EUA: Maior greve dos trabalhadores das petrolíferas dos últimos 35 anos

No passado domingo, 8 de fevereiro, cerca de 1.500 trabalhadores da BP entraram em greve, juntando-se aos cerca de 3.800 trabalhadores da Shell que no domingo anterior iniciaram maior greve do sector nos EUA desde 1980.
por Bruno Góis

greve_petrolíferas_eua_copy

Greve na Shell

.
O sindicato dos metalúrgicos USW -United Steelworkers Union convocou a greve depois do insucesso das negociações com a petrolífera Shell Oil Co.

O vice-presidente do sindicato Gary Beevers sublinha que “esta paralisação é por causa de trabalho extraordinário penoso, números de efetivos abaixo dos níveis de segurança, condições de trabalho perigosas que a indústria continua a ignorar, ocorrências diárias de incêndios, emissões, vazamentos e explosões que ameaçam as comunidades locais sem que a indústria faça muito a esse respeito“.

A greve foi convocada para cinco instalações do Texas, duas da California, uma no Kentucky e uma no estado de Washington. Entre estas nove destaque para a LyondellBasell em Houston, a Marathon Galveston Bay Refinery na cidade do Texas City, e a Marathon Refinery, de Catlettsburg, no Kentucky.

Ao nível do setor petrolífero, o sindicato dos metalúrgicos USW representa mais de 30.000 trabalhadores de 65 refinarias, e mais de 230 terminais, centrais petroquímicas e gasodutos de vários pontos dos EUA, os quais produzem cerca de dois terços do petróleo dos EUA. A nível nacional, o USW representa 850 mil homens e mulheres que trabalham nos setores do metal, mineração, papel e celulose, borracha, produtos químicos, vidro, auto, e indústrias produtoras de energia, juntamente com um número crescente de trabalhadores ao serviço do setor público.

“Não tínhamos outra escolha que não fosse convocar a greve”, afirmou Leo W. Gerard, presidente da USW International. As negociações para um novo contrato iniciaram-se a 21 de janeiro. Em menos de duas semanas, após rejeitar a quinta proposta de contrato, o sindicato dos metalúrgicos USW decidiu convocar greve. De acordo com o sindicato, os representantes da Shell recusaram-se a apresentar uma contraproposta e abandonaram a mesa das negociações.

Gary Beevers, Vice Presidente da USW International, e responsável do Programa Nacional de Negociações do setor do Petróleo, acrescenta “Nós dissémos à Shell que queríamos continuar a negociar um acordo que beneficiasse os trabalhadores e a empresa, mas eles recusaram-se a regressar à mesa das negociações”.

 

Porquê também na BP?

.
A adesão dos trabalhadores da BP de Whiting e Toledo sindicalizados no USW reforça a luta do setor. A BP em Whiting, no Estado de Indiana, tem cerca de 1.860 trabalhadores dos quais mil são metalúrgicos. E a unidade de Toledo, no Ohio, administrada em parceria com a canadiana Husky Energy, tem cerca de 600 trabalhadores, sendo que mais de metade são metalúrgicos.

O acordo a que o sindicato dos USW chegar com a Shell será determinante para a luta dos trabalhadores nas outras empresas do setor, uma vez que se trata de um contrato nacional que servirá de padrão para as negociações com os sindicatos a nível local. É preciso ter em conta que a Shell é o principal negociador nas conversações do National Oil Bargaining. Além desta, participam também as gigantes petrolíferas Exxon Mobil e Chevron.

A porta-voz do sindicato USW, Lynne Hancock, declarou que o sindicato luta por um contrato de três anos onde sejam satisfeitas as principais reivindicações no âmbito dos custos de saúde, segurança, limites ao uso de prestadores de serviços e preocupações com o número de efetivos, e ainda ao nível dos salários.

Tom Conway, vice-presidente da administração do USW International, considera que “as petrolíferas são demasiado gananciosas para fazer mudanças positivas nos locais de trabalho”, “continuam a colocar a produção e o lucro acima da saúde e da segurança, acima dos trabalhadores e da comunidade”, acrescentando: “esta é a indústria mais rica do mundo e pode bem suportar as mudanças que nós propusemos nas negociações”.

 

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s