Blindagem tucana: Casos Sivam e Alstom

Sivam

A PROPINA DO SIVAM

“Em 1993 (governo Itamar Franco), escolheu-se a empresa americana Raytheon para montar um sistema de vigilância no espaço aéreo da Amazônia. Coisa de US$ 1,7 bilhão, sem concorrência. Dois anos depois (governo FHC), o “New York Times” publicou que, segundo os serviços de informações americanos, rolaram propinas no negócio. Diretores da Thomson, que perdera a disputa, diziam que a gorjeta ficara em US$ 30 milhões. Tudo poderia ser briga de concorrentes, até que um tucano grampeou um assessor de FHC e flagrou-o dizendo que o projeto precisava de uma “prensa” para andar. Relatando uma conversa com um senador, afirmou que ele sabia quem levou dinheiro e quanto levou.” (Elio Gaspari)

Entenda: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u33015.shtml

http://www.muco.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=244%3Acaao-sivam&catid=34%3Asala-de-escandalos&Itemid=53

serra alkmin vice aécio

A PROPINA DA ALSTOM

Brasil é o único que ainda não puniu envolvidos no propinoduto do metrô de 11 países que apuraram suspeitas contra a Alstom. Zâmbia e Indonésia já têm provas e punições a empresa ter pago propina para obter contratos. E aqui, nada.

Entenda: http://www.brasil247.com/pt/247/poder/110053/Agenda-proibida-do-PSDB-marca-Alstom-e-Siemens.htm

agenda proibida

PROPINA DA SIEMENS

Os trens da série S3000 comprados pelo governo de São Paulo da fabricante alemã Siemens podem ser vistos atualmente na linha 7 do metrô da região metropolitana, ligando a Estação da Luz, na capital, ao município de Francisco Morato.
Em 2002, a empresa alemã ganhou um contrato de R$ 33 milhões para fazer a manutenção desses dez veículos. O negócio é um dos vários que estão sendo investigados agora pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Ministério Público e Polícia Federal.
O estopim do caso teriam sido denúncias feitas em maio pela própria Siemens ao Cade de que ela teria formado um cartel com outras multinacionais da França, Canadá, Espanha e Japão para manipular os preços de uma licitação pública, e pago propina a autoridades do governo de São Paulo em diferentes administrações do PSDB por mais de uma década.

EntendaD: http://saraiva13.blogspot.com.br/2013/09/propinoduto-tucano-o-trem-pagador.html

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/08/130812_siemens_escandalo_dg

O grito da facção criminosa do Uruguai: Que ninguém fique para trás

uy_ladiaria. capa

Para a Folha de S. Paulo, quando o povo protesta tem o comando de uma facção criminosa. Assim acontece na Espanha, Portugal, Chile, Itália e Uruguai, que realizam greves gerais e protestos nas ruas desde a semana última. Crique nos links ‘povo nas ruas’ e ‘protesto’.

Apresento a facção criminosa do Uruguai, que não sofre stalking policial. Atua livremente. Sem as milhares de prisões políticas dos governadores de São Paulo e Rio de Janeiro. Vai terminar não tendo cadeia para tanta gente. Vão fazer como Pinochet. Sérgio Cabral e Alckmin prenderá o povo nos estádios da Copa do Mundo. No Engenhão e Maracanã.

Qual será o campo de concentração de Alckmin?

la diaria uy

Que nadie quede atrás

Masiva movilización del PIT-CNT reclamó avances en los sectores más trabados de la ronda de Consejos de Salarios.

 MST uy

La zona de 18 de Julio y Ejido lucía como en aquellas noches de 2010 en que la selección avanzaba de fase en el Mundial de Sudáfrica, sólo que en lugar de predominar el celeste, ganaba el rojo. Ayer el PIT-CNT realizó un paro general de 9.00 a 13.00, y desde las 10.00 se concentraron los trabajadores en esa esquina céntrica, rumbo al acto central que se llevaría a cabo frente a la sede de la Asociación Rural del Uruguay (ARU), en la avenida Uruguay. Se eligió ese lugar por los hechos ocurridos en la Expo Prado, cuando los organizadores no dejaron entrar a representantes de los trabajadores rurales a repartir volantes, y por la intransigencia de la patronal rural en los Consejos de Salarios, según afirma la central sindical.

