Hoje, o Grito dos Excluídos busca liberdade e direitos

2014_gra

 

“Ocupar ruas e praças por liberdade e direitos” é o lema da 20ª edição do Grito dos Excluídos, que acontece em todo o Brasil, neste domingo, 7 de setembro, dia em que se celebra a Independência do Brasil. O conjunto de manifestações populares, que há duas décadas trata da temática “Vida em primeiro lugar”, prioriza neste ano a linguagem criativa e simbólica em suas ações, como música, teatro, poesia, redações, exposições e feiras. A Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) participa das mobilizações por meio das Pastorais Sociais, com apoio da Cáritas Brasileira e da Pastoral da Juventude.

A edição de 2014 organiza o máximo de ações na defesa da vida humana, na luta pelo acesso e qualidade dos serviços públicos básicos e na construção de espaços e ações de denúncia de injustiças. Os grupos também marcham contra as privatizações de bens naturais e serviços e denunciam a criminalização dos movimentos e lutas populares.

Vários eixos foram articulados para trabalhar questões como participação popular, comunicação, impactos de megaprojetos e megaeventos, extermínio da juventude negra, meio ambiente e os povos indígenas e tradicionais.

“O grito tem uma função como se fosse um pequeno grande professor que contribui para levar informação e formação ao povo brasileiro, que é daquilo que o povo precisa para se manifestar”, afirma o coordenador nacional do evento, Ari Alberti.

Desde 1995, quando aconteceu a primeira edição do evento, houve grande repercussão internacional e reconhecimento na Assembleia Geral da CNBB, ocasião em que os bispos refletiram sobre o tema e o abordaram no Documento 56, “Projeto Rumo ao Novo Milênio”.

Outro fato é o contraste da manifestação civil com o desfile militar. “A Semana da Pátria deixou de ser uma semana de plateia, que assiste a desfiles, para ser uma semana de mobilização, de atividades, de lutas e de botar nas ruas suas necessidades e seus direitos que não estão sendo respeitados”, aponta Alberti.

Saiba mais sobre a organização e locais onde acontecem as ações do Grito dos Excluídos no site www.gritodosexcluidos.org.

 

 

1997 justiça

Campanha de Marina tem dois CNPJs, um esconde o caixa 2, e o outro lava mais branco

Sinovaldo
Sinovaldo

 

Em meio à polêmica sobre o avião fantasma usado na campanha de Eduardo Campos e Marina Silva, o PSB vai promover manobra jurídica para escapar das investigações da explosão que transformou Marina de vice em candidata a presidente.

A responsabilidade de esclarecer o caso passará para o comitê financeiro de Campos, que tinha CNPJ próprio e foi, providencial, oportuna,  malandra e rapidamente desativado logo após a morte do ex-governador de Pernambuco, como se a tragédia estivesse prevista. O comitê financeiro de Campos era, também, de Marina. Não existe votação isolada para vice-presidente. A campanha é uma só. O voto é um só.

Para um exemplo, o deputado Marcio França (PSB/SP) afirmou que os documentos sobre a propriedade da aeronave estavam dentro dela e, portanto, foram destruídos. Caso se confirme irregularidades na campanha, como o uso de laranjas na compra ou empréstimo do avião, Marina poderá ter seu registro impugnado.

 

PSB BLINDA MARINA E TROCA CNPJ DO COMITÊ FINANCEIRO

CNPJ

247 – O PSB quer usar uma manobra jurídica para blindar Marina Silva, nova candidata do partido à Presidência, na polêmica em torno do avião fantasma usado na campanha de Eduardo Campos e da própria Marina.

Sem dono declarado, caso não consiga demonstrar de quem é o avião em que o ex-governador de Pernambuco morreu e como ele era pago pela campanha, o partido estará sujeito à impugnação de sua candidatura.

Mas a sigla acredita ter encontrado um meio de distanciar Marina do caso. A responsabilidade pelos esclarecimentos será do comitê financeiro de Campos, que tinha CNPJ próprio e foi desativado logo após a sua morte.

Um novo comitê financeiro, com outro CNPJ, foi registrado no nome de Marina.

