Dono do restaurante BOS BBQ diz que idade mental do brasileiro é de 14 anos

Elihu Duayer
Elihu Duayer

A última edição da revista The Economist traz uma reportagem preconceituosa, xenófoba e escravocrata sobre o mercado de trabalho no Brasil e em especial à produtividade dos trabalhadores. Com o título “Soneca de 50 anos”, a reportagem diz que os brasileiros “são gloriosamente improdutivos” e que “eles devem sair de seu estado de estupor” para ajudar a acelerar a economia.

O único estupor do trabalhador brasileiro é não reclamar dos salários indignos, do banco de horas extras, dos assédio moral e sexual existentes nas empresas multinacionais.

A reportagem diz que após um breve período de aumento da produtividade vista entre 1960 e 1970, no tempo da ditadura militar, a produção por trabalhador estacionou ou até mesmo caiu ao longo dos últimos 50 anos. A paralisia da produtividade brasileira no período acontece em contraste com o cenário internacional, onde outros emergentes como Coréia do Sul, Chile e China apresentam firme tendência de melhora do indicador.

“A produtividade do trabalho foi responsável por 40% do crescimento do PIB do Brasil entre 1990 e 2012 em comparação com 91% na China e 67% na Índia, de acordo com pesquisa da consultoria McKinsey. O restante veio da expansão da força de trabalho, como resultado da demografia favorável, formalização e baixo desemprego”, diz a revista.

A reportagem adianta que uma série de fatores explicam a fraca produtividade brasileira. O baixo investimento em infraestrutura é uma das primeiras razões citadas por economistas. Além disso, apesar do aumento do gasto público com educação, os indicadores de qualidade dos alunos brasileiros não melhoraram. Esquece a revista: Principalmente depois da expansão do ensino privatizado.

Acrescenta The Economist: Um terceiro fator menos óbvio é a má gestão de parte das empresas brasileiras. Acontece que foi a propaganda dessa “má gestão” que fez Fernando Henrique convencer os trabalhadores da necessidade de privatizar as estatais.

Há ainda a legislação trabalhista. A revista diz que muitas empresas preferem contratar amigos ou familiares menos qualificados para determinadas vagas para limitar o risco de roubos na empresa ou de serem processados na Justiça trabalhista. A revista também cita que a proteção do governo aos setores pouco produtivos ajuda na sobrevivência das empresas pouco eficientes.

 

theeconomist1

A intenção da revista é defender privilégios colonialistas. Que as grandes e médias empresas são estrangeiras. O Brasil se tornou o país das montadoras e oficinas. Da exportação de matérias primas. E da lavoura de exportação. Quando milhões de brasileiros passam fome, e são dependentes da esmola do bolsa família.

As empresas da pirataria internacional, da globalização unilateral, recebem empréstimos dos bancos oficiais, terrenos e prédios e isenções fiscais para se instalarem no Brasil, vide o exemplo recente da Fiat em Pernambuco. E, ainda, como lucro: uma mão de obra barata e serviçal, liderada pelos sindicatos corruptos.

As internacionais prestadoras de serviços – eletricidade, internet, telefonia, planos de saúde, bancos, água, mercado de alimentos, ensino universitário, transportes etc – são fiscalizadas por prostitutas respeitosas. As agências reguladoras foram criadas para a farsa de fiscalizar a prestação de serviços públicos praticados pela iniciativa privada, e controlar a qualidade na prestação do serviço, estabelecer regras para o setor, inclusive preços sempre aumentados.

A reportagem ouviu um empresário norte-americano que é dono do restaurante BOS BBQ no Itaim Bibi, em São Paulo. Blake Watkins diz que um trabalhador brasileiro de 18 anos tem habilidades de um norte-americano de 14 anos. “No momento em que você aterrissa no Brasil você começa a perder tempo”, disse o dono do restaurante BOS BBQ, que se mudou há três anos para o País.

Que faz este colono aqui, perdendo tempo, o tempo que é ouro para ele? Pelo racismo da declaração este malandro da KKK deveria ser preso ou expulso.

Blake Watkins é o colono símbolo de um sistema escravocrata. Um trabalhador do restaurante BOS BBQ no Itaim Bibi recebe que salário mínimo do mínimo? Trabalha quantas horas por dia? Recebe horas extras?

A duração decente do trabalho precisa atender a cinco critérios, conforme recomendação da Organização Internacional do Trabalho:

• preservar saúde e segurança;
• ser favoráveis à família;
• promover a igualdade entre os sexos;
• aumentar a produtividade; e
• facilitar a escolha e a influência do trabalhador quanto à jornada de trabalho.

