Alckmin, o mágico: até a água sumiu em São Paulo

Ou falta ou tem água poluída, por Jean Gouders
Ou falta ou tem água poluída, por Jean Gouders

 

Faltar água em estados brasileiros exportadores de água é preciso que o governador seja muito incompetente ou safado. Ou as duas cousas juntas. Quando se sabe que o Brasil possui os dois maiores aquíferos do mundo, inclusive aquíferos para descobrir, e rios e mais rios e lagos e lagoas encantadas, e secretas fontes dágua e cascatas.

Esconder uma cascata é coisa mágica. Só para exemplificar: Quantas cascatas invisíveis têm os estados nordestinos?

Não existe o mapa das águas no Brasil. O mesmo acontece como o mapa das ilhas fluviais, marítimas e oceânicas. Se perguntar para Ana, a prostituta respeitosa, quantas ilhas o Brasil tem, a resposta vem rápida na ponta da língua sensual e promíscua: – “Uma longa costa oceânica e quase nenhuma ilha. Por que esta divisão colonial de ilhas marítimas e oceânicas? Quantas ilhas foram dadas como concessões? O Brasil possui milhares de  ilhas fluviais, inclusive as maiores do mundo.

Um raro mapa fluvial de São Paulo que anda sem água na torneira da casa dos pobres, e com um crescente comércio de água engarrafada – um rico negócio nas mãos da pirataria internacional, e que cria as maiores fortunas individuais de brasileiros e brasileiras do quarto, copa e cozinha de diferentes governos estaduais e da União dos lá de cima.

sp unidades hidrográficas

Aqüífero_Guarani

 

água são paulo

água sao paulo

Mais um inquérito do MP que vai com com os burros n'água
Mais um inquérito do MP que vai dar com com os burros n’água

atrizes_latadágua água

São Paulo X Rio de Janeiro. A GUERRA DA ÁGUA

BRA^SP_METSP água

A guerra dos desgovernos. Da corrupção. O povo sempre perde. Ganham as multinacionais engarrafadoras de água.

Veja só um exemplo: Aquífero Guarani foi o nome que, em 1996, o geólogo uruguaio Danilo Anton propôs para denominar um imenso aquífero que abrange partes dos territórios do Uruguai, Argentina, Paraguai e principalmente Brasil, ocupando 1 200 000 km². Na ocasião, ele chegou a ser considerado o maior do mundo, capaz de abastecer a população brasileira durante 2500 anos. A maior reserva atualmente conhecida é o Aquífero Alter do Chão, que fica na Amazônia.

A maior parte (70% ou 840 mil km²) da área ocupada pelo aquífero — cerca de 1 200 000 km² –  está no subsolo do centro-sudoeste do Brasil. O restante se distribui entre o nordeste da Argentina (255 mil km²), noroeste do Uruguai (58500 km²) e sudeste do Paraguai (58500 km²), nas bacias do rio Paraná e do Chaco-Paraná. A população atual do domínio de ocorrência do aquífero é estimada em quinze milhões de habitantes.

  • Mato Grosso do Sul (213 700 km²)
  • Rio Grande do Sul (157 600 km²)
  • São Paulo (155 800 km²)
  • Paraná (131 300 km²)
  • Goiás (55 000 km²)
  • Minas Gerais (51 300 km²)
  • Santa Catarina (49 200 km²)
  • Mato Grosso (26 400 km²)

Nomeado em homenagem ao povo Guarani, possui um volume de aproximadamente 55 mil km³ e profundidade máxima por volta de 1 800 metros, com uma capacidade de recarregamento de aproximadamente 166 km³ ao ano por precipitação. É dito que esta vasta reserva subterrânea pode fornecer água potável ao mundo por duzentos anos. Devido a uma possível falta de água potável no planeta, que começaria em vinte anos, este recurso natural está rapidamente sendo politizado, tornando-se o controle do Aquífero Guarani cada vez mais controverso.

