São Paulo não pode parar… os ladrões!

br_diario_comercio. A polícia de sampa

Atualmente, em efetivo, a Polícia Militar de São Paulo é a maior polícia do Brasil, e a terceira maior instituição militar da América Latina, contando com cem mil soldados estaduais.

A Polícia Civil do Estado de São Paulo dispõe de 40 mil e 663 integrantes.

Além de ter os serviços de diferentes empresas privadas de segurança, contratadas a peso de ouro, o governador Geraldo Alckmin comanda mais de 140 mil soldados e policiais, e a criminalidade só faz crescer, crescer.

Zop
Zop

São tropas treinadas para reprimir o povo, e que possuem as mais modernas armas. O povo, nas passeata e greves, conhece o poder de fogo da polícia de Alckmin.

Tem bombas de gás lacrimogêneo, de efeito moral, balas de borrachas, balas de chumbo, canhões d’água, choque elétrico, cacetadas, mordidas de cachorro e patadas de cavalo.

Para pegar ladrão, falta gente e jeito, apesar de ser uma das mais violentas polícias que se conhece.

 Newton Silva
Newton Silva

Por que os despejos no Brasil são com armas letais?

Imagem símbolo da Chacina de Pinheirinho
Imagem símbolo da Chacina de Pinheirinho

 

Todo despejo é desumano, e (pasmem!) tem que ser autorizado por um juiz.

O mundo civilizado condena os despejos involuntários, que jogam milhares e milhares de famílias nos quintos do inferno.

Nesta Copa do Mundo, governadores e prefeitos solicitaram – e foram prontamente atendidos pela justiça – a demolição de mais de 250 mil casas, no País dos Sem Teto.

Mas antes da Copa haviam despejos, rememore a chacina de Pinheirinho, comandada pelo presidente do maior tribunal do mundo, o de São Paulo, com 360 desembargadores. Isso para beneficiar um doleiro, um especulador imobiliário.

Depois da Copa os despejos continuarão, que o Brasil desconhece o que seja Justiça Social.

Todo lar é sagrado.

A sociedade e a família se parecem ao arco de um palácio; tiras uma pedra e tudo se derruba. El Talmud

Jesus, ao encarnar-se na casa de María e José, manifestou e consagrou a família como santuário da vida, e célula fundamental da sociedade. Juan Pablo II

 

novo pinheirinho

 

DESALOJO COM “ARMAS LETAIS”

Una jueza dejó en suspenso el desalojo de la toma por el desacuerdo entre la Metropolitana, que proponía la participación de efectivos con armas de fuego, y la Federal, que lo consideró “un atentado a la razón y una falla táctica”.

 

por Eduardo Videla
La Justicia porteña decidió dejar en suspenso el desalojo del asentamiento Papa Francisco, en Villa Lugano, ya que la Policía Metropolitana y las fuerzas federales no se pusieron de acuerdo en la forma de abordar el operativo: la fuerza porteña proponía que parte de sus hombres utilizaran armas letales, a lo cual se opuso la conducción de la Policía Federal. “No repetir experiencias trágicas ni senderos que ya se demostraron errados es un acto de racionalidad y de prudencia. No resulta un tema menor el desacuerdo respecto del empleo de armas de fuego en la ejecución de un desalojo de estas características”, evaluó la jueza María Gabriela López Iñíguez, haciendo expresa referencia a lo ocurrido en el Parque Indoamericano, en 2011, al rechazar un nuevo pedido de la fiscalía para que ejecute el desalojo. La jueza también rechazó, con durísimos argumentos, la pretensión de que la causa pase al fuero Penal nacional porque –según la fiscalía– se habrían cometido, además del delito de usurpación de las tierras, los de asociación ilícita, tenencia de armas e infracción a la ley de drogas, ilícitos sobre los cuales el fiscal “no ofreció ninguna prueba”.

López Iñíguez, jueza en lo Penal, Contravencional y de Faltas de la Ciudad, adoptó esas decisiones en respuesta a una doble presentación del fiscal Carlos Rolero: el funcionario pidió, por un lado, que se dicte una nueva orden de desalojo del predio tomado el 24 de febrero último, y por otro, le reclamó a la jueza que se declare incompetente, ante la posibilidad de que se hubieran cometido delitos que son de competencia de la Justicia nacional.