La marcha se detuvo frente al supermercado Ta-Ta de 18 y Yaguarón, donde se hizo alusión a la situación de los trabajadores del sector, aunque fue muy poco lo que pudo escucharse, y pasó frente al Ministerio de Economía y Finanzas. Finalmente, pasadas las 11.00 y mientras sonaba una canción de la Abuela Coca que decía “hermano, ta salao”, que una señora acompañaba con un bombo, y al tiempo que dos jóvenes revoleaban banderas de Cerro entre muchas banderas sindicales, las casi diez cuadras de gente llegaron al escenario.

El representante de los trabajadores en el directorio del Banco de Previsión Social (BPS), Ariel Ferrari, fue el primero en hacer uso de la palabra. Al iniciar su intervención recordó: “Los representantes de los trabajadores en los distintos organismos respondemos al PIT-CNT, por eso es un honor estar acá”. Afirmó que desde la postura de los trabajadores se pretende una seguridad social “basada en tres pilares: que sea universal, donde todos tengamos derecho a todas las prestaciones; solidaria entre los que trabajan y aportan para los que no pueden trabajar y también entre los que ganan más y aportan más para darles a los que menos tienen, y sin fines de lucro”, y mencionó las comisiones que se llevaron las Administradoras de Fondos de Ahorro Previsional (AFAP) el año pasado.

Sobre este último punto, Ferrari celebró la posible aprobación de la ley de desafiliación de las AFAP. Aseguró que “aunque no es la ley que quisiéramos, es una ley seria que les da información a aquellos que al afiliarse no la tuvieron”, y resaltó que “mientras el sistema de las AFAP es individual, el del BPS es solidario”. Criticó los dichos del diputado nacionalista Luis Lacalle Pou, quien había mencionado que a casi 70% le va a convenir permanecer en las AFAP, y opinó que “el hecho de que haya tres de cada diez trabajadores a los que les convenga el cambio ya es motivo para impulsar la ley”. Sobre otro dicho del diputado, en cuanto a la posible pérdida de herencias al desafiliarse de una AFAP, Ferrari le sugirió: “Si realmente le interesa la situación de los trabajadores, que el 6 de noviembre vote para aprobar la Ley de Responsabilidad Penal Empresarial”.

En segundo lugar, pronunció su discurso uno de los coordinadores del PIT-CNT, Fernando Pereira, quien al comenzar a hablar resaltó que se trataba de un día de lucha, de esperanza, pero también de festejo: “En unos días se va a aprobar la Ley de Responsabilidad Penal Empresarial por la que tanto hemos luchado. No puede morir un trabajador por semana ni quedar herido uno cada dos días”, expresó. Agregó que “quienes no voten la ley tendrán que explicarles a los trabajadores por qué decidieron no protegerlos”. Pereira también celebró la aprobación de la Ley de Maternidad y Paternidad, que amplía la licencia para madres y padres, “un gran derecho por el que venimos luchando desde hace más de 20 años”. Luego hizo referencia al lugar elegido para el acto, “que no es casualidad, ya que esta asociación prohibió el ingreso a su exposición a trabajadores que portaban enormes armas. Volantes que decían ‘queremos vivir de nuestro salario’, ‘tener derecho al trabajo’, ‘cuidar la seguridad’; eso les parece sedicioso”. Y advirtió que si el hecho se repite el año que viene, “vamos a ir todos los que estamos acá, vamos a cercar la exposición y vamos a entrar, porque no vamos a permitir más atropellos a los trabajadores”.

Destacó la lucha de la Federación Uruguaya de Empleados de Comercio y Servicios (FUECYS) y el hecho de que se esté firmando “un convenio histórico, no sólo por el monto sino porque va a fortalecer al sindicato”, y aseguró que el próximo paso inmediato es “ir por convenios en tiendas y shoppings”. Convocó a militar en contra de la baja de la edad de imputabilidad, a luchar por una mejora de los salarios de maestros, profesores y funcionarios de la educación, y felicitó a todos los trabajadores por el otorgamiento de una señal de televisión digital a la central sindical.