Corria o boato, durante o governo Fernando Henrique, que o Brasil teria entregue o Aquífero Guarani aos Estados Unidos como caução da dívida externa.

São Paulo é um estado rico em água. Já tive oportunidade de mostrar sua hidrologia e hidrogeologia. (Clique nas fotos para ampliar).

Quantos aquíferos possui São Paulo?

Aquíferos São Paulo. Quantas outorgas existem para a pirataria estrangeira? Para onde vai a água exportada por São Paulo?
Aquíferos de São Paulo. Quantas outorgas existem para a pirataria estrangeira? Para onde vai a água exportada por São Paulo?

A

Rio Tietê, um dos principais rios paulistas. Na imagem, o rio está na altura de Cabreúva, mas percebe-se que ainda há poluição da metrópole.

B

C

D

E

F

G

I

J

Cachoeira do Pimenta, a maior do Rio Jacuí

L

M

Rio Monjolinho, vista dentro da cidade de São Carlos-SP.

N

Rio Novo- Lat. S 22º56’39” e Log. O 49º03’12”

P

Rio Paranapanema no município deParanapanema

Rio Pardo cruzando o centro da cidade deÁguas de Santa Bárbara

Q

R

S

T

Rio Tietê em Barra Bonita / Igaraçu do Tietê

V

BRA_OG água

BRA^SP_OV água

BRA_DT água s paulo

BRA_FDSP água

Racionamento d’água em São Paulo: Incompetência dos sucessivos governos tucanos

BRA^SP_METSP sao paulo sem água

 

Escreve Ana Cecilia da Costa e Silva: “Dentre os grandes temas da atual agenda sócio-econômica mundial, está a questão da escassez de água potável.

Hoje, dos 6 bilhões de habitantes, 1,1 bilhões não têm acesso à água doce, que inclui a água potável para higiene pessoal e irrigação e produção de alimentos. O último relatório para o desenvolvimento das Nações Unidas prevê que até 2050, 45% da população mundial não terá acesso à quantidade mínima de água para atender suas necessidades básicas de ingestão e para produção de alimentos se mantidas as atuais taxas de crescimento do produto e da população (PROGRAMA, 2006).

As reservas mundiais de água doce estão concentradas em poucos países: Brasil, Rússia, China e Canadá. Cabe a esses países desenvolver tecnologia que permita, ao mesmo tempo, captação e preservação dos mananciais dessa água, já que a quantidade de água doce disponível no planeta é a mesma há 100 milhões de anos e é um bem não renovável (ECO, 2007).

Nesse sentido, o comércio internacional ganha fôlego, considerando que a troca de bens escassos sempre foi tema de discussão na economia internacional”.

O Brasil tem pouco mais de 13% de toda a água doce do planeta. Os desafios são: reduzir o enorme desperdício domiciliar, industrial e agrícola; acabar com a contaminação dos rios e lagos e, quem sabe um dia, conseguir cobrar alguma coisa pelo item mais nobre da nossa balança comercial. E acabar de vez com o tráfico internacional de água, com a desnacionalização do comércio de abastecimento  das cidades, inclusive de água engarrafada. A safadeza é tão grande que empresas multinacionais usam garrafas e botijões de plástico.

Graças à localização intertropical, ao clima e à geologia, o Estado de São Paulo tem abundância de água superficial e subterrânea. O racionamento por falta de chuvas parece piada. Quando várias cidades reclamam das enchentes.

As águas subterrâneas e os aquíferos são bem explorados pelos piratas estrangeiros. E faltar água é incompetência tucana.

Estudo realizado em 2005, pelo governo de São Paulo: A chuva média plurianual que ocorre no território de SP é da ordem de 1380 mm/ano ou 10.800 m3/s. Deste total, apenas 30% (3120 m3/s) constituem a vazão média que escoa pelos rios. Uma parcela desta vazão média constitui o chamado escoamento básico, isto é, o volume de águas subterrâneas que, na fase terrestre do ciclo hidrológico, mantém o nível de base dos rios durante o período seco; corresponde a 40% (1280 m3/s) do escoamento total.