O PSB contratou um escritório de advocacia para cuidar do caso e, até agora, nenhum integrante do partido deu explicações claras sobre o assunto.

Marina pediu mais tempo para esclarecimentos e seu tesoureiro, o deputado Márcio França (PSB/SP), afirmou que os documentos poderiam estar dentro da aeronave (leia mais em “PSB debocha do País: documento estava no avião”). [É o jeitinho novo do partido de Marina fazer política].

Como o PSB não pretende indicar um dono para a aeronave, as vítimas do acidente, seja os que perderam seus imóveis em Santos (SP) ou os parentes dos ex-colaboradores de Campos que perderam a vida, tendem a ficar sem direito a reparações e indenizações.

 

Panamá y Brasil. La corrupción no es cultura popular

Panamá = Brasil
Canal = Ferrovia
Istmo = Berço esplêndido

corrupção democracia

Alainet

 

 

La corrupción viene en muchas formas y tamaños. Lo que caracteriza a la corrupción, en general, es la forma en que los empresarios se apropian de los bienes públicos de manera fraudulenta. La corrupción no es parte de la cultura popular. Es el resultado de las condiciones estructurales que predominan en una sociedad.

La corrupción se presenta especialmente en las luchas para llegar al poder político y/o para conservar el poder político. Los distintos grupos sociales pugnan por alcanzar el poder político y usan – entre sus herramienta – la corrupción. Hay casos en que la corrupción es legalizada (hay leyes que la protegen) y/o legitimada (los valores sociales prevalecientes lo aceptan).

Políticamente, la corrupción en Panamá (y en el resto del mundo) es generalizada. Puede ser perseguida como delito, protegida por la ley y/o aceptada por los valores de la sociedad. En este sentido, hay quienes pretenden decir que la corrupción es parte de la cultura panameña. No hay algo más alejado de la realidad.

¿Qué se entiende por “cultura”? La cultura es lo que heredamos de nuestros antepasados. Hay que incluir todas las influencias que recibieron de otras culturas. Como diría un filósofo, somos dueños de nuestro destino pero subordinados a la realidad (cultura) de la cual formamos parte. Gran parte de la historia de Panamá (colonial y republicana) se asocia a la cultura “comercial” en la zona de tránsito (‘transitista’). Panamá ha experimentado otros momentos – breves – en que sectores o fracciones de clase productivas han logrado apoderarse de las instancias gubernamentales y orientado el país en otra dirección. (Se destacan los periodos del Estado Federal en el siglo XIX y el régimen militar del siglo XX).

El siglo XXI quizás constituye el período de mayor mercantilización de nuestra política. La generación de riqueza ha sido reducida casi exclusivamente a la circulación de mercancías. No hay producción. Panamá tiene, por ejemplo, un PIB de 36 mil millones de dólares según cifras oficiales. Apenas, 4 mil millones, un poco más del 10 por ciento, es generado por el sector productivo. El resto de la riqueza es producto de la especulación, en forma de comercio y de las transacciones internacionales que utilizan a Panamá como plataforma.

Los especuladores imponen una cultural consumista/mercantilista. En política el voto tiene un precio. En cultura la expresión artística tiene un precio. Todos los valores como la lealtad, la honradez y la amistad tienden a cotizarse en el merado. En la actualidad, la corrupción tiene un sabor a comercio.

La duración de este estilo de acumulación sin sustento productivo es históricamente muy breve. Puede durar 10 años. El país no produce, la riqueza pasa de las manos de los pobres a la de los ricos a escala mundial. Panamá que se encuentra en la ‘zona de tránsito’ recoge las migajas de los excedentes que circulan por el mundo.

A diferencia de los especuladores, los sectores productivos impulsan una cultura de trabajo y educación. La corrupción tiene un significado negativo y es condenada por la sociedad. No quiere decir que se erradica la corrupción. Es menos abierta pero igualmente orgánica. La corrupción que presenciamos en Panamá (o en cualquier otro país) es el resultado de las luchas entre los grupos y clases sociales que aspiran al poder. Hay una mala noticia y otra buena. La primera es que el problema de la corrupción no se puede resolver con leyes. Los corruptos meten más gente presa y aparecen muchos más para reemplazarlos. Como ocurre en la actualidad, la mayor parte de la población no cuenta con los recursos para defenderse. La buena noticia es que la corrupción puede resolverse mediante cambios claves o estratégicos en la estructura social. La educación es importante. Pero la educación tiene que concebirse para convertir a todos los jóvenes en trabajadores altamente calificados y productivos contribuyendo a crear nuevas riquezas en el país.