De acuerdo con el fallo, que difundió el Departamento de Información Judicial del Consejo de la Magistratura porteño, la jueza subrayó la necesidad de no frustrar el avance del proceso de desalojo pacífico del predio, en el cual trabaja su colega, la jueza en lo Contencioso Administrativo y Tributario Elena Liberatori. Esta magistrada dispuso realizar un censo habitacional en el predio tomado así como en la Villa 20, en el marco de la causa por el cumplimiento de la Ley 1770, de saneamiento y urbanización de ese barrio. El censo se llevó a cabo días atrás y arrojó que en predio tomado viven 1900 personas.

En la resolución, la jueza sostiene la existencia de una “contradicción” en el planteo de incompetencia impulsado por la fiscalía: por un lado, se pide el cambio en la calificación legal –de un delito de “usurpación”, de competencia local, a “asociación ilícita”, “estafas”, “extorsión”, y “malversación de caudales”, entre otros delitos de competencia de la Justicia nacional–, y por otro, a Marcelo Chancalay, el único detenido en la causa, se le imputa sólo el delito de usurpación del predio tomado a partir del 24 de febrero de 2014. “No logra comprenderse por qué (el fiscal) no intimó a uno de los principales imputados de la causa en orden a tales supuestos típicos. Esto sólo, a mi modo de ver, ya debería señalarnos que la pretendida incompetencia no puede tener favorable acogida, por resultar cuanto menos infundada y prematura.”

En la sentencia también se resalta que “el fiscal no ofreció ni una sola prueba” que sostenga la hipótesis de existencia de una asociación ilícita, y remarca que “ni los allanamientos; ni las escuchas telefónicas; ni la declaración del único imputado; ni los testigos que fueron escuchados (en general, de modo informal y sin control de las Defensas) abonan esta hipótesis”.

Para López Iñíguez, resulta “temeraria” la descripción de los hechos realizada por el fiscal, quien pretende un cambio de competencia argumentando que “dentro del predio existiría una violación a la Ley 23.737 (de drogas)” y que “no pude descartarse la autoría de alguno de los imputados en esos delitos” (ya mencionados). Para la jueza, los argumentos del fiscal son “una forma de derecho penal de autor basada en un prejuicio por pertenencia socioeconómica”.

Finalmente, la jueza abordó el pedido de libramiento de una nueva orden de desalojo, formulada por el fiscal el 13 de mayo, la misma fecha en la que se planteó la incompetencia. Sobre este punto, la magistrada menciona que en el Plan Estratégico diseñado por la Policía Metropolitana con miras a un operativo de desalojo, el jefe de esa fuerza, Horacio Jiménez, sostuvo que la “disponibilidad operativa” de la Metropolitana “está mermada en lo que respecta a recursos humanos con experiencia en equipos de combate”, por lo que se requeriría de “elementos suficientes y adecuados de otras fuerzas federales”, sin los cuales “esta manda judicial se torna inviable”. La jueza advierte que en su informe, la Metropolitana se refiere a las personas a desalojar como “el oponente”.

También se incorpora en la resolución la posición de las fuerzas federales que, en un dictamen técnico, desaconsejan el plan elaborado por la policía porteña. Para la Superintendencia de Seguridad Metropolitana de la Federal, constituye “un atentado a la razón y una falla táctica de ejecución portar ese tipo de armas” (letales).

Ante la falta de acuerdo, la jueza resolvió que dictará “una nueva orden de allanamiento”, cuya fecha quedará “supeditada a que se encuentren reunidas las condiciones para garantizar la vida y la integridad física de las personas”.

A VERDADE SOBRE A LETALIDADE DA POLÍCIA MILITAR DE SP

por Mães de Maio

Entre janeiro de 2005 e setembro de 2013:

5.053 pessoas foram mortas por PMs no Estado de São Paulo

3.860 dessas 5.053 mortes são decorrentes de “intervenção policial”, antes chamadas de resistências seguida de mortes (RSM).

