O gol contra da Folha de S. Paulo

Esta manchete de hoje da Folha de São Paulo apenas destaca o negativo. Que o Brasil ganhou o jogo com a Croácia com um gol contra e outro em um pênalti roubado. E que o acontecimento mais importante foi a vaia que Dilma levou.

br_folha_spaulo. Copa vaia regalo

Parece que estamos lendo um jornal da Argentina que torce contra o Brasil. Dizem os argentinos: “A Copa é nossa!”.

Com justeza, a imprensa internacional criticou o espetáculo de abertura. Propositadamente realizado para demonstrar que não existe beleza nos ritmos brasileiros. Talvez uma manobra da indústria de música internacional. Que se aproxima o Rock in Rio. Apesar de ser um modismo decadente desde os anos 90, a propaganda vende a ex-Capital do Samba como “capital do rock”.

ole. Argentina roubo

Já tem Copa, apesar da Folha!

 

por Altamiro Borges

.
A Folha bem que tentou, mas não conseguiu melar a Copa do Mundo no Brasil. Com o seu complexo de vira-lata e a sua visão neoliberal de negação do Estado, o jornal da famiglia Frias fez de tudo para criar um clima desfavorável ao torneio. Durante vários meses, sua cobertura foi totalmente negativa e seletiva, enfatizando os atrasos nas obras, os custos da competição e a incapacidade dos brasileiros de organizarem o evento. Sempre avessa aos movimentos sociais, a Folha até criou um “protestômetro” para amplificar os protestos contra a Copa. Em seu editorial desta quinta-feira (12), porém, o jornal finalmente jogou a toalha e anunciou no título, meio a contragosto: “Vai ter Copa”.

.
No fundo, a Folha nunca esteve muito preocupada com os jogos e nem pretendeu combater a paixão nacional pelo futebol. A Copa serviu apenas de pretexto para atacar o governo Dilma – já que o jornal é militante do “posicionamento oposicionista”, conforme confessou Judith Brito, executiva do Grupo Folha e ex-presidente da Associação Nacional dos Jornais (ANJ). Mesmo agora, reconhecendo tardiamente que “Vai ter Copa”, o jornal não abdica da sua posição intransigente contra a presidenta. “Apoiar a seleção brasileira não significa ignorar os muitos problemas do país; o eventual sucesso em campo nada diz sobre os governos”, afirma o rancoroso editorial.

.
No maior cinismo, o jornal afirma que “aquele clima de Copa do Mundo, sensação que ninguém explica, mas todos reconhecem, chegou mais tarde do que em anos anteriores – e muito atrasado em relação ao que seria de esperar sendo o Brasil o anfitrião do evento. Mas chegou. O país do futebol enfim se revela nas bandeiras, ainda um pouco tímidas, que pegam carona nos carros ou se exibem nas janelas”. A Folha só não faz qualquer autocrítica da sua cobertura enviesada, que ajudou a criar este clima “tímido”. “Sem abandonar o espírito crítico, mas reconhecendo a importância do futebol para o país, esta Folha deseja boa sorte à seleção brasileira”. Alguém acredita nesta torcida? (Transcrito do Ficha Corrida)

 

 

 

 

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s