Os inimigos da claridade

Escreve Miguel do Rosário: “O golpe tem inspirado projeções bastante sinistras para o futuro próximo, em especial de aumento da taxa de coação estatal, diminuição das liberdades, aprofundamento do processo de criminalização das atividades políticas”.

Miguel do Rosário não é mensageiro de notícias ruins. É que não se faz golpe sem uma lista de presos políticos – já existe a do juiz Sergio Moro -, tortura, exílio e morte.

A tortura psicológica persiste na república do Galeão do Paraná. A tortura física começou nas ruas nos confrontos das polícias militares contra professores e estudantes.

O que falta, e pode começar no dia da posse do policial Michel Temer três vezes secretário de Segurança de São Paulo, inclusive para abafar as investigações do Massacre do Carandiru, é a reabertura da Casa da Morte e outros porões para arrancar confissões dos supliciados.

Não foi bravata, o deputado Bolsonaro dedicar seu voto na Câmara dos Deputados, na aprovação do golpe, ao coronel Brilhante Ustra, nome símbolo dos torturadores. Antecipou apenas um recado de que a noite escura está chegando.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s