A demanda atual por água superficial é da ordem de 350 m3/s, assim repartida:

• abastecimento público: 110 m3/s

• uso industrial: 93 m3/s

• irrigação: 143 m3/s

• uso doméstico rural: 4 m3/s

 

 

Água, riqueza brasileira. Quanto você gasta com água engarrafada para enriquecer empresas estrangeiras?

BRA^SP_FDR água

BRA^SC_NDOD Joirville águaBRA_DGABC água ABCBRA_JP águaBRA_OPOVO águaroyalties água

Dengue é coisa de prefeito ladrão. E ninguém faz nada para combater a seca. Faltar água para o povo é uma mistura de corrupção com crueldade

BRA_OPOVO seca saúde dengue

BRA_DN água seca Ceará

BRA_OPOVO seca governantes não conhecem o povo
Dinheiro para construir estádio o Ceará tem. Tem para outros elefantes brancos e serviços fantasmas.

Tem uma justiça cara. Tem um legislativo caro. Tem um executivo que nada faz que preste para o povo.

Vale para todo o Nordeste e o Brasil inteiro.

Os prefeitos nordestinos ficam ricos de repente. Ninguém investe em cisternas, em poços artesianos. Isso qualquer prefeito poderia fazer.

Que os governos estaduais cuidassem de construir açudes e de construir barragens nos rios. Que o governo federal terminasse as obras de transposição do Rio São Francisco e da interligação dos rios brasileiros e do mapeamento e aproveitamento dos aquíferos. O Brasil tem os dois maiores aquíferos do mundo. E, possivelmente, outros, cujas outorgas também estão sendo entregues aos piratas estrangeiros.

O Brasil que exporta água deixa o seu povo morrer de sede…

 
BRA^PE_JDC água privatização

A safadeza não é só nordestina. A indústria da seca rende muita grana. Inclusive votos. Os negócios dessas almas sebosas nunca dão com os burros n’água.

BRA^RJ_EX água compra voto Rio

água

 

Quanto o judiciário, o legislativo e o executivo gastam com água engarrafada?

água

 

O gasto com água engarrafada. Este um desperdício jamais tocado pela imprensa. E que nunca será discutido, principalmente agora que estão privatizando todos os serviços de abastecimento de água, e as outorgas da Agência Nacional de Água são cada vez mais secretas.

Sei que a água vale mais que o ouro. É mais cara que a gasolina. E o brasileiro não reclama nada.

Antes de 64, o senador Jarbas Maranhão, um político sério, um homem digno, perdeu a eleição de governador de Pernambuco para Cid Sampaio, por conta do boato de que não bebia a água de cisterna, das cidades que visitava na campanha eleitoral, por nojo. Por frescura. Viadagem.

Os tempos estão mesmo mudados. Todo mundo sabe que, nos palácios do executivo, do legislativo e do judiciário, ninguém bebe água de torneira.

Gostaria de saber quanto o Brasil lucra com as outorgas e quanto paga para as concessionárias de água?

KAP
KAP

La administración pública española ahorraría al menos 50 millones de euros anuales sustituyendo el agua embotellada de reuniones, entrevistas, encuentros o seminarios por agua de grifo, según concluye en un artículo el director general de la Asociación Española de Empresas Gestoras de los Servicios de Agua a Poblaciones (AGA), José Luis González Vallvé. En un texto publicado en la página web ‘iAgua’, el exconsejero de Castilla y León explica que España se encuentra entre los cinco países mayores consumidores per cápita de agua embotellada del mundo, con un consumo de aproximadamente 5.000 millones de botellas por año.

