Nada é brasileiro. Telecom Italia diz desconhecer oferta pela TIM Brasil

MILÃO, 3 Jan (Reuters) – A Telecom Italia disse nesta sexta-feira que desconhece qualquer oferta pela sua unidade TIM Brasil.

“A Telecom Italia… mais uma vez declara que a empresa brasileira é um ativo estratégico”, disse em comunicado.

O jornal italiano Il Sole 24 Ore informou nesta sexta-feira em reportagem que a Telefónica, que em parte é dona da TIM Brasil, está buscando criar um veículo com os rivais America Movil e Oi para comprar a TIM Brasil e separá-la.

 Um ativo estratégico italiano. Leia 
Um Brasil é vendido lá fora, e o governo não sabe. O legislativo desconhece. E a justiça nem aí.

Soros competirá con Slim en Brasil

El inversor es el principal respaldo de una nueva firma de telecomunicaciones en el país; On Telecom ingresará al mercado de Internet 4G, donde América Móvil ya participa.

El inversionista George Soros invertirá 150 mdd en On Telecom, lo que le dará una participación mayoritaria en la empresa. (Foto: Reuters)
El inversionista George Soros invertirá 150 mdd en On Telecom, lo que le dará una participación mayoritaria en la empresa. (Foto: Reuters)

CIUDAD DE MÉXICO (CNNExpansión) — Una nueva empresa de telecomunicaciones brasileña respaldada por el multimillonario George Soros planea invertir al menos 500 millones de reales (218 millones de dólares) en los próximos tres años, anunciaron este martes ejecutivos de la compañía, lo que elevará la competencia entre los proveedores de Internet. Soros invertiría al menos 150 millones de dólares, lo que le daría una participación mayoritaria en On Telecom, que ofrece conexiones para hogares y oficinas a través de las redes celulares de cuarta generación, dijo a periodistas su presidente ejecutivo, Fares Nassar. La tecnología, pensada para regiones con escasa cobertura de banda ancha por cable, será lanzada en partes de Sao Paulo, el estado más poblado del quinto país más grande del mundo. La nueva empresa apunta a un nicho del mercado brasileño donde participa el mexicano Carlos Slim a través de América Móvil. “Estamos en el proceso del despliegue de la red 4G-LTE en América. Hemos lanzado estos nuevos servicios en México (11 ciudades), Brasil (18 ciudades), Chile y Puerto Rico”, dijo la firma de Slim en su reporte del segundo trimestre de 2013. El mexicano también participa en el país sudamericano ofreciendo servicios de telefonía fija, celular, TV por cable, satelital e Internet de banda ancha a través de las empresas Claro, Embratel y Net. Al cierre de junio, América Móvil contaba con 66.5 millones de suscriptores móviles, y 30.8 Unidades Generadoras de Ingresos (UGIs) en la nación sudamericana. Otra firma que ha explotado recientemente el mercado 4G es el operador GVT SA, filial de Vivendi, que ofrece servicios de banda ancha en lugares y a negocios que no están bien cubiertos por los grandes operadores. Fares Nassar dijo que On Telecom podría expandirse a otras regiones en la medida en que Brasil ofrezca nuevas licencias de telefonía 4G, para lo que se necesitaría más recursos de Soros, otros inversores o una oferta pública inicial. Soros Fund Management había recibido el año pasado la aprobación del regulador para tomar el control de la brasileña Sunrise Telecomunicaçoes, la matriz de On Telecom. En septiembre, Sunrise había adquirido los derechos para frecuencias de 4G en 133 municipios alrededor del Estado de Sao Paulo. Con información de Reuters

Mensalão ou mensalinho, uma prática nacional, estadual e municipal

Vamos julgar o mensalão, ou melhor, os corrompidos do PT e partidos aliados, e livrar a cara dos corruptores.

Historia a Wiquipédia:

O neologismo mensalão, popularizado pelo então deputado federal Roberto Jefferson,  em entrevista que deu ressonância nacional ao escândalo, é uma variante da palavra “mensalidade” usada para se referir a uma “mesada” paga a deputados para votarem a favor de projetos de interesse do poder executivo. Segundo o deputado, o termo já era comum nos bastidores da política entre os parlamentares para designar essa prática ilegal.

