
Andressa é suspeita de ter tentado chantagear o juiz federal Alderico Rocha Santos, responsável pelo processo da Operação Monte Carlo na Justiça Federal, que culminou na prisão do bicheiro em fevereiro. Nesta segunda, ela foi ouvida sobre essa suspeita pela Polícia Federal.
“A ousadia da companheira de Carlinhos Cachoeira ao chantagear e ofertar vantagem ao juiz federal, somada às galhofas observadas durante a audiência, mostra o desprezo e a afronta de Carlos Augusto de Almeida Ramos e de pessoas ligadas ao capo do grupo criminoso aos órgãos de persecução e ao poder judiciário. A gravidade do fato é latente, uma vez que a chantagem a um magistrado, no exercício de suas atribuições, com o escopo de pressioná-lo a decidir conforme os interesses do preso, é uma afronta ao próprio Estado Democrático de Direito. É fato inadmissível e que deve ser neutralizado, de forma rigorosa, pelas agências formais de controle”, afirmou o procurador.
Na entrevista, Daniel Resende Salgado disse que a organização denunciada pela Operação Monte Carlo continua atuando e afirmou: “É plenamente possível ele [Cachoeira] comandar o grupo, mesmo preso, através dela”.
Inquéritos
Suspeita de tentar chantagear o juiz federal responsável pelo processo da Operação Monte Carlo, Andressa é investigada em dois inquéritos abertos pelo MPF. De acordo com a procuradora Léa Batista, que também participou da entrevista coletiva, serão apurados os crimes de corrupção ativa, em um dos inquéritos, e lavagem de dinheiro, em outro.
Vídeo paródia com a musa de Cachoeira e da CPI

Remédios brasileiros: da cura gay à santificação da quadrilha de Cachoeira ( Vídeo)

Bolsonaro, visto por Latuf
Bolsonaro, visto por Latuf

 

No Brasil tudo é possível.

No Escuta Essa! desta semana, o depoimento polêmico do jornalista que trabalhou na campanha do governador de Goiás Marconi Perillo causou bate-boca na CPI do Cachoeira. E ainda, o Conselho de Ética do Senado aprovou parecer que pede a cassação do senador Demóstenes Torres. Enquanto isso, na Câmara gritos, bate-boca e confusão marcaram a audiência para discutir o projeto conhecido como “Cura Gay”.