Nada disso acontece nas empresas internacionais que colonizam o Brasil.

Josetxo Excurra
Josetxo Excurra

Fábrica Tacaruna símbolo de um novo Brasil e o velho colonialismo e coronelismo de Eduardo Campos contra a indústria nacional e o progresso social representado por Delmiro Gouveia

Delmiro Gouveia para construir a Fábrica Tacaruna teve que enfrentar poderosos inimigos. E hoje, quem ficar contra a quermesse Fiat-Eduardo Campos, acontecerá o mesmo.

Se Pernambuco tivesse coragem, oposição, assembléia legislativa independente e uma livre câmara de vereadores e promotoria pública e tribunal de contas e faculdades e estudantes de História,  não haveria tanto integrismo para os piratas italianos.

Vários escritores escreveram sobre a Fábrica Tacuruna. O livro mais recente é do cearense Limério Moreira da Rocha: “Usina Beltrão – Fábrica Tacaruna – história de um empreendimento pioneiro”. O prefácio do arquiteto e historiador de arte José Luiz Mota Menezes.

A obra detalha a história da Usina Beltrão/ Fábrica Tacaruna, pioneira no refino de açúcar na América do Sul (e primeira construção em cimento armado do continente). No seu intuito de reconstituir essa história, o autor, à luz de acervos pesquisados no Arquivo Nacional e em instituições pernambucanas, trouxe à superfície informações – algumas inéditas – e testemunhos sobre a glória e a decadência do empreendimento, traçando a trajetória de suas figuras mais ilustres.

Sobrevivente de crises, maus-tratos, descaso oficial, dentre outras ocorrências, o chamado Conjunto Fabril Tacaruna é hoje tombado pelo estado de Pernambuco e está subordinado à Secretaria da Criança e da Juventude, que implantará no espaço o Centro de Cidadania Padre Henrique.

Graduado em estudos sociais, licenciado e bacharel em história, Limério Rocha nasceu em Russas, em 1931, e radicou-se no Recife, nos anos 50. Foi professor de História do Brasil, História da América e Geo-História na Fundação de Ensino Superior de Olinda – Funeso. Também escreveu “Russas: sua origem, sua gente, sua história”, e “Russas: 200 Anos de Emancipação Política”.

Quem se atreverá a escrever os novos e obscuros capítulos da história da Fábrica Tacaura, manchada pelo coronelismo de Eduardo Campos?

livro

A história de um cearense que desafiou o seu tempo. Deu chicotadas no vice-presidente da República e raptou como amante a filha do governador de Pernambuco. Era um empreendedor arrojado e consciente de seu papel social. Quando hoje nenhum empresário pensa no bem-estar dos seus empregados. O que prevalece é um baixo salário como lucro

EDUARDO CAMPOS
EDUARDO CAMPOS

CONTRA

DELMIRO GOUVEIA
DELMIRO GOUVEIA

Escreve Rebecca Fontes:Em meados do século XIX, nascia na fazenda Boa Vista, em Ipu, diocese de Sobral, a 291 km de Fortaleza, Delmiro Gouveia. O menino, filho do cearense Delmiro Porfirio de Farias e da pernambucana Leonila Flora da Cruz Gouveia, veio ao mundo no dia 5 de junho de 1863 para ser o pioneiro da industrialização do Nordeste: foi o primeiro empresário a empregar a energia hidráulica da queda do Angiquinho, na cachoeira de Paulo Afonso, para colocarem funcionamento as máquinas de sua indústria – a Companhia Agro-Fabril Mercantil, no Recife. O feito histórico ocorreu no dia 26 de janeiro de 1913.

Angiquinho usina delmiro

USINA DE ANGIQUINHOS delmiro

usina delmiro 2

usina delmiro

No ano seguinte, Gouveia inaugurou sua fábrica de linhas que, com as marcas Estrela (nacional) e Barrilejo (estrangeira), passou a dominar o mercado brasileiro, conseguindo também forte atuação nas praças argentina, chilena e peruana, desbancando os produtos similares estrangeiros. A expansão continuou até atingir a Bolívia, a colônia inglesa de Barbados, as Antilhas e a América do Norte. Ainda no mesmo ano (1914), o empresário iniciou a construção de estradas para a circulação de riquezas até Vila da Pedra (AL), atual Delmiro Gouveia, onde residia, findando por abrir 520 km de vias carroçáveis. Com isso, também foi o pioneiro na introdução do automóvel no sertão.

