Racionamento d’água em São Paulo: Incompetência dos sucessivos governos tucanos

BRA^SP_METSP sao paulo sem água

 

Escreve Ana Cecilia da Costa e Silva: “Dentre os grandes temas da atual agenda sócio-econômica mundial, está a questão da escassez de água potável.

Hoje, dos 6 bilhões de habitantes, 1,1 bilhões não têm acesso à água doce, que inclui a água potável para higiene pessoal e irrigação e produção de alimentos. O último relatório para o desenvolvimento das Nações Unidas prevê que até 2050, 45% da população mundial não terá acesso à quantidade mínima de água para atender suas necessidades básicas de ingestão e para produção de alimentos se mantidas as atuais taxas de crescimento do produto e da população (PROGRAMA, 2006).

As reservas mundiais de água doce estão concentradas em poucos países: Brasil, Rússia, China e Canadá. Cabe a esses países desenvolver tecnologia que permita, ao mesmo tempo, captação e preservação dos mananciais dessa água, já que a quantidade de água doce disponível no planeta é a mesma há 100 milhões de anos e é um bem não renovável (ECO, 2007).

Nesse sentido, o comércio internacional ganha fôlego, considerando que a troca de bens escassos sempre foi tema de discussão na economia internacional”.

O Brasil tem pouco mais de 13% de toda a água doce do planeta. Os desafios são: reduzir o enorme desperdício domiciliar, industrial e agrícola; acabar com a contaminação dos rios e lagos e, quem sabe um dia, conseguir cobrar alguma coisa pelo item mais nobre da nossa balança comercial. E acabar de vez com o tráfico internacional de água, com a desnacionalização do comércio de abastecimento  das cidades, inclusive de água engarrafada. A safadeza é tão grande que empresas multinacionais usam garrafas e botijões de plástico.

Graças à localização intertropical, ao clima e à geologia, o Estado de São Paulo tem abundância de água superficial e subterrânea. O racionamento por falta de chuvas parece piada. Quando várias cidades reclamam das enchentes.

As águas subterrâneas e os aquíferos são bem explorados pelos piratas estrangeiros. E faltar água é incompetência tucana.

Estudo realizado em 2005, pelo governo de São Paulo: A chuva média plurianual que ocorre no território de SP é da ordem de 1380 mm/ano ou 10.800 m3/s. Deste total, apenas 30% (3120 m3/s) constituem a vazão média que escoa pelos rios. Uma parcela desta vazão média constitui o chamado escoamento básico, isto é, o volume de águas subterrâneas que, na fase terrestre do ciclo hidrológico, mantém o nível de base dos rios durante o período seco; corresponde a 40% (1280 m3/s) do escoamento total.

A demanda atual por água superficial é da ordem de 350 m3/s, assim repartida:

• abastecimento público: 110 m3/s

• uso industrial: 93 m3/s

• irrigação: 143 m3/s

• uso doméstico rural: 4 m3/s

 

 

Belo Horizonte esquece as 22 mortes das enchentes e reza para não chover hoje para festejar a virada de ano

Belo Horizonte. Moradores de três prédios foram obrigados a deixar os imóveis. Foto João Henrique do Vale
Belo Horizonte. Moradores de três prédios foram obrigados a deixar os imóveis. Foto João Henrique do Vale

 

Subiu para 22 o número de mortes confirmadas devido às chuvas que atingiram Minas Gerais nos últimos dias. Um corpo foi encontrado em Virgolândia (357 km de Belo Horizonte), na região do Vale do Rio Doce. Segundo a Defesa Civil, a identidade da vítima ainda não foi confirmada. Essa foi terceira morte registrada no município, onde, na última sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff sobrevoou o local.

Mais de 12 mil pessoas tiveram que sair de suas casas em Minas. Dessas, 3.015 estão em abrigos. As demais foram acolhidas por parentes e amigos.

Doença

No Espírito Santo, outro Estado que sofre com as chuvas nas últimas semanas, a secretaria da Saúde investiga a primeira morte por suspeita de leptospirose, doença transmitida através do contato com água e lama contaminada por uma bactéria presente na urina de ratos.

O caso foi registrado no sábado, na Grande Vitória. Segundo a secretaria, exames preliminares apontaram a suspeita de que a morte tenha ocorrido devido à doença.

