Qual estado brasileiro mais mata e mata e mata mais e mais jornalistas?

Dilma vai ou vai federalizar as investigações dos atentados e assassinatos de jornalistas?
Dilma vai ou vai federalizar as investigações dos atentados e assassinatos de jornalistas?

Embora o perfil internacional do Brasil tenha se mantido em ascensão, o governo sistematicamente deixou de expressar liderança em questões relacionadas à liberdade de imprensa. A violência contra jornalistas aumentou, com quatro assassinatos diretamente relacionados ao exercício da profissão; também piorou a posição do Brasil no Índice de Impunidade do CPJ, que destaca os países onde jornalistas são assassinados com regularidade e as autoridades não se mostram capazes de solucionar os crimes. Juntamente com a Índia e o Paquistão – dois outros países mal classificados no Índice de Impunidade – o Brasil levantou objeções à abrangente proposta da UNESCO para ajudar as nações a combater a impunidade e proteger jornalistas. Em face de fortes críticas, a embaixadora do Brasil na ONU, Maria Luiza Ribeiro Viotti mais tarde manifestou amplo apoio à liberdade de imprensa e a elementos do plano da UNESCO. Entretanto, o compromisso do governo com a liberdade de expressão foi posto à prova em outra importante questão internacional. O Brasil apoiou uma iniciativa liderada pelo Equador para enfraquecer a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o órgão de monitoramento de direitos humanos da Organização dos Estados Americanos, e sua relatoria especial para a liberdade de expressão. Em dezembro, Mauri König, repórter investigativo e ganhador do Prêmio Internacional de Liberdade de Imprensa do CPJ, deixou o país após receber ameaças de morte por suas reportagens sobre corrupção policial. O governo da presidente Dilma Rousseff apoiou duas iniciativas que promovem o direito púbico à informação. Rousseff assinou uma lei de acesso à informação e criou uma comissão para investigar os abusos contra os direitos humanos cometidos durante a ditadura militar no país, entre 1964 e 1985.