Otro de los coordinadores del PIT-CNT, Marcelo Abdala, hizo referencia a las quejas de las patronales en los Consejos de Salarios por la conflictividad laboral: “Es lógico que a ellos les preocupe lo que a nosotros nos fortalece”, afirmó. También se refirió al proyecto de Ley de Responsabilidad Penal Empresarial: “si el capital nos somete al delito de trabajar en peligro, está muy bueno que el capital vaya en cana por cometer ese delito”. Abdala criticó luego a la ARU y a otras organizaciones: “Estos señores de la Asociación Rural, dueños del país, generadores de la hegemonía de las clases dominantes, redactores del Código Rural durante Latorre, defensores de cuanta dictadura hubo en este país, junto con los otros pitucos de la Cámara de Comercio, que se la llevan a baldes, [con] la Sociedad de Exportaciones de Productos Mercantiles, símbolo de la dependencia flagrante de este capitalismo en que vivimos, los defensores de la sacrosanta propiedad privada, los representantes del gran capital transnacional antiobrero, se han juntado en santa cruzada para impulsar una utopía reaccionaria contra los trabajadores y el pueblo. Nos hablan de privatizar empresas públicas y de liquidar lo que llaman ‘la rigidez del mercado laboral’, que no son más que nuestros derechos”. Al final, le solicitó al Poder Ejecutivo que en lugar de aplicar la esencialidad recurra a la negociación colectiva, y celebró la posibilidad de que Uruguay retire sus tropas de Haití. (La Diaria)

uy_juventud. URUGUAI

Denuncian que peones rurales ganan “8 mil pesos” mientras patrones ganan millones.

Miles de trabajadores marcharon ayer por el centro de Montevideo bajo la consigna “si a los trabajadores nos va bien, le va bien al pueblo” en el cuarto paro general parcial de este año.

El paro general parcial se inició a las 9 horas, y los trabajadores se concentraron en la explanada municipal para marchar después hacia el Ministerio de Economía, y culminar la actividad con un acto central frente a la sede de la Asociación Rural.

Los oradores del acto fueron los coordinadores del PIT-CNT, Marcelo Abdala y Fernando Pereira, y el representante de los trabajadores en el Banco de Previsión Social (BPS), Ariel Ferrari. La movilización fue mayor que la última concentración de trabajadores.

Marcelo Abdala reclamó apoyo del gobierno para que los sectores más sumergidos logren aumentos de salarios en esta ronda de negociaciones, en especial en el sector supermercados y trabajadores rurales. “No puede ser que cueste avanzar hacia un salario mínimo de 15 mil pesos en los supermercados y de 14 mil pesos en el medio rural” exclamó.

“Le pedimos al Poder Ejecutivo que a la hora de votar se fije que en algunos casos hay gremios enteros ganando salarios de hambre”, reclamó.

A su vez, Fernando Pereira reclamó por avances en las negociaciones en el sector rural. “Algunos tienen millones de dólares, y los peones ganan 8 mil pesos” señaló.

Asimismo cuestionó la decisión de la Asociación Rural del Uruguay de impedir el ingreso de sindicalistas en la Expo Prado en setiembre, y advirtió que “sepan que si el año que viene sucede algo, iremos todos. Y créanlo, que además vamos a entrar” y cercar la exposición.

Los oradores también se refirieron a la discusión en el parlamento de la ley de responsabilidad penal empresarial en casos de accidentes laborales. Reclamaron que “todos los diputados se preocupen y en noviembre voten la ley de responsabilidad penal empresarial”.

Ariel Ferrari, representante de los trabajadores en el BPS, insistió en la necesidad de ampliar la posibilidad de desafiliación de los fondos de pensión (AFAP) para los trabajadores. Dijo que el proyecto enviado por el Ejecutivo al parlamento, no es completo pero reconoce que “hay gente perjudicada”.

Los oradores convocaron además a no votar por la reforma constitucional que promueve la rebaja de la edad de imputabilidad.

Llamaron a que “no haya ni un solo voto de los trabajadores” para esa iniciativa que se vota junto a las elecciones nacionales de octubre de 2014.