En la actualidad, el gobierno panameño que maneja un presupuesto superior a los mil millones de dólares para la educación manifiesta, abiertamente y en sus documentos, que quiere crear un sistema para formar trabajadores improductivos. El objetivo de quienes controlan políticamente el país es tener mano de obra abundante y barata para apropiarse de riquezas (o despojar a quienes tienen riqueza). Este sistema de educación (que se basa en la noción de “competencias”) sólo favorece a los grupos que acumulan sobre la base de la captura de excedentes de la producción de otros países que utilizan el istmo (sobre el cual se construyó el Canal) para pasar sus mercancías de manera más expedita.

La corrupción es un factor que frena y paraliza el desarrollo del país. Esta realidad panameña tiende a agudizarse desde la década de 1990 hasta el presente. Circula mucho dinero en manos de unos pocos. La gran mayoría de la población tiene “empleos informales” -no produce riqueza social- recibe remuneraciones precarias, se le impide participar políticamente y sus organizaciones son destruidas. Se convierten en “clientes políticos” de los grandes comerciantes y especuladores. El actual sistema político descarta al trabajador informal, lo excluye, lo margina. Eso se llama corrupción.

corrupção geral todo povo

Ninguém culpabiliza as autoridades responsáveis pelos estragos da chuva “sem medida”

RJ improvável
RJ improvável

O Brasil não tem neve. Nem maremoto. Reclama da chuva, e mantém o constante racionamento de água. Culpa os mananciais secos, o aquecimento global, e apela para que o povo restrinja o consumo. Enquanto aumenta o faturamento das “fábricas de água”.

As populações mais pobres são sempre as principais vítimas. Com chuva ou sem chuva. Porque não se faz nada que preste para o povo. Só para construir os estádios de Nero – da Copa do Mundo – estão desalojando 170 mil pessoas.

A justiça que nunca foi democrática, ou social, faz que não sabe de nada, quando os despejos são assinados por um juiz ou um desembargador .

Lá na Argentina é assim:

Improvável SP
Improvável SP

Bruera a la Justicia

El organismo de derechos humanos de La Plata, el Colectivo de Investigación y Acción Jurídica, denunció al intendente platense Pablo Bruera por “estrago culposo”. En la presentación, el Colectivo afirma que las muertes en la tormenta del 2 y 3 de abril “fueron consecuencia directa de la insuficiencia del sistema de evacuación de excedentes pluviales y la falta de obras de infraestructura y equipamiento urbano para la localidad”. La acusación se basa en el estudio del Departamento de Hidráulica de la universidad local, realizado en 2007, y en las recomendaciones de la Corte Suprema bonaerense de 2011. Según parece, nadie les prestó la menor atención a estos documentos, con lo que “el estrago que hoy se lamenta es el resultado del accionar negligente de las autoridades municipales y provinciales”.

Pero la acusación es más sutil que la simple falta de obras. Como saben los lectores de m2, La Plata tuvo una verdadera batalla judicial y política por el suicida Código de Ordenamiento Urbano que Bruera impuso en la ciudad. El tema llegó a la Corte Suprema de la provincia, que lo autorizó, pero le advirtió a la municipalidad que semejante uso del suelo corría por cuenta y riesgo propio. “Es el Ejecutivo municipal quien tiene responsabilidad en la aprobación de obras particulares, por tanto en el crecimiento y aumento de la densidad del espacio urbano platense. Así como en la provisión del equipamiento y la infraestructura necesarios. Ahora bien, no se puede obviar que, para el manejo de obras de gran envergadura, es la autoridad provincial la encargada de visar y aprobar dichas iniciativas.” Es por esto que la acusación penal se extiende a algunos sectores del gobierno provincial, como las direcciones de Ordenamiento Urbano Territorial y la de Saneamiento y Obras Hidráulicas. De paso, esto puede significar que el echado secretario de Obras Públicas bonaerense y ahora renunciado ex cabeza de la Comisión Nacional de Museos, de Monumentos y de Lugares Históricos Juan Martín Repetto tal vez tenga que pasar por los tribunales provinciales.