Um novo exame foi enviado à Fiocruz para confirmar o diagnóstico. O resultado deve sair em até 30 dias. A identidade da vítima não foi divulgada.

A gerente de vigilância em saúde, Gilsa Rodrigues, afirma que a leptospirose é uma das maiores preocupações após as fortes chuvas no Estado.

Ela pede que a população fique atenta a sintomas como febre, dor no corpo, mal-estar, vômito, diarreia e dor de cabeça. “Na presença desses sinais, as pessoas precisam procurar imediatamente os serviços de saúde”, diz.

A secretaria também alerta para a possibilidade de doenças como hepatite A, febre tifoide e diarreia. Outra preocupação é a dengue -só neste ano, antes das chuvas, o Estado registrou 80 mil casos suspeitos, contra 54 mil em 2011.

22 mortes anunciadas. Mais do que previstas para dias de chuva. As novidades de Minas Gerais são festivas.

Uma rua de BH
Uma rua de BH

Na contagem regressiva
Réveillon da Alterosa na Pampulha traz novidades e espera público recorde
São esperadas mais que as 300 mil pessoas que foram à orla da Pampulha em dezembro passado

por Eduardo Tristão Girão

Show de fogos da Alterosa vai colorir os céus de BH
Já virou tradição: na virada do ano, quem está em Belo Horizonte e quer ver um belo show de fogos segue sem pestanejar para a orla da Lagoa da Pampulha. Na noite de terça-feira, o 24º Réveillon da TV Alterosa vai enfeitar o céu da capital mineira, com efeitos que prometem impressionar pela variedade de cores e formas. Para esta que é a grande festa pirotécnica do país em termos de diversidade (será também a maior da história do evento), é esperado um público recorde.

Todos os tipos de fogos existentes foram providenciados para a festa. Serão acionados de balsas e numa base em terra, com impressionantes 155 efeitos e cores variadas. Cakes e morteiros de até 10 polegadas, aéreos e aquáticos vão enriquecer o espetáculo. Este ano, o público poderá observar novas bombas, como a peixe verde, a lanterna japonesa, as abelhinhas prateadas, 1.000 cores, 1.000 palmeiras, carinha feliz, folhas de outono, flor de minas, cascata, maracá e leque, além do duplo coração, pensado para os apaixonados.

Serão 15 minutos de queima de fogos, de seis balsas espalhadas pelo espelho d’água da lagoa, entre a Igreja São Francisco de Assis e o vertedouro, e num ponto em terra, na Avenida Otácilio Negrão de Lima, próximo ao Museu de Arte da Pampulha. O formato segue padrão autorizado pelo Corpo de Bombeiros e é considerado o maior espetáculo pirotécnico embarcado em lagoa do Brasil, dividido em momentos especiais para os mineiros, com fogos que parecem abraçar o público.

“2014 será show de bola” é o tema desta edição do Réveillon da Alterosa. Por isso, o espetáculo de fogos terá as cores da bandeira nacional, com o verde simbolizando as matas e florestas, o amarelo representando o ouro e as riquezas, o azul exprimindo o céu e o branco enaltecendo o sentimento de paz. Corações e caras felizes farão, em efeitos especiais no céu, homenagem ao sentimento de união das famílias.

Os campeões mineiros deste ano no futebol também terão momentos distintos para comemoração. Chuva de prata para o Atlético Mineiro e estrela azul para o Cruzeiro, homenageando as importantes conquistas esportivas dos dois clubes. Bombas douradas vão representar o povo de Minas e será reservada para o final apoteótico o vermelho, cor compartilhada pela bandeira do estado e a logomarca da TV Alterosa.

 

Os despejados de Eduardo Campos em Ipojuca

Em Pernambuco, as escolas públicas são os abrigos provisórios dos retirantes da seca, flagelados das chuvas e despejados da justiça. Os estudantes ficam sem aula, e o governo nem aí. Fosse uma greve de professores, logo apareceria a polícia com suas armas letais: bombas de gás, balas de borracha, pistolas laser. Eis o lema da justiça: as greves de professores e estudantes não podem prejudicar o ano letivo.

