A liberdade de terceirizar é uma porta aberta para a volta da escravidão

Fux abriu a porta
Se a terceirização for liberada pelo STF, toda relação de emprego ficará precária

trabalho-temporario-ou-terceirizado

por Geraldo Hasse

A Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho garante o que está escrito na Consolidação das Leis do Trabalho: a terceirização só vale para alguns serviços, atividades-meio e setores da empresa contratante. É proibido terceirizar atividades-fim, mas alguns não se conformam. É o caso da empresa mineira Cenibra.

Condenada a responder solidariamente por uma multa de R$ 2 milhões pela contratação de trabalhadores terceirizados para suas atividades-fim (fabricação de celulose), a empresa recorreu ao STF, onde se armou um imbroglio monumental: depois de ter negado provimento a um recurso extraordinário da empresa, o ministro Luiz Fux resolveu não apenas aceitar um agravo ao recurso, como também dar repercussão geral à decisão do STF sobre a constitucionalidade da terceirização. Com a bola quicando na área, advogados e juizes trabalhistas estão com as barbas de molho.

“Se o tribunal entender que tal limitação, por ausência de previsão expressa em lei, é inconstitucional, ou seja, que as empresas poderão utilizar livremente o trabalho terceirizado, em qualquer ramo ou nas atividades-meio e fim das empresas contratantes, a consequência disso será dupla: a precarização generalizada das relações de trabalho e o fim da Justiça do Trabalho e do próprio Direito do Trabalho”, escreveu em artigo recente o jornalista Antonio Augusto Queiroz, diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), de Brasília. .

Segundo Queiroz, a terceirização, mesmo com as restrições atuais, já representa 25,5% do mercado formal de trabalho, implicando sempre em menores salários, maiores jornadas, piores condições de trabalho, alta rotatividade e aumento de demanda trabalhista e previdenciária. É onde começa a precarização das relações de trabalho.

O Direito do Trabalho atribui ao trabalhador a condição de hipossuficiente (parte mais fraca) na relação com o empregador e considera nulo qualquer acordo que, direta ou indiretamente, resulte em prejuízo ao empregado. Se o Direito do Trabalho perder a razão de ser diante da liberdade de terceirizar, não fará sentido manter a Justiça do Trabalho, cuja função exclusiva é colocar em prática as leis de proteção ao trabalhador.

É aí que o bicho pega: as entidades patronais gostariam de demitir sumariamente o Direito do Trabalho, a Justiça trabalhista e a CLT, de acordo com o suprassumo do liberalismo econômico. Não é de hoje que se tenta isso. Está em debate há dez anos na Câmara Federal o Projeto de Lei 4330-A/2004, de autoria do deputado Sandro Mabel (PR-GO), que trata da regulamentação da terceirização.

A ideia patronal implícita no recurso da Cenibra ao STF (e não mais ao TST) é aplicar às relações de trabalho o Direito Civil ou Comum, que parte do pressuposto da igualdade das partes. Nessas condições, um acordo de trabalho só poderá ser anulado por dolo, fraude ou outra irregularidade grave, à luz do Direito Comum. Será um retrocesso na evolução dos direitos humanos. A liberdade de terceirizar é uma porta aberta para a volta da escravidão.

terceirização - 38%

LEMBRETE DE OCASIÃO

O dinheiro é a mais violenta das invenções humanas.

Millôr Fernandes

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s