Según desgrana, esto supone un consumo de entre 100 y 150 litros por habitante de un agua que cuesta entre 200 y 1.000 veces más que el agua de grifo. Y además, avisa de que no está claro de que el agua embotellada tenga “mejor sabor ni mejores condiciones higiénico-dietéticas-sanitarias” que la de grifo. “No hay estadísticas ni estudios suficientemente rigurosos ni en los presupuestos públicos hay un epígrafe para el agua embotellada, pero una estimación conservadora sería la de que la Administración Pública consume entre el 5% y el 10% del total del consumo de agua embotellada de España. Si escogemos la menor de dichas hipótesis, tendríamos un gasto de 50 millones de euros por año que obviamente se ahorrarían en su casi totalidad si se consumiera agua del grifo”, argumenta el director general de AGA.

Pero además, advierte de que otra de las consecuencias de este consumo son los kilos de plástico consumidos, de los que “sólo van al vertedero con tratamiento de residuos el 13 por ciento” y el resto acaba en parques, jardines, calles u otras zonas públicas, causando “más daño ambiental” que un desastre natural como el del Prestige.

Consumo energético

González Vallvé apunta también al consumo energético que supone hacer botellas de plástico. “Producir un vasito de agua embotellada en envase de plástico, supone emitir como media 185 g de CO2 a la atmosfera, como un automóvil recorriendo un kilómetro, frente a los escasos 0,3g del modesto vasito de agua del grifo vía jarrita en la mesita”, denuncia.

Además de consejero de la Junta de Castilla y León, González Vallvé ha sido funcionario internacional en la Comisión Europea y, como tal, director de su Representación en España, entre 2003 y 2009. En los últimos años ha sido presidente de Tecniberia, consejero del Icex y presidente del Consejo de Promoción Exterior de la CEOE. Confira 

 

Dona Maria: “O que mais dói é a Fome. Fome. Fome. Fome, meu filho! E a falta de água” (veja vídeo) Este o Brasil que a Copa esconde

por Ian Junior

Maria de Nazaré (nome da mãe de Jesus)
Maria de Nazaré (nome da mãe de Jesus)

O Brasil Hoje vive em meio à miséria, à fome e ao desprezo das pessoas. O País em que só visa o Luxo e não olham as pessoas carentes, pessoas que realmente precisam do dinheiro em que é gasto nos Estádios de Futebol, em Obras do Governo Federal para a Copa do Mundo.

O Brasil é um Pais em que poderia ser umas das maiores potencias do Mundo, se não houvesse tanta corrupção, tanto político que entra no governo apenas para beneficiar a se próprio, corruptos que prometem e não cumprem o que dizem, verdadeiros Bandidos, e por causa deles é que muitas famílias e pessoas sofrem com a fome, sofrem em meio a miséria, a falta de Educação, de saúde, pessoas que não tem nada para comer no dia-a-dia, pessoas que não tem como sustentar suas famílias. Muita gente trabalhando em lixões para tentar dar algo e trazer algo para sua casa.

O Nordeste que passa por uma grande seca no momento e que não vem quase nenhum recurso financeiro para ajuda, se vem é muito pouco. Imagine só, se todo esse dinheiro investido na Copa, fosse investido na Seca, ou na Transposição do Rio São Francisco, que faz muitos anos que está parado, ai sim seria melhor e ajudaria muitas famílias que sofrem com a Seca. Mais infelizmente parece que não passa de uma obra “Fuleira”, esquecida e que não estão nem ai.

 Paradas obras da transposição do Rio São Francisco
Paradas obras da transposição do Rio São Francisco

Tiramos por fato a vida da Dona Maria Nazaré, uma mulher que vive em meio à fome, que se quer tem água em sua casa para tomar um banho.

Iai? Será que precisamos mesmo de uma Copa do Mundo? Fica a pergunta no ar…

(Transcrito do Folha do Sertão)

No Nordeste água tem cheiro e cor. Empresas de abastecimento, privatizadas, vão subir os preços

br_atarde. água barata grande consumidor

A imprensa sempre fala dos preços dos alimentos, e esquece o custo da água engarrafada pelas empresas multinacionais. Quando um litro de água, em garrafa de plástico, está mais caro que a gasolina. Ou um litro de qualquer fruta comprada em uma feira livre. Faça a experiência com a laranja, a melancia, o melão.