1.193 dessas 5.053 mortes são homicídios dolosos (intencionais) cometidos por PMs, e não entram nas estatísticas divulgadas pelo governo de SP sobre a letalidade policial no Estado.

A cada mês, PMs matam 48,12 pessoas no Estado de SP.

A cada dia, em média, 1,6 pessoa é morta por PMs em SP.

Todos os meses, em média, PMs matam 11,3 pessoas no Estado de SP em casos que não são decorrentes de supostos enfrentamentos. São homicídios dolosos.

polícia de sp

A justiça que assina despejos

A Chacina de Pinheirinho foi um despejo comandado pelo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, o maior tribunal do mundo, com 360 (trezentos e sessenta desembargadores).

O povo vai para as ruas contra a corrupção, sim, e devia combater quem facilita a impunidade. Apenas a justiça prende por mais de trinta dias.

Os despejos sempre beneficiam grileiros no campo e no asfalto.

BRA_CB Brasília terraBRA_JOBR sem terra brasíliaBRA_CB Trinta Mil moradores brasília

Sobradinho começou a se originar quando Antônio Gomes Rabelo ocupou as terras onde hoje se localiza a cidade e fundou à Fazenda Sobradinho. O local foi bastante desmembrado devido a muitas vendas e inventários, passando a ser propriedade de várias famílias.

Durante a construção de Brasília, entre 1956 e 1960, um dos diretores da Novacap (Companhia Urbanizadora da Nova Capital), o deputado federal Iris Meinberg, que havia sido presidente da Confederação Nacional de Agricultura, teve a idéia de criar uma cidade tipicamente rural no Distrito Federal. A melhor opção encontrada foi assentar a nova cidade na região, que tradicionalmente desenvolvia atividades agropecuárias desde os tempos de seus primeiros ocupantes.

A partir de 1959, a Novacap elaborou um levantamento de uma área onde estaria localizada a sede da região administrativa. Havia a necessidade de alojar definitivamente as famílias imigrantes do Nordeste de Goiás, da Bahia e de outros estados. Essas pessoas foram transferidas para as margens da antiga estrada que ligava a cidade goiana de Planaltina  à nova capital. A então cidade-satélite recebeu o nome de Sobradinho, e foi fundada no dia 13 de maio de 1960, mas só chegou a ser oficializada bem mais tarde, pelo Decreto nº 571, de 1967.

Sobradinho hoje possui cerca de 85.491 habitantes (PDAD 2010/2011).

 Urbanização

Assim como Brasília, Sobradinho também é uma cidade planejada. O plano da cidade foi elaborado entre 1958 e 1959 pelo engenheiro Inácio de Lima Ferreira, que pertencia ao quadro de engenheiros do Departamento de Terras e Agricultura da Novacap. Lúcio Costa, urbanista, principal responsável pelo planejamento de Brasília e chefe do Departamento de Urbanismo da Novacap, preferiu que o planejamento fosse executado por um arquiteto de sua equipe. O projeto de Sobradinho foi então confiado ao urbanista Paulo Hungria Machado, que também já havia feito o plano urbanístico da região administrativa do Gama. A construção da cidade se desenvolveu entre 1959 e 1960, com recursos do Departamento de Terras e Agricultura da Novacap. Pouco depois, Inácio Lima Ferreira retomou o projeto, executando serviços topográficos, arruamento e locação de terrenos, instalando os serviços subterrâneos de abastecimento d’água e saneamento básico. (Wikipédia)

BRA^SP_ODDM A justiça que assina despejos

Posseiros protestam no Fórum

Cerca de 50 posseiros da Região de Jundiapeba levaram cartazes, faixas e apitos à porta do Fórum Distrital de Braz Cubas para tentar sensibilizar autoridades da Cidade quanto ao fato da empreiteira Itaquareia Indústria Extrativa de Minérios Ltda, dona das áreas onde eles moram, ter entrado com processos na Justiça para reintegração de posse contra 180 famílias de bairros como Barreiro, Vila Vitória e Chácara dos Baianos.

