Berlim ganha cemitério só para lésbicas

Segundo fundação responsável, muitas mulheres gostariam de ser enterradas perto de suas namoradas e amigas, reforçando os laços com uma comunidade mesmo após a morte.

The entrance of the cemetery on the border of Mitte and Prenzlauer Berg.  (Vocativ/Joel Stonington)
The entrance of the cemetery on the border of Mitte and Prenzlauer Berg. (Vocativ/Joel Stonington)

cemitério 2

Germany Lesbian Cementery

Escreve Thiago de Araújo

 

É normal casais apaixonados compartilharem o amor e a proximidade até o fim da vida, não é? E por qual razão isso não poderia ser mantido também após a morte? Foi pensando nisso que um grupo dedicado aos interesses das lésbicas intermediou a abertura do primeiro cemitério exclusivo para mulheres homossexuais do mundo. Ele está localizado em Berlim, na Alemanha, e iniciou as suas atividades no domingo 6 último.

Uma área de 400 metros quadrados, localizada no cemitério luterano Georgen Parochial, no bairro de Prenzlauer Berg, passa a oferecer 80 sepulturas para lésbicas que queiram dividir o mesmo pedaço de chão até mesmo depois da morte. A iniciativa foi possível graças a um acordo fechado entre a igreja local, a Associação Safia e a Fundação Sappho, ambas entidades que prestam assistência a mulheres homossexuais.

De acordo com matéria publicada pelo Deutsche Welle, a área do cemitério foi cedida à por um período de 30 anos, em troca da revitalização e manutenção do local. Astrid Osterland, porta-voz da Fundação Sappho, explicou que a iniciativa atende a um anseio comum e antigo de casais que passam uma vida toda unidos, e que querem prolongar essa união, ainda que de maneira simbólica.

“Elas viveram juntas, apoiaram uma a outra, trabalharam juntas e agora que morreram… elas querem estar com suas amigas”, disse Astrid, em declarações reproduzidas pelo site Vocativ. Ela comentou também que a área do cemitério não será usada exclusivamente para enterros, mas também para eventos culturais que honrem as vidas das lésbicas.

A expectativa é de que o local possa receber a visita de mulheres de outras partes do mundo.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s