BRA_JOBR e quanto custa um litro de água engarrafada em Brasília?

A mania agora é privatizar a água. Na surdina. Privatização hoje tem diferentes nomes: concessão (devia ser Conceição), outorga, parceria e outros me engana que o povo gosta.

Resultado: água mais cara para o povo.

BRA_DN água preço

Escreve Mauri König: “A morte ronda diuturnamente o sertanejo no Semiárido, no lastro das secas que forjam a mais triste e previsível tragédia brasileira. Fustigado pelo desejo de quantificar as perdas humanas, o pesquisador Marco Antônio Villa contou os mortos nas principais estiagens ocorridas no Nordeste entre 1825 e 1985. Chegou a 3 milhões de vítimas, conforme narra em Vida e Morte no Sertão (Ática, 2000)”.

E de 1985 para 2013?

Para não morrer de sede, o nordestino bebe água com cheiro e cor. Ou morre de sede, ou a água mata, e a estatística registra como morte por causa desconhecida.

Doenças          
Cólera
Disenteria
Febre tifóide
Hepatite infecciosa
Febre paratifóide
Gastroenterite
Diarréia infantil
Leptospirose

Por que a água deve ser parte da cesta básica? Leia a série de reportagens Órfãos da Seca de Mauri König. Veja reportagem da Tv Globo:

A seca está afetando a saúde de milhares de brasileiros da Região Nordeste. O repórter Alessandro Torres mostra por quê.

Na estiagem que parece não ter fim, a água quase se esgotou. 40% dos reservatórios do Ceará estão com nível crítico para abastecimento da população. Os moradores de Irauçuba, no sertão, a 150 km de Fortaleza, por exemplo, dependem de um açude que está praticamente seco.

Os moradores que não são atendidos já sentem na saúde as consequências da falta de água tratada para consumir.

O hospital e o posto de saúde precisam do caminhão-pipa para prestar atendimento aos pacientes que chegam com sintomas de contaminação.
“Está vomitando, vomitando, vomitando. Eu dei soro, não sustentou, vomitando e diarréia”, descreve a dona de casa Francisca Sousa Rodrigues.

“Por causa da água de má qualidade acontecem os casos de verminose e diarréias, principalmente em crianças”, aponta a enfermeira Ana Lúcia Pereira Lima.

Sem nada na torneira e sem carro-pipa, os moradores correm para comprar a pouca água que chega em caminhões até a cidade.

“Cada dia é de uma pessoa diferente, ninguém sabe nem de onde é que eles trazem”, diz a aposentada Neide Brito de Araújo.

“Quantos já hoje correram atrás de mim por mil litros de água, por 200, por tamborzinho de 50 litros, 20”, fala o comerciante Francisco Salomão Bastos.

“Está com quase uma hora que eu procuro água e não encontro. Tem dinheiro, mas não tem água pra comprar”, lamenta o desempregado Francisco das Chagas Lopes.

E quem não tem nem o dinheiro recorre aos vizinhos. Mas a água, que não é paga, pode custar a saúde.

“A gente cedeu água para eles, mas é um cacimbão que fica bem próximo ao esgoto, então nós não temos nenhuma qualidade e também não nos responsabilizamos por nenhum dano que a água causar”, diz a professora Osília Rodrigues Lima dos Santos.

“É o jeito usar porque não tem outra. É ruim, mas tem que aproveitar ela, né?”, fala o operário Vandecarlos Alves da Silva.

“A gente usa para tomar banho, às vezes até para beber também. Passa mal, faz mal às crianças, mas a gente não tem dinheiro para comprar todo dia”, diz a dona de casa Lucivânia Lopes dos Santos. Veja vídeo

Falta água engarrafada na cesta básica

Pela leitura da série de reportagens de Mauri König (vide tags), o Brasil deveria incluir a água engarrafada na cesta básica.

Para ONU, a água é alimento.

Informa a Wikipedia: Cesta básica é o nome dado a um conjunto formado por produtos utilizados por uma família durante um mês. Este conjunto, em geral, possui gêneros alimentícios, produtos de higiene pessoal e limpeza.