El Colectivo hasta se ocupó de repudiar la excusa de la tormenta inesperada, escribiendo que “las lluvias producidas en 2002, 2005, 2008 y 2010 hacen que las sucedidas en abril no puedan considerarse como un hecho aislado e imprevisible, sino que demuestran la falta de planificación y la ausencia de la acción coordinada del Estado”.

El Colectivo se especializa en cuestiones de hábitat y derecho, de acceso a la tierra y vivienda, y tiene una considerable experiencia de difusión, educación y trabajo judicial en esos temas. (Página 12)

Uma vida para Thor vale a bagatela de 300 mil. Para a justiça de Pernambuco, 50 mil, e Eduardo Campos rejeita pagar

Uma vida não tem preço. A Justiça brasileira precisa aprender isso.

Uma das mil bocas de lobo da Compesa – que o governador Eduardo Campos prometeu não privatizar – engoliu um motociclista. A justiça mandou pagar 50 mil à mãe do morto. E o governo de Pernambuco protela o pagamento. Confira  

O filho do empresário Eike Batista, Thor Batista, 21, falou em juízo pela primeira vez, nesta quinta-feira, sobre a morte de um ciclista, atropelado por ele em março de 2012. Thor afirmou na audiência que, na ocasião do acidente, foi feito acordo de cerca de R$ 300 mil com a família da vítima.

O jovem disse que procurou a tia que vivia com o ciclista Wanderson Pereira dos Santos, 30, apontada como Maria Vicentina, para prestar auxílio financeiro. Thor disse também que tem os recibos e documentos que comprovam o acordo.

A vítima foi atropelada na rodovia Washington Luís, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. Ela não tinha filhos e vivia com Vicentina. A Folha de S. Paulo não localizou os familiares da vítima. A promotoria não deu entrevista.

Informa o Jornal do Brasil: Thor é acusado de homicídio culposo – quando não há intenção de matar.

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), o empresário afirmou que  “foi muito forte” o impacto da batida que culminou com a morte de Wanderson Pereira dos Santos. No entanto, ele ressaltou que dirigia dentro do limite de velocidade no instante do atropelamento.

Numa sessão que durou 41 minutos, Thor afirmou que “o acidente foi inevitável” e que circulava pela rodovia em velocidades que variavam de 70 quilômetros por hora (na serra) a 100 quilômetros por hora (nas retas). O empresário acrescentou que viu o ciclista no meio da pista, seguindo da direita para a esquerda, e que não teve como evitar o choque. Thor disse que, por ter a carroceria baixa, o carro dele – uma Mercedes-Benz SLR McLaren – atingiu o quadro da bicicleta.

O processo agora entra na fase das alegações finais. Tanto o Ministério Público quanto a defesa do empresário terão cinco dias para preparar os documentos. A sentença deve sair até o final do semestre, mas cabe recurso para ambas as partes.

Empresário diz que soube do excesso de pontos na carteira “pela mídia”

Perguntado pela juíza sobre o excesso de pontos na carteira de motorista, Thor Batista alegou desconhecer as infrações. Ele disse que soube desse assunto pela mídia e que nunca foi notificado, responsabilizando os seguranças pela alta pontuação na CNH. Segundo Thor Batista, seus seguranças costumam usar o veículo, “principalmente à noite ou quando está cansado”.

Após o acidente, Thor Batista disse que vendeu um dos três esportivos que possuía, alegando “problemas financeiros em sua empresa”.

Filho de Eike, o príncipe herdeiro do rei do Rio, diz que está falido
Filho de Eike, o príncipe herdeiro do rei do Rio, diz que está falido

Thor Batista faltou à interrogatório anterior

Em 12 de março, Thor Batista faltou ao interrogatório, alegando problemas de saúde. Na época, os advogados de defesa afirmaram que o empresário necessitava de repouso. Na ocasião, a juíza Daniela Assumpção, atendendo ao pedido do MP, determinou que novo laudo pericial fosse realizado para detectar a velocidade do carro de Thor na hora do atropelamento.