Um exemplo, entre muitos:

Removidos de terreno localizado em Porto de Galinhas, Ipojuca, homens, mulheres e crianças vivem em ginásio

Os despejados: crianças sem lar, sem creche, sem escola, sem nada, são jogadas no Ginásio Municipal de Ipojuca, que virou depósito humano
Os despejados: crianças sem lar, sem creche, sem escola, sem nada, são jogadas no Ginásio Municipal de Ipojuca, que virou depósito humano

Os desenhos colados na principal parede do Ginásio Municipal de Ipojuca, Grande Recife, resumem do apelo feito por 28 famílias que vivem no local. Denominado mural dos sonhos, o espaço foi decorado com papéis que expressam a esperança das crianças que residem no espaço improvisado. Todos revelaram o desejo de voltar a ter uma casa. As famílias estão desabrigadas há dois meses, depois ter sido retiradas de um terreno de 103 hectares, pertencente ao governo do Estado, na Praia de Porto de Galinhas, batizado de Vila do Campo.

Enquanto os despejados esperam alguma solução do poder público, na quadra coberta o sentimento é unânime: todos afirmam que foram esquecidos.

A desocupação aconteceu no dia 19 de março. A reintegração de posse terminou em muita confusão e na derrubada de 156 casas da comunidade, construída às margens da estrada que liga Porto de Galinhas a Maracaípe. A ordem foi assinada pelo juiz da Vara da Fazenda de Ipojuca, Haroldo Carneiro Leão Sobrinho. Os moradores protestaram e tentaram impedir a ação dos policiais, mas não conseguiram.

No dia da operação, quem não tinha para onde ir foi transferido para o ginásio de Ipojuca. Muitos continuam no local, porque estão sem emprego e sem um lugar para se abrigar.

É o caso de Mônica dos Santos Lima, de 38. Há 13 anos, ela morava na Vila do Campo com os cinco filhos, entre 5 e 21 anos. “Nos tiraram de lá mas não se preocuparam em saber para onde nos mandar. Agora, vivo aqui, nesse espaço improvisado. Esperando a boa vontade de alguém que possa nos ajudar”, disse.

A estrutura do ginásio é precária. O lugar apresenta vazamentos na cobertura e em dias de chuva a água invade o espaço. Outro problema é a falta falta de água nos dois únicos banheiros. “Uma das crianças, que chegou aqui recém-nascida, teve que ir embora. Começou a ficar cansada e a gripe virou uma pneumonia”, afirmou o ambulante Eduardo André. A Prefeitura de Ipojuca ajuda com a oferta de caminhões-pipa. A água é usada para cozinhar, beber e tomar banho.

No terreno de onde foram retiradas as famílias, sobraram apenas destroços das casas e o silêncio. Nada mudou e nem houve a colocação de cercas ou qualquer tipo de ação para impedir novas ocupações.

A Prefeitura de Ipojuca informou que cedeu o ginásio para que as famílias possam ficar até terem um lugar para onde ir. A Companhia de Habitação de Pernambuco (Cehab) informou que não tem responsabilidade sobre as pessoas que estão morando no local. (Texto do jornalista João Carvalho. Acrescentei legendas, título e comentários. T.A.).

Ipojuca é o segundo maior PIB de Pernambuco, depois do Recife. Não sei para onde vai tanto dinheiro. E também, ninguém sabe para que diabo o governador Eduardo Campos quer o terreno.

Eduardo Campos vai ficar na história de Pernambuco como  o governador dos despejos. Diferente de Marco Maciel que, em três anos e dois meses de governo, construiu cem mil casas populares.

Na rua, os despejados de Ipojuca
Na rua, os despejados de Ipojuca

Os governos de Sérgio Cabral e Eduardo Paes debaixos d’água

Maracanã hoje. É rezar para uma Copa do Mundo sem chuva. A reformou comeu mais de um bilhão... Dinheiro rasgado e molhado. Jogado na lama
Maracanã hoje. É rezar para uma Copa do Mundo sem chuva. A reformou comeu mais de um bilhão… Dinheiro rasgado e molhado. Jogado na lama

Falta pouco para a expressão “imagina na Copa” perder o sentido. A população do Rio de Janeiro, no entanto, ainda não tem razões para crer que problemas históricos, como as inundações causadas pelas chuvas de verão, os engarrafamentos, os arrastões na praia ou a penúria dos aeroportos estarão resolvidos a tempo do Mundial de 2014 – nem da Olimpíada de 2016. Particularmente em relação à chuva, não há mais esperanças: obras recém-inauguradas na cidade não resistiram ao primeiro temporal de verão e estão na mesma situação de prédios degradados, ruas esburacadas.