A empresa alega que essas pessoas teriam invadido os terrenos há menos de um ano, diferentemente dos quase 1,2 mil chacareiros que, há anos, lutam para conseguir a posse definitiva dos imóveis, inclusive com o apoio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Dois desses processos tiveram audiências realizadas, ontem (31), e o grupo foi dar apoio aos vizinhos que temiam perder suas casas, de uma hora para outra. (Sabrina Pacca)

BRA_FDL desapropriações despejo

Triste cenário

O medo e a incerteza rondam as famílias remanescentes do Jardim Califórnia, em Londrina, que tiveram suas casas desapropriadas para a ampliação do aeroporto. O mesmo clima de terror, de desesperança e de abandono – sem que as igrejas cristãs rezem pelas vítimas – assolam as capitais, que construíram super, super faturados estádios para as Copas da Fifa. Mais de duzentas mil famílias estão sendo desalojadas.

despejo

A violência da polícia de São Paulo elegeu a máfia da bala

O Estado de São Paulo tem bancadas da bala na Assembléia Legislativa e Câmara Municipal da Capital.

Quem elege essas almas sebosas com as mãos manchadas de sangue?

BRA_DT polícia Alkcmin violência

O governador Geraldo Alckmin reconheceu na sexta-feira, dia 26, que os números da violência em São Paulo continuam elevados na comparação com 2012, mas destacou que o percentual de aumento vem diminuindo desde o fim do ano passado.

“O pior foi em outubro, com crescimento de 30% dos homicídios, comparado com 2011. Em novembro, veio para pouco mais de 20%, ainda crescente, mas menor”, declarou, após evento no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo, onde foi anunciada parceria com a prefeitura para ampliação do programa de combate ao crack.
Segundo a Secretaria de Segurança Pública, em todo o estado de São Paulo, foram registrados 1.189 homicídios dolosos (com intenção de matar) no primeiro trimestre deste ano, com 403 casos apenas em março.
No ano passado, no mesmo período, aconteceram 1.078 homicídios dolosos. O número de vítimas de homicídios dolosos cresceu em todo o estado no mesmo período, passando de 1.142 no primeiro trimestre do ano passado para 1.276 em igual período deste ano.

Alckmin governou São Paulo de 6 de março de 2001 a 30 de março de 2006. E começou o atual governo em 1 de janeiro de 2011. É candidato à reeleição.

Comanda a polícia mais violenta do Brasil.

alckmin fardado

O estado policial faz parte da história de um povo que, em 1990, elegeu um policial, ex-secretário da Segurança de Orestes Quércia, Luiz Antônio Fleury Filho (PMDB).

Fleuru ordenou a chacina impune do Carandiru. E governou São Paulo de 15 de março de 1991 a 1 de janeiro de 1995.

Brasil 2012: Violações de Direitos Humanos protagonizam as 10 notícias mais visitadas no Diário Liberdade

As repetidas violações dos Direitos Humanos que neste ano aconteceram no Brasil ocupam a maior parte dos textos mais lidos no Diário Liberdade no ano que acabou. O Pinheirinho é o mais visitado em 2012 pelas nossas leitoras e leitores Brasil.

Dentre as 10 mais vistas no Brasil em 2012 temos matérias próprias do Diário Liberdade mas também reproduzidas de vários coletivos. Com a reprodução desses textos no portal contribuímos para espalhar as lutas brasileiras noutros territórios lusofonos.

lista é ‘regressiva’: a notícia que aparece primeiro é a 10ª classificada, e a última é a que teve mais visitas

Acha que a ordem de visitas não se corresponde com a importância dos artigos?Vote na enquete no final deste artigo e diga qual foi em sua opinião a matéria mais marcante neste 2012.

10. Censura: Pressão de clientes e redes sociais reabre acesso ao Diário Liberdade na NET Brasil

Diário Liberdade – Em menos de 24 horas, o apelo ao protesto direto e ao espalhamento da denúncia nas redes sociais fez com que a companhia fornecedora de acesso à internet concluísse o bloqueio ao Diário Liberdade.