chacina3

26 Journalists Killed in Brazil/Motive Confirmed

Rodrigo Neto, Radio Vanguardia and Vale do Aço

March 8, 2013, in Ipatinga, Brazil

Mafaldo Bezerra Goes, FM Rio Jaguaribe

February 22, 2013, in Jaguaribe, Brazil

Eduardo Carvalho, Última Hora News

November 21, 2012, in Campo Grande, Brazil

Valério Luiz de Oliveira, Radio Jornal

July 5, 2012, in Goiânia, Brazil

Décio Sá, O Estado do Maranhão and Blog do Décio

April 23, 2012, in São Luis, Brazil

Mario Randolfo Marques Lopes, Vassouras na Net

February 9, 2012, in Barra do Piraí, Brazil

Gelson Domingos da Silva, Bandeirantes TV

November 6, 2011, in Rio de Janeiro, Brazil

Edinaldo Filgueira, Jornal o Serrano

June 15, 2011, in Serra do Mel, Brazil

Luciano Leitão Pedrosa, TV Vitória and Radio Metropolitana FM

April 9, 2011, in Vitória de Santo Antão, Brazil

Francisco Gomes de Medeiros, Radio Caicó

October 18, 2010, in Caicó, Brazil

Luiz Carlos Barbon Filho, Jornal do PortoJC Regional, and Rádio Porto FM

May 5, 2007, in Porto Ferreira, Brazil

José Carlos Araújo, Rádio Timbaúba FM

April 24, 2004, in Timbaúba, Brazil

Samuel Romã, Radio Conquista FM

April 20, 2004, in Coronel Sapucaia, Brazil

Luiz Antônio da Costa, Época

July 23, 2003, in São Bernardo do Campo, Brazil

Nicanor Linhares Batista, Rádio Vale do Jaguaribe

June 30, 2003, in Limoeiro do Norte, Brazil

Domingos Sávio Brandão Lima Júnior, Folha do Estado

September 30, 2002, in Cuiabá, Brazil

Tim Lopes, TV Globo

June 3, 2002, in Rio de Janeiro, Brazil

Zezinho Cazuza, Rádio Xingó FM

March 13, 2000, in Canindé de Sáo Francisco, Brazil

José Carlos Mesquita, TV Ouro Verde

March 10, 1998, in Ouro Preto do Oeste, Brazil

Manoel Leal de Oliveira, A Regiao

January 14, 1998, in Itabuna, Brazil

Edgar Lopes de Faria, FM Capital

October 29, 1997, in Campo Grande, Brazil

Reinaldo Coutinho da Silva, Cachoeiras Jornal

August 29, 1995, in São Gonçalo, Brazil

Aristeu Guida da Silva, A Gazeta de São Fidélis

May 12, 1995, in São Fidélis, Brazil

Marcos Borges Ribeiro, Independente

May 1, 1995, in Rio Verde, Brazil

Zaqueu de Oliveira, Gazeta de Barroso

March 21 1995, in Minas Gerais, Brazil

Joao Alberto Ferreira Souto, Jornal do Estado

February 19, 1994, in Vitória da Conquista, Brazil

chacina 5

8 Journalists Killed in Brazil/Motive Unconfirmed

Paulo Roberto Cardoso Rodrigues, Jornal Da Praça and Mercosul News

February 12, 2012, in Ponta Porá, Brazil

Valderlei Canuto Leandro, Radio Frontera

September 1, 2011, in Tabatinga, Brazil

Auro Ida, Olhar DiretoMidianews

July 21, 2011, in Cuiabá, Brazil

Valério Nascimento, Panorama Geral

May 3, 2011, in Rio Claro, Brazil

José Givonaldo Vieira, Bezerros FM and Folha do Agreste

December 14, 2009, in Bezerros, Brazil

Jorge Lourenço dos Santos, Criativa FM

July 11, 2004, in Santana do Ipanema, Brazil

Mário Coelho de Almeida Filho, A Verdade

August 16, 2001, in Magé, Brazil

Natan Pereira Gatinho, Ouro Verde

January 11, 1997, in Paragominas, Brazil

chacina última

CLIQUE NOS NOMES DOS MÁRTIRES DA IMPRENSA PARA SABER MAIS SOBRE A VIDA E MORTE DE JORNALISTAS NO BRASIL SEM GOVERNO E LEI

A última denúncia de Luiz Jurandyr de Medeiros

Luiz Jurandir de Medeiros tem um blogue esportivo. Raramente publica notícias que não estejam relacionadas com futebol. Sempre evitou polemizar. Recentemente escreveu sobre desvios de recursos no Caicó Esporte Clube. Leia 

Continua a pistolagem contra jornalistas no Rio Grande do Norte. A selvageria só acaba quando Dilma Rousseff federalizar as investigações

Jornalista Luíz Jurandir de Medeiros
Jornalista Luíz Jurandir de Medeiros

O estado de saúde do jornalista Luíz Jurandir de Medeiros, mais conhecido por “Carneirinho”, que foi baleado em frente a sua residência, no Centro de Caicó, Rio Grande do Norte, é estável, com boa evolução, de acordo com avaliação dos médicos do Hospital Walfredo Gurgel, em Natal, para onde ele foi encaminhado depois de receber os primeiros atendimentos em Caicó.

O pistoleiro ainda não foi preso. E os mandantes são os mesmos que contrataram a morte do jornalista F. Gomes.

A morte anunciada do jornalista F. Gomes no Rio Grande do Norte

Dia 2 de abril, aniversário do jornalista F. Gomes que assinava o blog A Notícia do Seridó.

Matar um jornalista é calar a voz do povo, que reconhece quais seus verdadeiros defensores. Eis a razão do seu túmulo ser o mais visitado.

O túmulo do radialista F. Gomes, em Caícó, Rio Grande do Norte
O túmulo do radialista F. Gomes, em Caícó, Rio Grande do Norte

Saci, colega de trabalho há 25 anos, suspeitava. “Ameaça era o que não faltava. As pessoas diziam que iriam calar F. Gomes. Conseguiram”. O próprio Saci foi ameaçado algumas vezes. “No velório de ‘F’, me ligaram e disseram: ‘olha aí? Está vendo? Seu amigo está morto. Amanhã pode ser você”. Saci sabia das ameaças, mas nunca foi ouvido pela Polícia. “Há erros no processo”.

Dois anos depois de sua morte, “o silêncio ainda reina”, afirma o fotógrafo, que após a  morte do colega deixou as redações. Outro que também visitou o túmulo foi Sidney Silva que assumiu o programa de F. Gomes na rádio Caicó: o Comando Geral. O programa é veiculado de segunda-feira a sábado das 11h às 14h. “Também já fui ameaçado. Ligaram para a rádio e se identificaram. Gravei e coloquei no ar. Conduzir o programa de F. Gomes é um desafio muito grande. Ele não tinha medo de denunciar. Podia ser quem fosse”, afirma Sidney.

Antes de deixar o cemitério, Saci colocou uma foto do colega no túmulo. Nos óculos escuros do amigo, é Saci quem aparece. “Ele foi tudo na minha vida”. Os dois trabalharam na Gazeta do Oeste, Tribuna do Norte e Diário de Natal. “‘F’ não era só um colega de trabalho. Era um irmão”.

MORTE ENCOMENDADA

O radialista Francisco Gomes de Medeiros tinha 46 anos, quando foi assassinado na calçada de sua casa, na rua Professor Viana, bairro Paraíba, em Caicó, na noite de 18 de outubro de 2010, quando duas pessoas chegaram numa moto e abriram fogo. Atingido por três tiros fatais, foi levado para o Hospital Regional, mas não resistiu aos ferimentos. F. Gomes era casado com Eliane Gomes e pai de 3 filhos.