La plataforma

La plataforma de la central menciona la necesidad de profundizar las mejoras a través de los consejos de salarios en curso, mejorar y ampliar la reforma del sistema nacional de salud, aumentar a 10 mil pesos el salario mínimo nacional. También se reclama por el desarrollo de la industria donde las empresas públicas sean las locomotoras. Se reclama apoyar el desarrollo de la industria naval, la industrialización del hierro.

Finalmente, el PIT-CNT manifiesta su rechazo a la baja de la edad de imputabilidad. (República)

Ah, se fosse o José Dirceu…

por Gilmar Crestani

charge-do-dia-metro

Não digo que José Dirceu não seja culpado. Até porque vida longa na política, como a de Pedro Simon, para ficar num exemplo gaúcho, é resultado de muito compadrio e pouca serventia. A questão toda tem a ver com os pesos e medidas, tanto da imprensa quanto do STF. Ambos criminalizam tudo o que tenha a ver com movimentos sociais, mas aliviam para todos os que são anti-petistas. Se José Genuíno fosse banqueiro, como Índio da Costa, Salvatore Cacciola ou Daniel Dantas, Gilmar Mendes ou Marco Aurélio Mello arrumariam habeas corpus a mancheia. Se José Dirceu fosse um estuprador como o médico Roger Abdelmassih, poderia viver tranquilo em qualquer lugar com o beneplácito destes mesmos ministros. E, para concluir, se ao invés de trabalharem com Caixa 2 estes petistas tivesse comprado uma reeleição para o Lula, aí sim seriam levados ao paraíso em vida. No mínimo à Academia Brasileira de Letras.

propinoduto-do-metro-de-sp

Secretário se reuniu 73 vezes com grupos citados em cartel

Auxiliar de Alckmin recebeu emissários de 8 empresas acusadas pela Siemens

Agenda de responsável por gerenciar metrô e trens em São Paulo também aponta três conversas com lobista

por Paulo Gama, para a FOLHA

O secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo se reuniu, desde o início da atual gestão, 73 vezes com representantes de oito companhias que foram citadas pela Siemens como integrantes de cartéis que atuaram em licitações da CPTM e do Metrô, empresas públicas vinculadas à pasta.

Dos 15 executivos dessas empresas que foram apontados pela multinacional alemã como “envolvidos na infração” relatada, seis tiveram audiências com o secretário nos últimos dois anos e meio.

Os encontros estão registrados na agenda de audiências concedidas por Jurandir Fernandes (PSDB) entre janeiro de 2011 e agosto de 2013, encaminhada à Folha via Lei de Acesso à Informação.

As reuniões, portanto, são posteriores às licitações em que o cartel agiu –entre 1998 e 2008–, de acordo com o relato feito pela Siemens ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

A secretaria disse, em nota, que da agenda “constam encontros óbvia e obrigatoriamente ligados ao cargo” que “trataram de assuntos de interesse público, como a apresentação de projetos e o andamento de obras”.

Fernandes diz não ver anormalidade nos encontros. Segundo ele, as reuniões com empresários da área servem para “vender o peixe” da secretaria e cobrar os executivos por eventuais atrasos.

Nos documentos que entregou ao Cade, a Siemens diz que o governo soube e deu aval à formação do cartel.

Os encontros não configuram ilegalidade, mas a legislação impede a atuação de agente público que frustre o caráter competitivo de uma licitação e favoreça empresa.

LOBBY

Quando as reuniões aconteceram, ao menos 6 das 8 empresas já eram investigadas pelo Ministério Público por suspeita de fraudes em licitações da pasta. Nesse intervalo, Fernandes também recebeu o lobista Arthur Teixeira três vezes.

Teixeira é apontado na investigação do Cade como intermediador do encontro que definiu o acerto que superfaturou contratos de manutenção dos trens da CPTM. Nas reuniões com Jurandir, ele esteve com representantes do grupo Efacec, de Portugal.

Na maior parte dos encontros, que duravam cerca de uma hora, Fernandes estava acompanhado dos presidentes do Metrô e da CPTM.

Nesse período, as duas empresas públicas firmaram seis contratos, no total de R$ 1,9 bilhão com duas dessas companhias, a T’Trans e a CAF, ou com consórcios dos quais elas participaram.

