Moro transforma polícia federal em gestapo golpista

 

Neste sábado (5), juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelas ações da Operação Lava Jato na primeira instância, divulgou nota sobre as ações de sexta-feira (4), nas quais o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi alvo de um mandado de condução coercitiva. Coercitiva sinônimos:

Que oprime: tirano, abusivo, implacável, intransigente, arbitrário, rígido, prepotente, injusto, repressor, imperioso, intolerante, opressivo, coercivo, tirânico.

Em que há compulsão: compulsivo, forçado, coativo, constrangente, forçador, impositor, obrigante.

Moro destaca que as medidas de busca e apreensão e condução coercitiva de Lula “não significam antecipação de culpa”. Significa o quê? Para Moro, Lula é culpado. Inocente é qualquer outro ex-presidente vivo e solto: Sarney, Collor e Fernando Henrique.

O juiz afirma ainda que foram tomados cuidados para preservar a imagem de Lula. “Lamenta-se que as diligências tenham levado a pontuais confrontos em manifestação políticas inflamadas, com agressões a inocentes, exatamente o que se pretendia evitar.” O juiz safada e covardemente não cita quais inocentes foram agredidos. Nem os confrontos. A prisão teve sim – como era esperado, e faz parte de uma conspiração golpista – “manifestações políticas inflamadas”. E foi, ainda, uma operação abafa, para tirar das manchetes a decisão do Superior Tribunal Federal de transformar Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, em réu. Contra Lula, Moro não tem nada. Néca de pitibiriba.

 

 

Com medo de punições e bastante criticado, Moro lança nota tentando se explicar

Confira a íntegra da Nota oficial da 13ª Vara Federal de Curitiba

A pedido do Ministério Público Federal, este juiz autorizou a realização de buscas e apreensões e condução coercitiva do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento. Como consignado na decisão, essas medidas investigatórias visam apenas o esclarecimento da verdade e não significam antecipação de culpa do ex-Presidente. Cuidados foram tomados para preservar, durante a diligência, a imagem do ex-Presidente. Lamenta-se que as diligências tenham levado a pontuais confrontos em manifestação políticas inflamadas, com agressões a inocentes, exatamente o que se pretendia evitar. Repudia este julgador, sem prejuízo da liberdade de expressão e de manifestação política, atos de violência de qualquer natureza, origem e direcionamento, bem como a incitação à prática de violência, ofensas ou ameaças a quem quer que seja, a investigados, a partidos políticos, a instituições constituídas ou a qualquer pessoa. A democracia em uma sociedade livre reclama tolerância em relação a opiniões divergentes, respeito à lei e às instituições constituídas e compreensão em relação ao outro.

Curitiba, 05 de março de 2016.

Sergio Fernando Moro

Juiz Federal

 

 

 

 

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Um comentário em “Moro transforma polícia federal em gestapo golpista”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s