O termo já era comum. A prática.  Sempre acontece quando os governos federal, estaduais e municipais compram a maioria do legislativo. Foi o que fez Fernando Henrique para aprovar os projetos da reeleicão e da queima das estatais. Mais de setenta por cento das empresas públicas foram doadas a corsários e piratas. Muita gente enriqueceu. Assim começou a fortuna de Daniel Dantas, para um exemplo.

O MENSALÃO DO PT

Historia a Wiquipédia:

Jefferson acusou o então Ministro da Casa Civil José Dirceu de ser o mentor do esquema.

A palavra “mensalão” foi então adotada pela mídia para se referir ao caso. A primeira vez que a palavra foi grafada em um veículo de comunicação de grande reputação nacional ocorreu no jornal Folha de S. Paulo, na matéria do dia 6 de junho de 2005. A palavra, tal como ela é, foi utilizada também na mídia internacional sempre acompanhada de uma pseudo-tradução. Em espanhol, traduzida como “mensalón”, e em inglês como “big monthly allowance” (grande pagamento mensal) e “vote-buying” (compra de votos).

Comprar votos no Congresso, em assembléias legislativas e câmaras municipais faz parte do jogo “democrático” nos países sem plebiscito. Sem referendo. Esta compra pode ser via cargos públicos ou concessões de rádio e tv nos governos  Sarney, Fernando Henrique. Ou concessões outras. Ou via dinheiro vivo. Se existe dinheiro, existe uma fonte. E todos os poderes passam a beber desta água “pura”, inesgotável fonte no paraíso.

Acrescente-se que a denúncia da Folha de S. Paulo faz parte de um projeto político, formado pelo PIG, Partido da Imprensa Golpista. Que visa derrubar os presidentes de países nacionalistas ou “esquerdistas”. O recente pleito do México foi um grande mensalão. Idem o golpe parlamentar do Paraguai.

UM DOS BANCOS DO MENSALÃO 

Foi descoberto em julho de 2008, durante uma investigação sobre o banqueiro tucano Daniel Dantas, que o Banco Opportunity foi uma das principais fontes de recursos do mensalão petista. Através do Banco Opportunity, Daniel Dantas era o gestor da Brasil Telecom, controladora da Telemig e da Amazonia Telecom. As investigações apontaram que essas empresas de telefonia injetaram R$ 127 milhões nas contas da DNA Propaganda, administrada por Marcos Valério, que ganhou duas agências de publicidade de presente que, segundo a Polícia Federal, alimentavam o Valerioduto, esquema de pagamento ilegal a parlamentares federais e mineiros. Que o Valerioduto nasceu no governo estadual de Minas Gerais. O chamado mensalinho mineiro do PSDB.

O esquema das privatizacões originou vários livros. Um deles com o nome bem significativo: A Privataria Tucana.

Fui o primeiro jornalista a chamar de piratas os empresários beneficiados pelos leilões quermesses de Fernando Henrique, que fatiou a Petrobras – a quarta empresa petrolífera do mundo – e vendeu a Vale do Rio Doce – a maior mineradora do mundo – que vale mais de três bilhões, por apenas 2 bilhões e 200 milhões.

No caso do PT, a Polícia Federal pôde chegar a Daniel Dantas, após a Justiça ter autorizado a quebra de sigilo do computador central do Banco Opportunity. Um computador que não foi de todo decifrado.

Existem outros bancos envolvidos, beneficiados pelo Proer. Parte dessa bandalheira foi perdoada pela justiça. Ou vem sendo julgada em segredo pelo chamado foro especial. Pra lá de especial. Criado por Fernando Henrique no mês terminal do seu oitavo ano de governo. O foro especial é uma disfarçada anistia.

O jornalismo investigativo da Folha de S. Paulo teve informações da mesma equipe que forjou as grandes reportagens do “jornalista” e bicheiro Carlinhos Cachoeira. Reportagens vinculadas pela Veja e TV Globo. E que receberam o Prêmio Esso de Jornalismo.

Daniel Dantas e Naji Nahas sempre juntos nos negócios, na justiça e prisões

Quantos habeas corpus precisa Daniel Dantas?