No intervalo, Fernandes também fez visitas a fábricas e escritórios de quatro dessas empresas –Alstom, Siemens, CAF e Bombardier.

Procuradas pela Folha, Alstom, Siemens, Tejofran, T’Trans e Bombardier informaram que as reuniões trataram de obras e projetos da pasta e fazem parte do contato normal entre contratantes e contratadas.

A Mitsui disse que não se pronunciaria porque as investigações do Cade ainda estão em curso. A CAF não respondeu, e a Balfour Beatty Brazil não quis se pronunciar.


Colaborou Bruno Boghossian, do Painel

Parte de um terreno no Parque Villa Lobos, em São Paulo, vira um mega precatório de 3 bilhões

Em 1987, comemorava-se o centenário de nascimento de Villa-Lobos. No ano seguinte, os Decretos Estaduais 28.335 e 28.336/88 destinavam a área atual do parque à implantação de um “parque de lazer, cultura e esporte”.

Antes de 1989, em sua porção mais a oeste havia um depósito de lixo do CEAGESP, onde cerca de oitenta famílias recolhiam alimentos e embalagens; na parte leste, ao lado do Shopping Villa Lobos, era um depósito de material dragado do Rio Pinheiros; e na porção central, o antigo proprietário permitia o depósito de entulho de construções.

O local constituía-se em um grande descampado. Conforme o projeto do arquiteto Decio Tozzi, foi iniciado o plantio de  árvores.

Em 2011, foi anunciada a ampliação em 20% da área, pela anexação do atual canteiro de obras da Linha 4 do Metrô de São Paulo.

Escreveu Luiz Carlos Azenha em 4 de outubro último:

O assunto só é conhecido aqui pelos leitores do blog da Tribuna, em função de uma matéria de denúncia aqui publicada, com absoluta exclusividade, e que fez a Assembleia de São Paulo exigir informações à Secretaria da Fazenda sobre os juros pagos em excesso a dois empresários pela desapropriação do Parque Villa Lobos, na zona oeste da capital. Estranhamente, a chamada grande imprensa nada publica a respeito.

A reportagem da Tribuna da Imprensa registrou que os primos Antonio João Abdalla Filho e José João Abdalla Filho receberam indevidamente cerca de R$ 300 milhões a título de juros moratórios pela desapropriação da extensa área, embora os pagamentos das parcelas tenham sido efetuados sempre antes das datas de vencimento e, portanto, jamais poderia haver juros por atraso.

Em função dessas irregularidades, o jornalista e ex-deputado Afanasio Jazadji entrou com uma ação popular contra o governo de São Paulo, que foi acolhida pela 6ª Vara da Fazenda Pública de SP. E, em seguida, com uma representação ao Procurador-Geral de Justiça.

E agora o promotor de justiça Marcelo Duarte Daneluzzi, da 3ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social do Estado de SP, decidiu instaurar inquérito civil para apurar as irregularidades, considerando procedente a representação do ex-parlamentar, que denunciou prejuízo de vulto à Fazenda do Estado, em decorrência de pagamento de precatório de valor superior a três bilhões de reais.

A REPRESENTAÇÃO ACOLHIDA PELO MP  clique aqui

Que parte da área do Parque Villa Lobos pertenceu a família Abdalla?

O STF, O SENADO, O GOVERNO DE SÃO PAULO E O ESTUPRO DA MENINA DO PINHEIRINHO

Já expliquei que o Tribunal Superior de Justiça beneficiou um pedófilo, no caso do estuprador de três crianças de doze anos, cujo nome, estranhamente é mantido em segredo. Deve ser um maníaco sexual endinheirado ou autoridade de um dos três poderes.

Comenta a BBC:

Em sua edição desta semana, a revistaThe Economist diz que a decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) de não condenar um homem que manteve relações sexuais com três meninas de 12 anos de idade envia “o sinal errado”.

Segundo a revista, o tribunal decidiu que não há igualdade de direitos para as crianças.

