A vigília do dinheiro gera monstros. A corrupção e os trágicos efeitos colaterais

por Ugo Sartorio/ L’Osservatore Romano

político ladrão corrupto

Quem já ouviu do púlpito uma pregação sobre a corrupção? Talvez com a dose certa de indignação pelos comportamentos que ferem e empobrecem a comunidade civil, subtraindo recursos destinados ao bem de todos.

Com mais facilidade, assistimos a intermináveis talk-shows televisivos sobre este tema, ou a cansativas campanhas eleitorais, nas quais a acusação de manter os corruptos no próprio partido saltava de uma facção para outra. Sem que no fim, ao que parece, acontecesse alguma coisa. Depois, da base, das pessoas comuns, a indignação contra a corrupção e os corruptos é tanto rancorosa quanto espontânea na possibilidade de alcançar o seu efeito.

À maré crescente de protesto, muitas vezes, segue a ressaca da desilusão e do refluxo na vida privada. Se tivéssemos aprendido da lição de Hannah Arendt que o mal, no sentido trágico, pode ser «banal», podemos dizer que a corrupção pode tornar-se «habitual», quase ambiental, realidade que se insinua dentro dos gânglios da sociedade porque ainda antes se aninha no coração do homem.

É este o ponto de novidade – que Lorenzo Biagi frisou no seu último livro Corruzione (Pádua, Editore Messaggero Padova, 2014, 116 páginas) – que o Papa Francisco ofereceu ao debate acerca de um tema que a nível civil se apresenta deteriorado e quase desarmado, incapaz de suscitar grandes paixões e indignação que não seja efémera. Sobretudo por causa das demasiadas leituras minimalistas ou fatalistas que procuram negociar com a corrupção: se por um lado a «compreendem», porque seria parte do sistema, por outro correm o risco de a legitimar.

Mas em que consiste mais precisamente, segundo Biagi, a novidade da leitura do Papa Francisco em tema de corrupção, sobretudo no famoso texto escrito em 1991, na onda da delicada situação argentina, retomado em 2005 por «Editorial Claretiana» (Corrupción y pecado) e editado em italiano com o título Guarire dalla corruzione (Bolonha, Editrice Missionaria Italiana, 2013, 64 páginas)? No facto de que Bergoglio indaga sobre a sua estrutura interna colhendo a sua curvatura antropológica, isto é, não permanecendo – como fazem todos – no limiar da fenomenologia do homem corrupto, mas chamando em causa precisamente a existência concreta e individual. Portanto, indo além da abordagem crítica das ciências sociais que correm o risco de nos restituir uma visão moralmente neutra da corrupção.

Praticamente «o Papa Francisco obriga-nos a questionar-nos se existe uma nossa responsabilidade diante da formação de homens corruptos».


Charge espanhola
Capa do Le Monde hoje

lemonde.750 direita radical

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Um comentário sobre “A vigília do dinheiro gera monstros. A corrupção e os trágicos efeitos colaterais”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s