9. Alckmin suja as mãos de sangue: PM massacra e mata pobres em São José dos Campos

PSTU – [Luciana Candido, direto do Pinheirinho] Governo de São Paulo desacata ordem do judiciário federal e permite que Polícia Militar massacre o Pinheirinho.

8. MASP exibe obras de Giorgio de Chirico, mestre da ‘pintura metafísica’

PCO – O pintor grego, um dos grandes nomes da pintura moderna, concebeu uma obra original que antecipou ideias e técnicas que seriam desenvolvidas mais tarde pelo movimento surrealista.

7. Pinheirinho: Morador baleado na ação policial pode ficar paraplégico

Solidariedade ao Pinheirinho – O morador ferido a bala durante a manhã de hoje, o ajudante de pedreiro David Washington Castor Furtado, 32 anos, já passou por uma cirurgia e continua internado no Hospital Municipal.

6. Hoje Pinheirinho, amanhã Belo Monte

Diário Liberdade – [Paulo Gustavo Roman] É difícil acreditar que o massacre que ocorreu no 22/01, no Pinheirinho, tenha sido obra única e exclusivamente do governo do estado de São Paulo e do judiciário do estado. A morte de 7 pessoas, sendo uma delas uma criança de 3 anos, e centenas de feridos indica a brutalidade que a polícia militar agiu no dia 22 de janeiro de 2012, na desocupação do Pinheirinho.

5. Preconceito racial e racismo institucional no Brasil

Le Monde Diplomatique – [Márcia Pereira Leite] No Brasil, os negros sofrem não só a discriminação racial devida ao preconceito racial e operada no plano privado, mas também e sobretudo o racismo institucional, que inspira as políticas estatais que lhes são dirigidas e se materializa nelas.

4. Belo Horizonte: polícia militar despeja com violência ocupação Eliana Silva

Diário Liberdade – Um forte aparato policial da Polícia Militar do estado de Minas Gerais, com cerca de 400 policiais, cumprindo liminar de reintegração de posse, despejaram cerca de 350 famílias sem teto da Ocupação Eliana Silva, localizada no bairro Barreiro de Baixo, na Avenida Perimetral, Santa Rita, em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

3. Wikileaks revela gravíssima sabotagem dos EUA contra Brasil com aval de FHC

Blog Pragmatismo Político – Telegramas revelam intenções de veto e ações dos EUA contra o desenvolvimento tecnológico brasileiro com interesses de diversos agentes que ocupam ou ocuparam o poder em ambos os países. Matéria de Plano Brasil

2. Criança indígena de 8 anos é queimada viva por madeireiros

Blog Conexão Brasília-Maranhão – [Rogério Tomaz Jr.] Quando a bestialidade emerge, fica difícil encontrar palavras para descrever qualquer pensamento ou sentimento que tenta compreender um acontecimento como esse.

1. Pinheirinho: Naji Nahas, Alckmin, imprensa e polícia contra 7 mil moradores pobres

Diário Liberdade – De maneira inesperada e ilegal, a Polícia Militar de São Paulo iniciou a invasão e o despejo dos moradores da comunidade do Pinheirinho. Na operação, que pegou de surpresa os moradores, participaram cerca de 2 mil policiais militares, convocados em cerca de 33 municípios, incluindo a Rota e Tropa de Choque, que utilizaram 220 veículos, um carro blindado e dois helicópteros Águia, além de 40 cães e 100 cavalos, armamentos letais como pistolas e automáticas, balas de borracha e gás lacrimogêneo e pimenta. Os policiais afirmam que permanecerão ali até, no mínimo, quarta-feira para impedir tentativas de retorno dos moradores.

Operação Pinheirinho. “Há mortos e feridos, mas estão escondendo”

Por Gabriela Moncau

 

A maioria dos moradores da ocupação do Pinheirinho, em São José dos Campos, dormia às 6h da manhã do domingo (22), quando as bombas da Polícia Militar levaram gás lacrimogêneo dentro dos barracos. As 1700 famílias, cerca de 6 mil pessoas, mal puderam pegar seus pertences quando a operação militar – com o ostensivo contingente de 2 mil policiais, além dos dois helicópteros águia – os colocou para fora de casa embaixo de tiro de borracha.