O fato ocorreu em 2002, antes que fosse estabelecida no Brasil a idade de consentimento, de 14 anos, e as menores trabalhavam como prostitutas, o que influenciou a decisão do STJ, anunciada na semana passada em meio a polêmica e condenação por parte de ativistas de direitos humanos.

A revista cita um representante da Anistia Internacional que lembra que a prostituição infantil geralmente começa com um estupro e manifesta preocupação de que a decisão possa enfraquecer as proteções legais a crianças no Brasil.

Notícias relacionadas

  • Ativistas de direitos humanos condenam decisão do STF sobre estupro de menores
  • Em que ficou o caso da menina estuprada pela polícia na invasão do Pinheirinho em São José dos Campos, em São Paulo? O governador Alkimin já puniu os responsáveis? Expulsou da Polícia Militar os estupradores? Remeteu o prometido inquérito para a justiça? Veja vídeo.

    Esta criança foi estuprada por militares, tarados da Rota. Que Alkimin fez por esta inocente vítima? Ofereceu abrigo, ajuda psicológica, salário educação, proteção contra assédios morai e sexuai, stalking, queima de arquivo?
    Esta criança foi estuprada por militares, tarados da Rota. Que Alkimin fez por esta inocente vítima? Ofereceu abrigo, ajuda psicológica, salário educação, proteção contra assédios moral e sexual, stalking, queima de arquivo? Onde está hoje esta menina?
  • O Brasil preocupa-se apenas com a pedofilia na internet, para proteger as filhas das elites, que as crianças mais vulneráveis, são mais de 200 mil escravizadas pelo tráfico de sexo, jamais acessaram um computador. São filhas das ruas, das favelas, das camadas mais pobres. 

Veja que, para o STF, a pedofilia digital é crime mais grave que o estupro de menores.

O caso da menina do Pinheiro, denunciado pelo senador Suplicy, na tribuna do Congresso Nacional, vai ficar impune.

Eta Brasil bizarro, desconforme e cruel.

 

Tirania de Alckmin. Por que algemar uma estudante da USP grávida? Sobre partos com gestantes algemadas

Revivem os tempos da ditadura.  É assim mesmo. Mostrei aqui que a polícia estuprou uma universitária da USP e uma menor no “episódio do Pinheirinho”. Alckmin nem aí. Que tudo teve a aprovação do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Desalojar estudantes de suas moradias, prender e expulsar estudantes, isso acontece adoidado nestes tempos de retorno das ameaças dos clubes militares.

Eis outra barbaridade. Aconteceu na madrugada do domingo de carnaval, na ocupação militar do prédio residencial dos alunos da USP. Veja vídeo da estudante grávida carregada, na marra, pela polícia de Alckmin. O nome da jovem: Paula, 21 anos. Ordem de despejo dos estudantes do Conjunto Residencial da USP, o Crusp, foi de outra Paula, juíza Ana Paula Sampaio de Queiroz Bandeira Lins, da 4ª Vara de Fazenda Pública.

Mais denúncias: as meninas obrigadas a ficar nuas no IML, para exame do corpo de delito por um médico tarado.

Nota pública dos Juízes para a Democracia:

Sobre Partos com Gestantes Algemadas

30/11/2011 – 11h14

A AJD – ASSOCIAÇÃO JUÍZES PARA A DEMOCRACIA, entidade não governamental, sem fins corporativos, que tem dentre seus objetivos estatutários o respeito absoluto e incondicional aos valores próprios do Estado Democrático de Direito e a defesa dos Direitos Humanos, tendo em vista a confirmação das notícias de realização de partos com o uso de algemas em gestantes sujeitas ao cumprimento de penas, vem a público manifestar o seguinte:

(1) algemar mulheres durante o parto constitui, inquestionavelmente, atentado à dignidade humana (art. 1º da Constituição Federal), desrespeito à integridade moral das mulheres (art. 5º XLIX, da Constituição Federal) e ofensa à especial proteção à maternidade e à infância, instituída como direito social (art. 6º da Constituição Federal),

(2) constitui descumprimento da garantia à mulher de assistência apropriada em relação ao parto, instituída no art. 12, § 2º da Convenção da ONU relativa aos direitos políticos da mulher (1952),