Símbolo da nova era da cidade, o recém-inaugurado estádio do Maracanã, o “novo Maracanã”, foi fotografado nesta quarta-feira como uma imensa nave boiando num espelho d’água turva na região da Grande Tijuca. O estádio foi reformado ao custo de 1 bilhão de reais, com o entorno também revirado para a adequação das galerias, redes de esgoto e toda a infraestrutura necessária para uma obra padrão Fifa. As obras de agora, no entanto, ainda parecem insuficientes para garantir que a região resista aos temporais de todo verão.

Outra obra finalizada recentemente também amanheceu alagada: o complexo Cidade da Polícia, no Jacaré, que passou a abrigar treze delegacias especializadas e a Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), tropa de elite da Polícia Civil do Rio de Janeiro. A área da cantina passou parte do dia com alguns palmos de altura de inundação. O estacionamento de viaturas ficou alagado e policiais temem que tenham sido danificadas picapes utilizadas em operações. A água é mais um problema para quem trabalha na Cidade da Polícia: policiais relatam que a falta de luz é uma constante no local.

Na Baixada Fluminense, mais um exemplo de obra recente que parece não estar preparada para as chuvas: como mostrou reportagem do site de VEJA, desde a quinta-feira da semana passada cerca de 100 apartamentos dos andares térreos do Condomínio Parque Valdariosa – que tem 1.500 unidades – foram invadidos pela água da chuva. Este é o maior empreendimento do Minha Casa, Minha Vida na Baixada. Nesta quarta-feira, o problema se repetiu: os apartamentos ficaram alagados pela água que retornava pelos ralos e vasos sanitários.

O condomínio foi construído para receber famílias de baixa renda, parte delas removidas de áreas com risco de deslizamento ou de enchentes. De acordo com o prefeito de Queimados, Max Rodrigues Lemos, engenheiros da Construtora Bairro Novo, que construiu os apartamentos, estão vistoriando o sistema de drenagem do condomínio para verificar se houve obstrução ou outro problema, como quebra de manilhas ou uso de manilhas menores do que o necessário.

“Existe um problema na drenagem do condomínio, segundo a construtora. De acordo com a empresa, foi um problema na execução. A construtora pediu uma semana para fazer um diagnóstico detalhado e apresentar um relatório. E se comprometeu a realizar as mudanças necessárias”, disse Lemos, após reunião com representantes da Bairro Novo e da Caixa Econômica Federal. Reportagem da revista Veja. Transcrevi trechos.

brasil-rio-de-janeiro-enchente2

A CIDADE POLICIAL DE “SEU” CABRAL

cidade da polícia1

Localizada próximo à Linha Amarela e na interseção das comunidades de Manguinhos e Jacarezinho, o governador Sérgio Cabral levantou a Cidade da Polícia, um complexo de 66 mil metros quadrados, inicialmente orçado em 72 milhões.

Grande parte da Cidade  ocupa os antigos galpões da Souza Cruz, mas as instalações do setor de segurança e controle, do estande de tiros, do canil e do Esquadrão Antibombas, além do quiosque, da quadra poliesportiva e da cabine de medição, são construções novas. No total, 25,5 mil metros quadrados de área construída, sem considerar as obras complementares a serem licitadas.

Três prédios já estão prontos: o setor de segurança e controle, o estande de tiros e a Unidade de Monitoramento e Inteligência (UMI). Esta última é a terceira maior unidade da Cidade de Polícia, com quase cinco mil metros quadrados de área construída e com dois pavimentos, onde se concentrarão sistemas e equipamentos dos mais modernos do mundo.

Os outros blocos do complexo estão com 55% de obras já executadas. A maior estrutura do complexo é o Pavilhão Central que tem quatro blocos e 8,8 mil metros quadrados de área construída. O pavilhão vai abrigar uma central de armamentos e as seguintes unidades especializadas: Decon (Delegacia do Consumidor); DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática); DDEF (Delegacia de Defraudações); DELFAZ (Delegacia Fazendária); DRF (Delegacia de Roubos e Furtos); DCOD (Delegacia de Combate às Drogas); DFAE (Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos); DC-Polinter (Divisão de Capturas – Polícia Interestadual); DRFA (Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis); DDSD (Delegacia de Defesa de Serviços Delegados); DRCPIM (Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial); DPMA (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente); e DRFC (Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas).

