Dinheiro sobra no bolso dos reitores do Caje

O Centro de Atendimento Juvenil Especializado (Caje) de Brasília tem uma história de gastança que já enriqueceu muita gente. E uma história tenebrosa de tortura. O último motim aconteceu em setembro último.

Para um trabalhador sustentar a família, o governo acha que um salário mínimo de R$ 545,00 é o bastante.
Este mínimo de 545 reais é o valor da maioria das pensões e aposentadorias deste Brasil nada cordial.

Que a justiça de Brasília – é ela quem manda os jovens para o Caje – discipline o Caje.