PERVERSÃO DOS GOLPISTAS. Partido Solidariedade compra e vende os sindicatos da Força Sindical

O deputado federal Antonio Pereira da Silva, proprietário da central de trabalhadores Força Sindical e do Partido Solidariedade, responde a vários processos por corrupção, e aliado de Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves, Aloysio Nunes é um dos principais líderes da conspiração golpista para derrubar Dilma e assumir todos os poderes da Reública, inclusive o Judiciário, através dos ministros Gilmar Mendes no STF, e Augusto Nardes no TCU.

Deputado Antonio Pereira da Silva, mais conhecido com Paulinho da Força, representa o pior do peleguismo, conhecido por vender greves de teatro notadamente de caminhoneiros, por trair os trabalhadores por furar greves, por aprovar leis como a terceirização, que cria o trabalho precário, temporário e semi-escravo.

Foi condenado, em 2011, a pagar multa civil de cerca de R$ 1 milhão por improbidade administrativa na aplicação de R$ 3 milhões em recursos públicos. Conforme a sentença do juiz João Batista Machado, da 1ª Vara Federal de Ourinhos, a quantia será revertida para a União.

Os R$ 3 milhões desviados seriam para comprar uma fazenda no interior de São Paulo e assentar no local 72 famílias, e os proprietários das terras teriam se beneficiado com sobrepreço no imóvel que, segundo avaliação de peritos do Ministério Público Federal, valia R$ 1,29 milhão.

A compra foi realizada por R$ 2,3 milhões. Na época, a Força Sindical, presidida por Paulinho, participava do conselho do Banco da Terra, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que liberou os recursos. A ação pedia ainda a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos do deputado, o que foi negado pelo Juiz.

Os processos que Antonio Pereira da Silva responde (odeia os sobrenomes) são variados. É suspeito de participar dos principais escândalos políticos.

Em delação premiada na Lava Jato, Ricardo Pessoa, dono da UTC, afirmou que doou R$ 1,6 milhão para o deputado Paulinho da Força e seu partido, o Solidariedade, entre 2010 e 2015, para esvaziar movimentos sindicais e evitar greves.

“Que em razão dessas doações a Paulinho, o declarante tinha a liberdade para poder pedir a ele, a qualquer momento, que intercedesse em movimentos sindicais liderados por ele que estivessem ou pudessem vir a causar problemas em seus negócios”, disse Pessoa na delação.

Disse ainda que ligou pessoalmente para o aliado de Eduardo Cunha para pedir interferência numa ameaça de paralisação na construção da hidrelétrica São Manoel, no Rio Teles Pires.

Paulinho, que tenta impedir o processo de cassação de Cunha, chegou a solicitar a quebra do sigilo bancário do PGR, Rodrigo Janot, no início da CPI da Petrobras.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s