Dilma foi tramada por um “gangster” chamado Eduardo Cunha

* Não haveria impeachment se não fosse pelo presidente da Câmara dos Deputados. O seu estado de graça no Congresso pode valer-lhe anistia, mesmo que enfrente uma montanha de indícios de corrupção.

* A saída do deputado que dirigia o processo no Congresso — o crítico Fausto Pinato, ameaçado em novembro por dois motociclistas que disseram para “colaborar com a situação” — mudou o equilíbrio no Conselho de Ética a favor de Cunha.


por Félix Ribeiro
Público/ Portugal

Eduardo Cunha é repudiado pelos brasileiros. O percurso político do presidente da Câmara dos Deputados está longe de ser brilhante, os seus aliados são circunstanciais, nos corredores do poder é olhado com desconfiança e tem pela frente uma montanha de indícios que o ligam à rede que se aproveitou da Petrobras para construir fortunas ilegais. Três em cada quatro brasileiros dizem que deve ser afastado do Congresso e impedido temporariamente de ocupar cargos políticos. Mas nem a aparente corrupção ou a evidente desconfiança impediu que Cunha comandasse durante meses o processo de impeachment contra Dilma Rousseff. Nem que no domingo se sagrasse num dos grandes vencedores da sessão que aprovou a destituição da Presidente.

É impossível falar do impeachment contra Dilma sem abordar a ascensão de Eduardo Cunha. Ninguém sabe operar os bastidores do Congresso como ele e só assim se consegue explicar a sua surpreendente vitória para presidente da Câmara dos Deputados em 2015, mesmo quando Governo e aliados, entre os quais na altura ainda se contava o PMDB, o partido de Cunha, manobravam votos a favor de um veterano do Partido dos Trabalhadores (PT). O melhor que Cunha conseguira na sua vida política até esse momento fora chefiar a operadora telefónica do Rio de Janeiro. Valeu-lhe para isso ter apoiado Collor de Melo na sua campanha de 1989, que o apontou para o cargo. O seu extremo conservadorismo religioso fez o resto: foi eleito três vezes para deputado com o poderoso voto evangélico.

A chave do seu sucesso foi mobilizar a frustração do “baixo clero da Câmara”, que se sentia alheado das grandes decisões, como escreveu então o jornalista Juan Arias, no El País. “[Cunha] é mais esperto do que sábio e a força da sua biografia é precisamente não tê-la, excepto por sua vontade de querer vencer. Com isso é mais fácil transitar pelos corredores dos deputados, lugares nos quais um jornalista nunca aparece para entrevistá-los”, explicava no diário espanhol. Apesar de pertencer ao PMDB, Cunha chegou líder da câmara baixa do Congresso mais como opositor do que aliado, dizendo-se desconfiado da “forte posição ideológica” do Governo — ele próprio esteve por detrás de algumas das propostas mais conservadoras do Congresso, como dificultar o aborto em casos de violação ou o “Dia do Orgulho Heterossexual”.

O deputado rompeu por completo com o Governo em Julho de 2015. A investigação à rede de corrupção na Petrobras revelou indícios de que Cunha recebera um suborno de cinco milhões de dólares para viabilizar a contratação de um estaleiro da empresa Samsung Heavy Industries. A Procuradoria anunciou para além disso que Cunha tinha contas na Suíça, com “despesas completamente incompatíveis com os rendimentos lícitos” do deputado. Numa viagem de a Miami com a família para a passagem de ano de 2013, por exemplo, Cunha gastou em nove dias mais de 42 mil dólares, quando o seu salário de então não ultrapassava os cinco mil por mês. Cunha disse que estava a ser perseguido pelo procurador-geral da República sob ordens da Presidente Dilma. Anunciou que passava para a oposição, mas não avançou imediatamente com o processo de impeachment.

Amnistia para Cunha?

Fê-lo apenas depois de três deputados do PT votarem a favor da abertura de um processo no Conselho de Ética que pode terminar com a cassação do seu mandato no Congresso. O presidente da câmara baixa, que tinha consigo há meses vários pedidos para abrir um impeachment contra Dilma, decidiu avançar apenas duas horas depois de os deputados anunciarem a sua decisão — agindo, aliás, contra as indicações do Governo, que temia uma guerra em aberto. A partir desse momento, Cunha manobrou o Congresso de maneira a acelerar o processo contra Dilma e atrasar o seu próprio processo de ética: os deputados foram chamados a sessões diárias para decidir o impeachment, enquanto no Conselho a ordem de trabalhos se demorou com adiamentos e recursos.

Eduardo Cunha goza de imunidade parlamentar — “foro privilegiado” — e a investigação ao seu envolvimento na rede de corrupção da Petrobras só pode ser avaliada pelo Supremo Tribunal Federal, que deve deliberar em breve sobre se o deputado deve perder ou não o cargo de presidente da Câmara de Deputados enquanto decorre o processo, como pediu a Procuradoria-Geral da República. Já o Conselho de Ética está há quase 180 dias para decidir se Cunha violou o decoro parlamentar quando mentiu a uma Comissão Parlamentar de Inquérito dizendo que não tinha contas no estrangeiro. Cunha pode perder o cargo de deputado e também a imunidade, o que atiraria o seu caso para os tribunais regulares. Mas a saída do deputado que dirigia o processo no Congresso — o crítico Fausto Pinato, ameaçado em Novembro por dois motociclistas que disseram para “colaborar com a situação” — mudou o equilíbrio no Conselho de Ética a favor de Cunha.

Anúncios

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s