Mas até chegar à condição de industrial de sucesso, Gouveia enfrentou muitos desafios e inimigos. A história rumo ao sucesso começa com a mudança de sua família do Ceará, em 1868, para Pernambuco. De bilheteiro na estação do trem urbano de Olinda, passando por despachante de barcaças, Gouveia começa, aos 20 anos, a se interessar pela compra de peles de cabras e ovelhas para exportação, servindo de intermediário entre produtores de couro e comerciantes estrangeiros: No mesmo ano, 1883, casa-se com Anunciada Cândida de Melo Falcão, a Iaiá.

Anunciada Cândida tinha 13 anos quando ficou noiva de Delmiro
Anunciada Cândida tinha 13 anos quando ficou noiva de Delmiro

Em 1886, passa a trabalhar por conta própria e por comissão, estabelecendo-se como negociante de couros, vindo a tomar-se, 11 anos depois, no Rei das Peles, acabando por assumir, em 1897, a presidência da Associação Comercial de Pernambuco. Dois anos depois, à frente da Usina Beltrão, de refino e embalagem de açúcar, implanta no Recife o que hoje seria chamado de centro de diversões. Constrói um mercado modelo sem similar no Brasil.

O projeto, denominado Mercado Coelho Cintra, inaugurado a 7 de setembro de 1899, foi o primeiro do Recife a utilizar luz elétrica e incluía carrossel, retreta, teatro, regatas, hotel, bares e velódromo. Com preços baixos, o Mercado incomodou a concorrência, gerando inimigos poderosos, como o prefeito Esmeraldino Bandeira e o todo poderoso da política pernambucana, o presidente do Senado Federal e vice-presidente da República, Francisco de Assis Rosa e Silva. No ano seguinte, seus inimigos políticos incendeiam o complexo e Gouveia é jurado de morte pelos oligarcas da família Rosa e Silva (rosistas). No ano seguinte, 1901, perseguido, foge para a Europa.

Já separado da mulher, em 1902, o empresário rapta e volta para o Brasil com a adolescente Carmela Eulina do Amaral Gusmão – filha do governador de Pernambuco do período 1899-1900, o desembargador Sigismundo Antônio Gonçalves, um rosista de destaque -, estabelecendo-se em Alagoas. Quando Gouveia chegou a Pedra, a 280 km de Maceió, em 1903, havia ali pouco mais de cinco casebres em torno de um terminal da ferrovia que unia Piranhas a Petrolândia (AL), pela qual circulava um trem por semana. Ele contava então com 40 anos. Em 1904, nascem três filhos da união com Eulina.

Carmela
Carmela

Delmiro Gouveia viajou diversas vezes à Europa e aos Estados Unidos e viu de perto os efeitos revolucionários que a utilização da energia elétrica tivera na indústria. Quando conheceu o distrito da Pedra, sua proximidade da cachoeira de Paulo Afonso e as possibilidades de explorar racionalmente toda aquela região, teve a idéia de realizar ali um grande projeto. Assim, em 1909 o empreendedor dá início aos estudos para a utilização econômica da cachoeira de Paulo Afonso, com aproveitamento parcial de capitais e know-how estrangeiros. O interesse estava voltado ao abastecimento de energia elétrica para funcionamento das máquinas importadas para a Companhia Agro-Fabril Mercantil. Com a indústria inaugurada em 1914, o distrito passou a contar com uma população de cerca de 5 mil pessoas.

A vila operária construída por Delmiro Gouveia
A vila operária construída por Delmiro Gouveia

As residências eram servidas de luz elétrica, água corrente e esgotos. Havia oito escolas, sendo duas profissionais. Dali partiam cinco estradas de rodagem e as terras em redor, beneficiadas pela irrigação, produziam algodão, mandioca, feijão, milho e arroz. Havia criação de gado zebu e holandês e estavam sendo realizadas experiências com novos cruzamentos. A região de Pedra, na confluência de quatro estados, servida por ferrovia e banhada pelo São Francisco, funcionava como corredor de todo comércio do sertão. Tropas de burros pertencentes à firma Iona e Cia., com sede em Maceió, traziam peles e couros do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia e Sergipe. Em Pedra, elas eram tratadas e enfardadas. Seguiam de trem até Piranhas, desciam o São Francisco até Penedo e por mar chegavam a Maceió, de onde eram exportadas. Em pouco tempo, o empresário recuperou a fortuna (perdida quando fugiu do Brasil) e o título de Rei das Peles. A firma -com dois sócios italianos, Lionelo lona e Guido Ferrário – chegou a possuir 200 burros de carga. [Lampião foi um dos almocreves]

Três anos depois da inauguração da fábrica, isolado na cidade que ajudou a construir, o pioneiro da industrialização do Nordeste foi assassinado a bala, no dia 10 de outubro, aos 54 anos de idade, em seu chalet, sob circunstâncias misteriosas e nunca esclarecidas.