Indaga Paulo Henrique Amorim:

O STF vai tirar Dantas
da cadeia três vezes ?

leitura mais detalhada do recurso da sub-procuradora da República, Lindôra Maria Araujo, cria um problema para o STF.

O Supremo vai salvar de novo o passador de bola apanhado no ato de passar bola – clique aqui para ver o vídeo do jornal nacional e que o então Presidente do Supremo solenemente ignorou ?

Salvou uma vez, com os dois HCs Canguru que Gilmar Dantas lhe concedeu em 48 horas.

(Gilmar Dantas, como disse este ansioso blogueiro em sua defesa oral – clique aqui para ler “Como PHA se defendeu de Dantas, Kamel e Heraldo” – é a verdadeira inspiração para a ação que Heraldo move contra o blogueiro, sob a esdrúxula acusação de … racista.)

O STF vai tirar Dantas da cadeia uma terceira vez ?

Este será um teste para a legitimidade do Supremo, deste específico Supremo, mais revelador do que o chamado Mensalão (que, como diz o Mino Carta, ainda está por provar-se.)

Daniel Dantas é o câncer da Nova República.

A metástase se iniciou  na Privataria Tucana – é por esse motivo, sobretudo , que o PiG  lhe dá fuga.

Espalhou-se pelos partidos políticos, pelo Judiciário e pelo PiG e seus penduricalhos.

Como disse a capa da Carta Capital: ele é o dono do Brasil.

Na Justiça inglesa, ele foi condenado.

No Brasil, ganha quase todas.

Lei mais.

Pitta, Dantas e Nahas presos pela PF
Pitta, Dantas e Nahas presos pela PF

Daniel Dantas o capo do “lá em cima resolvo”, uma convicção que desmoraliza o STF, mandou publicar na sua revista Istoé:

Por Leonardo Attuch

O primeiro encontro aconteceu em 1986. Daniel Dantas, então um jovem prodígio do mercado financeiro, foi ao encontro de Naji Nahas, o legendário investidor libanês radicado no Brasil, a pedido de Lázaro Brandão, que era seu chefe no Bradesco. Daniel tinha a missão de obter de Nahas, um dos mais influentes homens do mundo das finanças, informações sobre mudanças nas regras de investimento. Na antesala, Dantas fixou longamente o olhar numa foto de Nahas, rodeado por poderosos, num cruzeiro marítimo. O investidor então entrou no ambiente, deu um leve tapa nas costas do garoto e disse, em meio às baforadas do charuto: “Naquele dia, eu perdi um bilhão de dólares; acho que você nunca conheceu alguém que já perdeu um bilhão.” Dantas parou, pensou e respondeu: “Com esse sorriso, de fato, nunca conheci”. Nahas referia-se a um passo em falso no mercado da prata – ele e membros da família real saudita sonharam em ter quase toda a prata do mundo nas mãos e perderam fortunas quando os preços despencaram. Mais de quinze anos depois, quis o destino que Nahas e Dantas voltassem a se encontrar. O megainvestidor,

uma das raras pessoas do mundo capazes de perder US$ 1 bilhão e ainda sorrir, tinha mil e uma histórias para contar.

Foi ele o epicentro do maior terremoto já visto no mercado financeiro brasileiro – o colapso da Bolsa de Valores de São Paulo, em 1989. Dantas, por sua vez, já não era apenas um garoto promissor. À frente do Opportunity, ele hoje administra investimentos de mais de R$ 10 bilhões. E, juntos numa negociação pela primeira vez, os dois solucionaram uma das maiores brigas societárias do País: a disputa entre a Telecom Italia e a Brasil Telecom. O acordo foi assinado na madrugada da quarta-feira 28, por Daniel Dantas e Marco Tronchetti Provera, presidente da operadora italiana. Dois dias depois, Nahas e Dantas brindaram o acerto num almoço na mansão do investidor em São Paulo, no Jardim América. Comeram quibes, coalhadas e saladas árabes. “Mesmo um mau acordo é quase sempre melhor do que uma boa briga, e este foi um acordo excelente para as duas partes”, disse Nahas, que aconselhou os italianos.

