O ex-petista Maurício Rands comprou o Diário de Pernambuco para fazer campanha golpista para derrubar Dilma

Mauricio-Rands pt

Maurício Rands pertence ao rancoroso grupo das mal-amadas de Lula: Marina Silva, Marta Suplicy e Heloísa Helena. Todos os quatros, de chapéu na mão, tiveram Lula como padrinho. Ninguém explica o ódio, nem a origem do dinheiro que comprou o velho Diário, o jornal mais antigo, em circulação, da América Latina.

Escreve Ricardo Antunes: “O ex deputado do PT, hoje, no PSB, Mauricio Rands e seu irmão, o empresário e professor Alexandre Rands, são os novos donos do Diário de Pernambuco. Tiveram carreira brilhante, em suas respectivas áreas de atuação mas a aquisição do grupo quebra uma tradição: Ao contrário dos outros estados, Pernambuco nunca teve um grupo político controlando um grupo de comunicação forte. Agora tem, e quem manda é o PSB do ex-governador Eduardo Campos”.

Para Jamildo Melo, garantiu Rands: “Não estou assumindo o controle de um jornal por questões políticas. Quero ajudar a fortalecer, de forma pluralista, um órgão de comunicação que é uma caixa de ressonância da sociedade”

Rands comprou o Diário com o gado no cercado. O Diário vinha e continuará com a campanha golpista para derrubar Dilma, defendendo o emprego terceirzado e o financiamento das campanhas eleitorais pelas grandes empresas.

O rand$ agora: O DP passou a ser porta-voz oficial do PSB, do governador de Pernambuco, do prefeito do Recife. É um jornal parcial, conservador, das elites, e financiado por verbas públicas.Os gastos dos governos estadual e municipal vão aumentar… pra colocar o velho Diário nas alturas.

Diario de Pernambuco faz campanha

Os conspiradores possuem uma estratégia fácil de ser destruída. Mas Rands, que foi petista, sabe que o partido é de uma burrice extrema em propaganda política. Principalmente quando joga na defensiva, deixando todas as iniciativas de ataque com a oposição.

A jogada da vez é de que Cunha, Dilma e Lula, “cada um com seu problema”, são do mesmo balaio de gatos, quando a mãe de Eduardo Campos é ministra do TCU, e o PSB não pediu a cassação de Cunha.

Samuca
Samuca

O DP faz seu jogo de defesa do presidente da Câmara dos Deputados. Publica hoje: nesta quinta-feira que o novo pedido de abertura de inquérito contra ele, protocolado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu Cunha que é “solução” e não “problema”, pois vai poder ter acesso às denúncias para preparar a defesa.

Em entrevista a jornalistas, Cunha reclamou que só tinha conhecimento das denúncias a partir das matérias publicadas na imprensa: “Eu tomei conhecimento por nota dos jornais, não fui notificado e meu advogado vai tomar as providências”, disse Cunha, que ironizou o fato: “Toda quinta e sexta-feira eu espero uma denúncia. Já virou rotina”.

Cunha também ironizou as informações de que está negociando com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva um “acordão” para não levar adiante nenhum pedido de impeachment feito pela oposição contra a presidenta Dilma Rousseff, em troca de uma blindagem no Conselho de Ética da Câmara para a representação protocolada pelo PSOL e Rede Sustentabilidade, na terça-feira (13).

Ele negou ter se encontrado ou tratado da questão com o ex-presidente: “Vocês sempre insistem, como se eu estivesse escondendo encontro. Não falo com ele [Lula] por telefone há algum tempo, não falei com ele pessoalmente, não troquei telefonema. Ele não pediu para encontrar, eu não pedi para encontrar, não foi feito nenhum contato, essa é a verdade”, disse.

Indagado se despacharia algum pedido de impeachment, Cunha disse que não vai tratar do assunto enquanto não entrar com recurso contra as decisões do STF que suspenderam o rito definido por ele para a tramitação de um eventual processo de impeachment da presidenta: “Esperamos que até amanhã a gente tenha condição de responder. Se, porventura, não conseguir, eles [os advogados da Câmara] vão trabalhar no fim de semana e a gente entra com o recurso segunda-feira. Pela complexidade das respostas, às vezes, a celeridade pode atrapalhar a qualidade. Estamos no detalhe, vendo ponto a ponto”.

No novo pedido de investigação feito ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral Rodrigo Janot cita contas atribuídas a Cunha na Suíça. A mulher do presidente da Câmara, Cláudia Cruz, e sua filha, Danielle Cunha, também são citadas na ação.

Com o pedido de abertura de inquérito. Eduardo Cunha passa a ser alvo de dois processos no Supremo, originados das investigações da Operação Lava Jato. Em agosto, Janot denunciou o presidente da Câmara dos Deputados pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Marcoaur
Marcoaur
Anúncios

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s