Monumento em memória de Delmiro no local em que foi assassinado
Monumento em memória de Delmiro no local em que foi assassinado

O teatro de Eduardo Campos: a entrega da Tacaruna para as excelências da Fiat

FabricadaTacaruna

 

Anunciava o portal do governo de Pernambuco até recentemente:

“Patrimônio Histórico – Fábrica Tacaruna

A Fábrica Tacaruna é considerada como o conjunto arquitetônico fabril mais importante de Pernambuco. Inaugurada em 1895, é formada pela unidade industrial e uma torre. Foi projetada por Delmiro Gouveia para ser a primeira fábrica de açúcar em tablete do país. Na segunda metade do século 20 passou a funcionar como indústria têxtil. Agora no século 21, é propriedade do Estado e se tornará, após reforma, em um centro multicultural“.

Conversa fiada. Promessa para enganar os bestas.

 

Chaminé da Fábrica Tacaruna tem 75 metros de altura
Chaminé da Fábrica Tacaruna tem 75 metros de altura

Nordeste com: Situada na localidade conhecida por Sítio Tacaruna, na atual Avenida Agamenon Magalhães, na divisa dos municípios Recife-Olinda, Pernambuco, a Fàbrica Tacaruna foi construída entre 1890 e 1895, pela Companhia Industrial Açucareira.

Tendo como presidente Pedro da Cunha Beltrão, a Usina Beltrão/Fábrica Tacaruna foi criada com os seguintes fins: comprar, beneficiar e vender os produtos de baixa qualidade da indústria açucareira nacional; fundar duas grandes refinações no Rio de Janeiro e uma no Recife, dotada de aparelhos para produzir álcool puríssimo e esterilizado; e montar indústrias congêneres em qualquer parte do Brasil.

Foi a primeira e mais moderna refinaria da América do Sul e a primeira construção em concreto armado do Brasil.

Além de se destacar pela qualidade estética e técnica de sua edificação, a Usina Beltrão tinha características especiais: mecanização da produção, luz elétrica, cooperativa com sistema de atendimento médico, moradia para os funcionários e operários, sistema de água canalizada para a operação das máquinas. Chamava a atenção a chaminé de 75m de altura, então considerada a mais alta da região, assentadas sobre seis fundas estacas.

Arruda Beltrão ficou à frente da usina até 1899, quando a firma foi adquirida pela firma Cunha & Gouveia, comandada pelo empresário cearense Delmiro Gouveia, um dos pioneiros da industrialização do país, e pelo usineiro José Maria Carneiro da Cunha.

Foi um curto período de administração, no qual Delmiro Gouveia incorporou inovações, como a aquisição de novos maquinismos de procedência inglesa e alemã. Mas, as contendas políticas acirradas – ambos os sócios eram adversários do governador Sigismundo Gonçalves – e as crises do setor açucareiro conspiravam contra o projeto dos empresários.

De 1917 a 1924, a usina ficou sob o controle da firma Mendes, Lima & Cia. Neste último ano, a Companhia Manufatora de Tecidos do Norte, do grupo Menezes, comprou a indústria para transformá-la em Fábrica Tacaruna, empreendimento que resultou bem-sucedido durante três décadas.

Entre 1960 e 1963, segundo o escritor Limério Rocha relata em seu livro “Usina Beltrão – Fábrica Tacaruna – história de um empreendimento pioneiro”, a fábrica atingiu o auge em termos de produtividade, passando a fabricar cobertores de luxo do tipo lã e sintético, com toda a produção vendida. Ritmo que persistiu até meados da década de 1970, quando o controle acionário da indústria foi assumido pela Tecelagem Parahyba do Nordeste, de propriedade da família Severo Gomes. Acabaram-se as produções luxuosas, as quais deram lugar a peças populares.

Desativada em 1982, a Fábrica Tacaruna foi entregue ao Banco Econômico, como pagamento de vultosas dívidas. O espaço já estava, então, incluído, pelo governo municipal, nas chamadas Zonas Especiais de Preservação do Patrimônio Histórico.

Em 1994, o conjunto fabril foi tombado como patrimônio histórico e artístico pelo governo estadual. Em 1996, seria declarado de utilidade pública para fins de desapropriação. Fonte: Revista Algo Mais, fevereiro de 2013.