(3) submete também o recém-nascido a discriminação em razão do parentesco, com violação das garantias e direitos constitucionais de proteção à infância (art. 227 da Constituição Federal),

(4) subverte a lógica constitucional de acesso universal e igualitário aos serviços de saúde (art. 196 da Constituição Federal),

(5) representa flagrante descumprimento do dever de atendimento individualizado e tratamento diferenciado a que fazem jus as gestantes nos termos da Lei Federal nº 10.048/00 e, ainda,

(6) desvela evidente violação do artigo 143 da Constituição de São Paulo, que determina que a política penitenciária estadual deve observar as regras da ONU para o tratamento de presos, dentre as quais se destaca a regra nº 11 das “Regras de Bangcoc”, segundo a qual a presença de pessoal penitenciário e de segurança, durante o atendimento médico, observará a dignidade da presa.

Além de tudo isso, em face da absoluta desnecessidade dessa providência desumana e cruel, está ocorrendo também flagrante violação à Súmula Vinculante nº 11 do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, a qual estabelece que o uso de algemas somente é lícito em casos absolutamente excepcionais e determina a aplicação de penalidades nos casos de abuso e constrangimento físico e moral dos presos ou presas.

 Assim, como o procedimento em menção constitui prática ilegal, repugnante, covarde e imoral, além  de violadora da dignidade humana, a  AJD  EXIGE que Governo do Estado determine a imediata abstenção dessa prática, bem como promova de forma efetiva a responsabilização de Secretários de Estado e Servidores, por suas respectivas condutas, de ação ou omissão, na forma da Lei.

Domingo de carnaval. Polícia de Alkmin despeja estudantes de suas moradias na USP. Voyeurismo no IML. Médico tarado manda as adolescentes tirar a roupa

por Aline Scarso

Conjunto Residencial da USP (Crusp). Tarde da sexta-feira (24). Cinco dias depois da Polícia Militar do estado de São Paulo ter realizado a reintegração de posse do espaço conhecido como Moradia Retomada, na madrugada do domingo de Carnaval na Universidade de São Paulo (USP).

O local de encontro é um apartamento estudantil. Apertado. São três quartos e uma pequena sala que atualmente abrigam sete pessoas, quatro delas estudantes desalojados pela PM. De forma solidária, moradores do Crusp oferecem abrigo provisório para os mais de 40 estudantes despejados.

A reportagem do Brasil de Fato conversou com três estudantes que foram presos durante a desocupação e uma caloura que desde o início de fevereiro estava na Moradia Retomada por não ter onde ficar. Eles são Rosi Santos e Augusto Rolim Saraiva. Os outros dois preferem não revelar os nomes por medo de represálias.

Rosi Santos – As pessoas estavam dormindo, com exceção de Augusto e eu. A gente percebeu uma movimentação e avisamos os moradores, mas os PMs já estavam dentro da casa. Em nenhum momento eles bateram na porta e pediram para a gente sair para fazer vista do pedido de reintegração de posse.

Augusto Rolim – Foi um aparato de guerra utilizado contra a gente. Com certeza eram mais de 200 homens da Tropa de Choque, tinha helicóptero, e há relatos de que um batalhão da cavalaria no Portão 1 esperava para agir caso o comandante acionasse. Além de toda essa operação de guerra eles bloquearam a entrada de vários blocos do Crusp para impedir que os moradores descessem para socorrer o pessoal que estava na Moradia. Eles também entraram em andares do Bloco G, vizinhos à Moradia, e obrigaram os moradores a sair dos apartamentos, alguns até [saíram] com roupas íntimas e não deram nenhuma justificativa para isso. Revistaram os apartamentos em busca de algum estudante “subversivo” ou algum fato que pudesse incriminá-los. Uma questão muito marcante foi que, quando eles entraram na Moradia, além de exigirem o RG de todo mundo, também exigiram a carteirinha USP, o que mostra que eles estavam querendo provar que a Moradia Retomada era algo estranho à universidade, ocupado por pessoas que não têm vínculo com a USP, o que é uma grande mentira que o coordenador da Coseas, Waldir Antônio Jorge, vem reproduzindo há muito tempo.

E como foi o tratamento dado a vocês na delegacia?

