Brasileiros desembolsaram mais de 21 bilhões de dólares em viagens internacionais até outubro deste ano, quase dez vezes mais do que em 2002

por Frederico Rosas/ El País

 

Jarbas Domingos
Jarbas Domingos

Os gastos dos brasileiros em viagens ao exterior têm batido recordes contínuos, apesar da desaceleração da economia e da alta do dólar frente ao real. Entre 2002 e 2012, aumentaram quase dez vezes. A renda elevada e a baixa taxa de desemprego poderiam explicar esse fenômeno. Mas outros componentes ganham força, como os altos preços de produtos no país, que têm feito com que a Flórida, nos Estados Unidos, esteja entre os destinos mais procurados.

Em outubro último, os gastos dos brasileiros em viagens ao exterior chegaram a 2,314 bilhões de dólares (5,3 bilhões de reais), segundo os dados mais recentes do Banco Central, quase 11% a mais do que no mesmo mês do ano passado, um recorde. Desde janeiro, os brasileiros desembolsaram 21,2 bilhões de dólares desde janeiro lá fora. Tudo indica que até o final do ano, os gastos com viagens internacionais vão superar o resultado de 2012, quando turistas brasileiros deixaram em lojas, restaurantes, museus e afins o equivalente a 22,2 bilhões de dólares.

Orlando e Miami, no estado norte-americano da Flórida, estiveram entre os três destinos mais procurados por brasileiros no exterior no fechamento do primeiro semestre, segundo o estudo Hotel Price Index (HPI), realizado pelo portal Hoteis.com. As duas cidades já parecem íntimas dos brasileiros, ofertando, além de atrações turísticas, um paraíso para o consumo a preços convidativos. Levantamento da imobiliária Elite International Realty em setembro afirmava que um apartamento no Rio de Janeiro e em São Paulo, por exemplo, podia chegar a custar até 60% mais caro que em Miami.

“Temos um país em que os produtos são muito caros. O Playstation é o mais caro do mundo, o iPhone é o mais caro do mundo. Nos EUA é difícil pensar em algo mais caro e com qualidade menor”, afirma Samy Dana, o professor da Escola de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV). “Com a diferença de preço de um Playstation entre os dois países, o turista paga a viagem”, avalia.

O videogame da Sony nos Estados Unidos custa o equivalente a 930 reais (399 dólares), enquanto no Brasil ele vale 4 mil reais (ou 1.713 dólares).

Trata-se de um contrassenso, no qual o consumidor brasileiro tem dinheiro para gastar, mas prefere fazê-lo lá fora, em vez de comprar aqui dentro. Enquanto isso, o Produto Interno Bruto (PIB) se retraiu 0,5% no terceiro trimestre. O boletim Focus do Banco Central, que reúne previsões dos bancos e consultorias sobre a economia, estimou na última segunda-feira que o país deverá crescer por volta de 2,3% no total de 2013.

“Devíamos nos perguntar por que somos tão caros, e não fazer com que os produtos de outros países fiquem mais caros com impostos aqui dentro”, completa Dana.

A moeda norte-americana, por sua vez, acumula alta de cerca de 14% em comparação ao real em 2013, o que, em teoria, dificultaria a vida dos que pensam em sair do país e gastar durante as viagens. “Mas a renda no Brasil está elevada, somada a um desemprego baixo, o que estimula a tomada de crédito”, explica, por sua vez, o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito.

O desemprego no país caiu para 5,2% em outubro, menor taxa para esse mês desde 2002, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Perfeito acrescenta que uma maior segmentação do setor de turismo e os cartões pré-pagos em moeda estrangeira também serviram como incentivos recentes às viagens dos brasileiros ao exterior.

A contrapartida, porém, está muito desfavorável para o Brasil. Os gastos dos estrangeiros no país foram de 5,57 bilhões de dólares entre janeiro e outubro deste ano, um quarto do que os brasileiros gastaram lá fora nesse período.

O apagão das privatizações de Fernando Henrique

Todas as cidades estão “iluminadas” com postes de luz bunda de vagalume. A cada noite as ruas ficam mais escuras. É o reino das trevas.
Dos apagões parciais – de parte de uma cidade.
E do apagão total.
Até Dilma Rousseff fica sem luz.