No dia 27 de fevereiro, a juíza Daniela Barbosa determinou a retirada dos laudos periciais dos autos, por terem sido anulados pela 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. O pedido de anulação do documento e de afastamento do perito foi feito pela defesa de Thor Batista.

Na decisão, a magistrada destacou que o perito teve contato direto com o Ministério Público por mais de uma vez. Segundo a juíza, tal iniciativa seria capaz de “suscitar dúvidas sobre sua atuação como auxiliar da Justiça”.

A primeira perícia realizada pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) calculou que o carro de Thor estava a 135 quilômetros por hora no momento do acidente. O documento foi apresentado em 13 de dezembro do ano passado. A defesa do empresário, no entanto, disse que a perícia não era válida porque não havia sido anexada aos autos processuais.

Thor pode descontar no imposto de renda os trezentinhos?

 

O AUGE DA CRETINICE

por Gilberto Prado

É estarrecedor. Não dá para acreditar em um mínimo gesto de humanismo por parte do poder público. Aos poucos vai vulgarizando aquilo que o povo tem de mais sagrado: a vida.

Os próprios administradores, como se fosse robôs, se encarregam de institucionalizar a irresponsabilidade. Defende-a com ardor, mesmo sendo público e notória o desleixo ou falta de compromisso com o povo. Assumem, sem o menos pudor, a conivência.

Vejam, por favor o motivo da minha revolta, envolvendo – na condição de vítimas – pessoas que nunca vi na vida, mas a elas me solidarizo.
Um motociclista chamado Robson Coelho do Nascimento, 40 anos, caiu em um buraco aberto pela Compesa, na Avenida General San Martin, sem a obrigatória sinalização. Morreu. A mãe da vítima fatal, dependente, Maria das Dores do Nascimento entrou com uma ação na justiça pedindo indenização por danos morais. Robson Coelho era arrimo de família.
Em resumo, foi o acontecido.

O que deveria fazer a Compesa, fosse dirigida por alguém que tenha um mínimo de compromisso com alguém, em um caso onde foi atingida cruelmente uma pobre família? Ora, sequer deixar a questão na Justiça. Procuraria um acordo e cumpriria sua obrigação, principalmente moral.
O que faz a Compesa? Mesmo perdendo a ação judicial, que se arrasta desde setembro de 2010, protela o pagamento da irrisória indenização de R$ 50 mil. Irrisória, considerando que o fato envolve uma vida cujo valor não tem preço.

Leiam, por favor, as alegações dos monstros desumanos dirigentes da companhia estatal cujas consciências devem estar tão furadas quanto as porcarias de canos que expõem à população. Duas delas.
A primeira: alegou que houve “descumprimento do dever de cautela” por parte da vítima. A outra: negou a existência de danos morais. No caso, equipara uma vida humana a de uma barata, mosca ou um inseto qualquer.
Pelo amor de Deus, cretinice tem limites.


Nota do editor: Sociedade anônima de economia mista, com fins de utilidade pública, a Compesa está vinculada ao Governo do Estado de Pernambuco por meio da Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos. É uma organização dotada de personalidade jurídica de direito privado, tendo o Estado como seu maior acionista. Isso significa: o lucro é dividido com os acionistas. O prejuízo, o povo paga. E quem privatizou a Compensa? Por que o Estado de Pernambuco, governado por Eduardo Campos, permite a maldade de passar calote em uma pobre mãe, cuja vida do filho vale a porcaria de R$ 50 mil?

Compesa deixa buraco profundo após serviço mal feito no Cabo Jairo Lima
Compesa deixa buraco profundo após serviço mal feito no Cabo Jairo Lima
Compesa diz que avenida de São Lourenço ainda tem buracos porque população não sabe esperar reconstrução Jamildo Melo
Compesa diz que avenida de São Lourenço ainda tem buracos porque população não sabe esperar reconstrução Jamildo Melo
COMPESA E A FALTA DE RESPEITO COM A POPULAÇÃO DE PETROLINA Geraldo José
Compesa e a falta de respeito com a população de Petrolina Geraldo José