Nota do redator do blogue: A entrega da Fábrica Tacaruna aos piratas italianos lembra a luta de Delmiro Gouveia contra os piratas ingleses. A mando deles, Delmiro foi assassinado.

Delmiro construiu a primeira hidroelétrica das Américas, em Paulo Afonso, que foi desmontada e jogada no Rio São Francisco.

Delmiro não pegou dinheiro do governo para as suas grandes obras. Em Pedra:

Em 1913, começou a funcionar a usina denominada Angiquinho, fornecendo energia elétrica para todo o vilarejo. A Companhia Agro-Fabril Mercantil, indústria que fabricava linhas de coser, foi instalada em 1914, atraindo muitos moradores para a região e trazendo o desenvolvimento.

A fábrica proporcionou grande geração de empregos, transformando aquela área na primeira vila operária do Sertão. Além da energia elétrica, a vila dispunha ainda de água encanada, telégrafo, telefone, tipografia, capela, cinema, lavanderias, fábrica de gelo, grandes armazéns de depósitos e escola para crianças e adultos. Os habitantes não pagavam pela água e pela luz consumidas, mas não podiam portar armas nem consumir bebidas alcoólicas. Quem jogasse lixo nas ruas recebia multa para se conscientizar do seu erro e preservar a limpeza pública. As casas dos moradores tinham um alpendre largo na frente, ao estilo das construções italianas, e possuíam quatro cômodos. Grande foi o progresso e enorme a prosperidade da vila graças ao arrojado empreendimento, que concorria com poderosos grupos multinacionais.

Além da Fábrica Tacaruna, Delmiro construiu em Recife o que podemos chamar de primeiro shopping das Américas, onde hoje funciona o comando da polícia militar. Veja a semelhança das construções.

Fábrica Tacaruna
Fábrica Tacaruna
Quartel do comando da polícia militar
Quartel do comando da polícia militar hoje
A primeira fachada do Quartel do Derby, quando era o shopping de Delmiro
A primeira fachada do Quartel do Derby, quando era o shopping de Delmiro

O “shopping” de Delmiro foi misteriosamente incendiado. E ele assassinado em 1917.

Debaixo da torre da fábrica, Delmiro esteve escondido quando raptou a filha do governador. Foi um dos seus inúmeros casos amorosos.

Nenhuma das excelências da Fiat têm a visão social de um Delmiro. Suas excelências virão explorar a mão de obra barata e aproveitar as doações de prédios e terrenos, empréstimos bancários a perder de vista, isenções e outras ajudas do mais puro entreguismo.

O presente da Fábrica Tacaruna terá o mesmo destino da doação do terreno da Fábrica Bacardi, na valiosa Bacia do Pina.

Estas fábricas ciganas, quando termina a isenção fiscal, correm para outros lugares, favorecidas pelas ‘desinteressadas’ benesses de governadores e prefeitos.

 

BRA^PE_JDC entre atos

excelência

Brasil ainda vive de explorar seus recursos naturais

por Guilherme Almeida

 

Tjeerd Royaards
Tjeerd Royaards

 

Brasil continua sendo uma colônia que vive da exploração de suas riquezas, ferro, petróleo, agricultura, papel, etc.

A empresa que mais patenteou produtos nos últimos 3 anos foi a Natura, cosméticos.

Hoje, ainda, pagamos “royalties” para sabonetes, sabão em pó e liquido, desodorantes, pasta de dentes, carros, geladeiras, maquinas de lavar, televisores, fio dental, etc. etc.

A única indústria que exporta alguma tecnologia é a Embraer. Mas, mesmo na Embraer alumínio aeronáutico, turbinas, reversores, trens de pouso, freios, aviônicos, resinas, etc. são importados.

E para exportar, dependendo do modelo de avião, precisamos pedir autorização aos americanos.

O “golpe” dos bilhões

A imprensa brasileira nunca achou um bilhão muito dinheiro. Jamais reclamou da gastança na construção de estádios. Dos bilhões para ajudar os bancos, montadoras e oficinas estrangeiras. Privatizar empresas estatais. Emprestar a Sílvio Santos, família Ermírio de Morais, Eike Batista e outros e outros felizardos.

Grita quando o governo investe em obras para o povo.

Safadamente, o Correio Braziliense chega a insinuar que existe dinheiro tirado dos militares, jogando o governo contra as forças armadas. Que pretende o cebê seboso?

Se os bilhões fossem para gastos publicitários, os barões da mídia diriam: – Caixinha, obrigado!

 

 

correio_braziliense. bilhòes

br_estado_spaulo. bilhoes

br_folha_spaulo.bilhoes