O acordo entre a Telecom Italia e a Brasil Telecom colocou um ponto final numa briga sangrenta. Discretamente, todas as negociações foram pilotadas por Naji Nahas, amigo íntimo de Tronchetti Provera há mais de vinte anos. Pelo acerto, os italianos reduziram sua participação na operadora brasileira e terão direito a lançar nacionalmente o serviço celular da Telecom Italia Mobile. “Fui injustamente massacrado pela mídia, mas nunca perdi bons relacionamentos”, disse Nahas, dono de uma agenda de fazer inveja. Naji Nahas é um homem tão poderoso que, em junho deste ano, teria convencido o líder da Arábia Saudita, o príncipe Abdullah, a enviar o Boeing saudita a Paris.

O avião foi à França buscar o governador cearense Tasso Jereissati para um encontro em Riad,

onde se discutiu a implantação de uma refinaria de US$ 2 bilhões no Brasil.

Leonardo Attuch esqueceu de falar de um caso que rende mais um habeas corpus para Daniel Dantas:

Kroll e os mistérios do processo italiano que envolve Provera

Marco Tronchetti Provera
Marco Tronchetti Provera

Historia Wálter Fanganiello Maierovitch:

Como informou o jornalista Rubens Valente, da Folha de S.Paulo, o banqueiro Daniel Dantas conseguiu, na 5ª Vara Federal de São Paulo, suspender o processo criminal onde é acusado de ser mandante de arapongagens (espionagens com afronta à Constituição e à lei penal)  realizadas pela Kroll, uma agência privada de investigações e infinitas trapalhadas.

Dentre as vítimas, destaco Luiz Gushiken, ex-ministro  que se opunha a Dantas, e o jornalista Paulo Henrique Amorim

O caso Dantas-Kroll, também conhecido policialmente por Operação Chacal, arrasta-se desde outubro de 2004.

Quem tiver mínima dúvida de que ocorrerá prescrição no processo criminal, com a consequente  extinção da punibilidade dos réus, faça uma aplicação no Fundo Opportunity e receba os bônus da ingenuidade.

O processo criminal, por decisão da juíza da supracitada 5ª Vara Federal, ficará suspenso até a chegada de documentos solicitados num dos processos criminais mais escandalosos da história da Justiça italiana.

Sobre o processo italiano, numa apertada síntese, o chefe de segurança da Telecom e da Pirelli, Giuliano Tavaroli, elaborou, ilegalmente, um dossiê com milhares de dados:  grampeou e violou sigilos de quase todos os empresários e políticos da Itália. Sua meta era controlar todos, mas não houve tempo. Por isso, o dossiê só engloba o período de 1997 a 2004.

Tavaroli contou com a ajuda de Marco Mancini, segundo homem da hierarquia do Serviço de Espionagem Militar (Sismi) do Estado italiano.

Mancini era o braço direito do general Nicolò Pollari, chefe do Sismi.

Mancini, indagado, por exemplo, sobre a responsabilidade de Marco Tronchetti Provera – presidente e maior acionista da Telecom Italia à época – respondeu tratar-se de segreto di Stato. Com efeito, em face do tal segredo de Estado, não se sabe se Tavaroli cumpria, ao elaborar o dossiê, ordens de Tronchetti Provera. A propósito, Tronchetti Provera não está sendo processado.

O dossiê produzido por Tavaroli e os seus 007 custou para a Telecom Italia a bagatela de  34,3 milhões de euros.

O dossiê apareceu quando, em setembro de 2006, Tavaroli foi preso com outros 20 da sua rede de 007. Com Emanuele Cipriani apreendeu-se 14 milhões de euros.

Tavaroli acabou preso em setembro de 2006 e Mancini, logo depois, em dezembro de 2006.

COMO NAJI NAHAS

VIROU MEGAINVESTIDOR?

Cena símbolo da chacina do Pinheirinho
Cena símbolo da chacina do Pinheirinho

Leonardo Attuch também não explica como o doleiro Naji Nahas, o grileiro do Pinheirinho, em São José do Campos, que desalojou sete mil pessoas, numa ocupação militar que o desembargador Ivan Sartori comandou, conseguiu virar um mega colarinho branco, que perde sorrindo um bilhão em um dia.

Pelo que se sabe, Nahas chegou ao Brasil com 50 milhões, em 1970.