A tortura um contato erótico

Já escrevi livros de poesia sobre a tortura, presos políticos desaparecidos, sequestro de crianças, cemitérios clandestinos, indústria da morte, maldade, o satanismo de todas as ditaduras.

O líder comunista Gregório Bezerra, preso no pátio do Quartel de Motomecanização em Casa Forte, Recife, em abril de 1964, depois de ter sido torturado, arrastado com cordas no pescoço pelas ruas do Recife. Cenas filmadas e exibidas, na época, pelo Canal 6, dos Associados
O líder comunista Gregório Bezerra, preso no pátio do Quartel de Motomecanização em Casa Forte, Recife, em abril de 1964, depois de ter sido torturado, arrastado com cordas no pescoço pelas ruas do Recife. Cenas filmadas e exibidas, na época, pelo Canal 6, dos Associados

O AGIOTA
 
A cobrança um jogo
que requer paciência
rechego
 
Do agiota a obsessão 

o desfrute da persistência
na perseguição

a destreza
de brincar de gato
coa presa

o prazer de excruciar
matar de pouquinho
devagarinho
como se fosse um carinho 

O agiota suplicia
pelo gosto de sangue

Nos tempos de ditadura
apresenta-se como voluntário à polícia
para servir nos calabouços da tortura

Não é aferro de fanático
O agiota não tem bandeiras
não tem pátria nem deus
O agiota um cadáver que ama os cadáveres
 
A tortura um contato erótico
As lágrimas o sangue
a urina o excremento
são para o sevicia-
dor cheiros sabores
afrodisíacos alimentos
Quanto mais remorseado o corpo
sangrada a carne
intenso o desejo
o prazer 
 
 
 


Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s