Mais:

PM cerca Pinheirinho e impede moradores de retirarem pertences após ação violenta no domingo (22) 

Pinheirinho: vídeo mostra desocupação da área em S. J. dos Campos 

Sociólogo repudia massacre do Pinheirinho 

Aniversário de São Paulo tem protesto em solidariedade a Pinheirinho e Cracolândia 

O que aconteceu lá dentro?

“Motivos de segurança”. Foi essa a justificativa da PM para impedir que qualquer pessoa passasse a barreira da Tropa de Choque para entrar na área do Pinheirinho. No máximo a TV Globo, com coletinho à prova de balas, pôde se aproximar um pouco do trator. De nada adiantou os moradores insistirem para pegar seus pertences, ou ao menos os documentos que não tiveram tempo de apanhar.  Tampouco os apelos da imprensa ou os esperneios dos parlamentares que tentavam fazer alguma coisa. Moradores chegaram a relatar que tiveram seus celulares recolhidos para impedir que registrassem a ação. Que tipo de abusos aconteceram lá dentro? O que fez a polícia quando a maioria dos moradores já estava do lado de fora? Ninguém sabe, ninguém viu.

Parte da população resistia como podia. Montavam barricadas e queimavam carros para dificultar os ataques policiais, atiravam pedras e pedaços de paus. O Estado, no entanto, era desproporcionalmente mais forte: com cavalaria, carros blindados, bombas, gás, tiros de borracha e de arma letal. “Meu marido foi baleado pelas balas da Guarda Municipal. A gente não estava confrontando, a gente estava indo embora para proteger o nosso bebê de 10 meses”, ouvia-se no dia da desocupação da mulher de um homem que teria sido levado para o Hospital Municipal de São José dos Campos em estado grave. Há inúmeros vídeos que flagram policiais militares e da Guarda Civil Municipal (GCM) apontando seus revólveres contra a população. Muitos tiros eram disparados para cima e em direção ao chão.

 

Mortos e desaparecidos

O número de feridos, desaparecidos e os muitos relatos de mortes permanecem nebulosos. Além da falta da transparência na operação em si, o fato de a repressão ter sido constante fez com que, na correria, muitas pessoas se perdessem umas das outras, principalmente crianças de seus pais. “Veja quantas crianças estavam correndo sozinhas na rua embaixo de bomba, botei pra dentro de casa”, contou uma senhora, moradora de uma casa há 3 quadras do Pinheirinho, mãe de três filhas que moravam na ocupação, apontando para três pequenos. Os hospitais não podem informar sobre feridos e possíveis mortos. O que se quer esconder?

pinheirinho-i3O movimento tenta agora fazer um levantamento de informações e cadastros para ter em mãos os nomes e a quantidade de pessoas que estão desaparecidas. Herbert Claros, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, está participando dessa coleta de dados e afirma que por enquanto já chega a 7 o número de desaparecidos. Em assembleia realizada na terça-feira (24), foi criada uma comissão para procurá-los.

Antonio Carlos dos Santos, um servidor público de 63 anos, deixou o município de Caçapava para ir atrás da irmã e de seus três sobrinhos, dos quais não tem notícias desde a desocupação. “Estou desesperado, não temos mais família em São José, ela teria ido me encontrar em Caçapava”, afirma.

Recém desalojados, os moradores do Pinheirinho foram encaminhados para três abrigos: dois organizados pela prefeitura e um pelo próprio movimento em contato com um padre, na igreja do Campo dos Alemães. “Estamos enfrentando dificuldades para levantar as informações de quem está faltando, pois nos abrigos da prefeitura a polícia não nos deixa entrar”, informou Claros, com preocupação.

Letícia Rabello, professora de São José que apoia a ocupação do Pinheirinho e vem atuando no local em ajuda às famílias, afirma que “há mortos e feridos, mas estão escondendo”. “As famílias de mortos não estão falando porque estão recebendo ameaças”, diz.

Nenhum órgão do Estado ou Município publicou até agora nenhuma lista oficial com número de feridos

Transcrevi trechos. É a reportagem mais completa da chacina de Pinheirinho.  In Caros Amigos