Segundo maior prédio do complexo, a Central de Flagrantes, com 5,3 mil metros quadrados de área construída, concentrará todos os registros das delegacias especializadas e o efetivo da Coordenadoria de Operações Especiais (Core). Com metade da reforma pronta, a nova unidade aproveitou apenas a fachada de um antigo prédio. Toda a parte interna está sendo refeita. Aos fundos, foi construída a nova sede do Esquadrão Antibombas.

Logo após a portaria, fica o bloco social, um prédio antigo que está sendo reformado para acolher o setor de triagem, a área administrativa, uma enfermaria, o refeitório e uma cozinha industrial. Ao lado, estão a quadra poliesportiva e o quiosque,com uma área de convivência, que já estão prontos.

Parte das obras complementares, um prédio entre a UMI e o Pavilhão Central será reformado para abrigar a Semat (depósito destinado à guarda de material e equipamentos) e o setor de treinamento, inclusive com a construção de uma favela cenográfica para simular situações de confronto. Que os favelados são os principais inimigos das polícias civil e militar do governador Sérgio Cabral, conforme a estratégia de guerra interna criada pelo general Golbery.

cidade da polícia

Quantos brasileiros vão morrer de frio neste inverno?

BRA^SC_NDOD frioBRA^SP_CDF frio povoBRA_FDL e o povo frio

Publica o Portal Terra: Enquanto turistas festejam a chegada da neve na região serrana de Santa Catarina, o frio extremo começa a causar os primeiros estragos no Estado. Aulas foram suspensas, uma cidade decretou situação de emergência e  um morador de rua morreu em decorrência das temperaturas baixas. Em Biguaçú, cidade localizada na região metropolitana de Florianópolis.

Informa o Correio Braziliense: No município de Sinimbu, no Rio Grande do Sul, um homem de 53 anos foi encontrado morto em uma propriedade rural.

Quantos já morreram de frio, eis a pergunta neste Brasil de moradores de rua, de sem teto, de sem terra e favelados?

O Jornal do Comércio do Recife, compadecido e alarmado, faz uma longa reportagem: O vento forte e a queda na temperatura causaram a morte de pelo menos 40 mil pintinhos desde o início da semana em granjas da região de Sorocaba. Confira o relato do piedoso e matemático jornalismo.

BRA^MG_FDM frio hospital

De acordo com o diretor responsável pelo setor de Urgência e Emergência da Santa Casa, em Passos, Minas Gerais, o médico José Ronaldo Alves, nesse período de inverno, o crescimento verificado é de até 40% nos atendimentos hospitalares.

Gripe, resfriado, pneumonia, sinusite, bronquite e outras doenças respiratórias são bastante comuns. Verifica-se, também, crescimento das doenças cardíacas como os infartos. As crianças e os velhos são as principais vítimas.

chuva enchente capitalismo charge

Quando as chuvas desabam pontes, casas, os governadores, que nunca realizam obras para evitar as tragédias anunciadas, correm para Brasília a choramingar milhões de reais. E, pelo visto e não visto, constroem cidades invisíveis e castelos no ar. É uma dinheirama que a chuva lava.

Que tem muita gente com frio, tem. Eis a prova:

Solidariedade e protesto nos seis meses da tragédia em Santa Maria

Familiares e amigos das 242 vítimas entregarão agasalhos

A manhã ensolarada deste sábado – dia em que a tragédia da boate Kiss completa seis meses – foi marcada por atos em homenagem às 242 vítimas do incêndio de 27 de janeiro, em Santa Maria. Por volta das 10h, familiares e amigos das vítimas começaram a se encontrar na Praça Saldanha Marinho e no Calçadão Salvador Isaía. O ato começou às 11h e o clima colaborou, com temperatura de 14ºC e sol a pino.

Os autores da homenagem estavam de preto, simbolizando luto. Entre os assuntos das conversas, relatos de saudosismos contrastavam com um sentimento uníssono de indignação e de perplexidade, pela soltura dos dois proprietários da casa noturna e dos dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira.

