Virgindade no Brasil vale 30 mil dólares. Na Austrália, 780 mil

Tudo no Brasil é vendido a preço de banana. Assim aconteceu com os nossos bancos e empresas e indústrias estatais.

O Brasil está à venda. Como acontece com a Espanha em crise.

Fernando Henrique vendeu para lá de 70 por cento de nossas riquezas. Lula e Dilma, o resto.

Qual é mesmo o preço do nosso nióbio?

Nada no Brasil vale nada.

Uma estudante de 18 anos, para salvar a mãe, 57 anos, vitimada duas vezes por Acidente Vascular Cerebral (AVC), a primeira há quatro anos, a segunda há cerca de 2 meses, decidiu vender a virgindade na desconhecida e pequena Sapeaçu, na Bahia.

O jornalista Victor Uchoa detalha a situação dessa pobre família:
“Numa casa simples de quatro cômodos, as duas se viram com uma pensão de um salário mínimo (310 dólares). No quintal, nada se planta. O espaço é ocupado por 13 galinhas e a coelha Vida”.

O lance maior que Rebeca Bernardo recebeu foi 60 mil reais (30 mil dólares). ‘Talvez por esse valor eu aceite, mas espero ainda uma proposta maior”.

Rebeca Bernardo Ribeiro
Rebeca Bernardo Ribeiro

Outra brasileira, a catarinense Catarina Migliorini, jovem de 20 anos, retirante na Austrália, ficou famosa após leiloar sua virgindade por US$ 780 mil (equivalente a mais de R$ 1,5 milhão).

Catarina Migliorini
Catarina Migliorini

Catarina teve a cobertura da imprensa internacional. Rebeca vem sendo apedrejada pelo povo de sua cidade. “Preciso comprar remédios pra minha mãe e pagar fisioterapia. Ela precisa de muitas sessões. Ninguém pode me julgar. Eu tomei minha decisão sozinha e pronto”, argumenta a meiga jovem.

Neste Brasil de 500 mil prostitutas infantis quem pode atirar a primeira pedra? Principalmente na miserável e desgovernada Sapeaçu.

Relata Victor Uchoa: “Após a divulgação do vídeo, a moça é obrigada a conviver com zombarias como a das moedas voadoras e incontáveis chacotas. ‘Já me ofereceram R$ 1,99. Teve um que escreveu que dava cinco centavos e queria o troco. Não tá vendo essas moedas aí? Pelo menos já tenho 50 centavos”.

O dinheiro do município de Sapeaçu é para pagar o salário do prefeito, do vice e vereadores. É a cidade do nada tem. Falta tudo. Inclusive hospital.

É injustificável a lapidação de Rebeca. Morre a mãe, ela vai ser apenas uma jovem sozinha neste Brasil cruel.

Sessenta mil reais representam quantos anos de salário mínimo?

O governador da Bahia nem aí para o caso. Que retrata uma realidade sombria de um país em crise dos vendedores de órgãos para transplante.

Não se faz nada que preste para o povo. A corrupção e a ganância das elites não permitem. O estado mínimo está todo sucateado. A violência de todos os dias em todas médias e grandes cidades sinaliza um Brasil em guerra. O desespero do povo desempregado, e com fome, e aceitando salário humilhante para trabalhar como escravo sem pano e sem pão. Pau tem demais da polícia violenta. Na escravidão o negro tinha os três pês. Restou apenas um. Reclamou o pau canta.

Rebeca Ribeiro
Rebeca Ribeiro

Fotogaleria de Catarina

As motivações de Rebeca e Catarina são diferentes: “Só quero ajudar minha mãe, que está doente numa cama”, diz Rebeca. Para os falsos puritanos pergunto: Quantas meninas de 18 anos continuam virgens neste Brasil? Que atirador de pedras e moedas, em Sapeaçu, ajuda a mãe de Rebeca?

Ela fez o vídeo do leilão logo depois do segundo AVC da mãe. Foi mais um gesto de desespero.

Não confundir o tráfico humano com imigração ilegal

O tráfico de pessoas não se reduz à prostituição, à violência de género e à imigração irregular.”Há tráficos consoante a forma de exploração: migrantes irregulares para trabalho, pessoas exploradas sexualmente, crianças subjugadas por familiares para a adoção, seres humanos para o comércio de órgãos e crentes manipulados para fins religiosos, uma realidade emergente”. Leia mais

Tráfico de crianças não é lenda urbana

Tráfico de órgãos não é lenda urbana. Principalmente sequestro de crianças.

Acontece principalmente em países pobres. A imprensa dá pouco destaque. Notadamente a imprensa do primeiro mundo, ponto de venda de órgãos.

Primeiro os transplantes acontecem nos países que possuem medicina de vanguarda. Segundo as crianças são pobres. Crianças pobres de pais pobres e de países pobres ou emergentess, países governados por corruptos.