Jorge* – Quando a gente chegou à delegacia, ficamos na sala de espera aproximadamente uma hora, sem saber o que ia acontecer. Daí separaram homens e mulheres e nos levaram para celas. Elas eram muito pequenas, cerca de 2,5 metros por 3 metros, e o cheiro horrível de creolina e fezes, e havia sangue nas paredes. Ficamos ali todo o dia, com exceção dos períodos em que chamavam para pegar os dados pessoais. Em meu caso específico, eles perguntaram meu nome e eu respondi que todos os meus dados estavam no documento de identidade que estava com eles. Perguntaram mais coisas e eu me neguei a falar porque queria conversar antes com um advogado. Foi quando um policial me chamou de “filho da puta”, e começou a me chacoalhar. Eu fiquei quieto, e o delegado ria. Quando estava entrando na cela, me tiraram as coisas do bolso e me deixaram ficar com o cigarro e o isqueiro. Quando saímos para o Instituto Médico Legal (IML) para fazer o exame de corpo de delito, me revistaram novamente, acharam o isqueiro e perguntaram: ‘o que isso faz aqui?’. Oras, foram eles mesmos que permitiram. Fomos até o IML sentados na parte de trás do camburão e que eles chacoalhavam constantemente. Sem ter onde segurar, eu fiquei todo machucado. No IML os PMs estavam presentes na sala do médico, que perguntou de onde provinha a ferida nas minhas costas e eu disse que havia sido no camburão, mas não podia me manifestar livremente, estava constrangido com eles ali. Diziam para não lhes interpretarem mal, que a polícia não era violenta. Depois disso, nós voltamos às celas

Augusto Rolim – Outra questão ilegal é que tinha uma menor de idade com a gente e ela ficou encarcerada por cerca de 3h em uma cela como se fosse uma pessoa maior de idade. Além disso, tem a forma como a polícia tratou a Paula, uma estudante grávida de seis meses. Primeiro ela foi arrastada da Moradia Retomada até o ônibus da PM simplesmente pelo fato de que queria que o Oficial de Justiça lesse a ordem de reintegração de posse, eles se negaram e então a arrastaram até o ônibus. Chegando à delegacia eles a colocaram nas mesmas celas que a gente ficou, que estavam em condições horríveis, sujas de dejetos humanos, não conseguíamos nem respirar. Ela começou a passar mal e a gente começou a fazer um estardalhaço porque poderia acontecer alguma coisa mais grave com o feto. Gritamos e batemos nas grades até que eles vieram e a levaram para um hospital. Ela chegou inclusive a desmaiar por conta da situação que passou.

Rosi Santos – Outra questão que realmente nos marcou foi o fato de que o médico do IML nos obrigou a ficar nuas. Dizia às mulheres que se elas não fizessem isso, ele não faria o exame e elas seriam obrigadas a voltar para a cela. Quando eu fui presa na desocupação da reitoria [da USP, em 8 de novembro de 2011], a gente foi examinada por uma médica mulher e os meninos por um médico homem. Foi super tranquilo e tudo foi fotografado. A gente levantou as partes onde tinha machucado. Dessa vez, não foi assim. Uma menina estava de vestido e mostrou as pernas. Aí o médico falou para ela levantar todo o vestido. E ela disse que estava sem sutiã. E ele respondeu que não havia problema, que teria que examinar todas nós nuas. A gente foi contra, mas não teve o que fazer e todas nós ficamos nessa situação. Eu acredito que tem um respaldo legal para fazer com que as pessoas se dispam, mas a questão é se havia necessidade. Não faz sentido para uma pessoa que foi presa pela PM por esconder machucados provocados por essa mesma polícia. É estranho esse procedimento, totalmente desnecessário, serviu para nos deixar em uma posição vexatória. Além disso, o exame foi super mal feito, ele não tirou foto, só olhou e anotou coisas que não pudemos nem olhar.

* Jorge e Patrícia são nomes fictícios. O anonimato acontece para evitar novas prisões e expulsão da USP. Desde 1964 que a USP continua a mesma. Caçando subversivos e cassando estudantes “esquerdistas”. Transcrevi trechos. Leia mais, Veja vídeo