A “banalização do mal” nas ruas de São Paulo

por Leo Bueno

Bolsonaro, armado e acompanhado de capangas, prega o golpe contra Dilma Rousseff, a intervenção militar, o retorno da ditadura nas ruas de São Paulo, no derrotado terceiro turno de Aécio Neves
Bolsonaro, armado e acompanhado de capangas, prega o golpe contra Dilma Rousseff, a intervenção militar, o retorno da ditadura nas ruas de São Paulo, no derrotado terceiro turno de Aécio Neves

 

Hannah Arendt, a filósofa, acompanhou o julgamento de Adolf Eichmann em Jerusalém em 1962. Judia, presa em um campo de concentração, fugitiva e expatriada, tinha tudo para unir-se ao coro da massa e exigir a cabeça do ex-oficial da SS.

Só que tem o seguinte: Arendt estava lá para pensar e descobriu que Eichmann era apenas um idiota. O gerente de transportes do Reich, responsável por colocar milhões de judeus, ciganos, negros e homossexuais em trens para a morte certa fazia o que fazia simplesmente porque seguia ordens. Não era particularmente antissemita, era apenas alguém com um cargo num sistema, ele sim, assassino.

A essa idiotia, a filósofa deu o nome de “banalização do mal”. Porque, quando alguém simplesmente segue a ordem, ou a regra, ou a lei, sem raciocinar sobre seus resultados, está, mais do que aceitando o mal, recusando-se a pensar. E, como disseram os filósofos da existência que precederam Arendt, pensar é o que define o ser humano. Ao recusar-se ao pensamento, estamos recusando nossa condição humana. Os efeitos são nefastos.

Arendt foi uma das principais pensadoras sobre a Política no século XX. A sua “banalização do mal” continua em grande evidência. Quando pedem ditadura só porque não aceitam um resultado democrático, quando entendem que a esquerda ou a direita são particularmente mais suscetíveis à prática da corrupção, enxergando a corrupção como uma característica somente ‘do outro’, as pessoas estão desconsiderando ostensivamente as consequências perversas de suas reivindicações. Estão se recusando a pensar.

Em outras palavras, a aniquilação do humano já começou, filosoficamente, nas ruas de São Paulo.

A jornalista Marlene Bergamo foi espancada quando filmava a marcha nazista
A jornalista Marlene Bergamo foi espancada quando filmava a marcha nazista
A premiada jornalista levou um murro desse sujeito covarde, que usa uma soqueira, que a polícia incompetente não consegue identificar
A premiada jornalista levou um murro desse sujeito covarde, que usa uma soqueira, que a polícia incompetente do governador Geraldo Alckmin não consegue identificar

soco-inglês

Toda a gang neonazista usava botina militar e soco-inglês. Fotos e legenda editadas por Talis Andrade
Toda a gang neonazista usava botina militar e soco-inglês. Fotos e legenda editadas por Talis Andrade

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Um comentário sobre “A “banalização do mal” nas ruas de São Paulo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s