O protesto foi organizado por membros da Associação dos Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia em Santa Maria (AVTSM). Desta vez, mesclado com solidariedade. Peças de roupas das vítimas estão sendo arrecadadas para doação à comunidade. São peças de inverno, agasalhos e casacos na maioria, que formam um kit. As vestimentas foram depositadas em caixas junto a uma barraca, que marca o ponto de encontro mensal dos parentes dos mortos no incêndio.

O grupo, de cerca de 60 pessoas, vestindo túnicas pretas saiu em caminhada pelo Calçadão e ruas centrais da cidade. Ao longo do trajeto, eles pedem doações de roupas e alimentos.

inundação enchente chuva

INUNDACIONES, FALTA DE INVERSIONES Y ESPECULACION INMOBILIARIA SON LOS PRINCIPALES PROBLEMAS

Los grandes centros urbanos constituyen ámbitos significativos para el crecimiento económico y la gobernabilidad. A la vez, la pobreza urbana, la segregación socioespacial y desequilibrios de distinta naturaleza adquieren mayor intensidad en esos espacios

rec

Por Rodrigo Carmona

Las últimas inundaciones producidas en la Ciudad de Buenos Aires y La Plata han puesto en cuestión un modo de gestionar y gobernar ciudades en la Argentina. Las trágicas consecuencias del temporal, donde se combinan factores diversos –especulación inmobiliaria, falta de inversiones claves en infraestructura, mayor intensidad de precipitaciones, ausencia de planificación urbana y de un sistema eficaz de mantenimiento y contingencia–, dan cuenta de la necesidad de replantear las formas de intervención pública en la materia. Hacer frente a problemas de gran envergadura y complejidad, en este caso vinculado a desastres naturales aunque también extensivo a otras áreas sensibles (seguridad, situación socioeconómica, contaminación ambiental, residuos y transporte), aparece como uno de los retos fundamentales que tienen los centros urbanos y áreas metropolitanas en la actualidad.

Ello muestra una tendencia general expresada en importantes migraciones hacia los núcleos urbanos grandes y medianos. Este proceso se manifiesta con claridad en las áreas metropolitanas tradicionalmente receptoras y en ciudades medianas con crecimiento fuerte en los últimos años.

Las ciudades se convierten así en portadoras de distintos cambios y contradicciones, producto de los procesos de transformación en curso. Por un lado, estos territorios constituyen ámbitos significativos para el crecimiento económico y la gobernabilidad. Por otro, fenómenos tales como la pobreza urbana, la segregación socioespacial y desequilibrios de distinta naturaleza adquieren mayor intensidad en este tipo de espacios. Según destacan algunos autores, en el debate sobre políticas urbanas es posible identificar distintas tendencias de cambio e innovación. En primer lugar, frente a las políticas de carácter homogéneo y generalista en el tratamiento de los problemas urbanos se resalta la importancia puesta en reconocer las especificidades de los territorios de modo de adaptar las agendas y las formas de intervención a las particularidades de cada lugar. Al mismo tiempo, se enfatiza en la voluntad de propiciar procesos de transformación sobre la base de un enfoque estratégico que combine diagnóstico, prospectiva y actuaciones desde una lógica de tipo transversal e intersectorial. Se pone el acento también en el despliegue de redes e interacciones entre los múltiples actores –gubernamentales y sociales– involucrados en el territorio. Estos aspectos resaltan así una nueva concepción de política urbana centrada en fortalecer los elementos de proximidad y de participación de los actores implicados.

La situación existente en gran parte de las ciudades muestra en general gobiernos con escasas acciones innovadoras. Para ello confluyen debilidades administrativas e institucionales de larga data, problemas de coordinación intergubernamental, liderazgos políticos poco trasformadores e inconvenientes en el plano de la articulación con los actores sociales y la canalización de sus demandas. El análisis de estos factores, igualmente, varía según la historia y particularidades de cada urbe.

Una impronta política restrictiva en términos de regulación y control (con fuerte primacía del negocio inmobiliario), un nivel de asistencia deficiente a los damnificados y limitaciones claras en la contención de la crisis (incluida la ausencia de sus principales autoridades), fueron así las postales distintivas de la inundación en esos distritos. Leer más