Os escritores pernambucanos e o golpe

por Fernando Monteiro

ESTOU CANSADO DAS PESSOAS QUE DIZEM QUE ESTÃO “CANSADAS” DOS “ASSUNTOS DE POLÍTICA” NESTE FACEBOOK.

Estou cansado disso, primeiro porque, eu suponho, elas querem se sentir “especiais” etc, com um muxoxo meio esnobe de quem acha vulgar (?) tentar socorrer o país, em hora perigosa como esta.

E cansado também porque a maior parte dessas pessoas quer
fazer crer que consegue se equilibrar sobre uma absoluta serenidade enfastiada, resumindo suas posições pela descrença que alude a “todos, todos serem corrutos, nenhum se salva” etc etc.

Estou cansado e aponto, com a mão, para as coxias deste inferno — cheias de “bem-intencionados” (???) olhando para os seus umbigos, crentes que o absenteísmo pode ser mais forte do que — por exemplo — um canalha como Carlos Heitor Cony (mas tem muitos outros!) saindo da cova da velhice indigna para vomitar impropérios em espaço bem pago da “Falha de São Paulo”.

Estou cansado, e isso não tem importância, eu sei (posso ouvir uns risinhos nas tais coxias), mas vou continuar aqui, discrepando do silêncio — infelizmente — da quase maioria absoluta dos escritores pernambucanos da minha geração perante um golpe de estado, “branco” ou menos branco, que se prepara no ninho de cobras que reúne as piores mentes & biografias da nação.


Fernando Monteiro, escritor, jornalista, poeta, romancista e biógrafo

CHACINA Vai ter selfies com os PMs de Osasco?

Por Altamiro Borges

nua

analfabeto

selfiecompoliciais

Nas marchas golpistas de março e abril, uma cena patética virou motivo de galhofa nas redes sociais. Dignos representantes das elites paulistas, hoje batizados de “coxinhas”, fizeram questão de tirar suas egocêntricas selfies com soldados do Batalhão de Choque da Polícia Militar. Ao mesmo tempo que rosnavam pelo “Fora Dilma” e até pela volta dos generais ao poder, eles explicitaram o seu apoio incondicional à repressão policial. Neste domingo (16), estes adoradores da violência e do ódio bem que podiam fazer uma homenagem aos soldados da PM que assassinaram 18 pessoas em Osasco, na região metropolitana de São Paulo. Golpistas e carrascos em selfies simbólicas da barbárie.

A chacina ocorreu na quinta-feira (13). Homens encapuzados, de armas em punho, entraram em um bar na periferia da cidade e fuzilaram oito clientes. Na sequência, os assassinos percorreram outros 11 locais. Em cerca de três horas, 18 pessoas foram mortas e seis ficaram feridas em Osasco e Barueri. Apenas seis dos mortos tinham passagem pela polícia. A cena de violência revoltou os moradores da região. “Quando morre um policial, pode saber que em até 15 dias vai ter chacina. Nunca vai mudar, aqui não existe Justiça”, lamenta a costureira Rosângela Gonçalves – que há três anos perdeu um filho numa chacina e que na quinta-feira perdeu um amigo.

Tudo indica que o massacre foi planejado por um grupo de extermínio formado por PMs dispostos a vingar a morte de um policial na semana passada em um posto de gasolina – cena que ganhou enorme repercussão nos programas policialesco da televisão. “Se a hipótese for confirmada, o episódio não constituirá caso isolado. Ao contrário, a desconfiança quanto à participação de agentes de segurança se repete nas cinco principais chacinas registradas em São Paulo desde 2013”, aponta o editorial da Folha deste sábado (15). Nestes cinco massacres foram mortas 42 pessoas.

“Manifestações desse tipo expressam com crueza o quanto há de nefasto na existência de esquadrões da morte. Se as forças legalmente constituídas para garantir o respeito às leis não hesitam em violá-las, por que a população deveria confiar no Estado de Direito? O combate ao crime é um desejo de toda a sociedade, mas não pode ser feito ao arrepio das instituições. Fora dos marcos constitucionais não há ordem, mas barbárie; do ‘cada um por si’ resulta apenas mais violência e insegurança”, alerta a da Folha tucana, que sempre fez esforços para blindar o governador Geraldo Alckmin.

Será que os “coxinhas”, que voltarão a esbanjar seu ódio de classe contra pobres, negros e moradores da periferia neste domingo, vão tirar suas selfies sorridentes com os policiais de Osasco? Ou será que terão o mínimo de dignidade e exigirão uma imediata atitude do “picolé de chuchu” que ajudaram a eleger no primeiro turno das eleições de outubro passado? Os leitores já conhecem a resposta!

A direita e o analfabeto político nas ruas do Brasil e os estudantes do Chile

Os partidos da direita que votaram pela terceirização, através dos principais líderes, realizam as convocações para as passeatas “fora Dilma”, e escondem que presidente apóiam pela força de um golpe. No caso de um impeachment, assumiria Michel Temer do PMDB, vice escolhido e eleito com os votos de Dilma Rousseff.

Clique para ampliar e conhecer os partidos inimigos dos trabalhadores
Clique para ampliar e conhecer os partidos inimigos dos trabalhadores

A campanha de desestabilização do governo, do mais baixo nível, visa criar um clima de ódio, de guerra civil, que não interessa aos partidos conservadores a educação política do povo.

Veja uma comparação entre a manifestação de 12 de abril último e uma passeata estudantil no Chile

Brasil
Brasil
Chile clique para ampliar
Chile clique para ampliar
Brasil
Brasil
Chile
Chile
Brasil
Brasil
Chile
Chile. A Liberdade é sempre revolucionária

Brasil
Brasil
Chile
Chile

dedo de lula direita

Chile
Chile
Brasil
Brasil
Chile
Chile
Brasil
Brasil
Chile
Chile
Brasil
Brasil
Brasil
Brasil. A elite branca pede o retorno da ditadura
Chile
Chile