F. Gomes atuava no rádio caicoense há 22 anos.

Jornalista com passagem pelos jornais Gazeta do Oeste, Tribuna do Norte e atualmente no Diário de Natal.

Foi ganhador por duas vezes do prêmio estadual de jornalismo, promovido pelo Banco do Nordeste, e ficou entre os quatro melhores colocados no Brasil, na categoria rádio, no prêmio IGE de Jornalismo, com destaque de uma reportagem sobre educação.

OS BANDIDOS ASSASSINOS

Informa hoje o jornal Tribuna do Norte: A delegada Sheila Freitas, diretora da Divisão Especial de Investigação e Combate do Crime Organizado – DEICOR, esteve em Caicó, nesta terça-feira, (03). Ela ocupou o prédio da 3ª Delegacia Regional de Polícia Civil, onde pegou depoimentos de pessoas com o objetivo de embasar a investigação que conduz sobre a morte do jornalista.

A chefe da Deicor cruzou informações bancárias que revelam uma movimentação financeira entre os apontados como responsáveis pela morte de F Gomes. Esse dinheiro pode ter sido a paga pelo assassinato, porém, esse não seria o único ponto que motiva a delegada a crer na participação de muitas pessoas no que pode ser um dos maiores consórcios organizados para o cometimento de um crime em Caicó, nos últimos anos.
A possibilidade de outras prisões ocorrerem nos próximos dias é iminente, revela a fonte.

Durante a investigação, ocorreram mudanças nas versões apresentadas pelos presos, suspeitos de participação no crime. O assassino confesso de F Gomes, João Francisco dos Santos, o “Dão”, mudou a versão por várias vezes. O comerciante Lailson Lopes, também apresentou versão diversa, mas, se sentindo ameaçado, prestou novo depoimento meses após a realização da audiência de instrução do processo. Ele teria dado informações à Polícia Civil, e isso deu novo rumo a investigação, inclusive, culminando com as novas prisões, ocorridas no final do mês de março. Estão presos preventivamente, o Soldado da PM, Evando Medeiros; o pastor evangélico Gilson Neudo Soares do Amaral, e o advogado Rivaldo Dantas de Farias. Sobre qual teria sido a participação de cada um, a delegada ainda não deu detalhes.

O juiz Luiz Cândido de Andrade Villaça, proferiu sentença de pronuncia contra João Francisco dos Santos, conhecido como “Dão”, e, em aditamento, contra Lailson Lopes, o “Gordo da Rodoviária”, por crime de homicídio.

Sobre os dois réus, foi dito o seguinte na decisão:

“Com relação ao acusado João Francisco dos Santos, este confessou ter efetuado os disparos contra a vítima, disparos estes que, conforme o laudo de exame necroscópico supracitado ceifou a sua vida. Ainda, consta laudo positivo de exame residuográfico de chumbo de material coletado das mãos do acusado. Em relação ao acusado Lailson Lopes, mesmo tendo este negado qualquer participação no crime, há indícios que apontam para uma autoria intelectual. Registros telefônicos demonstram que houve várias ligações entre os celulares de Dão e Lailson no dia do fato, antes e depois do delito”.

No que toca ao acusado Lailson Lopes, este teria um desentendimento com a vítima em virtude de este ter noticiado, há um tempo atrás, sobre uma busca e apreensão realizada em sua loja, o que, inclusive, culminou em um processo judicial na esfera civil. (motivo fútil).

Por outro lado, também há indícios de uma proposta de pagamento em dinheiro feita pelo acusado Lailson Lopes ao acusado João Francisco dos Santos, segundo este revela em seu depoimento, confirmado pela testemunha Márcio Delgado Varanda, autoridade responsável por sua oitiva naquele momento (crime mediante paga). Sem falar que o modo como a vítima foi executada, em frente a sua residência, como sempre costumava ficar, despreocupado, e ter sido abordado pelo primeiro réu que, segundo depoimento das testemunhas que presenciaram o fato, foi parando a moto e logo em seguida efetuando os disparos, conduzem, a priori, ao reconhecimento de que tal situação impossibilitou qualquer esboço de reação ou defesa da vítima.

Feira do Livro no Rio Grande do Norte

A Feira do Livro do Seridó contribui para a formação do novo leitor e promove o aquecimento do mercado editorial com a venda de livros a preços acessíveis, intensificando sua disposição natural para revelar os novos talentos da literatura potiguar, bem como prestigiar os autores locais.

POESIA NO SERTÃO

Eu também estarei lá, em Caicó, sábado próximo, no palco do pavilhão da exposição, às 18h, em um bate-papo com Valdenides Cabral sobre Poesia no Sertão! Compareçam! Nina Rizzi