Não existe um consenso sobre quais produtos formam a cesta básica sendo que a lista de produtos inclusos pode variar de acordo com a finalidade para a qual é definida, ou de acordo com o distribuidor que a compõe. Há leis em alguns estados brasileiros que proporcionam isenção de impostos sobre produtos da cesta básica definida por cada um deles.

No Brasil, o DIEESE utiliza a Cesta Básica Nacional, ou Ração Essencial Mínima, composta de treze gêneros alimentícios com a finalidade de monitorar a evolução do preço deles através de pesquisas mensais em algumas capitais dos estados brasileiros. A quantidade dos gêneros na cesta varia conforme a região.

Os produtos desta cesta básica são (lista da Wikipédia):

Carne (enlatada), leite (em pó), feijão, arroz, batata, farinha, café (em pó), pão (francês ou de forma), açúcar, óleo (ou banha), manteiga, frutas (banana, maçã).

Manteiga nunca vi em nenhuma cesta. Nunca existe pão, e sim bolacha mofada. Maçã é exagero. É fruta importada. Tomate só se for enlatado.

Falta o fubá, o pão do índio. Hoje o milho é plantado nos latifúndios para ser exportado para os Estados Unidos fabricarem álcool.

Nos supermercados (as grandes redes são estrangeiras), o pacote da cesta básica fica sempre em baixo de alguma prateleira, e a maioria dos produtos com data vencida.

Antônia da Silva, de Canindé, equilibra-se com panela d´água na cabeça
Antônia da Silva, de Canindé, equilibra-se com panela d´água na cabeça

No Diario do Nordeste, Karoline Viana traça o mapa da seca no Ceará: Mesmo nos centros urbanos, onde há abastecimento, a situação não é melhor. Na sede de Parambu, quem pode compra água de caminhões que chegam carregados de Baixa do Poço, na divisa entre o Ceará e o Piauí. A dona de casa Francisca Gonçalves de Lima Leite diz que a água da torneira é muito salobra.

“Muita gente fica com dor nas urinas por causa dessa água. Eu mesma não tomo porque tenho gastrite, o jeito é comprar de fora”. Em Aiuaba, a água que sai das torneiras é ainda pior, com cheiro forte e coloração semelhante a de chá. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Aiuaba, Francisco Jailson de Castro Feitosa, parte do esgoto das comunidades de Barra e Bonomi cai no rio e chega no Açude Benguê, que abastece a cidade.

Na comunidade de Batoque, a 20km de Caridade, os 52 alunos da Escola João Beres dos Santos tomam a água salobra de um poço, enquanto logo ao lado há uma caixa d´água sem funcionar. “Terminaram a obra há quatro meses, mas o projeto não foi concluído. Agora os canos ressecaram porque deixaram expostos ao sol”, comenta o professor Antônio Iranildo Freitas Silva.

Já as crianças que estudam na Creche Criança Esperança, em Tejuçuoca, precisam trazer de casa a água para beber. Em cada garrafinha, etiquetada com o nome do aluno, há água de colorações diversas: barrenta, amarelada, quase limpa, meio suja. Há um dessalinizador, mas está quebrado.

A aposentada Margarida Freitas chora diante da falta de água em Catitu de Cima (Pacoti). Os poços estão secando e não há açude
A aposentada Margarida Freitas chora diante da falta de água em Catitu de Cima (Pacoti). Os poços estão secando e não há açude
Em Tauá, cacimbão é cavado %22no braço%22 pelos moradores da região. A areia retirada influencia na qualidade da água
Em Tauá, cacimbão é cavado %22no braço%22 pelos moradores da região. A areia retirada influencia na qualidade da água
Luís Venerando Sobrinho mostra a água, de aparência leitosa. O recurso é consumido depois de coado em um pano
Luís Venerando Sobrinho mostra a água, de aparência leitosa. O recurso é consumido depois de coado em um pano